A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão. Graciliano Ramos Material elaborado a partir das contribuições da Prof a.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão. Graciliano Ramos Material elaborado a partir das contribuições da Prof a."— Transcrição da apresentação:

1 HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão. Graciliano Ramos Material elaborado a partir das contribuições da Prof a Debora Gil

2 O que são métodos de alfabetização? Um conjunto de princípios teórico- procedimentais que organizam o trabalho pedagógico em torno da alfabetização.

3 MÉTODOS SINTÉTICOS MÉTODOS ANALÍTICO MÉTODOS ANALÍTICOS-SINTÉTICOS CONSTRUTIVISMO

4 MÉTODOS SINTÉTICOS MÉTODOS SINTÉTICOS (alfabético, silábico, fônico) O método sintético é o mais antigo usado na Grécia e Roma Antiga tem mais de anos; Proposta: progressão de unidades menores (letra, fonema, sílaba) a unidades mais complexas (palavra, frase, texto). Enfoque: processos de decodificação. Insistem na correspondência entre o oral e o escrito. Entre o som e a grafia. Estratégia perceptiva utilizada: audição.

5 MÉTODO SILÁBICO 1º passo: apresenta-se as vogais, com ajuda de ilustrações e palavras como o de OVO; e de ELEFANTE. 2º passo: Apresentam-se as sílabas canônicas, utilizando palavras e ilustrações e destacando a sílaba na palavra: ma de macaco, na de navio, pa de panela, e as não canônicas, de forma processual. 3º passo: Famílias silábicas da sílaba em destaque na palavra. 4º passo: Formação de palavras. 5º passo: Formação de frases. 6º passo: Formação de pequenos textos.

6 MÉTODO FÔNICO 1º passo: vogais - nome e som das letras são iguais. 2º passo: palavras formadas apenas por vogais. 3º passo: apresentação os fonemas regulares (d, b, f, j, m, n...) de forma isolada e processualmente os irregulares. 4º passo: junção dos fonemas regulares e, processualmente os irregulares, com as vogais, formando sílabas. 5º passo: formação de palavras. 6º passo: formação de frases. 7º passo: formação de textos.

7 107 e. RJ: Livraria Francisco Alves, Autoria anônima, a 1a. edição dessas "cartas de ABC" é de 1905.

8 MÉTODOS ANALÍTICOS MÉTODOS ANALÍTICOS (palavração, sentenciação, global contos/textos) Proposta: progressão de unidades de sentido mais amplas (palavra, frase, texto) a unidades menores (sílabas e sua decomposição em grafemas e fonemas). Enfoque: reconhecimento global pela silhueta da palavra, frase ou texto. Estratégia perceptiva utilizada: visão.

9 PALAVRAÇÃO 1º passo: apresentação de palavras ilustradas que fazem parte do universo infantil. 2º passo: memorização (leitura e escrita da palavra). 3º passo: divisão silábica das palavras. 4º passo: formação de novas palavras com as sílabas estudadas. 5º passo: estudo e análise de grafemas/fonemas. 6º passo: formação de frases. 7º passo: formação de textos.

10 SENTENCIAÇÃO 1º passo: apresentação de frases que fazem parte do universo infantil. 2º passo: memorização (leitura e escrita da frase). 3º passo: observação de palavras semelhantes dentro da sentença. 4º passo: formação de grupo de palavras. 5º passo: isolamento de elementos conhecidos dentro da palavra (sílaba). 6º passo: estudo e análise de grafemas/fonemas

11 GLOBAL DE TEXTOS/CONTOS 1º passo: apresentação de partes do texto com sentido completo, em cartazes. 2º passo: memorização - leitura e escrita do texto. 3º passo: decomposição do texto estudado em frases. 4º passo: decomposição das frases em palavras. 5º passo: decomposição das palavras em sílabas. 6º passo: formação de novas palavras com as sílabas estudadas. 7º passo: estudo e análise de grafemas/fonemas.

12 MÉTODO ANALÍTICO-SINTÉTICO Esse método caracteriza-se por explorar o todo significativo e as partes, simultaneamente. Dentro desse método, o professor poderá partir: a) da palavra, passando para a frase, formando um texto, retirando novamente a palavra para decompô-la em sílabas; b) da frase, retirando a palavra para chegar à sílaba; c) da história, retirando a palavra-chave para depois destacar a sílaba.

13 Alfabetização: construtivismo e desmetodização A partir do início da década de 1980, introduziu-se no Brasil o pensamento construtivista sobre alfabetização, resultante das pesquisas sobre a psicogênese da língua escrita desenvolvidas pela pesquisadora argentina Emilia Ferreiro e colaboradores. Desloca-se o eixo das discussões dos métodos de ensino para o processo de aprendizagem da criança, o construtivismo se apresenta, não como um método novo, mas como uma revolução conceitual; Mudança no foco: como se ensina para como se aprende a ler e escrever.

14 PERSPECTIVA CONSTRUTIVISTA As crianças pensam, elaboram suas hipóteses sobre como funciona o sistema de escrita, se esforçam para compreender para o que serve, e são capazes de aprender as formas de linguagem utilizadas para escrever ao mesmo tempo que aprendem a natureza alfabética do sistema. Processo de alfabetização: começa assim que a criança se encontra com material impresso – desde que alguém lhe diga o que está escrito.

