A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FACULDADE DE MEDICINA DE S. J. DO RIO PRETO DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FACULDADE DE MEDICINA DE S. J. DO RIO PRETO DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA."— Transcrição da apresentação:

1 FACULDADE DE MEDICINA DE S. J. DO RIO PRETO DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA FUNFARME/FAMERP

2 DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ

3 G RAVIDEZ: 1. DIAGNÓSTICO CLÍNICO A. Anamnese B. Inspeção C. Palpação D. Toque Vaginal E. Ausculta 2. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 3. DIAGNÓSTICO ULTRASSONOGRÁFICO G RAVIDEZ: 1. DIAGNÓSTICO CLÍNICO A. Anamnese B. Inspeção C. Palpação D. Toque Vaginal E. Ausculta 2. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 3. DIAGNÓSTICO ULTRASSONOGRÁFICO

4 1. ATRASO MENSTRUAL - DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: - 0,7% dos casos perdas sangüíneas até o 3 o mês de gestação - Fisiológico ALEITAMENTO - Patológico endocrinopatias/anemias graves/cisto ovário - Medicamentoso anticoncepcional / clorpromazina /fenotiazina / reserpina / metildopa / antiblásticos - Fisiológico ALEITAMENTO - Patológico endocrinopatias/anemias graves/cisto ovário - Medicamentoso anticoncepcional / clorpromazina /fenotiazina / reserpina / metildopa / antiblásticos DIAGNÓSTICO CLÍNICO - Mulher eumenorreica e com vida sexual ativa: primeiro e o mais importante sintoma clínico - Mulher eumenorreica e com vida sexual ativa: primeiro e o mais importante sintoma clínico DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ ANAMNESE FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

5 2. MANIFESTAÇÕES NEUROVEGETATIVAS - Náuseas/vômitos/sialorréia/vertigens 3. POLACIÚRIA - Compressão da bexiga pelo corpo uterino 4. CÓLICAS NA REGIÃO HIPOGÁSTRICA 5. MASTALGIA BILATERAL E SENSAÇÃO DE AUMENTO DAS MAMAS 6. MOVIMENTAÇÃO FETAL: - Multíparas 16 a - 18 a semana - Primigestas 18 a - 20 a semana 2. MANIFESTAÇÕES NEUROVEGETATIVAS - Náuseas/vômitos/sialorréia/vertigens 3. POLACIÚRIA - Compressão da bexiga pelo corpo uterino 4. CÓLICAS NA REGIÃO HIPOGÁSTRICA 5. MASTALGIA BILATERAL E SENSAÇÃO DE AUMENTO DAS MAMAS 6. MOVIMENTAÇÃO FETAL: - Multíparas 16 a - 18 a semana - Primigestas 18 a - 20 a semana DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO ANAMNESE FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

6 1. CLOASMA GRAVÍDICO: - A partir da 12 a -16 a semana hormônio melanotrófico/estrogênio/progesterona 1. CLOASMA GRAVÍDICO: - A partir da 12 a -16 a semana hormônio melanotrófico/estrogênio/progesterona 2. SINAL DE HALBAN: - Surgimento de lanugem próximo à inserção dos cabelos 2. SINAL DE HALBAN: - Surgimento de lanugem próximo à inserção dos cabelos MODIFICADO REZENDE, 1974 DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO INSPEÇÃO - CABEÇA FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

7 1. ARÉOLA GRAVÍDICA OU SINAL DE HUNTER: - Pigmentação ao redor da aréola primitiva 1. ARÉOLA GRAVÍDICA OU SINAL DE HUNTER: - Pigmentação ao redor da aréola primitiva 2. TUBÉRCULOS DE MONTGOMERY: - Glândulas sebáceas hipertrofiadas 2. TUBÉRCULOS DE MONTGOMERY: - Glândulas sebáceas hipertrofiadas 3. REDE DE HALLER: - Dilatação da rede venosa superficial mamária 3. REDE DE HALLER: - Dilatação da rede venosa superficial mamária NEME, 1995 DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO INSPEÇÃO - MAMAS FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998 REZENDE, 1995

8 1. PIGMENTAÇÃO ACENTUADA DA LINHA ALBA: - Linha Nigra 2. AUMENTO DO VOLUME ABDOMINAL 1. PIGMENTAÇÃO ACENTUADA DA LINHA ALBA: - Linha Nigra 2. AUMENTO DO VOLUME ABDOMINAL NEME, 1995 DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO INSPEÇÃO - ABDOMEM FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

9 BARBOSA, 1952 SINAL DE JACQUEMIER-KLUGE SINAL DE KLUGE BARBOSA, SINAL DE JACQUEMIER-KLUGE: - Após a 8 a semana coloração arroxeada do vestíbulo e parede vaginal anterior ( vascularização/embebição gravídica) 1. SINAL DE JACQUEMIER-KLUGE: - Após a 8 a semana coloração arroxeada do vestíbulo e parede vaginal anterior ( vascularização/embebição gravídica) 2. SINAL DE KLUGE: - Após a 8 a semana coloração arroxeada do colo uterino 2. SINAL DE KLUGE: - Após a 8 a semana coloração arroxeada do colo uterino DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO INSPEÇÃO - GENITÁLIA INTERNA/EXTERNA FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998 SINAL DE KLUGE BARBOSA, 1952

10 - A partir (ou antes) da 10 a semana colostro - Aumento do volume e maior sensibilidade - A partir (ou antes) da 10 a semana colostro - Aumento do volume e maior sensibilidade DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO PALPAÇÃO - MAMAS FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, COLOSTRO

