A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Multiplicadores: Suporte Técnico: Coordenador: Angélica Gago da Costa Eliane de Medeiros Ramalho Márcia Cristina Coelho de Almeida Maria Luiza Macedo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Multiplicadores: Suporte Técnico: Coordenador: Angélica Gago da Costa Eliane de Medeiros Ramalho Márcia Cristina Coelho de Almeida Maria Luiza Macedo."— Transcrição da apresentação:

1

2 Multiplicadores: Suporte Técnico: Coordenador: Angélica Gago da Costa Eliane de Medeiros Ramalho Márcia Cristina Coelho de Almeida Maria Luiza Macedo de Almeida José Francisco da Silveira Júnior Paulo Roberto Armond Suporte Administrativo: Bianca Valéria Pinheiro Delfino dos Santos Rosângela Ferreira Chagas Júnia Ramalho Teixeira

3 O NTE de São Pedro da Aldeia teve sempre como centro de suas preocupações ajudar o professor a integrar as novas tecnologias da informação e da comunicação à sua prática pedagógica. Os cursos presenciais foram a etapa inicial, mas a semente da EAD nascia através dos cursos com que o grupo entrava em contato...

4

5 Tendo em vista aproveitar os recursos de Internet no Ensino a Distância, o multiplicador/técnico Júnior inicia o desenvolvimento do projeto “Laboratório Virtual”, que começa a funcionar no final de 2003.

6 Poder modificar sua estrutura em função de cada curso que se realiza, adaptando-a a partir das alterações propostas pelos cursistas e tutores.

7 Curso de capacitação de professores sobre Manutenção de Laboratórios de Informática Educativa; Formação de grupo para troca de experiências pela Internet relacionadas à informática na educação; Pesquisa sobre como fazer um curso semipresencial com uso significativo das ferramentas de Internet.

8 30(trinta) professores responsáveis pelos laboratórios de Informática Educativa em suas escolas; Equipe de 5 (cinco) multiplicadores.

9 1. Que meios podem ser utilizados para estimular a comunicação e interação entre um grupo pela Internet, estabelecendo relações de troca de experiências e proporcionando possibilidades para construção de conhecimento acerca de um tema determinado? 2. Como propor desafios para as atividades a distância, orientando o cursista a trabalhar todo o material do conteúdo programático do curso?

10 3. Como orientar as tarefas pela Internet de forma que o cursista trabalhe a carga horária pré-estabelecida para a parte não presencial? 4. De que forma cada ferramenta de Internet pode ser utilizada para facilitar este trabalho e permitir interação entre o grupo?

11 5. Como acompanhar e avaliar o desempenho de cada integrante do grupo no que se refere ao tempo dedicado ao curso e sua efetiva participação? 6. Qual a carga horária semanal que cada orientador precisará dispor para trabalhar no NTE com ensino semi-presencial? 7. Qual a quantidade ideal de alunos que cada turma semi-presencial deve ter, de forma a tornar viável esta modalidade de ensino no NTE?

12 · Utilizar ferramentas de Internet de forma significativa na realização de curso semipresencial,avaliando sua contribuição efetiva no contexto do desenvolvimento de um curso real sobre “Manutenção de Laboratórios – Software”; · Descobrir meios de orientar atividades pela Internet tendo em vista uma carga horária de efetivo trabalho a partir de conteúdo programático estabelecido. · Avaliar carga horária semanal necessária para trabalho eficiente dos orientadores e assistentes; · Criar mecanismos de acompanhamento e critérios para avaliação do desempenho de cada cursista.

13 Blog realizado para avaliação do curso: “O Curso Laboratório Virtual foi muito bom e importante para minha capacitação. Aprendi muito, tive novas idéias, sugestões importantes para administrar o Laboratório de Informática. Estamos produzindo um cd com programas pesquisados por todos os cursistas sobre software educativo gratuito e poderemos usá-lo nas escolas em que trabalhamos.” Denise Domingues Moreira da Silva Colégio Estadual Almirante Tamandaré

14

15 O sucesso do Laboratório Virtual junto aos professores responsáveis pelos laboratórios da região, levou o grupo do NTERJ10 a organizar novos cursos para a plataforma:

16 Objetivo: Discutir a práxis pedagógica que envolve o desenvolvimento de projetos na escola, bem como o uso das novas tecnologias em sua implementação.

