A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

12ºE Área de Projecto Auto-Estima. O que vamos abordar: Auto-Estima - Definição - Importância Vínculo da auto-estima (Infância) Desenvolver a auto-estima.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "12ºE Área de Projecto Auto-Estima. O que vamos abordar: Auto-Estima - Definição - Importância Vínculo da auto-estima (Infância) Desenvolver a auto-estima."— Transcrição da apresentação:

1 12ºE Área de Projecto Auto-Estima

2 O que vamos abordar: Auto-Estima - Definição - Importância Vínculo da auto-estima (Infância) Desenvolver a auto-estima Auto-estima nos adolescentes - Transformações - Influência dos outros - Sucesso escolar Baixa auto-estima Doenças derivadas de baixa auto-estima - Depressão - Anorexia nervosa - Bulimia Auto-estima elevada Sugestões para a resolução de problemas Parte Lúdica Anexos Biografia

3 Auto-estima é a disposição para experimentar a si mesmo como alguém competente para lidar com os desafios básicos da vida e ser merecedor da felicidade.

4 Definição - Advém do latim aestimare que significa avaliar; - Tem inicio na infância a partir de como as outras pessoas nos tratam; - Tem por base o amor próprio; - Interacção afectiva que desenvolvemos os nossos sentimentos positiva ou negativamente e construímos a nossa auto-imagem - Olhar juízo que fazemos de nós próprios; - Influência tudo o que fazemos, visto que se trata de tudo o que acreditamos ser; - Impulsiona-nos a actuar e motiva-nos a prosseguir os nossos objectivos. - A auto-estima poderá ajudar a ultrapassar dificuldades pessoais, fomentando a auto-responsabilidade - É a opinião e o sentimento que cada pessoa tem por si mesma de aceitação e apreço por nós próprios;- Assenta em três grandes ingredientes: autoconfiança, a imagem de si próprio e o gostar de si mesmo. 1)Autoconfiança - Pensar que somos capazes de agir adequadamente nas situações importantes; - Modo como se comporta em situações novas ou imprevistas, medo do desconhecido ou diversidade; - Deriva do modo como fomos educados em casa ou na escola; - Transmite-se pelas acções e diálogo - Muito importante na medida em que a auto-estima precisa de actos para se manter e desenvolver, nomeadamente pequenos actos de êxito.

5 2)Imagem de si próprio - Avaliação que fazemos das nossas qualidades e defeitos; - A realidade dos factos não é tão importante comparado à convicção que temos de sermos portadores de qualidades ou defeitos, potencialidades ou limitações; - A subjectividade é muito importante neste aspecto. 3) Gostar de si mesmo - Acto incondicional: gostamos de nós próprios apesar dos nossos defeitos, limitações ou fracassos; - Não evita o sofrimento nem a dúvida, mas protege-nos do desprezo; - Consegue fazer frente à diversidade e recompõe-se depois de um fracasso; - Acto que depende em grande parte do amor que a família nos dá enquanto jovens; - Daqui pode derivar a falta de auto-estima, visto que pode criar perturbações na personalidade.

6 A auto estima é a base de sustentação do ser humano. É muito importante porque dependendo do nível de nossa auto-estima sentimo-nos bem ou mal sucedidos, potentes ou impotentes, dependentes ou não do amor do outro. A auto-estima positiva funciona como se, na realidade, fosse o sistema imunológico da consciência. Fornece resistência, força e capacidade de regeneração. A auto-estima proclama-se como uma necessidade porque a sua ausência (relativa) compromete a nossa capacidade de funcionar. É por esse motivo que dizemos que ela tem valor de sobrevivência. E hoje mais do que nunca

7 Vínculo da auto-estima (Infância) - Começa a formar-se na infância, a partir da maneira como as outras pessoas nos olham (as experiências do passado exercem grande influência significativa na auto-estima quando adultos); - Os primeiros passos são dados após o nascimento com a consciência de si próprio, sendo, como já referimos uma das suas componentes mais importantes. - Por volta dos 8 anos as crianças criam uma representação psicológica global da sua pessoa sendo capazes de dizer quem são mediante diferentes características (aspecto físico, traços de carácter e descrição dos traços emotivos) - Começam por ter percepção das suas invariâncias e compreendem que são os mesmos nas diferentes etapas da sua vida; - Os pais funcionam como espelhos, na medida em que vai desenvolver determinadas imagens ao filho (se os pais tem uma perspectiva negativa para com os seus filhos, como por exemplo colocam-lhes um rótulo de inúteis, estes podem vir a sofrer grandes problemas num futuro próximo, na medida em que o jovem vai desenvolver um auto estima muito baixa); - O olhar que começam a dirigir para o outro constitui a base para a formação da sua futura auto-estima. - Há recomendações de Piaget para a prevenção da falta de auto-estima na infância: 1) Promover uma relação de respeito mutuo 2) Reciprocidade 3) Incentivar a interacção social em diversas áreas 4) Envolver as crianças na discussão sobre problemas morais 5) Promover a responsabilidade, cooperação e autodisciplina 6) Não se deve punir a criança através de chantagem emocional

