A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pensamento Crítico Aula Teórica 4 – 7 X 2008 Falácias, modelos de argumentação e o método socrático.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pensamento Crítico Aula Teórica 4 – 7 X 2008 Falácias, modelos de argumentação e o método socrático."— Transcrição da apresentação:

1 Pensamento Crítico Aula Teórica 4 – 7 X 2008 Falácias, modelos de argumentação e o método socrático

2 Método Socrático Método: etimologia do grego: de metá atrás, em seguida, através e hodós caminho; seguir um caminho. Protocolo: conjunto de regras que torna possível a execução de um programa de modo eficiente e sem erros.

3 Método Socrático Descartes, Discurso do Método (1637) Prefácio a Dióptrica, Meteoros e Geometria....formei um método que me parece ter dado a possibilidade de aumentar, gradualmente, o conhecimento…

4 RESOLUÇÃO …em vez do grande número de preceitos que constituem a lógica, julguei que me bastariam os quatro seguintes, contanto que tomasse a firme e constante resolução de não deixar uma só vez de os observar.

5 EVIDÊNCIA 1º …nunca aceitar como verdadeira alguma coisa sem conhecer evidentemente como tal: isto é… não incluir nos nossos juízos senão o que se apresentasse tão clara e tão distintamente ao meu espírito que não tivesse nenhum ocasião para pôr em dúvida.

6 DIVIDIR 2º …dividir cada uma das dificuldades que eu havia de examinar em tantas parcelas quantas fosse possível e necessário para melhor as resolver.

7 ORDEM 3º …conduzir por ordem os meus pensamentos, começando pelos objectos mais simples e mais fáceis de conhecer.

8 ENUMERAR 4º …fazer sempre enumerações tão íntegras e revisões tão gerais que tivesse a certeza de nada omitir.

9 MORAL PROVISÓRIA …obedecer às leis e aos costumes do meu país conservando firmemente a religião na qual me deu a graça de ser instruído desde a infância e conduzindo-me em tudo o mais segundo as opiniões mais moderadas e mais afastadas do exagero…

10 PLATÃO, APOLOGIA DE SÓCRATES Isto, bem o sabeis, é o que o demónio me ordena…nada mais faço do que andar pelas ruas a persuadir-vos jovens ou velhos, a cuidardes mais da alma que do corpo e das riquezas, do modo a que vos torneis homens excelentes (virtuosos) …não cessarei de filosofar nem de vos exortar, mostrando-vos o caminho. 29 d

11 ACUSAÇÃO Sócrates incorre em falta, excedendo-se a investigar as coisas que estão debaixo da terra e no céu e a fazer do argumento fraco o argumento forte, ensinando os outros a fazê- lo como ele. Apologia 19b

12 DOUTA IGNORÂNCIA Uma vez Querefonte foi a Delfos perguntar ao oráculo se havia alguém mais sábio que eu. Em resposta, retorquiu-lhe a Pítia que ninguém era mais sábio. 21 a Pítia: sacerdotisa de Apolo que proferia oráculos em Delfos.

13 DIÁLOGO SOCRÁTICO Interpretar os sinais divinos ou questionar as pessoas Roma: auspícios sinais de pássaros – o voo, o canto… Operações militares. Considerar a maneira de alimentar-se, precipitada ou lenta, das galinhas.

14 Eurípides, Íon. O casal consulta o oráculo de Delfos para saber se vai ter filhos. Sófocles, Rei Édipo. A peste em Tebas e a profecia do oráculo: Édipo mataria o próprio pai e corromperia o leito da mãe.

15 SÓCRATES E OS ESTADISTAS Pois é possível que nenhum de nós saiba nada do que é bom e belo, mas, enquanto ele julga saber algo, eu, como nada sei, nada julgo saber. E nisto parece-me que sou um pouco mais sábio que ele, por não julgar saber as coisas que não sei. 21 d

16 SÓCRATES E OS POETAS …não era por sabedoria que os poetas faziam o que faziam, mas por um dom da natureza ou por inspiração divina…mas nada sabem do que dizem. 22 b

17 SÓCRATES E OS ARTESÃOS Eles sabiam daquilo que eu não sabia e nisso eram mais sábios que eu. Mas por praticarem bem a sua arte, cada um deles julgava ser o mais sábio noutros importantes assuntos e essa sua falta ocultava a sua sabedoria de tal modo, que perguntei a mim próprio se preferia ser como sou. 22 d

18 APELO À AUTORIDADE Stephen Downes, Guia das Falácias Ainda que às vezes seja apropriado citar uma autoridade para suportar uma opinião, a maioria das vezes não o é.

