A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nome do programa ou texto auxiliareere.energy.gov Mecanismos para a gestão energética industrial Rio de Janeiro, Brasil 10 de agosto, 2011 Michaela Martin,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nome do programa ou texto auxiliareere.energy.gov Mecanismos para a gestão energética industrial Rio de Janeiro, Brasil 10 de agosto, 2011 Michaela Martin,"— Transcrição da apresentação:

1 Nome do programa ou texto auxiliareere.energy.gov Mecanismos para a gestão energética industrial Rio de Janeiro, Brasil 10 de agosto, 2011 Michaela Martin, Oak Ridge National Lab James Quinn, U.S. Dept. of Energy

2 2 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov O que é a gestão energética? Gestão energética É um modelo para a integração da energia nas práticas de gerenciamento existentes na organização Este pode se basear num padrão nacional, ou internacional como o ISO Sistemas de gestão energética Este modelo requer: –que os gestores nos escalões mais altos da organização assumam um compromisso com a melhoria contínua de seu desempenho energético –A melhoria contínua do desempenho é medida e documentada de acordo com um padrão de referência

3 3 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Abordagem ad hoc para a Gestão Energética… Fonte: UNIDO 2010

4 4 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Abordagem estruturada A alta administração assume o compromisso com o programa 03Anos -20% -25% -15% -10% -5% 0 +5% Custos Investimento Economia inicial sustentada Em primeiro lugar a administração interna – posteriormente o investimento Passa a ser a cultura da empresa Fonte: UNIDO 2010

5 5 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov 5 Benefícios da gestão energética A maior parte da eficiência energética de instalações existentes pode ser obtida com modificações no modo de gestão energética, em vez de ser alcançada com a instalação de novas tecnologias A gestão energética eficiente também oferece um contexto para que os gestores possam avaliar a aplicabilidade de novas tecnologias A gestão energética exige que a organização examine de forma abrangente a sua utilização e consumo de energia e desenvolva um modelo para sustentar a mudança sistemasprocessosinstalaçõesequipamentopessoal Escopo de um sistema de gestão energética

6 6 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Identificar vencedores: –Quem são as principais pessoas que controlam os recursos necessários? –Quem é respeitado pela equipe de funcionários na organização? –Quem pode ajudá-lo a conquistar seu objetivo como uma prioridade? Identificar as pessoas importantes –Quem conhece os processos –Quem conhece as instalações –Quem conhece o equipamento –Quem conhece o modo de ajudar a equipe no que se refere a documentos e registros e outras questões do sistema de gerenciamento Desenvolver uma resposta ao risco –Quais são as barreiras mais comuns para os programas de longo prazo? –Quem da organização poderá se opor a esse processo? –Existem conflitos de recursos? –Quais são as prioridades conflitantes? Construindo um caso para a gestão energética

7 7 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov O Departamento de Energia dos EUA tem apoiado uma série de esforços domésticos e internacionais para ajudar os usuários finais e suas organizações a administrar a energia. Padrão de gestão energética ISO Padrões de avaliação do sistema ASME Recursos para apoiar a gestão energética Programa de Superior Energy Performance (Superior Energy Performance) Parceria Global Superior Energy Performance (GSEP) Esforços do Departamento de Energia dos EUA para apoiar a gestão energética Esforços de gestão energética

8 8 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Requer organização para estabelecer um padrão de referência, métricas, equipe de gestão energética e sistema — possibilitando a realização sistemática de uma melhoria contínua no desempenho da energia. Padrão de gestão energética ISO Não determina critérios específicos de gestão energética. Formulado para ser usado de modo independente, também pode ser alinhado ou integrado a outros sistemas de gestão (e.g., ISO 9001 e ISO 14001). Aplicável a todas as organizações que usam energia, incluindo unidades industriais, prédios e outras instalações industriais, organizações inteiras. Novo padrão ISO 50001