8 - É necessário ajudar as crianças a manter uma auto-estima adequada (nem muito elevada, nem muito baixa) de forma a facilitar a sua socialização (fazer amigos, ter senso de humor, participar em actividades de grupo, etc.); - Os pais devem demonstrar coerência entre aquilo que sentem e fazem, e com tudo aquilo que ensinam aos seus filhos (Exemplo: muitas das vezes é necessário que os pais sejam mais rígidos para com os filhos, mesmo que isso interfira com aquilo que com o que sentem).

9 Como desenvolver a auto-estima - Começa-se a confiar nas capacidades quando se tem êxito no que se faz ou então quando não há êxito identificar os erros; - Acreditar que se pode fazer é o primeiro passo para ter uma auto-estima desenvolvida; - Mesmo quem tem uma auto-estima desenvolvida há que admitir os nossos próprios erros e fracassos mas também as nossas virtudes e êxitos; - Ajudar os outros a sentirem-se melhor também ajuda a nossa auto-estima a subir como por exemplo um elogio, uma crítica ou um incentivo mesmo quando não nos pedem; - Incentive-a quando ela sentir que não tem condições de realizar algo ou mesmo estiver com medo de fracassar Cada um é responsável pela sua auto-estima, mas também podemos ajudar os outros a formarem uma boa imagem de si mesmos. Isso acontece quando mostramos aos outros o que eles têm de bom, sem tentar obrigá-las a mudar. Não precisamos de mudar ninguém para nos sentirmos melhor. O esforço de mudar o outro não produz bons efeitos. Na verdade, se queremos que o outro mude, é preciso que primeiro eu mude a minha atitude com ele. Como vimos, é muito importante que cada um de nós tenha um sentimento bom por nós mesmos, tenha uma boa AUTO-ESTIMA, para vivermos felizes e de bem com a vida. Aproveite essas pequenas dicas para melhorar a sua.

10 Auto-estima nos adolescentes - Actualmente, as crianças encontram-se mais na convivência dos seus pares de rua do que com a sua própria família (mesmo dentro de casa o adolescente tem tendência para se isolar); - A adolescência é caracterizada por grandes modificações, a vários níveis (quer físico, quer ao nível psicológico), que acontece de diferentes formas nos dois sexos (masculino e feminino); - A adolescência não é marcada apenas por dificuldades. Com a entrada para o mundo adulto, efectuam-se uma série de acréscimos no rendimento psíquico (intelecto ganha maior eficácia, rapidez e elaborações mais completas, tal como a linguagem).. Modificações físicas (Puberdade feminina): - inicia-se entre os 11 e os 14 anos com o aparecimento da primeira menstruação; - ocorre em varias transformações a nível corporal ( cresce vários centímetros em pouco tempo, os seios desenvolvem-se e surgem pelos no púbis e nas axilas.. Em relação á puberdade masculina: - iniciam-me mais tarde por volta dos 13 anos e são bastante mais demoradas (aumento do tamanho dos órgãos genitais, nascimento da barba, aparecimento de pelos na região púbica, nas pernas, nos braços e peito, a voz fica mais grave, o esqueleto alonga, os músculos ficam rijos e aparece o primeiro acne) * Estas modificações causam grande insegurança, o que se acompanhamento pode gerar vários problemas.

11 - Cada vez mais precocemente, observamos os adolescentes a assumirem papeis de assunto na sociedade. - Á medida que se vão estabelecendo vínculos sociais, existem um conjunto de características que vão sendo valorizadas pelo adolescentes. - Durante este período, aparecem alguns conflitos, nos quais o adolescente é obrigado a decidir o seu próprio rumo (sofre influência da sociedade);

