A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A prática docente no Ensino Superior Profa. Dra. Noeli Prestes Padilha Rivas FFCLRP/DEDIC/USP Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A prática docente no Ensino Superior Profa. Dra. Noeli Prestes Padilha Rivas FFCLRP/DEDIC/USP Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-"— Transcrição da apresentação:

1 A prática docente no Ensino Superior Profa. Dra. Noeli Prestes Padilha Rivas FFCLRP/DEDIC/USP Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto- USP 2014

2 Educação Superior: espaço social e simbólico

3 Políticas na Educação Superior no Brasil e a Pós-Graduação A docência na Educação Superior e os estudantes universitários Pedagogia Universitária e Aprendizado Docente O campo da docência na Educação Superior

4 Políticas de Educação Superior e a Pós-Graduação Contexto Institucional: Cenário complexo e multidimensional: globalização, fronteiras, intercâmbios, Repercussões de mudanças sociais, políticas, econômicas, culturais Processos de ajuste, de resistência, de improvisação e de alterações (Chauí, 2003; Morosini, 2012; Oliveira e Catani, 2013)

5 Políticas de Educação Superior e a Pós-Graduação Graduação: Desafio de um modelo pedagógico e curricular que instaure equilíbrio entre a performance científica, técnica e tecnológica Um espaço social definidor das expectativas e empregabilidade (estudante) Espaço de status profissional, de onde emergem as necessidades de formação básica, especializada e continuada; capital cultural (Layer, 1996; Zabalza, 2009).

6 Políticas de Educação Superior e a Pós-Graduação Gestão Universitária desafiada a: Melhorar a qualidade de suas ações, considerando- se as imbricações entre o mundo universitário interno e o espaço externo Entrelaçar referências externas a estas perspectivas: as políticas de educação superior, os avanços científicos e tecnológicos, as comunidades e as demandas do mundo do trabalho

7 Políticas de Educação Superior e a Pós-Graduação Plano Nacional de Pós –Graduação (PNPG) - Comissão Especial de Acompanhamento e Elaboração da Agenda Nacional de Pesquisa Temas analisados: Avaliação, Inovação, Internacionalização, Redes e Associações, Inter e Multidisciplinaridade e Educação Básica O PNPG está organizado em cinco eixos: 1. A expansão do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG), a primazia da qualidade, a quebra da endogenia e a atenção à redução das assimetrias. 2. A criação de uma nova agenda nacional de pesquisa e sua associação com a pós- graduação. 3. O aperfeiçoamento da avaliação e sua expansão para outros segmentos do sistema de C,T&I. 4. A multi- e a interdisciplinaridade entre as principais características da pós- graduação e importantes temas da pesquisa. 5. O apoio à educação básica e a outros níveis e modalidades de ensino, especialmente o ensino médio.

8 Plano Nacional de Educação Meta 12: Elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (...) da população de 18 a 24 anos, assegurando a qualidade da oferta Meta 13: Elevar a qualidade da educação superior pela ampliação da atuação de mestres e doutores nas instituições de educação superior para 75%, no mínimo, do corpo docente em efetivo exercício, sendo, do total, 35% doutores Meta 14: Elevar gradualmente o número de matrículas na pós- graduação stricto sensu de modo a atingir a titulação anual de 60 mil mestres e 25 mil doutores.

9 Tensões | Conflitos | Exigências | Pressões | Demandas| … Proletarização Prestação de contas Burocratização Maior controle Avaliação Obrigação de resultados Perda de prestígio Multiplicação de tarefas

10 À medida que há aumento das expectativas e exigências sobre o trabalho dos professores… … observa-se a diminuição das possibilidades práticas dos professores (recrutamento, formação, condições de trabalho, estatuto profissional, prestígio social). BrechaFenda

11 As exigências legais para a atuação no ensino superior Magistério da Educação Superior: Lei 9394/96 e Decreto 2.207/97 Preparação em nível de PG, prioritariamente em programas de M e D stricto sensu

12 A docência no Ensino Superior: o passado Uma formação e um desenvolvimento profissionais alicerçados na experiência ou na investigação A ausência ou a fragilidade das oportunidades de uma formação pedagógica sistemática, cientificamente fundamentada e continuada

13 A docência no Ensino Superior: o presente A exigência de uma formação pedagógica sistemática, cientificamente fundamentada e continuada Uma nova profissionalidade assentada também no compromisso ético, social, cultural e institucional A importância das competências relacionais, sociais e comunicacionais dos docentes

14 São profissionais em formação, com opção profissional definida (ou não) e relacionada ao mundo do trabalho Aluno adulto: inserido na vida social, com acesso à diferentes linguagens, com apropriação de signos e modos de pensar próprios da vida escolar Aluno adulto: sofre de deficiências em seu processo de escolarização, escolha profissional, grau diferenciado de capital cultural, etc.

