A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FRATURAS Aspectos Ortopédicos e Reabilitação Profa. Luana de La Barra.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FRATURAS Aspectos Ortopédicos e Reabilitação Profa. Luana de La Barra."— Transcrição da apresentação:

1 FRATURAS Aspectos Ortopédicos e Reabilitação Profa. Luana de La Barra

2 FRATURAS É a perda total ou parcial da continuidade de um osso (Adams, 1976) Lesão grave de partes moles com falha óssea subjacente (Gould, 1993)

3 FRATURAS Doença de Fratura: Estado clínico manifestado por edema crônico, atrofia dos tecidos moles e osteoporose em focos. (Lucas-Championniére, 1907) Vida é movimento, movimento é vida

4 FRATURAS Etiologia = sobrecarga Texto 10 a 20 x o peso corporal Protetores, capacete, coxins Posição muscular, forças internas Fatores externos

5 CLASSIFICAÇÃO (ETIOLOGIA) 1. Trauma (direto ou indireto)

6 CLASSIFICAÇÃO (ETIOLOGIA) 1. Trauma (direto ou indireto)

7 CLASSIFICAÇÃO (ETIOLOGIA) 1. Trauma (direto ou indireto)

8 CLASSIFICAÇÃO (ETIOLOGIA) 2. Fadiga ou estresse

9 CLASSIFICAÇÃO (ETIOLOGIA) 3. Patológica

10 CLASSIFICAÇÃO (ESTADO DA PELE) 1. Fechada

11 11

12 CLASSIFICAÇÃO (TRAÇO DE FRATURA) 1. Transversa

13 CLASSIFICAÇÃO (TRAÇO DE FRATURA) 2. Oblíqua

14 CLASSIFICAÇÃO (TRAÇO DE FRATURA) 3. Espiralada

15 CLASSIFICAÇÃO (TRAÇO DE FRATURA) 4. Cominutiva

16 CLASSIFICAÇÃO (TRAÇO DE FRATURA) 5. Compressão

17 CLASSIFICAÇÃO (TRAÇO DE FRATURA) 6. Galho verde

18 18

19 REPARO DE FRATURAS

20 1- Fase da Indução -Hemorragia -Fatores químicos

21 2- Fase Inflamatória -Hematoma e coágulo -Necrose celular -Granulação (fibroblastos) REPARO DE FRATURAS

22 3- Proliferação periosteal e endosteal -alta atividade fibroblástica -diferenciação em osteoblastos e condroblastos REPARO DE FRATURAS

23 4- Estágio de Calo ósseo (calo mole) -invasão vascular -tecido fibrocartilaginoso -calcificação progressiva REPARO DE FRATURAS

24 5- Estágio de Consolidação (calo duro) -alta atividade osteoblástica -mineralização -consolidação clínica e radiográfica

25 REPARO DE FRATURAS

26 6- Estágio de Remodelação -atividade osteoclástica -remoção óssea REPARO DE FRATURAS

27 TEMPO DE CONSOLIDAÇÃO Não há regras rígidas * Fatores de influência: -aspecto mecânico = estabilidade -aspecto biológico = vascularização

28 Consolidação Indireta Ocorre naturalmente como processo de cura das fraturas Ortopedia: tratamento conservador, não aborda o foco de fratura Todas as fases da consolidação estão presentes

29 Consolidação Direta Per prima 2 meses em condições ideais É a fixação que esvazia o hematoma fraturário: sem calo fibrocartilaginoso

30 30

31 Alinha canais de Havers e faz compressão axial Estabilidade imediata Consolidação Direta

32 Variáveis locais: -intensidade do trauma -grau de perda óssea -tipo de osso comprometido -tipo de imobilização -fratura intra-articular -malignidade local TEMPO DE CONSOLIDAÇÃO

33 Variáveis sistêmicas: -idade -exercícios físicos e solicitação mecânica -influência hormonal TEMPO DE CONSOLIDAÇÃO

34 COMPLICAÇÕES Infecção Osteomielite

35 Necrose avascular COMPLICAÇÕES

36 Pseudoartrose (falsa verdadeira) COMPLICAÇÕES

37 Pseudoartrose A falta de consolidação ou ( união dos ossos), pode ocorrer por vários fatores. 1 – separação dos fragmentos ósseo 2- perda óssea nas fraturas expostas 3 - fixação inadequada 4 - interposição de partes moles entre os fragmentos ósseos 5 - infecção

