A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diagnóstico do carcinoma gastrointestinal pela detecção plasmática da heparanase AC. GIOVANNA CANATO TOLOI ORIENTADOR: PROF. DR. JAQUES WAISBERG VII CICI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diagnóstico do carcinoma gastrointestinal pela detecção plasmática da heparanase AC. GIOVANNA CANATO TOLOI ORIENTADOR: PROF. DR. JAQUES WAISBERG VII CICI."— Transcrição da apresentação:

1 Diagnóstico do carcinoma gastrointestinal pela detecção plasmática da heparanase AC. GIOVANNA CANATO TOLOI ORIENTADOR: PROF. DR. JAQUES WAISBERG VII CICI – VII Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

2 INTRODUÇÃO

3 Introdução Carcinomas gastrointestinais ◦Alta incidência ◦Alta morbidade ◦Alta mortalidade ◦Principais causas de morte relacionadas ao câncer ◦Metástases ◦Principal causa de morte em doentes com tumor

4 Introdução Metástase Mecanismo ◦Interação entre matriz extracelular e membrana basal ◦Membrana basal: colágeno tipo IV, laminina e proteoglicanos de heparan sulfato ◦Invasão: metaloproteinases e enzimas (heparanase)

5 Introdução Heparanase ◦Endo-beta-glucuronidase ◦Degradação da cadeia de proteoglicanos de heparan sulfato ◦Efeito modulador multifuncional das células neoplásicas ◦Papel na progressão de tumores do esôfago, estômago e cólon ◦Expressão relacionada ao prognóstico do carcinoma gastrointestinal

6 Introdução Heparanase-1 (HPSE1) e Heparanase-2 (HPSE2) ◦Codificadas por genes diferentes ◦Distribuição tecidual e celular distintas ◦Identidade global: 35%

7 Introdução ◦HPSE1 ◦Associada ao aumento potencial dos tumores e metástases ◦Formas ◦Superficie celular ◦65kDa ◦Proteína percusora sem atividade enzimática aparente ◦Enzima ativa ◦50kDa ◦Enzima madura

8 Introdução ◦HPSE2: papel clínico pouco elucidado ◦Sem atividade enzimática ◦Poucos dados sobre funções no desenvolvimento tumoral

9 Introdução Catepsina B ◦proteinase cisteina lisossômica ◦alguns estudos: superexpressão desta enzima em tumores malignos ◦pode facilitar a invasão por dois processos: ◦degradação direta dos componentes da matriz extracelular ◦ativação de outras proteases

10 MÉTODO

11 Critérios de elegibilidade Idade ≥ 18 anos Diagnóstico histopatológico confirmado de carcinoma gastrintestinal Sem quimioterapia ou radioterapia Sem tratamento prévio de outra neoplasia Ausência de doença aguda associada

12 Pacientes ◦Grupo Paciente: 21 indivíduos operados de carcinoma gastrointestinal primário sem doença metastática ◦16 (76,2%) homens e 5 (23,8%) mulheres ◦Média de idade: 68,7 ± 10,0 anos (50 a 82 anos) ◦Grupo Controle: 43 indivíduos saudáveis ◦32 (74,4%) homens e 11 (25,6%) mulheres ◦Média de idade: 52,9 ± 5,0 anos (46 a 65 anos)

13 Distribuição pela localização

14 Distribuição pelo grau de diferenciação

15 Método Amostras de plasma e de células mononucleares de ambos os grupos de indivíduos Proteínas HPSE1 e HPSE2 identificadas e quantificadas pelo método Western Blot Expressão de mRNA analisada com PCR tempo real Atividade enzimática da HPSE1 mensurada com heparan sulfato biotinilado e ensaio de ELISA-like • Atividade da Catepsina B foi mensurada por espectrofluorometria e os estudos foram feitos triplicados

16 Resultados

17

18

19 Atividade Catepsina B

20 Conclusão

21 Houve um aumento significativo na atividade enzimática da HPSE1 e Catepsina B no plasma do grupo paciente. Este estudo com teste de plasma e sangue não invasivo demonstrou a superexpressão das isoformas combinadas de HPSE1 e HPSE2 no carcinoma gastrointestinal como também um aumento da atividade da HPSE1 e da Catepsina B. Estes resultados, combinados com os resultados de outros estudos são encorajadores para investigar sua possível contribuição para diagnóstico e tratamento do carcinoma gastrointestinal.


Carregar ppt "Diagnóstico do carcinoma gastrointestinal pela detecção plasmática da heparanase AC. GIOVANNA CANATO TOLOI ORIENTADOR: PROF. DR. JAQUES WAISBERG VII CICI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google