15 CAMPO DA DOCÊNCIA: ensino, pesquisa e extensão Conteúdos das diversas áreas do saber e do ensino Conteúdos didático- pedagógicos relacionados ao campo da atividade profissional Conteúdos relacionados a saberes pedagógicos mais amplos do campo teórico da prática educacional Conteúdos ligados à explicitação do sentido da existência humana individual, com sensibilidade pessoal e social

16 Os processos interpessoais A construção individual e coletiva como categoria profissional Os elementos didáticos referentes a aprendizagem, numa teia significativa Os processos de ensinagem

17 Campo disciplinar Processos de ensinar e aprender Conhecimento profissional partilhado Aprendizagem colaborativa Pedagogia Universitária Aprendizagem docente

18 Processo Formativo Docente: Natureza Social Constituição profissional: Âmbiência pessoal e institucional Professoralidade: conhecimento pedagógico compartilhado e rede de interações Pedagogia Universitária e Aprendizado Docente

19 Marcelo Garcia(2012): Professor deveria compreender bem a matéria que ensina e ensiná-la de uma forma diferente que aprendeu. Conhecer o conteúdo significa: Conhecê-lo em profundidade Estar mentalmente organizado, ou seja, com informações atualizadas, com conhecimento de diversos pontos de vista e com reflexões amplas sobre as consequências sociais da produção do conhecimento. Utilizar metáforas, ilustrações, explicações sobre a produção textual, etc. (Curso de Direito diferente do Curso de Comunicação, etc). Pedagogia Universitária e Aprendizado Docente

20

21 1. Análise da disciplina: Lógica própria e articulações num quadro- prático global Identificação da disciplina: obrigatória, optativa, introdutória, de fundamentos, de aprofundamentos, especialização, tecnológica, teórica-conceitual, teórico-prática Os elementos didático- pedagógicos

22 2. Análise dos conteúdos do plano disciplinar: Conteúdos essenciais e complementares (conceitos, princípios, leis, nexos e relações determinantes) Níveis de abordagens: introdução, fundamentos, aprofundamentos e complementares Tipologia dos conteúdos: conceituais, factuais, procedimentais e atitudinais (Zabala, Antoni, 1998). Os elementos didático-pedagógicos

23 3. Construção do Programa de aprendizagem Qual a melhor forma de fazer o estudante apreender o conteúdo, seja ele cognitivo, procedimental ou atitudinal? Ensino: ação compartilhada, contrato didático Espaço e compromisso do estudante Os elementos didático-pedagógicos

24 Valorização do domínio do conteúdo pelo docente Superar a visão do conteúdo tomado apenas como quadro científico definido e resultado de pesquisa Tomá-lo como ferramenta de apreensão da realidade do futuro profissional, estudante da graduação Os elementos didático-pedagógicos

25 Programa de aprendizagem: Projeto do curso, estudante e Perfil pretendido Associar os Programas com objetivos, metodologia ativa e estudantes Auxiliar o estudante na construção do projeto pessoal e profissional Associar conteúdos, objetivos, e metodologia Suportes: como fazer, papéis, fontes básicas e complementares Registrar processos efetivados, Sínteses: Acompanhar C Construir contrato de res- ponsabilidades e definição de tarefas

26 OUTROS DESAFIOS Compreensão da necessidade de ruptura com o tradicional repasse Nova visão quanto ao processo de ensino e de aprendizagem e diferenciada ação docente e discente

27 Professor: verdadeiro estrategista no trabalho com conteúdos e processos de apropriação Estuda, seleciona, organiza e propõe as mediações necessárias para apropriação do conhecimento Atua com questionamentos, dúvidas, inserções dos alunos, críticas, resultados incertos, respostas incompletas e perguntas inesperadas

28 Ponto de partida: conhecimentos prévios Estratégias de organização da informação, de compreensão / sistematização dos saberes e para desenvolvimento de competências. Desafio : inserção do estudante como sujeito do processo de apropriação dos saberes, atuando como parceiro e corresponsável, na efetivação do programa de aprendizagem

29 Docência: ação complexa Requer: domínio disciplinar, diálogo com outros campos curriculares, leitura do contexto cultural dos estudantes, construção de profissionalidade, valores, posições políticas e éticas

30 Reforçar as lógicas de cooperação de partilha na profissão docente Recusa da lógica individualista e isolacionista. Recusa da lógica individualista e isolacionista. Cultura profissional | Redes de trabalho | Equipes | Comunidades de prática. Cultura profissional | Redes de trabalho | Equipes | Comunidades de prática. Integração dos mais jovens, professores iniciantes Integração dos mais jovens, professores iniciantes Primeiro estranha-se. Depois entranha-se. Fernando Pessoa


Carregar ppt "A prática docente no Ensino Superior Profa. Dra. Noeli Prestes Padilha Rivas FFCLRP/DEDIC/USP Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google