15 HIPÓTESES DE ESCRITA castelo HNMA; AESEDR; ESDÓQLAHC Pré-silábica Esqueleto IQEO; ICQLO; IPEO Silábica Castelo CASTLO; CATLU Silábico-alfabética CASTELU; ISQELETO Alfabética

16 Exemplo de escrita pré-silábica PRÉ-SILÁBICO I Não estabelecem vinculo entre fala e escrita; Supõem que a escrita é outra forma de desenhar ou representar coisas A escrita é pictórica, pois ocorre em forma de rabiscos ou garatujas (desenhos sem figuração);

17 Na escrita pré-silábica... Usa várias letras para representar uma palavra; Nesta etapa a criança já aprendeu que para escrever precisa-se de letras, mas ainda não identifica quais letras corresponde aos sons da fala; Sua leitura é global; A crianaça escreve a quantidade de letras de acordo com o tamanho do animal, a formiga é pequena poucas letras, o elefante é grande mais letras. Usa as letras que já conhece, as do próprio nome, na escrita.

18 Escrita silábica- escrita sem valor sonoro Nesta escrita ainda não há relação entre letra – grafema – e som – fonema.

19 Escrita silábica- escrita com valor sonoro

20 PRÉ–SILÁBICA Não consegue relacionar as letras com os sons da língua falada, esta fase pode-se dividir em dois níveis: Nível I e Nível II; O Nível I pode ser: Pictórico em que ocorre na escrita as garatujas ou os rabiscos (desenhos sem figuração); Ideográfico em que a criança usa desenhos para representar palavras.

21 O Nível II Escreve diversas letras para representar palavras.; Ela percebe que para escrever precisa de letras; Sua escrita não tem relação com a sonoridade; A ordem das letras não tem importância; Para ela a escrita não pode conter menos que três ou quatro letras; Sua leitura é global; Nesta fase pode ocorrer o Realismo Nominal, ou seja, associa o tamanho da palavra ao tamanho do objeto. Exemplo: A criança acredita que para escrever ELEFENTE ela precisa de muitas letras, por que o elefante é grande, e para escrever FORMIGA ela precisa de poucas letras, por que a formiga é pequena;

22 Silábico-alfabético

23 SILÁBICA É nesta fase que a criança percebe que não precisa de um monte de letras para cada palavra escrita. Mas às vezes coloca letras entre as sílabas que são chamadas de almofadas (no meio da palavra) ou sobrantes (no final da palavra) talvez para ficar mais bonito. Exemplo: UAX (uva) As vezes pode usar uma letra para representar cada palavra na frase, pois para a criança nesta fase a sílaba é a menor unidade da escrita, na frase a menor unidade é a palavra. Esta hipótese pode se dividir em dois níveis: Silábico Sem Valor Sonoro e Silábico Com Valor Sonoro.

24 Silábico Sem Valor Sonoro, a criança relaciona a escrita e a fala, para cada vez que pronuncia uma sílaba, ela escreve uma letra, porém essa letra (grafema) não tem relação com o som (fonema). Exemplo: XLH (cavalo); Silábico Com Valor Sonoro, usa uma letra para cada vez que pronuncia uma sílaba, mas desta vez faz relação com o fonema (som). Exemplo: CVL, CVO, AAO ou AVL (cavalo). Na hipótese silábica com valor sonoro, pode surgir a falha na alfabetização, a criança pode ser vocálica (iniciou a alfabetização a partir das vogais, exemplo: escreve AAO - cavalo) ou consonantal (iniciou a alfabetização a partir das consoantes, exemplo: escreve CVL - cavalo).

25 Escrita Silábica-alfabética

26 SILÁBICO-ALFABÉTICA Esta é a hipótese intermediária em que a criança ora escreve silábicamente, ora alfabéticamente, ou seja, mistura a lógica da fase anterior com a identificação de algumas sílabas. Exemplo: escreve SAPT – sapato.

27 Escrita ALFABÉTICA Toda criança nesta hipótese é sonora; Domina a maioria das letras do alfabeto, apresentando apenas dificuldades na ortografia; Domina, enfim, o código escrito, distinguindo letras, sílabas, palavras e frases. O princípio de que o processo de conhecimento por parte da criança deve ser gradual, corresponde aos mecanismos deduzidos por Piaget, segundo os quais cada salto cognitivo depende de uma assimilação e de uma reacomodação dos esquemas internos, que necessariamente levam tempo.

28 A alfabetização é um processo continuo construído ao longo do desenvolvimento da criança é a ação de ensinar, ou aprender a ler e a escrever, estando intimamente ligada aos conhecimentos da leitura e escrita. Ao organizar atividades que favoreçam a aquisição da leitura e da escrita, o alfabetizador deve buscar conhecimentos teóricos nos estudos de Emília Ferreiro e Ana Teberosky em Psicogênese da Língua Escrita, para que possa compreender que saber ler não é apenas conhecer o sistema alfabético da língua escrita, mas é também saber ler de forma critica, reconhecendo diferentes tipos de textos. O professor envolvido no processo de aquisição da língua escrita precisa construir um ambiente alfabetizador, isto significa possibilitar ao aluno o contato com a diversidade de textos presentes no dia-a-dia e utilizar a escrita de maneira crítica e ativa na alfabetização.

29 Em vista do que foi aqui apresentado não podemos desconsiderar o passado desse ensino, ingenuamente supondo que, possamos, efetuar total ruptura, ou, de maneira saudosista, buscar seu total resgate, como se não tivesse havido nenhum avanço científico, de fato, nesse campo de conhecimento. É preciso conhecer aquilo que constitui e já constituiu os modos de pensar, sentir, querer e agir de gerações de professores alfabetizadores (mas não apenas), especialmente para compreendermos o que desse passado insiste em permanecer. Pois é justamente nas permanências, especialmente as silenciadas ou silenciosas, mas operantes, e nos retornos ruidosos e salvacionistas, mas simplistas e apenas travestidos de novo, que se encontram as maiores resistências. Maria Rosário Longo Mortatti


Carregar ppt "HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão. Graciliano Ramos Material elaborado a partir das contribuições da Prof a."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google