9 9 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov ISO 50001: Padrão do sistema de gestão energética Impactos potenciais: Poderia afetar até 60% do consumo de energia no mundo dentre diversos setores econômicos A aceitação do ISO será impulsionada por empresas que buscam uma resposta reconhecida internacionalmente para: Programas de sustentabilidade corporativa Iniciativas de redução do custo de energia Demanda criada na cadeia de abastecimento de fabricação Futuros programas nacionais de redução de emissões do tipo "cap and trade", índices de carbono ou energia, valor de mercado crescente da "fabricação ecológica" / emissão de carbono reduzida Acordos internacionais relativos ao clima O ISO definirá um modelo de gestão energética para instalações e organizações industriais e comerciais. Status do ISO Com o desenvolvimento do Comitê de Projetos ISO 242; os Estados Unidos e o Brasil lideram as iniciativas juntamente com o Reino Unido e a China 56 países estão participando, sendo que 13 deles estão apenas observando Final Draft International Standard (FDIS), rascunho do padrão internacional lançado em março de 2011 Padrão final publicado em junho de 2011

10 10 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Os recursos típicos incluem: 1.Política energética: declaração oficial da alta administração do compromisso da organização com a gestão energética 2.Equipe de gerenciamento de várias divisões liderada por um representante que responde diretamente à gerência e é responsável por supervisionar a implementação do sistema de gestão energética 3.Análise de energia para avaliar o consumo de energia atual e o planejado, as fontes de energia e o consumo e identificar as oportunidades de aperfeiçoamento 4.Padrão de referência do consumo de energia da organização 5.Indicadores de desempenho energético (EnPIs) exclusivos da empresa, que são acompanhados para medir o progresso Componentes de um padrão de gestão energética

11 11 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov 6.Objetivos e metas de energia para o aperfeiçoamento do desempenho energético nas funções, níveis, processos ou instalações relevantes da organização 7.Planos de ação para atender às metas e aos objetivos 8.Controles e procedimentos operacionais para consumos de energia significativos 9.Mensuração, gestão e documentação para o aperfeiçoamento contínuo da eficiência energética 10.Auditoria interna do progresso para a gestão com base nessas mensurações Componentes de um padrão de gestão energética

12 12 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov ISO Padrão de gestão energética (EnMS) ISO FDIS 50001

13 13 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov 13 Aplicando o ISO Este se aplica a todos os fatores que podem ser monitorados e influenciados pela organização para afetar o consumo de energia Projetado para ser usado de maneira independente, no entanto, pode ser alinhado ou integrado a outros sistemas de gestão (como ISO 9001 e ISO 14001, por exemplo). Aplicável a todas as organizações que usam energia Pode ser implementado no nível corporativo ou da instalação Não define critérios de desempenho ou resultados específicos no que se refere à energia Requer políticas e programas de capacitação para concretizar o seu potencial global O Superior Energy Performance consiste num programa de capacitação

14 14 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov O que é Superior Energy Performance? Um programa de certificação com reconhecimento da ANSI/ANAB, baseado no mercado, que oferece às instalações industriais e comerciais um guia básico para obter a melhoria contínua da eficiência energética e intensificar a competitividade. Metas: Orientar a melhoria contínua do desempenho energético Desenvolver um sistema transparente para validar as melhorias do desempenho energético e as práticas de gestão Encorajar a participação ampla de toda a indústria Apoiar e construir o mercado e a força de trabalho de eficiência energética O programa Superior Energy Performance para a indústria será lançado nos Estados Unidos em 2012.

