A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Dr. Everardo A. da Costa. DOENÇAS OTORRINOLARINGOLÓGICAS RELACIONADAS COM O TRABALHO - Otorrinolaringologia Ocupacional E. A. DA COSTA – 2002.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Dr. Everardo A. da Costa. DOENÇAS OTORRINOLARINGOLÓGICAS RELACIONADAS COM O TRABALHO - Otorrinolaringologia Ocupacional E. A. DA COSTA – 2002."— Transcrição da apresentação:

1 Dr. Everardo A. da Costa

2 DOENÇAS OTORRINOLARINGOLÓGICAS RELACIONADAS COM O TRABALHO - Otorrinolaringologia Ocupacional E. A. DA COSTA – 2002

3 ESTADO DE SAÚDE FUNÇÃO OU ESTRUTURA CORPORAL ATIVIDADE DO INDIVÍDUO PARTICIPAÇÃO NA SOCIEDADE DANO ou IMPAIRMENT LIMITAÇÕESRESTRIÇÕES FATORES CONTEXTUAIS PESSOAISAMBIENTAIS OMS-CIF-2001

4 CONCEITUAÇÃO ACIDENTE DO TRABALHO É o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados (....) provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Lei 8.213, de 24/07/1991, Art. 19

5 DOENÇA PROFISSIONAL A produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social. A produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social. Lei 8.213, de 24/07/1991, Art. 20 CONCEITUAÇÃO

6 CONCEITUAÇÃO DOENÇA DO TRABALHO A adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso I. Lei 8.213, de 24/07/1991, Art. 20

7 DOENÇAS OCUPACIONAIS ATRIBUIÇÕES Otorrino Médico do Trabalho INSS DiagnósticoNexo causalNexo técnico Grau de riscoProteção- Afastamento temporário Aguardar altaAuxílio doença Afastamento definitivo ReadaptaçãoCRP SeqüelasEstabilidadeAuxílio acidente

8 TRAUMATISMOSFACE NARIZ NARIZ ÓRBITA ÓRBITA MAXILARES MAXILARES ZIGOMÁTICO ZIGOMÁTICOORELHAS PERFURAÇÕES TIMPÂNICAS PERFURAÇÕES TIMPÂNICAS PELE MEATAL PELE MEATAL OTO-HEMATOMA OTO-HEMATOMA ROCHEDO FRATURAS FRATURAS CONCUSSÕES CONCUSSÕES PESCOÇO LARINGE LARINGE COLUNA CERVICAL COLUNA CERVICAL

9 QUEIMADURASFACEPESCOÇO COURO CABELUDO PAVILHÃO AURICULAR MEATO ACÚSTICO EXTERNO PAVILHÃO AURICULAR MEATO ACÚSTICO EXTERNOTÍMPANO BOCA BOCA NARIZ, LARINGE NARIZ, LARINGE FARINGE, ESÔFAGO FARINGE, ESÔFAGO

10 BAROTRAUMA SÍNDROME OCASIONADA PELA DIFICULDADE DE EQUILIBRAR A PRESSÃO NO INTERIOR DE UMA CAVIDADE PNEUMÁTICA DO ORGANISMO COM A VARIAÇÃO DA PRESSÃO AMBIENTAL (NATURAL OU POR EQUIPAMENTOS)

11 BAROTRAUMA FORMAS CLÍNICAS - 1 ORELHA EXTERNA POR PRESENÇA DE TAMPÕES ORELHA MÉDIA POR DISFUNÇÃO TUBÁRIA ORELHA INTERNA POR RUPTURAS DE MEMBRANAS

12 BAROTRAUMA FORMAS CLÍNICAS - 2 SEIOS PARANASAIS SINUS VACUUM FACE(MÁSCARAS)EDEMASEQUIMOSESSANGRAMENTOS DENTAL CAVIDADES AÉREAS PERIODONTAIS