12 Influência dos outros - A falta de popularidade entre os colegas pode atormentar de tal forma o jovem, a ponto de perturbar-lhe os estudos; - O adolescente que não se considera aceite e estimado pelos colegas (seja pela cor, credo religioso ou político, ou por discriminação racial) sente que a posição na escola não oferece estímulo ou segurança para seu desenvolvimento intelectual necessário; -Em outros casos, no entanto, essa impopularidade estimula intensamente o jovem a brilhar nos estudos, sobressaindo-se, dessa forma, perante os colegas; - Este tipo de pressão não é feito apenas através dos grupos/amigos de escola. Existe, actualmente, uma grande pressão por parte da comunicação social (exemplo: rádio, televisão, jornais, entre outros); "A influência dos pais é muito severa Os pais procuram sempre ajudar os seus filhos, embora muitas das vezes o façam sem sucesso. O que acontece, muitas da vezes, é que os pais começam por idealizar o futuro dos próprios filhos sem os consultarem, isto é, guiam-se muito por tudo aquilo que acham que seria melhor, que daria maior prestigio, ou simplesmente porque se identificam mais com algo (ocorre bastante ao nível da escolha da carreira).

13 Sucesso escolar - Deve-se, essencialmente, a problemas relacionados com a auto-estima e às adaptações da adolescência (como maiores responsabilidade, dificuldade nas suas escolhas e ideais, entre outras): quando a auto-estima se encontra elevado o adolescente sentem-se bastante mais motivado, competente e adequado á vida;. quando a auto-estima é baixa o adolescente sente-se errado, desadequado, com sentimento de culpa e com medos que o impedem de atingir os seus objectivos, levando-o a entrar num ciclo vicioso caracterizado pelo fracasso - O insucesso escolar não é uma fatalidade e que as crianças não estão destinadas a serem boas ou más alunas, tudo depende do funcionamento da escola e da sua interacção com o meio social e as características da própria criança. - As transformações físicas que ocorrem no adolescente vão influenciar bastante o rendimento escolar (fase em que a auto-imagem intensa modificam-se tanto ou mais que o corpo, levando á queda da auto-estima); - O insucesso escolar, é preciso ter em conta três realidades: o aluno, o meio social e a instituição escolar, sendo na relação entre elas que se deve procurar e evidenciar os factores de insucesso e as suas causas explicativas. Principais causas de insucesso escolar: 1) preparação deficiente nos anos escolares antecedentes; 2) precipitação dos pais em fazerem as crianças entrar na escola primária com menos idade e, portanto, não poder enfrentar o ensino do 1º ciclo com eficiência; 3) defeitos físicos, obrigando a criança a faltar a muitas aulas; 4) transferências repetidas de escola a escola, por motivo de viagem, profissão dos pais; 5) incapacidade de concentração no trabalho escolar, causada por excesso de actividades extracurriculares, que roubam o tempo necessário ao exercício dos deveres escolares; 6) falta de interesse nos assuntos escolares, por não haver motivação. O adolescente, ao invés de estudar, lê ou trabalha em outros sectores que não trazem benefícios à progressão escolar; 7) A indiferença ou ignorância dos pais quanto à tendência vocacional dos filhos; 8) A preocupação com a situação económica da família pode prejudicar o bom aproveitamento escolar.

14 Baixa auto-estima - Com o desenvolvimento do próprio adolescente e das relações que estabelece com amigos e familiares, o próprio vai começar a sentir-se desadequado e nem sempre bem; - A falta da Auto-estima geralmente agrava-se nos primeiros anos da adolescência melhorando depois à medida que a identidade se fortalece; - As pessoas com uma baixam auto-estima alteram o seu modo de ver o mundo e consequentemente de se comportar, na medida em que começam a sentir-se infeliz ou inseguro e preocupado, ficando mais propicio a cair nas armadilhas da vida ; - É um dos maiores problemas educacionais (Exemplo: aluno com baixa auto-estima é aluno que não aprende, estudante que não evolui); - Na vida pessoal ou profissional, a pessoa com baixa estima pode deixar boas oportunidades passarem, por não se achar bom o suficiente para ocupar aquela posição ou lutar por aquilo; - A falta de auto-estima pode ser considerada uma doença psicológica que não escolhe sexo, idade ou classe social, "Todos nós estamos sujeitos a ela, depende, somente, da capacidade que temos de lidar com os problemas;

15 Características de uma baixa auto-estima:. O dó de si mesmo o medo de não conseguir ou de perder o desejado. A pessoa considera-se vítima das circunstâncias, dos maus relacionamentos, da falta de sorte.. A pessoa sente-se inadequada, insegura, com dúvidas sobre o que realmente é;. Detém um sentimento vago de não ser capaz;. Desce o rendimento;. Não alcança as metas propostas;. Falta de aptidões sociais adequadas para resolver situações conflituosas;. Aumento dos receios e da negação social. » Factores contribuintes:. Críticas e autocríticas. Vergonha. Culpa. Inveja. Abandono. Timidez. Rejeição. Insegurança. Carência. Medo. Frustração. Humilhação. Raiva