15 15 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Incentivar uma cultura corporativa de melhoria contínua em eficiência energética Usar o padrão ISO como ferramenta de base para a gestão energética Estabelecer um programa de etapas múltiplas que ofereça um ponto de entrada para as empresas de todos os níveis de experiência com a gestão energética Criar um registro de confirmação do aperfeiçoamento do desempenho energético. Criar um valor potencial para a economia de energia corporativa e a redução de carbono nos mercados de serviços públicos, regionais, nacionais e de comércio internacional Estratégia do Superior Energy Performance

16 16 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Requisitos para a certificação: Um organismo de verificação acreditado pelo ANSI/ANAB conduzirá uma auditoria no terceiro para verificar se os seguintes requisitos foram atendidos: 1.Conformidade do sistema de gestão energética com o padrão ISO de gestão energética 2.Aperfeiçoamento do desempenho energético 16 ISO Componentes em questão: Padrão de referência Política Plano Equipe/Líder Superior Energy Performance Conformidade do padrão ISO de uma única instalação com o aperfeiçoamento do desempenho energético validado ISO O ISO é uma ferramenta de base a ser utilizada por qualquer organização na gestão energética. Obtendo a Certificação do Superior Energy Performance

17 17 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Concepção do Programa Superior Energy Performance A abordagem de duas etapas engloba: Maturidade do programa de gestão energética da instalação Nível de validação externa desejada Clima empresarial / Ciclo econômico Duas etapas do programa Parceria com declaração própria Critérios  Conformidade com o ISO  Medir e auditar o aperfeiçoamento do desempenho energético Níveis de desempenho  Aperfeiçoamento do desempenho energético necessário Método de verificação dos resultados  Declaração própria Parceiro certificado certificação com reconhecimento da ANSI/ANAB Critérios  Conformidade com o ISO  Medir, verificar e certificar a melhoria do desempenho energético Níveis de desempenho  Aperfeiçoamento do desempenho energético necessário; requisitos mínimos definidos pelo programa  Dois caminhos disponíveis: Desempenho energético ou maturidade energética Método de verificação dos resultados  Certificação acreditada pelo ANSI/ANAB com visita à instalação

18 18 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Critérios de desempenho SEP para níveis de certificação 18 Características de desempenho PrataOuroPlatina Caminho do desempenho energético Aperfeiçoamento do desempenho energético Atende a 5% do limiar de aperfeiçoamento do desempenho energético nos três últimos anos. Atende a 10% do limiar de aperfeiçoamento do desempenho energético nos três últimos anos. Atende a 15% do limiar de aperfeiçoamento do desempenho energético nos três últimos anos. Caminho da maturidade energética Aperfeiçoamento do desempenho energético Demonstra um aperfeiçoamento do desempenho energético de 15% ou mais nos últimos 10 anos. Marcar pontos no cartão de pontuação de práticas recomendadas Inclui créditos de práticas recomendadas de gestão energética e aperfeiçoamentos do desempenho energético acima de 15% nos últimos 10 anos.  Atende a uma pontuação de no mínimo 35 até 60 do total de 100 pontos do cartão de pontuação de práticas recomendadas  São necessários 25 pontos, no mínimo, para as práticas recomendadas de gestão energética.  Atende a uma pontuação de no mínimo 61 até 80 do total de 100 pontos do cartão de pontuação de práticas recomendadas  São necessários 25 pontos, no mínimo, para as práticas recomendadas de gestão energética e 10 para o desempenho energético.  Atende a uma pontuação de no mínimo 81 do total de 100 pontos do cartão de pontuação de práticas recomendadas  São necessários 25 pontos, no mínimo, para as práticas recomendadas de gestão energética e 10 para o desempenho energético.