11 REZENDE, PRIMEIROS 2 MESES intrapélvico - A PARTIR DA 10 a - 12 a SEMANA região hipogástrica - 3 o -4 o MESES entre sínfise púbica e cicatriz umbilical - 5 o MÊS cicatriz umbilical - PRIMEIROS 2 MESES intrapélvico - A PARTIR DA 10 a - 12 a SEMANA região hipogástrica - 3 o -4 o MESES entre sínfise púbica e cicatriz umbilical - 5 o MÊS cicatriz umbilical DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO PALPAÇÃO - CORPO UTERINO FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

12 1. REGRA DE GOODEL: - Colo uterino não gravídico consistência semelhante à cartilagem nasal - Colo uterino gravídico consistência semelhante ao lábio 2. SINAL DE OSIANDER: - - Percepção de pulso vaginal ao toque 1. REGRA DE GOODEL: - Colo uterino não gravídico consistência semelhante à cartilagem nasal - Colo uterino gravídico consistência semelhante ao lábio 2. SINAL DE OSIANDER: - - Percepção de pulso vaginal ao toque DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO TOQUE VAGINAL FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

13 3. SINAL DE NOBLE-BUDIN: - Corpo uterino de piriforme torna-se globoso preenchimento dos fundos de sacos laterais 3. SINAL DE NOBLE-BUDIN: - Corpo uterino de piriforme torna-se globoso preenchimento dos fundos de sacos laterais SINAL DE NOBLE-BUDIN NEME, 1995 NÃO GRAVÍDICO GRAVÍDICO DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO TOQUE VAGINAL FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

14 4. SINAL DE PUZOS - Rechaço fetal 4. SINAL DE PUZOS - Rechaço fetal SINAL DE PUZOS NEME, 1995 DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO TOQUE VAGINAL FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

15 1. SONAR DOPPLER - A partir da 10 a a 12 a semana de gestação 2. ESTETOSCÓPIO DE PINARD - A partir da 16 a a 20 a semana 1. SONAR DOPPLER - A partir da 10 a a 12 a semana de gestação 2. ESTETOSCÓPIO DE PINARD - A partir da 16 a a 20 a semana DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO AUSCULTA DO BCF FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

16 1. URINÁRIO: - Positividade 12 dias da falha menstrual 2. PLASMÁTICO: - Pode ser detectado 10 dias após a fecundação (4 dias antes da falha menstrual) - Maior sensibilidade e especificidade - HCG plasmático 1. URINÁRIO: - Positividade 12 dias da falha menstrual 2. PLASMÁTICO: - Pode ser detectado 10 dias após a fecundação (4 dias antes da falha menstrual) - Maior sensibilidade e especificidade - HCG plasmático DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO LABORATORIAL GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

17 - Níveis insuficientes de HCG: Pouco tempo de amenorréia/Aborto/Prenhez ectópica - Níveis insuficientes de HCG: Pouco tempo de amenorréia/Aborto/Prenhez ectópica - FALSO POSITIVO - FALSO NEGATIVO - Aumento LH: Menopausa/Ooforectomia bilateral/Fenotiazídicos/ Hipnóticos/ Antidepressivos/Anticonvulsivantes/ Anticoncepcionais orais/Hipertireoidismo - Aumento LH: Menopausa/Ooforectomia bilateral/Fenotiazídicos/ Hipnóticos/ Antidepressivos/Anticonvulsivantes/ Anticoncepcionais orais/Hipertireoidismo DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO LABORATORIAL GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

18 ATRASO OU IRREG. MESNTRUAL, NÁUSEAS, VOL.ABDOMINAL ATRASO OU IRREG. MESNTRUAL, NÁUSEAS, VOL.ABDOMINAL AVALIAR: Ciclo Menstrual Data da Última Menstruação Volume Abdominal AVALIAR: Ciclo Menstrual Data da Última Menstruação Volume Abdominal ATRASO MENSTRUAL em Mulheres com ATIVIDADE SEXUAL ATRASO MENSTRUAL em Mulheres com ATIVIDADE SEXUAL SOLICITAR TESTE DE GRAVIDEZ RESULTADO NEGATIVO REPETIR EM 15 DIAS PERSISTINDO AMENORRÉIA AVALIAR CAUSAS GINECOLÓGICAS RESULTADO POSITIVO GRAVIDEZ CONFIRMADA INICIAR ACOMPANHAMENTO DA GESTANTE INICIAR ACOMPANHAMENTO DA GESTANTE RESULTADO NEGATIVO DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO LABORATORIAL GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

19 Objetivos: - Idade gestacional e vitalidade - Localização do embrião - Número de embriões Objetivos: - Idade gestacional e vitalidade - Localização do embrião - Número de embriões 1. TRANSDUTOR ABDOMINAL - Saco gestacional a partir da 6 a semana de gestação 2. TRANSDUTOR TRANSVAGINAL - Saco gestacional a partir da 5 a semana de gestação 1. TRANSDUTOR ABDOMINAL - Saco gestacional a partir da 6 a semana de gestação 2. TRANSDUTOR TRANSVAGINAL - Saco gestacional a partir da 5 a semana de gestação GESTAÇÃO TÓPICA - 8 SEMANAS NEME, 1995 DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO ULTRASSONOGRÁFICO FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000; REZENDE, 1998

20 FIM


Carregar ppt "FACULDADE DE MEDICINA DE S. J. DO RIO PRETO DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google