A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

George Siemens Peter Tittenberger. FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DAS PEDAGOGIAS E AMBIENTES EMERGENTES OBJECTIVOS: Aprofundar o conhecimento sobre Fundamentos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "George Siemens Peter Tittenberger. FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DAS PEDAGOGIAS E AMBIENTES EMERGENTES OBJECTIVOS: Aprofundar o conhecimento sobre Fundamentos."— Transcrição da apresentação:

1 George Siemens Peter Tittenberger

2 FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DAS PEDAGOGIAS E AMBIENTES EMERGENTES OBJECTIVOS: Aprofundar o conhecimento sobre Fundamentos Conceptuais das Pedagogias e Ambientes Emergentes; Dominar os princípios essenciais da pedagogia dos ambientes emergentes; Analisar, discutir a temática assincronamente; Elaborar um relatório em equipa de acordo com as regras da escrita académica com a qualidade requerida no âmbito académico;

3 Prefácio Introdução 1.Mudança no ensino superior 2.Aprendizagem 3.Tecnologia, Ensino e Aprendizagem 4.Mídias e Tecnologia 5.Ciclos de Mudança e Padrões Futuros 6.Novos Alunos? Novos Educadores? Novas Competências? 7.Ferramentas 8.Pesquisa Conclusão

4 Durante a participação em eventos científicos, os autores perceberam a preocupação de docentes universitários em incentivar o envolvimento dos alunos no processo de ensino e aprendizagem, dentro e fora da sala de aula Este Manual foi criado para possibilitar a melhoria da integração dos alunos durante o processo de ensino e aprendizagem por meio das Tecnologias Emergentes para a Aprendizagem (HETL).

5 Abordagens realizadas pelos autores no manual: Mudança transformadora: conceitual, industrial e tecnológica. Ocorridas a partir do século XVIII, transformaram significativamente as relações no contexto social. Educação e informações fragmentadas: jornais, revistas e livros, considerados meios de informação limitados/fragmentados,dão lugar a meios ilimitados, referente tanto ao conteúdo como à disponibilidade de acesso. Coerência e fragmentação: buscando a superação da fragmentação no ensino superior, a rede de integração de informações evidencia a necessidade de utilização de ferramentas tecnológicas que possibilitem o intercâmbio permanente entre os alunos, mesmo que em horários diferenciados.

6 Ciclo da informação: deixando de ser pré-elaborada, a informação passa a ser construída em colaboração por todos os envolvidos no processo de aprendizagem. Validação de informações : nos ambientes emergentes ocorre de forma colaborativa, em que os participantes decidem pela validação de informações. “Instead of relying on experts, Wikipedia (and sites like Digg) rely on the activity of many to discuss and validate information.” (Siemens & Tittenberger, 2009, p. 3)

7 Era de mudança X efetivação da mudança: apesar da necessidade emergente de mudança no processo pedagógico nas universidade diante do avanço tecnológico e do novo ritmo nas relações sociais, os envolvidos não efetivam essa necessidade. Transformação nas universidades: aprendizagem on-line em ascensão diante da convencional; aprendizagem por meio eletrônico depende do envolvimento de seus atores.

8 Têndencias que influenciaram aprendizagem por meio electrónico Alerações Globais Factores Sociais e Políticos Pressões de mudanças educacionais Disseminação da tecnologia

9 Alterações globais, como o efeito estufa e as mudanças demográficas levam à busca pela manutenção das universidades em redes de integração nacionais e internacionais. “The hegemony of higher education in western countries is also being challenged22, raising the need for increased university partnerships between established and emerging economies.” (Siemens & Tittenberger, 2009, p. 5) Alerações Globais

10 As relações sociais e estratégias políticas valorizam a produção de conhecimentos, o trabalho criativo e colaborativo, sendo utilizadas para do as redes para constituição de novas organizações sociais e institucionais. Factores Sociais e Políticos Pressões de mudanças educacionais Diversas inovações tecnológicas difundidas para ampliação de banda, armazenamento, velocidade de processamento e programas de impacto, que propiciam a criação e compartilhamento de informações, ampliaram as possibilidades pedagógicas, principalmente e-learning: web participativa; serviços de redes sociais; netbooks.