19 O apelo à autoridade é especialmente impróprio se: 1. A pessoa não está qualificada para ter uma opinião de perito no assunto. Exemplo: O famoso psicólogo Dr. Abdul recomenda-lhe que compre o último modelo de carro da Skoda.

20 2. Não há acordo entre os peritos do campo em questão. Exemplo: O economista Francisco Louça defende que uma apertada política económica é a melhor cura para a recessão. (Apesar de Louça ser um perito, nem todos os economistas estão de acordo nesta questão.)

21 3. A autoridade não pode, por algum motivo ser levada a sério porque estava brincar, estava ébria ou por qualquer outro motivo. Exemplo: Encaminhamo-nos para uma guerra nuclear. A semana passada Ronald Reagan disse que começaríamos a bombardear a Rússia em menos de cinco minutos. (Claro que o disse por piada ao testar o microfone.)

22 ACUSAÇÃO CONTRA SÓCRATES Impiedade Corrupção dos jovens Aristófanes, As Nuvens (423)

23 Filho:- …para começar, vou pôr-te uma questão: quando eu era menino, tu costumavas bater-me? Pai: - costumava sim, mas era para teu bem e interesse. Filho: - Então diz-me cá: não é justo que para teu bem, eu te pague da mesma moeda e te bata, uma vez que querer bem é isso mesmo, bater?

24 Em boa verdade, porque é que o teu corpo havia de estar isento de porrada e o meu não? E no entanto, eu cá também nasci livre, né? > - dirás. Mas achas que um pai não deve chorar? Vais replicar-me que é da lei tratar assim as crianças; a isso poderei contrapor, como diz o provérbio, que >, e que, portanto, é mais natural chorarem os velhos que os novos, tanto mais quanto menos justificáveis são os seus erros. (As Nuvens, )

25 SÓCRATES E OS SOFISTAS Diálogo com Antifonte: Sócrates: - oh Antifonte! Acreditamos que a formosura e a sabedoria podem empregar-se igualmente tanto de maneira honesta como desonesta. Se uma mulher vende, por dinheiro, a sua beleza a quem a pede, chamar-se-á prostituta; e, do mesmo modo, aquele que vende a sua sabedoria, por dinheiro, a quem a procura, chamar-se-á, vale dizer prostituto. Ao contrário, se alguém ensina tudo de bom que sabe a quem julgue bastante disposto por natureza e se torne seu amigo, cremos que esse cumpre com o dever do bom cidadão. Xenofonte, Ditos e Feitos de Sócrates, I, V.

26 ANALOGIA O termo analogia deriva do grego, em que significa proporção. A fórmula da analogia é a/b como c/d. Na proporção matemática a formula será a/b = c/d Definição geral: Analogia é a correlação entre os termos de dois ou vários sistemas ou ordens, ou seja, a existência de uma relação entre cada um dos termos de um sistema e cada um dos termos do outro.

27 RACIOCÍNIO POR ANALOGIA raciocínio através do qual se infere, de uma semelhança comprovada, uma semelhança não comprovada. Numa analogia mostra-se, primeiro, que dois objectos, a e b, são semelhantes em algumas das suas propriedades, F, G, H. Conclui-se, depois, que como a tem a propriedade E, então b também deve ter a propriedade E.

28 Função heurística da analogia: Aproximar dois domínios heterogéneos, o primeiro (o tema da analogia) é esclarecido graças ao segundo (foro da analogia)

29 Quando uma criança mergulha o braço num vaso de embocadura estreita, para dele tirar figos e nozes, que lhe acontecerá se encher a mão? Não poderá retirá-la e chorará. larga alguns (diz-se-lhe), e retirarás a tua mão. Faz o mesmo para com os teus desejos. Não desejes mais que um pequeno número de coisas e obtê-las-ás Epicteto, Conversas, III, 9.

30 Como avaliar os argumentos por analogia ? O foro da analogia tem que ser, relevante, verdadeiro e mais claro que o tema. Fraude: por exemplo, o fora da analogia releva de um domínio especializado da ciência.

31 FALSA ANALOGIA Numa analogia mostra-se, primeiro, que dois objectos, a e b, são semelhantes em algumas das suas propriedades, F, G, H. Conclui-se, depois, que como a tem a propriedade E, então b também deve ter a propriedade E. A analogia falha quando os dois objectos, a e b, diferem de tal modo que isso possa afectar o facto de ambos terem a propriedade E. Diz-se, neste caso, que a analogia não teve em conta diferenças relevantes.

32 Os empregados são como pregos. Temos de martelar a cabeça dos pregos para estes desempenharem a sua função. O mesmo deve acontece com os empregados.

