A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1. A situação laboral das mulheres nas bibliotecas portuguesas é um tema que me é muito caro pois há xx anos que trabalho em bibliotecas e experienciado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1. A situação laboral das mulheres nas bibliotecas portuguesas é um tema que me é muito caro pois há xx anos que trabalho em bibliotecas e experienciado."— Transcrição da apresentação:

1 1

2 A situação laboral das mulheres nas bibliotecas portuguesas é um tema que me é muito caro pois há xx anos que trabalho em bibliotecas e experienciado e vivido as dúvidas, as incertezas, as esperanças e as alegrias do que é trabalhar de e para a comunidade, do que é ser mulher num contexto de trabalho em que quem dita as regras são os homens (ou mulheres que lhes aprenderam os gestos e as maneiras…). Por esta ser uma profissão maioritariamente feminina, é impossível deixar de notar no dia-a-dia o esforço que todas fazem para conjugar as exigências desta que é uma profissão cada vez mais técnica e exigente com as suas vidas pessoais, algo que de resto deverá ser extensível a muitas outras profissões que sejam exercidas na maioria por mulheres. Procurei perceber um pouco melhor os contornos desta realidade, na perspetiva de que, conhecendo as causas é possível ajudar a melhorar os efeitos, deste que não deixa de ser um desequilíbrio de representação de homens e mulheres nas várias estruturas das quais se compõem a biblioteconomia. Este desequilíbrio, se optarmos por assumir que de facto existe, manifesta-se das mais diversas formas. Considerando que homens e mulheres têm um contributo válido a dar quer para a estrutura técnica quer para a estrutura decisional, podemos e devemos fazer muito mais para que as Ciências da Informação sejam um espaço de encontro de competências e que tenham uma valorização social equiparada a outras ciências afins que porventura têm sabido gerir melhor a diferença e conquistar um lugar nos mecanismos de recompensa social. 2

3 3

4 “The world is made up of great divides - divides of nations, wealth, race, religion, education, class, gender, and sexuality - all constructs created by human agency.” ( Epstein, 2007, p.19) Limites da desigualdade na profissão de bibliotecária 4 Feminização Desvalorização profissional Dicotomização Limites à progressão na carreira e acesso a cargos dirigentes Avanços e Recuos Aquilo que se espera ser o papel dos agentes produtivos tem as suas fronteiras delimitadas pela “ética”, sendo esta ética em grande parte a ética produtiva com reflexos na esfera laboral Desvalorização em função da idade

5 1 2 3 Objectivo Geral 4 5 5

6 6

7 7

8 8 Huntington (1996) A Desigualdade de género MEADOWS (1998) Demarcação profissional e divisão social do trabalho LARSON (1977) Territórios profissionais e matrizes de competências WHITE (2006) Hierarquização de funções e estruturas de liderança ONU Inserção profissional feminina HILDERBRAN D (2000) Ideologia de género em contexto profissional OCHÔA & GASPAR (2006) Percursos de entrada na profissão (em Portugal) +

9 9 Mainstreaming de Género

10 10 Fonte: OCDE, Emploment Outlook 2004, com base no European Labour Survey (adaptado)

11 11 Fonte: OCDE, 2000

12 12

13 13 Baixos salários Baixo reconhecimento social da profissão Crescente complexidade Formação Presença na hierarquia Realização profissional

14 Questionário a profissionais Amostra: 176 profissionais de biblioteconomia 14 Entrevistas a mulheres bibliotecárias Amostra: 31 mulheres bibliotecárias Questionário Estudantes Amostra: 49 estudantes de Ciências da Informação

15 15

16 16

17 17

18 18

19 19 Pessoas mais novas que fizeram a sua opção de carreira com base na saída profissional. Estão atualmente inseridas na carreira técnica e afirmam não estar totalmente felizes na sua profissão. Pessoas que fizeram uma opção pela profissão por vocação e depois de terem tido experiência profissional. Traectória pessoal mais consolidada, participam em pelo menos uma associação profissional e declaram-se felizes na profissão que escolheram.

20 20

21 21 Perfil Assertivo «Eu acho que deveria …»; «Para mim…»; «Não vejo as coisas nesses termos, penso que…» «Temos que ser ambiciosas e lutar por aquilo que desejamos…» Autonomia Assertividade Dinamismo Perfil Resignação «A sociedade é assim…» «Espero que as mentalidades mudem…» «O machismo social dominante na sociedade…» Mainstreaming social Conformismo Perfil Pessimista «… as pessoas esgotam-se nos trabalhos de rotina e não são estimuladas para fazer trabalho de investigação …» «Triunfar?! Penso que os técnicos nunca triunfam, porque os políticos não deixam…» Descrença Indiferença

22 22 AssertividadeResignaçãoPessimismo Aspeos de realização profissional Ambições profissionais Planeamento da carreira Reação à discriminação Motivos da desigualdade de oportunidades entre mulheres e homens Dificuldades na vida profissional das mulheres Forma de lidar com pressões políticas Forma de lidar com conflitos com colegas de trabalho Capacidades e atitudes femininas e êxito profissional das mulheres

23 23 O QUE DIZ A LITERATURA…O QUE DIZEM AS MULHERES… Discriminação Contradição entre a auto perceção da discriminação e a discriminação efetiva Mulheres dizem-se sobrecarregadas no seu quotidiano mas afirmam nunca ter sentido discriminação de género exercida sobre si Escolha da profissão A profissão de bibliotecária como um serviço social “Contribuir para o bem da comunidade”; “Poder, de alguma forma, agir para que a minha comunidade tivesse acesso à informação a aos bens culturais” “Realizar uma atividade do meu agrado” “Por uma questão de Realização Profissional”. Valorização Profissional Auto culpabilização pelo facto de a profissão não ser devidamente valorizada. “O trabalho que realizei é visível mas não reconhecido pela direção superior da instituição” “… no atual local de trabalho não antevejo perspetivas de evolução”.