11 A necessidade de acesso e de disseminação da aprendizagem científica, da institucionalização académica, a popularização tecnológica, impulsionam para a constituição de sistemas educacionais mais abrangentes e organizados em redes nacionais e internacionais. As more information is freely available online (OCW, Open Yale, Open Learn and numerous related projects), tools of collaboration grow in prominence (wikis and blogs), and means of discovering and networking with others (social network resources) become more popular, substantial change can be expected in education.” (Siemens & Tittenberger, 2009, p. 6) Disseminação da tecnologia

12 Diante das tendências, os autores empreendem 10 pontos necessitando de equilíbrio nas universidades para rompimento da institucionalidade tradicional, sendo: 1. Educação e negócio: definição do papel da educação sistemática diante das influências tecnológicas, não inferir, apenas, o retorno financeiro; 2. Credenciamento e reputação: constituição de suporte, principalmente tecnológico, para constituição de credibilidade da universidade no meio social e, não apenas, em ter fama; 3. Transformação e utilidade: há uma dicotomia entre o discurso humanista na formação académica para transformação social e a utilidade do profissional formado ao mercado de trabalho;

13 4. Investigação e resposta: o acesso à internet e ao serviço móvel possibilitou a popularização à informação para o estudo académico, o que antes era possível somente em universidades bem estruturadas financeiramente, porém elas ainda necessitam responder a esse avanço ampliando seu potencial tecnológico e pedagógico para acompanhar as mudanças e necessidades sociais. 5. formal e informal: há necessidade de transcendência do modelo formal de educação para valorização dos aprendizados em processos informais ocorridos nas relações sociais; 6. aberta e fechada: os sistemas computacionais passaram a ser considerados instrumentos de política de negócios e da educação, travando um embate entre o mercado de acesso livre ou fechado.

14 7. Experiência e amadorismo: há discordância acerca da validade de informações disponibilizadas na rede por profissionais experientes e amadores do senso comum, sendo uma com linguagem técnica e outra de mais fácil compreensão. 8. hierarquia, rede e comando e criação : as circunstância indicam a substituição dos modelos curriculares existentes para os de rede de aprendizagens. 9. Ritmo e profundidade: o alto fluxo de informações disponibilizadas na rede requer um tratamento (gestão) de forma adequada para usufruto das mesmas, sendo necessário tempo, esforço e empenho, porém não garante a constituição de conhecimento aprofundado em determinada área. 10. Epistemologia e ontologia: necessidade de mudança do currículo com base especificamente no conhecimento(epistemológico) para o que valoriza os atributos e qualidade dos alunos enquanto seres humanos(ontológico).

15 A princípio, os autores abordam o aspecto da aprendizagem com base em 4 grandes componentes: Social Como processo, ela ocorre dentro das relações sociais; Situado O contexto do aluno não está dissociado da aprendizagem; Reflexivo Para efetivação da aprendizagem, deve haver um período para reflexão, análise e compartilhamento das informações; Multi-facetado Diversas teorias, enfoques e construções devem compor o processo de aprendizagem.

16 Aprendizagem em rede – apresenta 3 níveis com atributos semelhantes: 1. neural: o desenvolvimento físico do cérebro ocorre por meio de conexões neurais(novos estímulos, entrada e experiências), sendo o conhecimento um fator emergente de padrões de conectividade neural; 2. conceitual: ocorre em uma disciplina ou campo do conhecimento, onde os principais conceitos fazem parte da rede estrutural, a partir da formação de conexões conceituais; 3. externo: a tecnologia de web participativa(blogs, wikis, sites de redes sociais) possibilita a estruturação de informações pessoais e sociais. A combinação de informações em vários contextos propicia a formação de redes, contribuindo assim, para a formação de relações conceituais precisas em cada campo de conhecimento. A facilitação de acesso e o domínio tecnológico elevam a quantidade de participação nas redes sociais, ferramentas tecnológicas desperdiçadas pelo processo educacional.