19 19 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Obtendo a Certificação do Superior Energy Performance Profissionais com certificação Profissionais com certificação em energia Sistemas de gestão Profissionais com certificação em Sistema [Tipo] Profissionais com certificação em Sistema [Tipo] Auditores líderes em SEP Supervisores de desempenho no SEP Auditores líderes em SEP Supervisores de desempenho no SEP Padrões e protocolos: ISO Padrão de gestão energética ISO Padrão de gestão energética Avaliação do sistema Padrões Avaliação do sistema Padrões Mensuração e verificação Protocolo Mensuração e verificação Protocolo Recursos que ajudam as instalações a se prepararem para a certificação

20 20 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Padrões de avaliação do sistema Os padrões lidam com: Organização da avaliação Execução da avaliação Análise dos dados colhidos e desenvolvimento das recomendações de eficiência Emissão de relatórios e documentação É possível adquirir padrões e documentos de instrução no ASME por USD 35 (impresso ou digital): Padrões disponíveis: Bombeamento Ar comprimido Vapor Processo de aquecimento Os padrões de avaliação para sistemas de energia específicos oferecem uma oportunidade imediata de aperfeiçoamento do desempenho energético em muitas instalações. O uso de padrões não é necessário para a certificação, mas este ajudará as fábricas a traçar o caminho para alcançar a economia de energia.

21 21 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Atribuições do Superior Energy Performance Indústria Direciona as estratégias por meio do Conselho dos Estados Unidos para a Fabricação com Eficiência Energética Lança os elementos do Superior Energy Performance antes do lançamento do programa Adota o programa Superior Energy Performance direcionando as fábricas para obter a certificação no programa acreditado pelo ANSI/ANAB Governo Facilita a colaboração da indústria no desenvolvimento do programa Superior Energy Performance: promove atividades de desenvolvimento de programas de financiamento, de desenvolvimento de padrões e de projetos-piloto Compartilha os custos de lançamento do programa Superior Energy Performance Alavanca o programa Superior Energy Performance para implantar programas federais de energia, como por exemplo, o LÍDER Save Energy Now (Economize Energia Agora)

22 22 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Conselho dos Estados Unidos para a Fabricação com Eficiência Energética Atua como um campeão da indústria dos Estados Unidos na busca de metas nacionais de eficiência energética. Procura aperfeiçoar a intensidade energética da indústria nos Estados Unidos por meio de uma série de iniciativas. Guia o desenvolvimento do Superior Energy Performance.

23 23 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Reconhecimento ‒ Reconhecimento público como líder no uso sustentável dos recursos energéticos (comunidade local e financeira) ‒ Os clientes podem conceder à empresa o status de fornecedor preferencial Incentivos financeiros externos ‒ Créditos de eficiência energética (serviços públicos de eletricidade e outros) ‒ Créditos potenciais de carbono (a nível estadual, regional e nacional) Modelo sistemático para o aperfeiçoamento contínuo ‒ Coerente com a gestão energética padrão ISO e os padrões ASME de avaliação do sistema ‒ Fornece ferramentas e recursos para ajudar a implementação e a validação do aperfeiçoamento do desempenho energético sustentado Estoque da indústria e de construção CD 01030FRL Geração Eletricidade e Energia CD Benefícios para as empresas

24 24 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Serviços Públicos ‒ Permite uma abordagem orientada para sistemas, em toda a instalação ‒ Ajuda a justificar os investimentos em programas de eficiência energética industriais e comerciais, incluindo mudanças operacionais permanentes nas comissões de serviços públicos ESCOs ‒ Desenvolve maior credibilidade junto aos clientes industriais e comerciais e um plano de negócios mais forte para oferecer serviços de eficiência energética a terceiros e investimentos de capital extrapatrimoniais Cadeias logísticas ‒ Oferece um programa proativo pleno para que os grandes OEMs e varejistas possam solicitar aos fornecedores para atenderem aos requisitos do mesmo Benefícios de Mercado Benefícios no mercado de eficiência energética industrial e comercial

25 25 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Projetos de demonstração de gestão energética Datas de início 2009 Região noroeste : Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Meio-Atlântico 2011: 2011: Califórnia, Colorado e Texas (segunda etapa) e região Nordeste Metas de demonstração de gestão energética: Oferecer um guia básico às empresas LÍDERES do Save Energy Now para obter metas ambiciosas para a redução da intensidade energética industrial. Testar os elementos do Superior Energy Performance. Desenvolver perícia na gestão energética nos níveis regional, estadual e da fábrica, destacando as lições aprendidas e as práticas recomendadas. Ampliar a economia de energia em toda a nação. O Programa de Tecnologia Industrial do Departamento de Energia dos EUA vem conduzindo projetos de demonstração de gestão energética estaduais e regionais. O ITP financiou premiações em 23 estados desde 2009 para ajudar a indústria a economizar energia.