13 CAVIDADE ORAL INFLAMAÇÕESMETAPLASIASLEUCOPLASIAS CROMO, CROMATOS, NÍQUEL, MANGANÊS COMPOSTO, ARSÊNICO, BROMO, CHUMBO, MERCÚRIO, CARVÃO FERTILIZANTES FOSFÁTICOS RADIAÇÕES IONIZANTES NEOPLASIASASBESTO FIBRA DE VIDRO FORMALDEÍDO PERIODONTITES EROSÕES DENTÁRIAS ALT. COR DENTES FLUORETOS POEIRA DE ENXOFRE MERCÚRIO ELEMENTAR CD, CU, NI, AG

14 LARINGITES FARINGITES FORMALDEÍDOTÊXTEISEMBALSAMADORES BROMO, IODO, CLORO, FLUOR FABRICAÇÃO EMPREGO INDUSTRIAL COMPOSTOS ACRÍLICOS TÊXTEIS COMPOSTOS ANIDROS PLÁSTICOS ALUMÍNIOINDÚSTRIA

15 NEOPLASIAS LARINGE E FARINGE ASBESTO FIBROCIMENTO, FRICÇÃO, VEDAÇÃO ALCATRÃO ASFALTO, BETUME, FULIGEM NÍQUELGALVANOPLASTIASJOALHEIRIAS ÁCIDO SULFÚRICO INDÚSTRIAS QUÍMICAS POEIRA DE MADEIRA CIMENTO CONSTRUÇÃO CIVIL INDÚSTRIA ÁLCOOL ISOPROPÍLICO IND. QUÍMICA BREU DE CARVÃO SIDERURGIA

16 RINITE ALÉRGICA INDÚSTRIAS: INDÚSTRIAS: ALIMENTÍCIA (CEREAIS,CERVEJA, FRIGORÍFICO) ALIMENTÍCIA (CEREAIS,CERVEJA, FRIGORÍFICO) PLÁSTICOS, FARMACÊUTICA PLÁSTICOS, FARMACÊUTICA METALÚRGICA (ÓLEOS), TÊXTEIS METALÚRGICA (ÓLEOS), TÊXTEIS GRÁFICAS, TINTAS, TINTURAS GRÁFICAS, TINTAS, TINTURAS MADEIRA, CIMENTO, CROMO, TUNGSTÊNIO MADEIRA, CIMENTO, CROMO, TUNGSTÊNIO TRATO COM ANIMAISAGROPECUÁRIA TRATO COM ANIMAIS, AGROPECUÁRIA ARMAZENAMENTOS AGROINDUSTRIAIS ARMAZENAMENTOS AGROINDUSTRIAIS MINERAÇÃO, SOLDA, GALVANIZAÇÃO MINERAÇÃO, SOLDA, GALVANIZAÇÃO COMÉRCIO (PADARIAS, TECIDOS, TAPETES) COMÉRCIO (PADARIAS, TECIDOS, TAPETES) INSTITUTOS DE BELEZA, ESCRITÓRIOS INSTITUTOS DE BELEZA, ESCRITÓRIOS LABORATÓRIOS, FARMÁCIAS LABORATÓRIOS, FARMÁCIAS

17 RINITES SINUSITES AGUDAS NÍQUEL, CROMO, VANÁDIO, NÍQUEL CÁDMIO, ANIDRIDO TRIMETÍLICO, TETRACLORETO DE TITÂNIO CRÔNICAS ARSÊNICO, CROMO, FLÚOR, CLORO, BROMO, IODO, AMÔNIA, NÍQUEL SELÊNIO, CIMENTO, NÉVOAS ÁCIDAS

18 NARIZ SEIOS PARANASAIS PERFURAÇÃO DE SEPTO NASAL NÍQUEL, CROMO, CÁDMIO, MANGANÊS, ARSÊNICO, ÁCIDO CIANÍDRICO RINOLITÍASE (NASAL OU SINUSAL) CIMENTO

19 NARIZ SEIOS PARANASAIS ANOSMIA CROMO, CÁDMIO, ZINCO, COBALTO, NÍQUEL, CROMO, ASBESTO, BROMO, CLORO,SOLVENTES, DISSULFETO DE CARBONO, FERRO, AMÔNIA NEOPLASIA ASBESTO, ARSÊNICO, ÁLCOOL ISOPROPÍLICO, GÁS HIDROCARBÔNICO, COLA, MADEIRA, COURO, RADIAÇÕES IONIZANTES RADIAÇÕES IONIZANTES