17 O “nó” no processo de aprendizagem em rede. Nível Neural Constitui-se em um neurônio Nível Conceptual Compreende uma ideia ou conjunto de ideias. Nível Externo Uma pessoa, fonte de informação ou entidade similar com capacidade para conexões que propiciem a participação em rede.

18 Questões para reflexão: 1. A conexão em redes, então, é suficiente para que o aluno desenvolva sua aprendizagem? 2. Basta ter acesso a informações variadas e disposição para conversas em redes de relações sociais para desenvolver a aprendizagem? 3. A aprendizagem em rede ocorre de forma aprofundada e com qualidade? Conforme Siemens e Tittenberger (2009), a aprendizagem pode ocorrer de forma objetiva, simplista, básica ou de forma complexa, ampla ou aprofundada, portanto a simples conexão em redes pode proporcionar a construção de conhecimentos básicos, para aprofundá-los necessita muito mais que o simples bate papo em redes de relações sociais.

19 Assim, a aprendizagem pode ser de: Elo fraco: Constituição de conexões básicas como introdução para o aprofundamento de conhecimentos ou simplesmente para interagir com novas informações. Elo forte: Requer um trabalho mais elaborado que envolve maior dedicação, empenho, disponibilidade, envolvimento, esforço, competência, atenção redobrada e mais tempo.

20 Portanto, o processo de construção da aprendizagem não é meramente uma questão de redes, mas de oportunidades proporcionadas, relações estabelecidas, envolvimento dos sujeitos, troca de experiências, aplicabilidade coerente dos recursos, definição clara de onde se quer chegar e de que forma. Nesse contexto de redes de aprendizagem, a figura do mediador se faz necessária, sendo o educador o responsável em elucidar, e não definir como no convencional, alguns caminhos a serem seguidos pelos aprendizes, pois diante de tantas necessidades para a aprendizagem, um guia auxiliador proporciona a clarificação de conceitos, procedimentos, recursos etc, que viabilizem o alcance da aprendizagem desejada.

21 Contudo, diversas barreiras são apontadas pelas instituições de ensino para viabilização do processo de aprendizagem em rede, sendo um grande desafio transcender tais barreiras de conexão para efetivação desse processo, cabendo ao educador orientar e auxiliar na condução desse processo para possibilitar a garantia da qualidade da aprendizagem.

22 Não é apenas no século XXI que as tecnologias aparecem em estreita relação com o processo formal de ensino e aprendizagem, seja convencionalmente ou à distância, porém a partir do final da década de 1990, as instituições de nível superior que já utilizavam os sistemas de gestão de aprendizagem passaram a ampliar as possibilidades de uso pedagógico dessas ferramentas, introduzindo o uso de fóruns de discussão e chats ao vivo. Com o acesso às tecnologias de relacionamentos sociais, como Google Docs, Skype, blogs, wikis, podcasts, flickr, You Tube, as possibilidades de meios de aprendizagem foram ampliadas, porém, para usufruto dessa vasta tecnologia no processo de ensino e aprendizagem, as universidades necessitam de pessoal qualificado e de alunos seguramente habilidosos em ferramentas on-line.

23 Algumas ferramentas que possibilitam uma interação mais dinâmica via on-line: Blogs Wikis Skype Second Life Voice Thread Integrated suites (Elluminate) Sharepoint ou Groove Flickr Fóruns de Discussão Chat Google Groups, mailing list software Redes Sociais Bookmarking social: del.icio.us

24 No processo de ensino e aprendizagem, a opção pela utilização de qualquer recurso perpassa pela escolha adequada, em consonância com a proposta pedagógica ensejada, o que reflete no tipo de enfoque que se pretende e, na universidade, o tipo de profissional que se deseja formar. O uso desses recursos sempre virá acompanhado de princípios ideológicos que serão repassados aos envolvidos no processo.