17 Objetivos: Utilizar blogs como ambiente de aprendizagem no cotidiano escolar dando suporte aos projetos (ou atividades) desenvolvidos (as) na escola; Discutir as possibilidades de utilização do blog na educação Refletir sobre a utilização da linguagem e políticas de uso do blog. Conhecer os recursos que a ferramenta blog oferece como também formas de sua utilização (diário de bordo, publicação de trabalhos, comentários a trabalhos dos colegas) no processo de ensino-aprendizagem.

18 Objetivos: Discutir o uso das novas tecnologias de informação no ensino-aprendizagem da Língua Portuguesa. Pesquisar e trocar informações sobre software e sites voltados para o estudo da Língua Portuguesa. Refletir sobre a questão da pesquisa na escola com o advento da era da informação e da ferramenta “copiar e colar”.

19 Objetivos: Construir jogos eletrônicos no Excel, que possam ser desenvolvidos ou trabalhados com seus alunos para fomentar a criatividade e a aprendizagem. Discutir como a criação e a utilização de jogos no Excel pode auxiliar no processo de ensino/aprendizagem. Explorar os recursos do Excel no desenvolvimento de jogos educativos.

20

21 A Secretaria do Estado do Rio de Janeiro realiza um curso de capacitação para os Orientadores Tecnológicos, utilizando a plataforma do e-Proinfo. O curso de “Capacitação em Tecnologia Educacional” é semi-presencial.

22 Objetivos: Capacitar professores da Rede Estadual do Rio de Janeiro para atuarem como Orientadores Tecnológicos nos laboratórios de Informática Educativa das escolas; Orientar os Coordenadores Pedagógicos das escolas no sentido da integração das mídias na prática pedagógica dos professores e da importância do trabalho conjunto com os Orientadores Tecnológicos.

23 Seguindo os passos da linha em que foi construído o Laboratório Virtual em 2003, a multiplicadora Márcia Almeida constrói o MIRANTE...

24 A partir dos contatos iniciais com o DOSVOX, numa parceria com a UFRJ e o Prof. Antônio Borges, iniciam-se capacitações presenciais de DOSVOX para professores que trabalham com Educação especial no NTERJ10.

25 No intuito de atingir a um público maior de professores interessados em DOSVOX e a partir do desejo de proporcionar acessibilidade ao mundo de informação da internet às pessoas portadoras de deficiência visual, a idéia da nova plataforma EAD surge com toda força. E novos cursos, agora voltados para a Educação Inclusiva, são oferecidos...

26 Objetivos: Capacitar multiplicadores de NTE e Professores na utilização dos recursos básicos do Sistema Dosvox, discutindo sua utilização por pessoas portadoras de deficiência visual.

27 Objetivos: Capacitar profissionais de Educação na identificação da Dislexia entre alunos que apresentem deficiência de aprendizagem; Promover reflexões e discussões sobre a importância da inclusão de alunos com problemas de aprendizagem;

28 Objetivos: Proporcionar ao profissional subsídios que possibilitem a implementação de um trabalho direcionado a alunos dislexos, visando o desenvolvimento cognitivo dos mesmos; Viabilizar a integração de alunos dislexos ao grupo, através de orientações para ações eficazes do professor, buscando apoio numa equipe multidisciplinar e na família; Mobilizar os participantes do curso para a solução de problemas que envolvam estes alunos.

29 Essa é a nossa breve história de...

30 E continuamos à busca de novos desafios, pois...


Carregar ppt "Multiplicadores: Suporte Técnico: Coordenador: Angélica Gago da Costa Eliane de Medeiros Ramalho Márcia Cristina Coelho de Almeida Maria Luiza Macedo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google