33 O presidente americano George Bush argumentou uma vez que o papel do vice- presidente é o de apoiar as políticas do presidente, concordando ou não com elas, porque ninguém quer meter golos na própria baliza. Administração = equipa de futebol Obediência ao presidente = obediência ao treinador

34 DEFINIÇÃO O relativismo e a invenção do o que é. Diálogos socráticos: O que é a justiça? República O que é a coragem? Laques O que é a piedade? Eutífron

35 Usamos definições para tornar os nossos conceitos mais claros. O propósito da definição é enunciar com exactidão o significado de uma palavra / conceito. Definição essencialista: seleccionar a característica comum que une o conjunto de coisas às quais uma palavra / conceito se aplica. Definição ostensiva: exibir um exemplo.

36 DEFINIÇÃO DEMASIADO LATA A definição inclui mais do que devia incluir. Uma maçã é um objecto vermelho e redondo. (O planeta Marte é vermelho e redondo. Portanto está incluído na definição).

37 DEFINIÇÃO DEMASIADO RESTRITA A definição não inclui tudo o que deveria incluir. Um livro é pornográfico se e só se contiver fotografias de pessoas nuas. (Os livros escritos pelo Marquês de Sade não contêm fotografias. No entanto, são tidos como pornográficos.)

38 DEFINIÇÃO POUCO CLARA A definição é tão ou mais difícil de compreender do que o termo a definir. Uma pessoa é dissoluta se e só se for lasciva. (Pretende-se definir o termo "dissoluta". Mas o significado do termo "dissoluta" é tão obscuro como o do termo "lasciva". Assim a definição falha o seu objectivo de clarificação.)

39 DEFINIÇÃO CIRCULAR A definição inclui o termo definido como parte da definição. Uma definição circular é um caso especial da falta de clareza. Exemplo: Um livro é pornográfico se e só se contiver pornografia. (Teríamos já de saber o que é a pornografia para dizer se um livro é ou não pornográfico.)

40 ANFIBOLOGIA Uma anfibologia ocorre quando a construção da frase permite atribuir-lhe diferentes significados – ambiguidade.

41 No teu emprego todos gostam de um carro. Portanto, há um carro muito especial. (Todos gostam de um carro qualquer ou do mesmo carro?)

42 A douta ignorância e a ironia socrática Ironia: Figura retórica por meio da qual se diz o contrário do que se quer dar a entender. Através do diálogo descobrir as fragilidades (contradições e ignorância) do (falso) saber Falácia: raciocínio falso que entretanto simula a veracidade.

43 Crítica: policiar as crenças. Polícia: circulação de bens e pessoas. São verdadeiras? Fundamentadas? Ultrapassam os limites? Kant: conhecimento (verdade) pensamento (sentido) Ciência e religião Crítica: circulação de crenças Falácia = contrafacção

44 FALSO DILEMA É dado um limitado número de opções (na maioria dos casos apenas duas), quando de facto há mais. O falso dilema é um uso ilegítimo do operador "ou". Pôr as questões ou opiniões em termos de "ou sim ou sopas" gera, com frequência (mas nem sempre), esta falácia.

45 Ou concordas comigo ou não. (Porque se pode concordar parcialmente.) Reduz-te ao silêncio ou aceita o país que temos. (Porque uma pessoa tem o direito de denunciar o que entender.)

46 Ou votas no Silveira ou será a desgraça nacional. (Porque os outros candidatos podem não ser assim tão maus.) Uma pessoa ou é boa ou é má. (Porque muitas pessoas são apenas parcialmente boas.)

47 APELO À IGNORÂNCIA Os argumentos desta classe concluem que algo é verdadeiro por não se ter provado que é falso; ou conclui que algo é falso porque não se provou que é verdadeiro. (Isto é um caso especial do falso dilema, já que presume que todas as proposições têm de ser realmente conhecidas como verdadeiras ou falsas).

48 Os fantasmas existem! Já provaste que não existem? Como os cientistas não podem provar que se vai dar uma guerra global, ela provavelmente não ocorrerá.

49 DERRAPAGEM (BOLA DE NEVE) Para mostrar que uma proposição, P, é inaceitável, extraem-se consequências inaceitáveis de P e consequências das consequências... O argumento é falacioso quando pelo menos um dos seus passos é falso ou duvidoso. Mas a falsidade de uma ou mais premissas é ocultada pelos vários passos "se... então..." que constituem o todo do argumento.

50 Se aprovamos leis contra as armas automáticas, não demorará muito até aprovarmos leis contra todas as armas, e então começaremos a restringir todos os nossos direitos. Acabaremos por viver num estado totalitário. Portanto não devemos banir as armas automáticas.