25 Para o emprego adequado das tecnologia emergentes no processo de ensino e aprendizagem, conforme Siemens e Tittenberger (2009), é necessário: um espírito de experimentação disponibilidade para envolver os alunos na criação de recursos de aprendizagem (co-criação de conteúdo) disponibilidade para "deixar ir" de controle e abordagens apresentação do conteúdo ao ensino tolerância de falha

26 As tecnologia emergentes não são recursos exclusivos de práticas pedagógicas totalmente on-line, elas podem ser utilizadas no processo de ensino e aprendizagem: Convencional como possibilidade de diversificação metodológica, ampliando a interação nas relações pedagógicas; Semi-presencial (misto) para dar suporte ao momento de aprendizagem on-line Online (a distância) para aproximação das relações pedagógicas, já que o contato físico é eliminado nesse processo.

27 Apesar da possibilidade de diversidade metodológica e da amplitude de interações e de construção da aprendizagem por meio do uso de tecnologias emergentes, compreendemos que a adoção dessas ferramentas não é sinônimo de uma pedagogia também emergente. O processo educacional agoniza na limitação das práticas pedagógicas pautadas no behaviorismo, suplicando por uma pedagogia emergente, porém muitas vezes essa prática diferencia-se, apenas, pela aplicação de novas ferramentas tecnológicas, não empreendendo novas concepções e novos paradigmas.

28 Considerando a necessidade de transcender o processo de ensino e aprendizagem behaviorista, numa transição de foco pedagógico epistêmico para o ontológico, as tecnologias favoráveis aos diversificados meios de interação, informação e comunicação devem ser concebidas como proporcionadoras da formação do indivíduo que apresente competência para atitudes coerentes diante do inesperado em seu contexto social, a partir de um processo de aprendizagem que lhe oportunize a amplitude e complexidade de conhecimentos, bem como de experiências significativas com o uso de meios tecnológicos que propiciem maior interação em qualquer tipo de ambiente, seja presencial ou virtual.

29 No “ Handbook of Emerging Technologies for Learning”, Siemens e T ittenberger (2009) descrevem algumas tecnologias sociais emergentes enfocando seus aspectos positivos e negativos, bem como possibilidades de utilização na aprendizagem, envolvendo diversos meios de interação: textual, sonoro, vídeo, multimídia. Contudo, as concepções e apreciações destacadas pelos autores não esgotam as possibilidades e análises acerca das tecnologias apresentadas, nem tão pouco esgotam a diversidade de tecnologias propiciados do processo de aprendizagem.

30 Porém, a envergadura necessária para utilização dessas tecnologias no contexto educacional perpassa pela previa seleção dos recursos para alcance da aprendizagem esperada. 1. Definição clara dos objetivos pretendidos: se não houver uma determinação bem estabelecida sobre o que se deseja na aprendizagem, o processo a ser construído pelo aluno ser torna distorcido e fora do alcance esperado. 2. Avaliação e vantagens: a tecnologia deve propiciar um diferencial na abordagem a ser desenvolvida, para que diversifique e dinamize o processo de aprendizagem, proporcionando o alcance dos objetivos propostos.

31 3. Adequação ao contexto institucional, pedagógico e da clientela: a disponibilidade, acessibilidade, coerência e o domínio da ferramenta tecnológica também são aspectos que devem ser considerados no momento de seleção para uso no processo de ensino e aprendizagem, sendo importante averiguar se a instituição ou os alunos dispõem ou têm acesso à tecnologia, se está de acordo com as condições institucionais e dos alunos(financeira,material), bem como com a proposta pedagógica da instituição e da disciplina. Os cuidados apresentados pelos autores acerca do emprego de tecnologias no contexto educacional, configuram-se em estratégias que contribuirão para o desenvolvimento de uma aprendizagem com resultados positivos, complementadas com outros aspectos motivacionais que compõem o processo educativo.

