A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INSUFICIÊNCIA AÓRTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA ADMAR MORAES DE SOUZA 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INSUFICIÊNCIA AÓRTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA ADMAR MORAES DE SOUZA 2011."— Transcrição da apresentação:

1 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA ADMAR MORAES DE SOUZA 2011

2 VALVA AÓRTICA NORMAL

3 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Etiologia Valvar: Valvar: Febre Reumática Endocardite infecciosa Trauma Valva bicúspide Raiz Aórtica: Raiz Aórtica: Dilatação do anel Dissecção aórtica Necrose cística da média Aortite sifilítica Espondilite anquilosante

4 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Etiologia Valvar: Reumática Valvar: Reumática

5 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Etiologia Valvar: Bicúspide Valvar: Bicúspide

6 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Etiologia Valvar: Endocardite infecciosa Valvar: Endocardite infecciosa

7 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Etiologia Raiz aórtica : Dilatação Raiz aórtica : Dilatação

8 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Fisiopatologia ( I ) Sobrecarga de volume = Hipertrofia excêntrica Replicação dos sarcômeros em série Alongamento de fibras Espessamento das paredes: relação parede/ cavidade é mantida cavidade é mantida Maiores corações: cor bovis

9 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Fisiopatologia ( II ) VE = bomba de alta complacência grandes volumes, pequena elevação pressão grandes volumes, pequena elevação pressão Quando função deteriora: - Volume diastólico final - Volume diastólico final - Volume sistólico final - Volume sistólico final - Fração de ejeção - Fração de ejeção - Relação parede / cavidade - Relação parede / cavidade - Tensão sistólica na parede - Tensão sistólica na parede

10 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Fisiopatologia ( III ) Balanço O 2 Miocárdico Balanço O 2 Miocárdico Pode haver isquemia sem DAC Pode haver isquemia sem DAC Consumo de O 2 = Massa do VE Consumo de O 2 = Massa do VE Oferta O 2 = Fluxo coronário diastólico Oferta O 2 = Fluxo coronário diastólico ( PA diastólica, perfusão ( PA diastólica, perfusão

11 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Regurgitação aórtica Volume VE Volume ejeção Pdiast. da Ao Vol.Ejet. Efetivo Massa VE Disfunção VE MVO 2 Miocárdio Tempo ejeção VE Oferta O 2 miocárdio Isquemia Miocárdica Falência do VE Pressão sistólica Tempo Diastólico PD 2 VE Dispnéia

12 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA AGUDA VE não adaptado VE não adaptado Vol. Ejeção não aumenta rapidamente Vol. Ejeção não aumenta rapidamente PD 2 VE PD 2 VE PD 2 VE > PAE = Fechamento mitral prematuro

13 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA AGUDACRÔNICA

14 Clínica Clínica - Pulso em martelo d`água ( Corrigan) - Pulso em martelo d`água ( Corrigan) - PA diferencial ampla - PA diferencial ampla - Sinais p/ aumento da pressão de pulso: - Sinais p/ aumento da pressão de pulso: -- Musset = cabeça balança -- Musset = cabeça balança -- Traube = tiros de pistola na art. femural -- Traube = tiros de pistola na art. femural -- Müller = pulsação da úvula -- Müller = pulsação da úvula -- Duroziez = Compressão art. femural proximal sopro -- Duroziez = Compressão art. femural proximal sopro sistólico e diastólico. sistólico e diastólico. -- Quincke = pulsações capilares ( lâmina de vidro ou -- Quincke = pulsações capilares ( lâmina de vidro ou transiluminação nos dedos. transiluminação nos dedos.

15 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Exame Físico Exame Físico Pulso de Corrigan

16 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Exame Físico - Ausculta ( I ) Exame Físico - Ausculta ( I ) - Sopro diastólico precoce, decrescendo, - Sopro diastólico precoce, decrescendo, alta frequência. alta frequência. - Severidade da lesão se relaciona mais - Severidade da lesão se relaciona mais com duração que intensidade do sopro. com duração que intensidade do sopro. - Sopro de Austin-Flint. - Sopro de Austin-Flint. - Sopro sistólico de hiperfluxo. - Sopro sistólico de hiperfluxo.