51 PERGUNTA COMPLEXA Dois tópicos sem relação, ou de relação duvidosa, são conjugados e tratados como uma única proposição. Pretende-se que o auditório aceite ou rejeite ambas quando, de facto, uma pode ser aceitável e a outra não. Trata-se de um uso abusivo do operador "e".

52 Apoias a liberdade e o direito de andar armado?

53 APELO ÀS CONSEQUÊNCIAS O argumentador, para mostrar que uma crença é falsa, aponta consequências desagradáveis que advirão da sua defesa.

54 Não podes aceitar que a teoria da evolução é verdadeira, porque se fosse verdadeira estaríamos ao nível dos macacos. Deve-se acreditar em Deus, porque de outro modo a vida não teria sentido. (Talvez. Mas também é possível dizer que, como a vida não tem sentido, Deus não existe.)

55 APELO A PRECONCEITOS Termos carregados e emotivos são usados para ligar valores morais à crença na verdade da proposição.

56 Os portugueses bem intencionados estão de acordo em plebiscitar a pena de morte. As pessoas razoáveis concordarão com a nossa política fiscal. Os burocratas do parlamento resistem às leis de defesa do património

57 APELO AO POVO Com esta falácia sustenta-se que uma proposição é verdadeira por ser aceite como verdadeira por algum sector representativo da população.

58 Toda a gente sabe que a Terra é plana. Então por que razão insistes nas tuas excêntricas teorias? As sondagens sugerem que os socialistas vão ter a maioria no parlamento, também deves votar neles.

59 ATAQUES PESSOAIS (argumentum ad hominem) Ataca-se a pessoa que apresentou um argumento e não o argumento que apresentou. A falácia ad hominem assume muitas formas. Ataca, por exemplo, o carácter, a nacionalidade, a raça ou a religião da pessoa. Em outros casos, a falácia sugere que a pessoa, por ter algo tem algo a ganhar com o argumento, é movida pelo interesse. A pessoa pode ainda ser atacada por associação ou pelas suas companhias.

60 Podes dizer que Deus não existe mas estás apenas a seguir a moda. É natural que o ministro diga que essa política fiscal é boa porque ele não será atingido por ela.

61 Podemos passar por alto as afirmações de Teixeira Pinto porque ele é patrocinado pela indústria da madeira. Dizes que eu não devo beber, mas não estás sóbrio faz mais de um ano (tu quoque).

62 GENERALIZAÇÃO PRECIPITADA A amostra é demasiado limitada e é usada apenas para apoiar uma conclusão tendenciosa.

63 Zé, o alentejano, roubou a minha carteira. Portanto, os alentejanos são ladrões. Perguntei a seis dos meus amigos o que eles pensavam das novas restrições ao consumo e eles concordaram em que se trata de uma boa ideia. Portanto as novas restrições são populares.

64 FALÁCIA DO ACIDENTE É aplicada a regra geral quando as circunstâncias sugerem que se deve aplicar uma excepção à regra.

65 A lei diz que não deves conduzir a mais de 50 Km/h. Portanto, mesmo que o teu pai não possa respirar, não deves passar dos 50 km/h. É bom devolver as coisas que nos emprestaram. Portanto, deves devolver essa arma automática ao louco que te a emprestou. (Adaptado de Platão, A República, I).

66 FALÁCIA INVERSA DO ACIDENTE Aplica-se uma excepção à regra geral a casos em que se deve aplicar a regra geral.

67 Se deixarmos os doentes terminais usar haxixe, devemos deixar toda a gente usá-lo.

68 PETIÇÃO DE PRINCÍPIO A verdade da conclusão é pressuposta pelas premissas. Muitas vezes, a conclusão é apenas reafirmada nas premissas de uma forma ligeiramente diferente. Nos casos mais subtis, a premissa é uma consequência da conclusão.

69 Sabemos que Deus existe, porque a Bíblia o diz. E o que a Bíblia diz deve ser verdadeiro, dado que foi escrita por Deus e Deus não mente.

70 ESPANTALHO O argumentador, em vez de atacar o melhor argumento do seu opositor, ataca um argumento diferente, mais fraco ou tendenciosamente interpretado.

71 As pessoas que querem legalizar o aborto, querem prevenção irresponsável da gravidez. Mas nós queremos uma sexualidade responsável. Logo, o aborto não deve ser legalizado.

72 Devemos manter o recrutamento obrigatório. As pessoas não querem o fazer o serviço militar porque não lhes convém. Mas devem reconhecer que há coisas mais importantes do que a conveniência.

73 Stephen Downes, Guia das Falácias in


Carregar ppt "Pensamento Crítico Aula Teórica 4 – 7 X 2008 Falácias, modelos de argumentação e o método socrático."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google