32 Enquanto parte integrante do contexto social, o processo educativo apresenta influências das mudanças ocorridas no mundo que o cerca. Como vem ocorrendo historicamente, as revoluções sociais levam a mudanças de ordem paradigmáticas nos diversos campos, inclusive no educacional, o que não é diferente com as influências oriundas das mudanças políticas, tecnológicas e da ciência. As universidades reagem, também, às influências dessas mudanças por meio de propostas pedagógicas que contribuam para o atendimento das exigências sociais e garantia da qualidade de ensino, visando a formação de profissionais competentes e capazes de contribuir com a continuidade das transformações sociais.

33 Neste sentido, devem garantir prática que possibilitem a qualidade no conteúdo trabalho, proporcionar formas diversificadas de interação e credibilidade sobre o processo educacional desenvolvido e o tipo de profissional que será formado. As universidades apresentam algumas propostas inovadoras que agregam o uso de tecnologias emergentes, seja no processo de ensino e aprendizagem convencional ou no a distância, reservando um futuro massivo de aprendizagem on-line.

34 Num ambiente online, as disciplinas podem utilizar as tecnologias para conteúdos específicos em diferentes formas de aprendizagem. No entanto, os alunos têm de possuir diversas competências digitais, requeridas para um ensino a distância, tais como, ficar concentrado nas demais tarefas; Filtrar a informação mais relevante; Interagir com outras pessoas; pensamento critico e criativo entre outras competências. No que se refere ao controle das actividades entre os professores e alunos, os autores defendem que o grau de presença do professor (orientador) é mais eficaz se for guiada/ orientada, eles afirmam que a orientação mínima não é tão eficaz. Os PLEs( personal learning environments) são ambientes de aprendizagem que oferecem uma grande variedade de ferramentas, controladas utilizador. Os PLEs são mais que uma peça de software são ambientes de desenvolvimento onde pessoas, ferramentas e recursos interagem.

35 O papel do professor no processo de aprendizagem tem sido motivo de grande discussão por parte de diversos autores. Neste sentido, numa era tecnológica são sugeridos quatro modelos de professor – aluno, a saber: John Seely Brown – Atelier de Aprendizagem modelo onde os estudantes não se limitam à orientação dada pelo professor, as suas próprias actividades podem servir para orientar ou influenciar as suas obras, normalmente utiliza-se um blog para os alunos descreverem as suas actividades e poderem ler os comentários dos colegas e professores. Clarence Fischer’s – Administrador de rede modelo onde o professor ajuda os alunos a construírem uma rede global de conhecimento.

36 Os quatro modelos apresentados anteriormente exibem um atributo comum de associar o professor na construção do conhecimento do aluno. O professor tem uma função activa onde desempenha a função de orientar, dirigir e avaliar as actividades dos alunos. Curtis Bonk’s – Porteiro de Aprendizagem modelo onde o professor desempenha o papel de porteiro que orienta os seus alunos nos recursos ou nas oportunidades de aprendizagem. George Siemens’ – Curador de Aprendizagem modelo onde o professor cria espaços onde o conhecimento pode ser criado, explorado e partilhado pelos alunos.

37 De acordo com o Laurillard’s Conversational Model, é nos apresentado cinco tipos de actividades de aprendizagem para o Blended e- learning: Actividade assimilativa – que consiste em gerir e estruturar a informação através de palestras ou leituras de textos, retirando as palavras chave, ideias cruciais, utilizando como tecnologia o processador de texto (Word), software de apresentação, texto, imagem, áudio e vídeo, através das seguintes ferramentas, CMAP, Hot Potatoes, Google, Office Products, Social Bookmarking, Blogs, Wikis, Pageflakes, Google Reader. Actividade adaptativa – que consiste num ambiente virtual que muda com a entrada do aluno, através da modelagem, por exemplo os mundos virtuais e jogos de simulação como o Second Life e MMORPG que é o próprio utilizador que cria o seu ambiente.