20 PELE E MUCOSAS DERMATOSES RAIOS ULTRAVIOLETA ZOONOSES CONTAMINAÇÕES NO TRABALHO NEOPLASIA RADIAÇÃO IONIZANTE

21 ORELHA EXTERNA INFECÇÕES BACTERIANAS NADADORESMERGULHADORESOTOMICOSESESTETOSCÓPIOSNADADORESMERGULHADORES

22 ORELHA MÉDIA PERFURAÇÕES TIMPÂNICAS TRAUMATISMOSBAROTRAUMAQUEIMADURAS OTITES MÉDIAS NÃO SUPURATIVAS BAROTRAUMA INSETICIDAS ORGANOFOSFORADOS

23 ORELHA INTERNA PERDA AUDITIVA PAIR RUÍDO CONTINUADO TRAUMA ACÚSTICO RUÍDO SÚBITO OTOTOXICOSES FUMOS METÁLICOS SOLVENTES GASES ASFIXIANTES

24 ORELHA INTERNA VESTIBULOPATIAS RUÍDO, VIBRAÇÕES BAROTRAUMAS, PVC, SOLVENTES, GASES ASFIXIANTES, FUMOS METÁLICOS, PESTICIDAS ORGÂNICOS VIBRAÇÕES PÉS, ASSENTO, MÃOS

25 DISFONIAS OCUPACIONAIS ANAMNESE QUEIXAS: DISFONIAS, AFONIAS FATORES DE MELHORA FATORES DE MELHORA FATORES DE PIORA FATORES DE PIORA INSTALAÇÃO INSTALAÇÃO SINTOMAS ASSOCIADOS: PIGARRO, TOSSE, CANSAÇO, DOR, RESSECAMENTO, TENSÕES

26 DISFONIAS OCUPACIONAIS ANAMNESE HISTÓRICO OCUPACIONAL: ESTADO EMPREGATÍCIO OCUPAÇÕES ANTERIORES AFASTAMENTOS AMBIENTE DE TRABALHO PROCESSO DE TRABALHO HISTÓRICO PESSOAL E FAMILIAR: DOENÇAS (ORL, SISTÊMICAS) HÁBITOS (ALIMENTARES, LAZER) TRATAMENTOS (MÉDICOS, FONOS)

27 DISFONIAS OCUPACIONAIS EXAME FÍSICO EXAME OTORRINOLARINGOLÓGICO BÁSICO EXAME OTORRINOLARINGOLÓGICO BÁSICO TENSÃO MÚSCULO-ESQUELÉTICA TENSÃO MÚSCULO-ESQUELÉTICA LARINGOSCOPIA INDIRETA LARINGOSCOPIA INDIRETA NASOFIBROLARINGOSCOPIA NASOFIBROLARINGOSCOPIA (C/S ESTROBOSCOPIA)

28 DISFONIAS OCUPACIONAIS EXAME FÍSICO EXAME FONOAUDIOLÓGICO: TIPO RESPIRATÓRIO COORDENAÇÃO PNEUMOFÔNICA ARTICULAÇÃO DA FALA PROSÓDIA (ritmo, freqüência, intensidade) POSTURAS CORPORAL E VOCAL PERSONALIDADE X QUALIDADE VOCAL

29 DISFONIAS OCUPACIONAIS IMPRESSÃO DO EXAMINADOR CARACTERÍSTICA EMOCIONAL CARACTERÍSTICA EMOCIONAL Normal, ansiosa, depressiva CONSISTÊNCIA DAS RESPOSTAS CONSISTÊNCIA DAS RESPOSTAS Fidedignidade, ensaiadas, apoios POSSIBILIDADES DE GANHOS SECUNDÁRIOS POSSIBILIDADES DE GANHOS SECUNDÁRIOS

30 DISFONIAS OCUPACIONAIS USO INADEQUADO DA VOZ AMBIENTE INADEQUADO PARA A VOZ ORGANIZAÇÃO DE TRABALHO INADEQUADA PARA A VOZ PROFESSORES OPERADORES DE COMUNICAÇÕES TRIBUNOSARTISTAS