26 26 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov demonstraçãos 1.O estado ou região identifica uma fábrica adequada para demonstração, em conformidade com as instruções fornecidas 2.Três treinamentos presenciais para a instalação e seus consultores 3.Treinamento mensal para os consultores (programa de implementação de 15 meses) 4.Os consultores orientam o pessoal da instalação de forma implementar o sistema de gestão energética em conformidade com o ISO O pessoal da instalação e os consultores fazem uma revisão trimestral juntamente com a gestão da instalação e o líder da equipe de demonstração de gestão energética 6.A instalação se candidata ao programa Superior Energy Performance com uma antecedência de 18 meses depois do treinamento inicial Abordagem da demonstração 3M Alcoa Allsteel Amcor PET Bridgestone Tire Cook Composites & Polymers Cooper Tire Didion Milling, Inc Dow Chemical Eaton General Dynamics Gray Harbor Paper Haynes International JR Simplot Kenworth Trucks Neenah Foundry Company Nissan Schneider Electric Spirax Sarco Traco Volvo World Kitchen 3M Alcoa Allsteel Amcor PET Bridgestone Tire Cook Composites & Polymers Cooper Tire Didion Milling, Inc Dow Chemical Eaton General Dynamics Gray Harbor Paper Haynes International JR Simplot Kenworth Trucks Neenah Foundry Company Nissan Schneider Electric Spirax Sarco Traco Volvo World Kitchen P A R T I C I P A N T E S

27 27 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov O Departamento de Energia dos EUA trabalhou com a Universidade do Texas, em Austin, para lançar o Superior Energy Performance nas instalações do Texas: Testou em campo os elementos do Superior Energy Performance Conduziu auditorias usando os protocolos ANSI MSE e M&V Definiu o primeiro organismo de verificação acreditado pelo ANSI/ANAB para o Superior Energy Performance Certificou as primeiras fábricas para o Superior Energy Performance Primeiras instalações certificadas para o Superior Energy Performance Nível de desempenho Cook Composites and Polymers Co. Houston, Texas Ouro Freescale Semiconductor, Inc. West Austin, Texas Prata Owens Corning Waxahachie, Texas Prata Union Carbide, subsidiária da Dow Chemical Co. Texas City, Texas (fábrica) Platina Union Carbide, subsidiária da Dow Chemical Co. Texas City, Texas (instalação de sistemas energéticos) Prata Projeto-piloto no Texas,

28 28 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Conjunto de ferramentas do sistema de gestão energética Identifica as oportunidades de economia de energia e acompanha a implementação As ferramentas incluem: –Quick PEP –Módulo de ritmo próprio –Módulo de acompanhamento de economia do projeto –Calculadora de emissões de carbono Níveis básicos e avançados: −Vapor −Processo de aquecimento −Bombas −Ventiladores −Ar comprimido −Motores O Departamento de Energia dos EUA trabalhará juntamente com os serviços públicos e outros parceiros para fornecer treinamento em gestão energética aos usuários finais. Série de Treinamentos Interativos via Web em Gestão Energética para Quatro Parceiros Ajuda as instalações a implementar o ISO e os requisitos do Superior Energy Performance. Oferece suporte ao conjunto de ferramentas para gestão energética ITP. Disponível em outubro de Conjunto de ferramentas para gestão energética ITP