38 Actividade Comunicativa – cujo seu principal objectivo é “discutir” em discussões assíncronas ou síncronas, onde fomenta o raciocínio, argumento e debate do aluno através da utilização de , fóruns de discussão, blogs entre outros como o Skype, Blogspot, Wikis, Redes Sociais. Actividade Produtiva – onde os alunos produzem algo, o objectivo é que o alunos desenvolvam, criem, escrevam e produzam por exemplo um relatório, um exercício, um portfólio através de aplicações criativas e instrumentos de avaliação assistida por um computador num ambiente de aprendizagem electrónica, recorrendo por exemplo ao Inbdesign, Photoshop, Youtube, Office, etc. Actividade experimental – que consistem em actividades interactivas que focam a resolução de problemas, os alunos praticam, experimenta, exploram, investigam através de estudos de caso, experiências de laboratórios, utilizando um laboratório virtual ou um ambiente imersivo 3D, como o Google Earth, Second Life e MMORPG.

39 O planeamento do uso da tecnologia no processo de ensino aprendizagem, requer a consideração de vários factores: o contexto de uso, as características dos alunos, e a combinação dos diversos formatos de media destinados a actividades de aprendizagem. Com a evolução das tecnologias sociais é possível promover a interacção entre o professor aluno. O apoio à aprendizagem online, o desenvolvimento dos cursos e-learning, requer uma abordagem baseada numa equipa: Instutores Suporte à tecnologia Acessivel ao utilizador - Recursos de Ajuda Suporte de desenvolvimento da aprendizagem Apoio Administrativo Equipa de suporte online

40 Software social, é uma ferramenta que permite os utilizadores interagirem e partilharem o conhecimento. Seguidamente podemos observar as diversas ferramentas apresentadas pelos autores assim como o seu funcionamento e uso no processo de ensino-aprendizagem: FerramentaO que éComo funciona Como pode ser usada no ensino e aprendizagem Blog É uma página Web que apresenta mensagens por ordem cronológica inversa. Os utilizadores criam uma conta no blog (blogger), enviam mensagens que podem ser lidas e comentadas pelos leitores. De forma a manter actualizados os alunos das actividades, reflexões sobre as aulas, partilha de artigos opiniões. Pode ser utilizado por parte dos alunos como e-portefolio. Wikis É uma página Web onde todos podem editar, uma escrita colaborativa. Wikis como a wikipédia são abertas onde qualquer pessoa pode criar e editar conceitos – conhecimento partilhado. Permite uma escrita colaborativa ou mesmo trabalhos de grupo, pode ser utilizada para o desenvolvimento de conteúdos.

41 FerramentaO que éComo funciona Como pode ser usada no ensino e aprendizagem Social Bookmarking È uma forma de guardar e organizar Bookmarks (favoritos) na Web, desta forma estão acessíveis em qualquer computador. Através do serviço, exemplo, Delicious é possível os utilizadores disponibilizarem os seus favoritos na internet, ou seja, marcarem um recurso através de tags para exibição publica/privada e partilhar com outros utilizadores. É uma ferramenta útil para partilha de informações, artigos e recursos de aprendizagens. Audio e podcasting É a distribuição online de áudio através de RSS. Os podcasts podem ser criados através do Audacity e partilhados com serviços como o iTunes. Os alunos podem ouvir podcasts num computador ou iPod. O professor pode gravar e partilhar ficheiros de áudio de palestras, apresentações, avaliação e feedback, entrevistas, entre outros.

42 FerramentaO que éComo funciona Como pode ser usada no ensino e aprendizagem Partilha de Imagens - Flickr É um site que permite a partilha de imagens na Web, Os utilizadores fazem o upload das imagens e podem anotar, partilhar e discutir as fotos. Partilha de fotos dentro de uma turma, escola departamento; Questões relacionadas com viagens, mundo e família, pesquisas de campo, uso em anatomia patológica para consultas de diagnóstico. Vídeo É a transmissão de multi- media com áudio e vídeo, permite os utilizadores visualizarem, por exemplo palestras que não estiveram presentes. Através de uma webcam e um microfone é possível criar um vídeo que depois de editado pode ser enviado para a plataforma da universidade ou publicado no youtube. Pode ser utilizado para pequenas manifestações, vídeos de especialistas, apresentações de conferências, para rever os principais conceitos discutidos em sala de aula.

