A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

APRESENTAÇÃO ELABORADA COM SUBSÍDIOS EXTRAÍDOS DE TEXTOS DE MARA LÚCIA SARTORETTO E RITA BERSCH E SLIDES DE YVES LACHAPELLE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "APRESENTAÇÃO ELABORADA COM SUBSÍDIOS EXTRAÍDOS DE TEXTOS DE MARA LÚCIA SARTORETTO E RITA BERSCH E SLIDES DE YVES LACHAPELLE."— Transcrição da apresentação:

1 APRESENTAÇÃO ELABORADA COM SUBSÍDIOS EXTRAÍDOS DE TEXTOS DE MARA LÚCIA SARTORETTO E RITA BERSCH E SLIDES DE YVES LACHAPELLE

2 Encontramos também terminologias diferentes que aparecem como sinônimos da Tecnologia Assistiva, tais como “Ajudas Técnicas”, “Tecnologia de Apoio“, “Tecnologia Adaptativa” e “Adaptações”.

3 Tecnologia Assistiva é uma expressão criada em 1988, nos Estados Unidos, utilizada para identificar todo o arsenal de Recursos e Serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas em situação de deficiência e consequentemente promover Vida Independente e Inclusão.

4 O DR. YVES REFERE-SE À MELHORIA DA CONDIÇÕES DE VIDA ENFRENTADAS POR UMA PESSOA QUALIDADE DE VIDA DO USUÁRIO, ESCLARECENDO QUE SE TRATA DE UM CONCEITO QUE REFLETE AS CONDIÇÕES DE VIDA ENFRENTADAS POR UMA PESSOA SEGUNDO OITO DIMENSÕES ESSENCIAIS:

5 BEM ESTAR EMOCIONAL BEM ESTAR FÍSICO RELAÇÕES INTERPESSOAIS BEM ESTAR MATERIAL AUTODETERMINAÇÃO INCLUSÃO SOCIAL DESENVOLVIMENTO PESSOAL DIREITOS MODELO CONCEITUAL DE QUALIDADE DE VIDA (SHALOCK E VERDUGO, 2002)

6 QUALIDADE DE VIDA E AUTODETERMINAÇÃO O BEM ESTAR CRIANDO HABILIDADES E ATUTUDES NECESSÁRIAS QUE PERMITE A PESSOA AGIR DIRETAMENTE SOBRE SUA VIDA, FAZENDO LIVREMENTE SUAS ESCOLHAS, SEM A INFLUÊNCIA DE AGENTES EXTERNOS. A AUTODETERMINAÇÃO REFERINDO-SE A AÇÕES VOLUNTÁRIAS QUE TORNAM O SUJEITO O AGENTE CAUSAL DE SUA VIDA, EM BUSCA DE SATISFAÇÃO PESSOAL.

7 A Tecnologia Assistiva é também definida como "uma ampla gama de equipamentos, serviços, estratégias e práticas concebidas e aplicadas para minorar os problemas encontrados pelos indivíduos com deficiências" (Cook e Hussey Assistive Technologies: Principles and Practices Mosby – Year Book, Inc., 1995)

8 No Brasil, o Comitê de Ajudas Técnicas - CAT, propõe o seguinte conceito: "Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social" (PORTARIA N° 142, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2006 do CAT).Comitê de Ajudas Técnicas - CATPORTARIA N° 142, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2006

9 Os Recursos são todo e qualquer item, equipamento ou parte dele, produto ou sistema fabricado em série ou sob medida utilizado para aumentar, manter ou melhorar as capacidades funcionais das pessoas com deficiência. Os Serviços, são definidos como aqueles que auxiliam diretamente uma pessoa com deficiência a selecionar, comprar ou usar os recursos acima definidos.

10 Recursos Podem variar de uma simples bengala a um complexo sistema computadorizado. Estão incluídos brinquedo s e roupas adaptadas, computadores, softwares e hardwares especiais, que contemplam questões de acessibilidade, dispositivos para adequação da postura sentada, recursos para mobilidade manual e elétrica, equipamentos de comunicação alternativa, chaves e acionadores especiais, aparelhos de escuta assistida, auxílios visuais, materiais protéticos e milhares de outros itens confeccionados ou disponíveis comercialmente

11 Serviços São aqueles prestados profissionalmente à pessoa com deficiência visando selecionar, obter ou usar um instrumento de tecnologia assistiva: Fisioterapia Medicina Terapia ocupacional Enfermagem Fonoaudiologia Engenharia Educação Arquitetura Psicologia Design Técnicos de muitas outras especialidades

12 O DR. YVES PROPÕE UMA INTERESSANTE ANÁLISE EM RELAÇÃO AO SENTIDO DE SERVIÇOS E APOIOS, À QUAL ACRESCENTO MAIS UM TERMO USADO ENTRE NÓS- SUPORTE. A REFLEXÃO EM TORNO DESSES TERMOS E SUA TRANSFORMAÇÃO EM PRÁTICAS ASSISTENCIAIS REPRESENTA MUDANÇA DE PARADIGMA. POR QUE?

13 ALGUMAS TECNOLOGIAS UTILIZADAS

14 1 Auxílios para a vida diária Materiais e produtos para auxílio em tarefas rotineiras tais como comer, cozinhar, vestir-se, tomar banho e executar necessidades pessoais, manutenção da casa etc. 2 CAA (CSA) Comunicação aumentativa (suplementar) e alternativa Recursos, eletrônicos ou não, que permitem a comunicação expressiva e receptiva das pessoas sem a fala ou com limitações da mesma. São muito utilizadas as pranchas de comunicação com os símbolos PCS ou Bliss, além de vocalizadores e softwares dedicados para este fim.