29 29 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Superior Energy Performance Global (GSEP) O GSEP é compreendido como uma rede internacional de agências governamentais nacionais, programas de certificação a nível nacional e outras organizações do setor público ou privado que promoverão aperfeiçoamentos contínuos do desempenho energético em prédios comerciais e instalações industriais de todos os níveis de desempenho. A parceria GSEP inclui Canadá, Comissão Européia, França, Índia, Japão, Coréia, México, Rússia, África do Sul, Suécia e Estados Unidos. O GSEP foi anunciado em julho de 2010 no Clean Energy Ministerial, que reuniu vinte e cinco ministros de energia de vinte países e da Comissão Européia. O Clean Energy Ministerial promoveu um fórum para países com ideias afins, visando tomar medidas específicas para encorajar tecnologias de energia limpa. Consulte a página

30 30 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov GRUPO DE TRABALHO DE CERTIFICAÇÃO (Liderança: EUA) GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA (Liderança: Japão (P)) GRUPO DE TRABALHO DE AÇO (Liderança: Japão) GSEP GRUPO DE TRABALHO DE COBERTURAS FRIAS (Liderança: EUA) GRUPO DE TRABALHO CHP (Liderança: Finlândia) GRUPO DE TRABALHO DE CIMENTO (Liderança: Japão) O objetivo do GSEP é reduzir o uso global de energia como a seguir: Encorajando instalações industriais e prédios comerciais a buscar o aperfeiçoamento contínuo da eficiência energética Promovendo a parceria dos setores público e privado Objetivo e Estrutura Organizacional do GSEP

31 31 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Em julho de 2010, no Clean Energy Ministerial, os EUA lançaram um desafio global de eficiência energética com iniciativas em equipamentos elétricos, construção, indústria, veículos, e a rede inteligente (Smart Grid). Austrália Bélgica UE Brasil Canadá China Dinamarca França Alemanha Índia Indonésia Itália JapãoCoreia México NoruegaRússia África do Sul Espanha Emirados Árabes Unidos Estados Unidos Reino Unido Desempenho Energético Superior Global

32 32 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov O grupo de trabalho de certificação está desenvolvendo uma rede de programas de certificação coordenados a nível nacional para incentivar as instalações públicas, educacionais e industriais, como também os prédios comerciais a buscarem o aperfeiçoamento contínuo da eficiência energética. O processo de certificação do GSEP reconhecerá as instalações que atendem a três critérios fundamentais: (1) adoção de um sistema de gestão energética que esteja de acordo com o próximo padrão ISO 50001, (2) obtenção de um índice mínimo designado para o aperfeiçoamento do desempenho energético e (3) validação de terceiro do aperfeiçoamento do desempenho energético e conformidade com o ISO Participantes industriais do lançamento do GSEP: 3M, Nissan, Dow Chemical Participantes comerciais do lançamento do GSEP: Cleveland Clinic, Grubb & Ellis Company, Marriott, Target Corp., Walmart Grupo de Trabalho de Certificação

33 33 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Objetivos Estratégicos do Projeto de Certificação GSEP, junho de Gestão energética. Amplie a implementação da gestão energética nos setores industrial e de construção para aperfeiçoar a eficiência energética e o desempenho energético de forma contínua. 2.Mensuração e verificação. Medir e verificar o aperfeiçoamento do desempenho energético de forma contínua. 3.Força de trabalho qualificada. Desenvolva uma força de trabalho qualificada, com profissionais com experiência nas áreas de gestão energética, eficiência energética e mensuração e verificação. Objetivos estratégicos compartilhados definidos durante o encontro do GSEP, 20/06/2011

34 34 | Eficiência Energética Industrialeere.energy.gov Obrigado James Quinn Departamento de Energia dos EUA Michaela Martin Oak Ridge National Laboratory


Carregar ppt "Nome do programa ou texto auxiliareere.energy.gov Mecanismos para a gestão energética industrial Rio de Janeiro, Brasil 10 de agosto, 2011 Michaela Martin,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google