31 PERDA AUDITIVA INDUZIDA PELO RUÍDO * PAIR *

32 IMPORTÂNCIA DA PAIR GRANDE OCORRÊNCIAGRANDE OCORRÊNCIA EFEITOS PSICOSSOCIAISEFEITOS PSICOSSOCIAIS ABORDAGEM MULTIDISCIPLINARABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR DOENÇA PREVENÍVELDOENÇA PREVENÍVEL

33 FONTES DE RUÍDO IndústriaIndústria TráfegoTráfego Construção civil e obras públicasConstrução civil e obras públicas Fontes urbanas e domésticasFontes urbanas e domésticas Esporte e lazerEsporte e lazer

34 EFEITOS DO RUÍDO EFEITOS DO RUÍDO Na comunicaçãoNa comunicação No sistema auditivoNo sistema auditivo No sonoNo sono No estresseNo estresse IncômodoIncômodo No rendimento do trabalhoNo rendimento do trabalho Dor ou algiacusiaDor ou algiacusia

35 EFEITOS DO RUÍDO SOBRE A AUDIÇÃO AdaptaçãoAdaptação FadigaFadiga Perda Auditiva Temporária (TTS)Perda Auditiva Temporária (TTS) Perda Auditiva Permanente (PTS,PAIR)Perda Auditiva Permanente (PTS,PAIR)- Trauma Acústico

36 ESPIRA DA CÓCLEA

37 A CÓCLEA ATIVA

38 AS CÉLULAS CILIADAS EXTERNAS

39 PAIR – CÉLULAS CILIADAS

40 PAIR: CORRELAÇÃO ANÁTOMO-AUDIOMÉTRICA

41 PAIR: GRAUS DE EVOLUÇÃO

42 Perda auditiva neurossensorial bilateral (quantitativa)Perda auditiva neurossensorial bilateral (quantitativa) Dificuldades para reconhecer a fala (qualitativa)Dificuldades para reconhecer a fala (qualitativa) Intolerância a sons intensos (recrutamento)Intolerância a sons intensos (recrutamento) Acúfenos (zumbidos, tinnitus)Acúfenos (zumbidos, tinnitus) Dificuldades para localizar fontes sonorasDificuldades para localizar fontes sonoras Outros: tonturas, otalgias plenitude auricular irritabilidade, insôniaOutros: tonturas, otalgias plenitude auricular irritabilidade, insônia PAIR: SINTOMAS

43 Anamnese clínico-ocupacionalAnamnese clínico-ocupacional Exame ORL básicoExame ORL básico Exames audiométricosExames audiométricos Outros examesOutros exames EXAME MÉDICO- AUDIOLÓGICO

44 Identificação, encaminhamento, motivo Sintomas auditivos presentes e passados Sintomas ORL presentes e passados Sintomas gerais presentes e passados Antecedentes traumáticos (físicos e acústicos) Medicamentos, hábitos e exposições extras Antecedentes familiares Riscos da ocupação atual Riscos de ocupações anteriores Impressão do examinador ANAMNESE CLÍNICO - OCUPACIONAL

45 DENTRO DOS LIMITES ACEITÁVEIS

46 SUGESTIVO DE PAIR

47 NÃO SUGESTIVO DE PAIR

48 PAIR EFEITOS PSICOSSOCIAIS »No trabalho »Na família »Na sociedade »Nos trabalhos de reabilitação

49 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Presbiacusiatraumáticasinfecciosasototóxicas por produtos químicos metabólicas e hormonais degenerativas,vasculares e hemáticas neurossensoriais flutuantes tumorais do sistema nervoso central hereditárias, congênitas e neonatais

50 PAIR: TRATAMENTO MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS ORIENTAÇÃO E ESTRATÉGIAS APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO APOIO DE ESPECIALIDADES PREVENTIVO


Carregar ppt "Dr. Everardo A. da Costa. DOENÇAS OTORRINOLARINGOLÓGICAS RELACIONADAS COM O TRABALHO - Otorrinolaringologia Ocupacional E. A. DA COSTA – 2002."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google