43 FerramentaO que éComo funciona Como pode ser usada no ensino e aprendizagem Open Education Resources São materiais escolares que estão disponíveis gratuitamente para que os professores possam utilizá- lo e editá-lo no processo de ensino. As instituições disponibilizam os recursos gratuitamente, onde os professores podem utilizar os recursos/ materiais nas suas actividades de aprendizagem. Tem muitas oportunidades de ensino aprendizagem para incorporar vídeos, palestras e outros materiais, entre outros. Microblogging Permite a partilha de recursos e mensagens curtas com outros utilizadores. O twitter é um microblogging que permite escrever mensagens breves (200caracteres) e que estão em constante actualização. Partilhar recursos, acompanhar eventos, participar em diálogos de especialistas em determinadas áreas, disponibilizar novidades da turma – avisos.

44 FerramentaO que éComo funciona Como pode ser usada no ensino e aprendizagem Redes Sociais São comunidades online, que permitem comunicar sem contacto visual. Permite que as pessoas criem um perfil e criem redes de conexão com outras pessoas de todo mundo. AS funcionalidades são similares aos blogs, twitterm flickr, pois permite que uma pessoa crie uma conta num serviço de rede e através de pesquisa encontrar outras pessoas, colocar fotografias, comentarem, etc. Autores defendem que as redes sociais não devem ser integrados directamente no ensino/aprendizagem pois são considerados sites de relacionamento social, no entanto, podemos utilizar o facebook para criar grupos de estudo, utilizar os instrumentos de comunicação para a organização do estudo. Web Conferencing É o uso de um aplicativo de videoconferên cia para facilitar reuniões ou apresentações ao vivo pela internet. Serviços como o Elluminate permitem apresentações que podem ser gravadas e partilhadas, disponibilizam também chat de texto, partilha de ficheiros, etc. Aulas virtuais, apresentações de trabalhos, reuniões de grupos, palestras entre outras.

45 FerramentaO que éComo funciona Como pode ser usada no ensino e aprendizagem Jogos, mundos virtuais e simulações São ambientes onde os indivíduos podem interagir uns com os outros, explorarem materiais, permite a presença física no acto de comunicação. Mundos virtuais como o Second Life, permite aos utilizadores criarem uma personagem – avatar, criar uma rede social, adicionar amigos, conversar, assistir a conferências, fazer compras, entre outras actividades. Muitas escolas já utilizam os mundos virtuais 3D para simularem experiências reais, construírem objectos, estudar comportamento social, entre outros usos.

46 Têm sido realizadas muitas pesquisas sobre as modalidades, distância e modelos de educação que influenciam a qualidade da aprendizagem. Autores como Carol Twigg dizem-nos que a técnica de ensino está atrasada em relação ao desenvolvimento tecnológico. O ensino e a pesquisa em termos de tecnologia educacional ainda têm de atingir um ponto de equilíbrio. “An essential component of effective strategic change is an active research and development component of the system designed to insure that pedagogical, technological, sociological, political and commercial changes and opportunities are both developed and exploited within that system. These insights from effective research and development, originate both from within education domains as well as being imported from related disciplines”

47 A utilização da tecnologia no processo de aprendizagem é influenciada pela evolução de diversas áreas: Tecnologia, tendências Globais, Tendências Sociais e tendências na pesquisa educacional. Nas últimas décadas, na educação, têm sido discutidas quais os conteúdos a leccionar. Mais matemática? Ciência? Ética? Como devemos ensinar? Grande parte da reforma educacional tem se preocupado com o conteúdo, ao invés de um modelo de aprendizagem num mundo cada vez mais tecnológico. As pressões de mudança que a educação hoje enfrenta são mais profundas do que uma simples mudança no conteúdo ou na pedagogia. Para os professores e departamentos universitários uma maior utilização das tecnologias emergentes pode ajudar no processo de transição entre o ensino tradicional e um futuro que ainda não está claramente definido.


Carregar ppt "George Siemens Peter Tittenberger. FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DAS PEDAGOGIAS E AMBIENTES EMERGENTES OBJECTIVOS: Aprofundar o conhecimento sobre Fundamentos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google