17 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Ausculta ( I ) Exame Físico

18 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Exame Físico - Ausculta ( I I ) Exame Físico - Ausculta ( I I ) - Aumentam o sopro ( aumento da PA ) - Aumentam o sopro ( aumento da PA ) -- Vasopressores -- Vasopressores -- Cócoras -- Cócoras -- Exercício isométrico -- Exercício isométrico - Diminuem o sopro ( redução da PA ) - Diminuem o sopro ( redução da PA ) -- Nitrito de amilo -- Nitrito de amilo -- Fase de esforço na M. Valsalva -- Fase de esforço na M. Valsalva

19 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Exames Complementares Exames Complementares - Eletrocardiograma - Eletrocardiograma - RX de Tórax - RX de Tórax - ColorDopplerecocardiograma - ColorDopplerecocardiograma - Cateterismo cardíaco - Cateterismo cardíaco

20 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA Eletrocardiograma Eletrocardiograma

21 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA RX de Tórax PA

22 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA RX de Tórax Perfil

23 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA ColorDopplerecocardiograma-Refluxo aórtico leve

24 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA ColorDopplerecocardiograma-Refluxo aórtico severo

25 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA ColorDopplerecocardiograma Refluxomoderado

26 ColorDopplerecocardiograma Refluxosevero

27 Estudo Hemodinâmico

28 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA CRÔNICA Tratamento ( I ) Tratamento ( I ) Leve a moderada = acompanhamento p/ Leve a moderada = acompanhamento p/ clínica e Eco ( meses ). clínica e Eco ( meses ). Profilaxia de endocardite infecciosa. Profilaxia de endocardite infecciosa. Evitar esportes vigorosos. Evitar esportes vigorosos. Tratar hipertensão diastólica Tratar hipertensão diastólica

29 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA CRÔNICA Tratamento ( I I ) Tratamento ( I I ) Lesão severa = Lesão severa = - Assintomático, função do VE normal= - Assintomático, função do VE normal= Conservador. Conservador. - Sintomático, função do VE = Cirúrgico. - Sintomático, função do VE = Cirúrgico.

30 Insuficiência Aórtica Crônica Severa Tratamento Tratamento Assintomáticos: Regra 55 Bom desfecho - Diâmetro sistólico final (DSF) < 55mm - Fração de ejeção do VE > 55% - Fração de ejeção do VE > 55% DSF < 40mm Improvável disfunção do VE em 2anos ( acompanhamento ECO cada 2 anos) ( acompanhamento ECO cada 2 anos) DSF > 40 e 40 e < 50mm ECO anual. DSF > 50 e 50 e < 55mm ECO cada 6 meses.

31 Insuficiência Aórtica Crônica Severa Tratamento: Assintomático e FE VE normal Tratamento: Assintomático e FE VE normal Sconamiglio e col. N. Engl. J. Med., 331: , ±6% 15±3%

32 Insuficiência Aórtica Crônica Severa Tratamento: ESTRATÉGIA TOTAL Tratamento: ESTRATÉGIA TOTAL Sintomas DSF FE Ação Nenhum 55% Iniciar vasodil. observar observar Sim 55% Avaliação adicional Nenhum 55 ou < 55% Avaliação adicional Sim 55 ou < 55% Avaliação adicional

33 INSUFICIÊNCIA AÓRTICA AGUDA Tratamento Tratamento Em geral é severa e exige tratamento Em geral é severa e exige tratamento cirúrgico. cirúrgico. Na espera = inotrópico ( Dopa, Dobutamina) Na espera = inotrópico ( Dopa, Dobutamina) e Vasodilatador ( nitroprussiato) Vasodilatador ( nitroprussiato) Endocardite infecciosa = Antibiótico Endocardite infecciosa = Antibiótico intensivo por dias. intensivo por dias.


Carregar ppt "INSUFICIÊNCIA AÓRTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA ADMAR MORAES DE SOUZA 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google