38 Após 8 meses de fratura

39 Consolidação viciosa COMPLICAÇÕES

40 Complicações Fratura primeiro dia Pós operatório imediato

41 5 meses de pós-operatório um ano de pós-operatório

42 Incongruência articular

43

44 Desvios angulares do membro Deformidades COMPLICAÇÕES

45 TRATAMENTO ORTOPÉDICO Fratura fechada Fratura exposta Com desvio Sem desvio Estável Instável

46 4 princípios: - Redução anatômica - Estabilidade - Preservação do suprimento sanguíneo - Mobilização precoce ativa e carga no membro indolor TRATAMENTO ORTOPÉDICO

47 1- Redução - fechada ( incruenta ) - aberta (cirúrgica) TRATAMENTO ORTOPÉDICO

48 2- Imobilização Gesso, tala, enfaixamento, órtese TRATAMENTO ORTOPÉDICO

49 3- Trações Cutâneas ou Esqueléticas TRATAMENTO ORTOPÉDICO

50 3- Trações Cutâneas ou Esqueléticas TRATAMENTO ORTOPÉDICO

51

52 4- Osteossínteses -Internas - interfragmentar - de suporte - tutores -Externas - fixadores externos TRATAMENTO ORTOPÉDICO

53 Osteossínteses Internas - Interfragmentares TRATAMENTO ORTOPÉDICO

54 Osteossínteses Internas - De suporte TRATAMENTO ORTOPÉDICO

55 Osteossínteses Internas - Tutores TRATAMENTO ORTOPÉDICO

56 Osteossínteses Externas - Fixadores Externos (linear, semi-circular, circular, Ilizarov) TRATAMENTO ORTOPÉDICO

57 REABILITAÇÃO Considerar: - variáveis da fratura - tipo de tratamento ortopédico - fase da consolidação - condições do paciente

58 REABILITAÇÃO 2 enfoques: - Consolidação da fratura - Consequências da Doença de Fratura e do Imobilismo

59 REABILITAÇÃO - Consolidação da Fratura Lei de Wolff Lei de Wolff (1892) O crescimento ósseo se adapta às forças colocadas sobre ele EFEITO PIEZOELÉTRICO Energia mecânica Atividade elétrica

60 REABILITAÇÃO - Consolidação da Fratura ação de cargas mecânicas: - sobrecargas gravitacionais - sustentação de peso - compressões articulares - movimentação - contração muscular * dependendo do calo ósseo

61 REABILITAÇÃO - Consolidação da Fratura ELETROTERAPIA ação de cargas mecânicas: US terapêutico - US terapêutico pulsátil / pulso 200 microssegundos 1,0 a 1,5 MHz 0,03 a 0,1 W/cm² 20 minutos

62 REABILITAÇÃO - Consolidação da Fratura ELETROTERAPIA ativação da cicatrização: Radiação Laser - Radiação Laser Laser AsGa

63 REABILITAÇÃO -Consequências da Doença de Fratura e do Imobilismo Inflamação (edema e dor) Atrofia e encurtamentos musculares Perda de massa óssea Contraturas teciduais e rigidez articular Perda da função local Complicações sistêmicas

64 REABILITAÇÃO -Consequências da Doença de Fratura e do Imobilismo Eletro-termo-foto-terapia Fortalecimento e alongamento muscular Estimulação da descarga de peso no MM Mobilizações e manipulações Reeducação funcional e proprioceptiva Recondicionamento cardiovascular e respiratório

65 REABILITAÇÃO CUIDADOS: - Sobrecarga na parte distal ao local de fratura - Tempo para carga no membro - Presença de osteossínteses

66 RESULTADOS FINAIS - Remodelação Óssea - Cicatrização - Sintomatologia - Funcionalidade

67 FIM !


Carregar ppt "FRATURAS Aspectos Ortopédicos e Reabilitação Profa. Luana de La Barra."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google