24 24 O QUE DIZ A LITERATURA…O QUE DIZEM AS MULHERES… Planeamento da trajetória profissional … devido a fatores de dificuldade de acesso ao mercado de trabalho … à vontade de desempenhar funções que lhes dessem realização pessoal mais do que realização material Mulheres afirmam que a entrada na profissão se deveu ao gosto em desenvolver um trabalho comunitário. Suporte familiar e atividade profissional Compatibilização das atividades de suporte familiar e doméstico tendem a ser conjugadas com ocupações profissionais em regime de part- time ou de baixa posição hierárquica. Todas as mulheres referiram sentir-se sobrecarregadas pela combinação das exigências laborais e familiares. Este aspeto não é porém associado a qualquer fator de discriminação em particular (sendo mesmo encarado quase como uma inevitabilidade). Acesso à estrutura decisional Exclusão da esfera decisional Auto anulação Maioria das mulheres remeter-se a uma posição de auto anulação por estar consciente de que uma vez chamada a dar um contributo permanente e ativo em termos decisionais, a sobrecarga familiar a impediria de estar disponível a todo o tempo para responder a esse tipo de exigência.

25 Atitudes 1= menos imp. ….. 5= mais imp. DIFERENÇAS ESTATISTICAMENTE SIGNIFICATIVAS NAS RESPOSTAS FEMININAS E MASCULINAS: Boas relações com os superiores O trabalho encaixa na minha vida pessoal Tranquilo Trabalho com prestígio

26 Valores 1= menos imp. ….. 5= mais imp. DIFERENÇAS ESTATISTICAMENTE SIGNIFICATIVAS NAS RESPOSTAS FEMININAS E MASCULINAS: Liberdade Alegria

27 27 todos os homens se posicionaram no grupo, associado principalmente aos valores pragmáticos um terço das mulheres posicionou –se no grupo em que há menor consenso e que apresenta uma maior diferença relativa entre valores subjetivos e pragmáticos Valores: predomina o efeito cultural Distinguem-se dois tipos de valores: subjetivos e pragmáticos Em ambos os grupos de estudantes encontrados são mais valorizados os valores pragmáticos

28 28 Atitudes: espaço de representações com significados distintos Distinguem-se três tipos de atitudes: Colaboração, Responsabilização e Partilha Ambiente de Trabalho e Reconhecimento Ambição, Reflexão e Espírito Analítico Existe heterogeneidade mas as mulheres valorizam mais cada um das tipologias de atitudes encontradas

29 Hip 1. Condicionantes de género vs Percurso profissional Hip 2. Repercussões do padrão de feminização no desempenho profissional a.barreiras institucionais foram largamente ultrapassadas, o mesmo não se aplica às barreiras invisíveis b.percurso profissional foi realizado à custa de fatores de ordem pessoal: a atual inserção laboral despende em grande parte da atitude adotada face aos condicionalismos do percurso profissional c.trajetórias pessoais e profissionais específicas, bem como a valorização individual da profissão, contribuem para a inserção laboral d.desigualdade de género encarada de uma forma pragmática e assertiva ou como um mal da sociedade que se espera que sejam as outras gerações a mudar 29 a.afluência de mulheres à profissão de bibliotecária potenciou a sua feminização e persistência do sexo masculino nos cargos de direção b.O imobilismo e a inércia organizacionais contribuíram para perpetuar algumas das desigualdades que marcaram o início da feminização de certas profissões, nomeadamente na biblioteconomia c.os fatores atitudinais que englobam aspetos de colaboração, responsabilização e partilha e que valorizam uma boa atitude perante o ambiente de trabalho e o reconhecimento, estão mais fortemente correlacionados com os valores subjetivos d.atitudes de carácter racional que englobam aspetos de ambição, reflexão e espírito analítico estão mais fortemente relacionadas com aqueles que se designou de valores pragmáticos

30 Hip 3. perfil de inserção laboral marcado por um fraco auto-conceito profissional. Hip 4. Estratégias dos futuros profissionais condicionadas pelas limitações da atividade a.a reduzida valorização profissional desta atividade surge para os seus profissionais ligada à sua invisibilidade social, bem como à forma como os agentes entendem que esta tem um papel secundário na economia b.as mulheres construíam o seu novo enquadramento profissional e apreenderam novos papéis sociais, delimitados por aspetos normativos de grande relevância c. há um sentimento generalizado por parte de atuais e futuros profissionais de que a profissão não é suficientemente valorizada 30 a.à medida que vão progredindo na sua formação os estudantes vão-se tornando mais reativos aos possíveis constrangimentos que perspetivam encontrar ao longo da sua profissão b.a atividade profissional que interessa a uma maior percentagem de alunos do primeiro ano é aquela que agradaria a uma menor percentagem de estudantes do terceiro - trabalhar num arquivo administrativo (sector público) c.À medida que progridem no curso, os estudantes vão-se identificando mais com ele e revelam-se menos disponíveis para eventuais desistências, apesar do sentimento de que a profissão não é suficientemente valorizada

31 31

32 32

33 33 Muito Obrigado VIVA A MULHER


Carregar ppt "1. A situação laboral das mulheres nas bibliotecas portuguesas é um tema que me é muito caro pois há xx anos que trabalho em bibliotecas e experienciado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google