15 3 Recursos de acessibilidade ao computador Equipamentos de entrada e saída (síntese de voz, Braille), auxílios alternativos de acesso (ponteiras de cabeça, de luz), teclados modificados ou alternativos, acionadores, softwares especiais (de reconhecimento de voz, etc.), que permitem as pessoas com deficiência a usarem o computador. 4 Sistemas de controle de ambiente Sistemas eletrônicos que permitem as pessoas com limitações moto- locomotoras, controlar remotamente aparelhos eletro-eletrônicos, sistemas de segurança, entre outros, localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores.

16 5 Projetos arquitetônicos para acessibilidade Adaptações estruturais e reformas na casa e/ou ambiente de trabalho, através de rampas, elevadores, adaptações em banheiros entre outras, que retiram ou reduzem as barreiras físicas, facilitando a locomoção da pessoa com deficiência. 6 Órteses e próteses Troca ou ajuste de partes do corpo, faltantes ou de funcionamento comprometido, por membros artificiais ou outros recurso ortopédicos (talas, apoios etc.). Inclui-se os protéticos para auxiliar nos déficits ou limitações cognitivas, como os gravadores de fita magnética ou digital que funcionam como lembretes instantâneos.

17 7 Adequação Postural Adaptações para cadeira de rodas ou outro sistema de sentar visando o conforto e distribuição adequada da pressão na superfície da pele (almofadas especiais, assentos e encostos anatômicos), bem como posicionadores e contentores que propiciam maior estabilidade e postura adequada do corpo através do suporte e posicionamento de tronco/cabeça/membros. 8 Auxílios de mobilidade Cadeiras de rodas manuais e motorizadas, bases móveis, andadores, scooters de 3 rodas e qualquer outro veículo utilizado na melhoria da mobilidade pessoal.

18 9 Auxílios para cegos ou com visão subnormal Auxílios para grupos específicos que inclui lupas e lentes, Braille para equipamentos com síntese de voz, grandes telas de impressão, sistema de TV com aumento para leitura de documentos, publicações etc. 10 Auxílios para surdos ou com déficit auditivo Auxílios que inclui vários equipamentos (infravermelho, FM), aparelhos para surdez, telefones com teclado — teletipo (TTY), sistemas com alerta táctil-visual, entre outros.

19 11 Adaptações em veículos Acessórios e adaptações que possibilitam a condução do veículo, elevadores para cadeiras de rodas, camionetas modificadas e outros veículos automotores usados no transporte pessoal.

20 A IMPORTÂNCIA DA TECNOLOGIA ASSISTIVA E A QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

21 A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual e do Desenvolvimento AADID, (antiga AAMR) caracteriza-se por um fncionamento intelectual inferior à média (QI), associado a limitações no comportamento adaptativo em pelo menos duas áreas de habilidades (comunicação, autocuidado, vida no lar, adaptação social, saúde e segurança, uso de recursos da comunidade, determinação, funções acadêmicas, lazer e trabalho), que ocorrem antes dos 18 anos de idade.

22 1.A LIMITAÇÃO NO FUNCIONAMENTO DEVE LEVAR EM CONTA O AMBIENTE COMUNITÁRIO TÍPICO DO GRUPO ETÁRIO DA PESSOA E SEU MEIO CULTURAL; 2- UMA AVALIAÇÃO CONFIÁVEL LEVA EM CONTA A DIVERSIDADE CULTURAL E LINGUÍSTICA DA PESSOA ASSIM COMO AS DIFERENÇAS NOS ASPECTOS SENSÓRIOMOTOR, DE COMUNICAÇÃO E O COMPORTAMENTAL; CINCO POSTULADOS NA APLICAÇAO DESSA DEFINIÇÃO (DR. YVES)

23 3- EM CADA PESSOA AS LIMITAÇÕES COEXISTEM COM POTENCIALIDADES (SISTEMA DE FORÇAS); 4- A DESCRIÇÃO DA LIMITAÇÃO É IMPORTANTE PARA DETERMINAR A NATUREZA DO SUPORTE; 5- SE A PESSOA COM DEF INTELECTUAL RECEBER AS AJUDAS TÉCNICAS ADEQUADAS E POR UM PERÍODO SUSTENTÁVEL, SUA FUNCIONALIDADE VAI MELHORAR.

24 TROCANDO EM MIÚDOS A CONCEITUAÇÃO DA AADID OU MODELO MULTIFUNCIONAL E MULTIDIMENSIONAL. 1 - HABILIDADES INTELECTUAIS 2- COMPORTAMENTO ADAPTATIVO 3- SAÚDE 4-PARTICIPÇÃO 5-CONTEXTO APOIOSAPOIOS FUNCIONALIDADEFUNCIONALIDADE HUMANAHUMANA

25 Atuação da Tecnologia Assistiva A Tecnologia Assistiva visa melhorar a FUNCIONALIDADE de pessoas com deficiência. Segundo a CIF - Classificação Internacional de Funcionalidade, o modelo de intervenção para a funcionalidade deve ser BIOPSICOSSOCIAL e diz respeito à avaliação e intervenção em: Funções e estruturas do corpo - DEFICIÊNCIA Atividades e participação - Limitações de atividade e restrições na participação, para as quais a Tecnologia Assistiva será da maior importância.

26 ROSITA EDLER CARVALHO


Carregar ppt "APRESENTAÇÃO ELABORADA COM SUBSÍDIOS EXTRAÍDOS DE TEXTOS DE MARA LÚCIA SARTORETTO E RITA BERSCH E SLIDES DE YVES LACHAPELLE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google