16 Doenças derivadas da falta de auto-estima A falta de auto-estima pode originar graves problemas no adolescente, sobretudo quando não existe uma personalidade própria, como por exemplo depressões fortíssima, fobias, incapacidades de encontrar uma saída para os problemas ou até dependência química depressões. - Depressão:. A depressão é a principal causa de incapacidades e a segunda causa de perda de anos de vida saudáveis entre as 107 doenças e problemas de saúde mais relevantes;. É uma doença mental que se caracteriza por tristeza mais marcada ou prolongada, perda de interesse por actividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil.. A depressão é mais comum nas mulheres do que nos homens: um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde, em 2000, mostrou que a prevalência de episódios de depressão unipolar é de 1,9 por cento nos homens e de 3,2 por cento nas mulheres; Quais são as causas da depressão? -Condições de vida adversas: divórcio, a perda de um ente querido, o desemprego e/ou a incapacidade de resolver determinados problemas ou ultrapassar obstáculos. -Determinar qual o factor ou os factores que desencadearam a crise depressiva pode ser importante, pois para o doente poderá ser vantajoso aprender como evitar ou a lidar com esse factor durante o tratamento;

17 Como diagnosticar esta doença? - Não existem meios complementares de diagnóstico específicos para a depressão, e a bem da verdade, tão pouco são necessários: o diagnóstico clínico é fácil e bastante preciso; - Dirija-se sempre ao seu médico de família ou clínico geral: estes médicos podem reconhecer a presença da doença, e caso considerem necessário, podem contactar com um médico psiquiatra para esclarecimento do diagnóstico e para orientação terapêutica (o medicamento a usar, a dose, a duração, a resposta esperável face ao tipo de pessoa, a indicação para um tipo específico de psicoterapia, a necessidade de outros tipos de intervenção, etc.). Como tratar o problema? - Neste tipo de doença é necessário pensar na criança como um membro de um sistema familiar completo, ou seja, é preciso intervir junto da família de forma a alargar e a intensificar a atenção dada a criança, tendo em vista a modificação do olhar do jovem para com o que o rodeia; -Normalmente, através do uso de medicamentos, de intervenções psicoterapeutas, ou da conjugação de ambas;.As intervenções psicoterapeutas são particularmente úteis nas situações ligeiras e reactivas ás adversidades da vida bem como em associação com medicamentos nas situações moderadas e graves;

18

19 Anorexia nervosa - É o comportamento persistente que uma pessoa apresenta em manter seu peso corporal abaixo dos níveis esperados para sua estatura, juntamente a uma percepção distorcida quanto ao seu próprio corpo, que leva o paciente a ver-se como "gordo; - O paciente anoréctico costuma usar meios pouco usuais para emagrecer, não tendo nunca noção de quão errado é o seu comportamento, recusando-se sempre a ir a um especialista; - Possuiu um índice de mortalidade entre 15 a 20% devido a um ataque cardíaco ou seja falta de potássio ou sódio; Definição clínica: - Peso corporal em 85% ou menos do nível normal - Práticas excessivas de actividades físicas - Negação quando questionado sobre o transtorno; - Ausência de 3 ou mais menstruações; - Danos no sistema reprodutor feminino.

20 Sobre quem a anorexia costuma incidir? - As mulheres são largamente mais acometidas pela anorexia, entre 90 e 95% dos casos são mulheres - A faixa etária mais comum é a dos adultos jovens e adolescentes; - É especialmente mais grave na fase de crescimento porque pode comprometer o ganho esperado para a pessoa, resultando numa estatura menor do que a que seria alcançada caso não houvesse anorexia. - Até bem pouco tempo acreditava-se que a anorexia acontecia mais nas sociedades industrializadas. Contudo hoje em dia a realidade é bem diferente: constatou-se que a anorexia está presente também nas populações desfavorecidas e isoladas das propagandas do corpo magro. Tratamento - As psicoterapias podem e devem ser usadas, tanto individuais como em grupo ou em família. - Tratamento da força de vontade da pessoa através do dialogo, motivação e paciência. - Anti depressivos triclínicos

