A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As Morais Empresariais As Morais Empresariais Filipe Ribeiro Rafael Alcântara Rilke de Azevedo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As Morais Empresariais As Morais Empresariais Filipe Ribeiro Rafael Alcântara Rilke de Azevedo."— Transcrição da apresentação:

1 As Morais Empresariais As Morais Empresariais Filipe Ribeiro Rafael Alcântara Rilke de Azevedo

2 A ambivalência Empresarial Significado de Ambivalência: Caráter daquilo que possui dois aspectos radicalmente diferentes, opostos até. / Psicologia Simultaneidade de dois sentimentos opostos. Dicionário Aurélio.

3 A ambivalência Empresarial

4 Interesses dispares de Stakeholders = Escolha de aliados para batalhar Qual o Poder de fogo? CACIFE POSITIVO: AGREGAÇÃO DE VALOR CACIFE NEGATIVO: CAPACIDADE DE RETALIAÇÃO Acionistas, gestores, clientes, trabalhadores qualificados. Fornecedores, sindicatos, concorrentes, credores, mídia, comunidade local, autoridades. São tratados com suavidade por razões estratégicas. Tendem a ser driblados por conveniência.

5 A ambivalência Empresarial Na busca pela rentabilidade e perenidade nas economias competitivas, os empresários ficam a merê de um JOGO de forças que os obriga a estabelecer DISTINÇÕES entre os vários STAKEHOLDERS.

6 A ambivalência Empresarial Reações adversas: Grupo1) Age-se com correção ou idoneidade. Grupo 11) Empresas se valem das brechas existentes na lei ou de sua fraca articulação.

7 A Moral da Parcialidade Discurso seletivo que adota normas mistas de conduta porque não se furta de justificar conveniências oportunistas nas relações com os outros( os sem cacife), embora exija lealdade nas relações pessoais( os aliados de batalha).

8 A Moral da Parcialidade e o Brasil: Getúlio Vargas em: A integridade particularista. Para amigos tudo, para inimigos nada, para os indiferentes a lei.

9 A Moral da Parcialidade Quais as consequências de saber adaptar- se ou jogo de cintura? 1- Prevalência do particularismo; 2- O jeito minuncioso de justificar ações do pessoal mais chegado. 3- O respeito exclusivo as regras que interessam.

10 A Moral da Parcialidade Exemplos: -Um empregado que usa o carro e o celular da empresa, MAS é o melhor vendedor. -Um empresário que sonega sim, MAS gera muitos empregos e já paga impostos demais por isso. -Rouba MAS faz

11 A Moral da Parcialidade Exemplo Moral da Parcialidade & Moral do sucesso Norte-Americana

12 A Moral da Parcialidade 1)Mito da amoralidade – neutralidade: Não é nada pessoal, são só negócios. 2)Mito da imoralidade dos negócios – sujos: Para ganhar dinheiro é preciso sujar as mãos.

13 A Moral da Parcialidade Exemplo: 1,1bilhão – 860 milhões = 240 milhões

14 A Moral da Parcialidade Frases que caracterizam a Moral da Parcialidade: - -"todo mundo faz isso - -"só os espertos tem vez - -"deixa de conversa fiada - -"se nós não fizermos, outros farão

15 A Moral da Parcialidade Exemplo:

16 A Moral da Parcialidade Práticas da Moral da Parcialidade: Fazer acreditar que escolhas são feitas para o bem dos outros, enquanto estão lhe favorecendo; Adotar postura de favorecer os amigos; Cultivar a troca de favores; Considerar oportunismo sinônimo de habilidade.

17 A Moral da Parcialidade Exemplo:

18 A Moral da Parcialidade Exemplo:

19 O Imaginário em Transição A partir da década de 1990 Em alta: Trabalho Esforço Mérito Prosperidade Aplicação universal das regras Em baixa: Jeitinho brasileiro

20 O Imaginário em Transição É necessário esforçar-se nos estudos e trabalho segundo 72,8% dos estratos mais ricos e 63,5% dos estratos mais baixos; Em contraste: 5,1% das classes A e B e 7,5% dos estratos C, D e E acreditam que o sucesso pode ser alcançado sendo honesto e dedicado. Exemplo:

21 O Imaginário em Transição - Entre 1900 e 1970 em torno de 58%; - Entre 1973 e 1996 em torno de 63%; - Estrutural X Circular; - Metrópoles X Interior; - Motores da mobilidade ascendente: 75% educação e 20% herança paterna Exemplo:

22 O Imaginário em Transição

23 - Agências de defesa do consumidor; - Mídia; - Organizações da sociedade civil. Tacape da retaliação :

24 O Imaginário em Transição Não há governantes 'honestos'; há governantes que se mantêm 'honestos' pela vigilância pública. (Otavio Frias Filho).

25 O Imaginário em Transição Ambiguidades Congênitas: Tradições Históricas e Influência Católica X Ética da Responsabilidade

26 O Imaginário em Transição Ambiguidades Congênitas: Moral da Integridade X Moral do Oportunismo

27 Moral da Parceria Ideias: Negócios são acordos que beneficiam as várias partes. Inspira-se pela Ética da responsabilidade. Tem caráter altruísta.

28 Moral da Parceria Objetivos: - Criticar a miopia imediatista. - Valorizar as relações de fidelidade. - Manter relações de convergência e de confiança recíproca. - Distribuição equitativa dos ganhos. - Tratamos bem os que tem maior cacife.

29 Moral da Parceria Características das transações contratuais: - Garantias. - Transparências. - Compartilhamento de informações. - Inovação tecnológica de forma conjunta.

30 Moral da Parceria O serviço de atendimento não deve apenas agradar ao consumidor; deve ser capaz de gerar mudanças nos produtos e nos processos da empresa. Exemplo:

31 Moral da Parceria Preservando sua reputação.

32 Moral da Parceria Pontos Relevantes: - A moral da parceria encontra-se em construção. - Cidadania empresarial ( responsabilidade social + mundo competitivo) - Parceirização - A busca de parcerias é a chave para promoção do investimento social

33 Morais Empresariais Dúvidas

34

35


Carregar ppt "As Morais Empresariais As Morais Empresariais Filipe Ribeiro Rafael Alcântara Rilke de Azevedo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google