21 Bulimia nervosa - A bulimia nervosa é um transtorno alimentar associado com a anorexia; - A pessoa bulímica tende a ter períodos de intensa alimentação, seguidos de culpa, por causa do ganho de peso; - Para eliminar esse excesso, a pessoa bulímica exercita-se demais, vomita o que come e faz uso excessivo de laxativos e diuréticos; - Para além dos mesmos danos causados pela anorexia, a bulimia nervosa causa danos severos ao esófago, às glândulas salivares e aos dentes, por causa do ácido estomacal, presente no vómito que corrói tais órgãos. -Tratamento. O tratamento desta doença consiste em várias intervenções, incluindo psicoterapia individual de enfoque cognitivo-comportamental, terapia de grupo, terapia familiar e farmacoterapia (uso de medicamentos). » A terapia cognitivo-comportamental tem como objectivo a extinção de hábitos ou atitudes mal-adaptativas e sua substituição por novos padrões, apropriados e não-provocadores de ansiedade; » psicoterapia interpessoal poderia ser tão eficaz quanto a terapia cognitivo-comportamental, apesar do maior espaço de tempo para a verificação dos seus efeitos.

22 Auto-estima elevada - Age de maneira independente. Faz escolhas e toma decisões relacionadas a emprego do tempo, dinheiro, tarefas, roupas, etc., e procura amigos e entretenimento por si mesmo. - Assume responsabilidades. Age de maneira eficaz e confiante e, às vezes, assume a responsabilidade de tarefas ou necessidades óbvias, como lavar pratos, cuidar do quintal, consolar um amigo angustiado, sem que lhe peçam. - Orgulha-se de seus empreendimentos. Aceita com prazer elogios por suas realizações e até cumprimenta a si mesmo em razão delas, de vez em quando. - Enfrenta com entusiasmo os novos desafios. Interessa-se por tarefas com as quais não está familiarizado, por aprender coisas e actividades novas, e nelas se envolve confiantemente. - Demonstra uma ampla variedade de emoções e sentimentos. É capaz de rir alto, chorar e expressar afecto com espontaneidade e, em geral, passa por emoções diferentes sem constrangimento. - Tolera bem as frustrações. É capaz de enfrentar as frustrações com reacções variadas, como: esperar que passem, rir de si mesmo, falar com franqueza sobre o motivo de sua frustração. - Sente-se capaz de influenciar os outros. Sabe que causa boa impressão e pode influenciar os membros da família, os amigos e até mesmo autoridade como professores, ministros, chefes, etc. Quem tem auto-estima positiva sabe que mesmo se tudo correr mal, mesmo que os problemas tenham sido o resultado de um acto próprio, ele tem valor e pode investir em si mesmo para que tudo melhore.

23 A auto-estima elevada pode dificultar o acesso a informações importantes; Embora suportem melhor os fracassos, os adolescentes com elevada auto-estima, têm tendência a atribuir as razões destes a factores externos em vez de se assumirem, resultando em sentimentos como: - O orgulho -> valho mais do que os outros; - A inveja -> mereço mais do que eles; - A cólera -> mereço atenção e aprovação em todas as circunstâncias; - A acedia -> não preciso de fazer esforços; - A gula -> mereço o melhor; - A luxúria -> tenho o direito de utilizar os outros para o meu prazer Este excesso quando inserido num contexto competitivo ou destabilizador, pode sofrer alterações; Os indivíduos com elevada auto-estima dão normalmente uma impressão mais tranquila e estável do que o que se passa na realidade;

24 Sugestões para a resolução de problemas relacionados com a auto-estima - Para melhorar a auto-estima é necessário perceber quais são os nossos pontos fortes, aspectos positivos e limitações; - O plano de acção para modificar determinadas características deve ser o mais real possível, isto é, temos e ter noção de quem existem determinado aspectos que não podem ser modificados; - O facto de querermos mais e melhor está nas nossas mãos. Tudo reside na nossa cabeça e somos nós quem devemos tentar mudar a nossa auto-estima; - Algumas conselhos práticos: * É necessário ensinar á criança que pode enfrentar problemas em todas as fases da sua vida, dando- lhe sempre a ideia de que o mais importante é fazer o melhor que se consegue; * Aprender com a experiência passada; * Falar sobre as ansiedades relacionadas com a violência escolar e o terrorismo mundial; * Dar elogios e incentivos; * Ter paciência para lidar com as situações da melhor forma; * Proporcionar-lhes oportunidades de sucesso; * Fazer com que os próprios jovens percebam o seu valor, assumindo os seus erros e fracassos; Mesmo que se fechem algumas portas outras se abrirão, inclusive melhores.


Carregar ppt "12ºE Área de Projecto Auto-Estima. O que vamos abordar: Auto-Estima - Definição - Importância Vínculo da auto-estima (Infância) Desenvolver a auto-estima."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google