A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Prof.(a) Ana Vieira. DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente, aprende (Guimarães.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Prof.(a) Ana Vieira. DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente, aprende (Guimarães."— Transcrição da apresentação:

1 DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Prof.(a) Ana Vieira

2 DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente, aprende (Guimarães Rosa) CRONOGRAMA DO DIA: 1.Apresentações do painel com as sugestões; 2.Uma breve apresentação sobre as ferramentas de trabalho do docente; 3.Exposição dialogada sobre a identidade do professor e um breve histórico da didática; 4.Orientações para o segundo trabalho. (FERRAMENTA: PLANO DE AULA)

3 IDENTIDADE DO PROFESSOR (...) o professor universitário aprende a sê-lo mediante um processo de socialização em parte intuitiva, autodidata ou (...) seguindo a rotina dos outros. Isso se explica sem dúvida, devido a inexistência de uma formação específica como professor universitário (BENEDITO, p. 131, 1995).

4 (...)Por qualidade formal do docente entendemos a competência técnica, domínio dos conteúdos, profissionalismo, conhecimento adequado. Por qualidade política entendemos a habilidade de conceber e usar meios técnicos para fins devidos, sobretudo éticos. O processo formativo do aluno exige ambos os horizontes: precisa tornar-se profissional, mas precisa não menos tornar-se cidadão. Espera-se que o docente saiba lidar com este desafio de modo adequado, conjugando competência técnica com cidadania, uma habilidade que poderíamos sumariar como saber pensar (DEMO, 2000) Dentro desse contexto, pode-se perguntar: o que pode fazer um docente? Ou, a docência é importante para quê? (DEMO, 2008)

5 O que é ser um bom docente? Caracterização

6 Entendendo o contexto de trabalho docente.

7 A atual conformação legal (LDB 9394/96) admite uma variedade de tipos de instituições de ensino superior UNIVERSIDADE, se caracteriza pela autonomia didática, administrativa e financeira, por desenvolver ensino, extensão e pesquisa e, portanto, contar com número expressivo de mestres e doutores; CENTRO UNIVERSITÁRIO: se caracteriza por atuar em uma ou mais áreas, com autonomia para abrir e fechar cursos e vagas de graduação e ensino de excelência.

8 FACULDADES INTEGRADAS, que reúnem instituições de diferentes áreas do conhecimento e oferecem ensino e, as vezes, extensão e pesquisa; INSTITUTOS OU ESCOLAS SUPERIORES, que atuam em área específica do conhecimento e podem ou não fazer pesquisa, além do ensino, mas dependem do Conselho Nacional de Educação para criação de novos cursos.

9 PREOCUPAÇÕES LIGADAS AO TRABALHO DOCENTE

10 UM EXAME DO PARORÂMA INTERNACIONAL Constata-se nos países mais avançados, um crescimento da preocupação com a formação e o desenvolvimento profissional de professores universitários e com as inovações no campo da Didática, existem alguns fatores que têm contribuído com essa preocupação:

11 a) A expansão quantitativa da educação superior e o conseqüente aumento do número de docentes. Dados da UNESCO demonstram que o número de professores universitários, no período de 1950 a 1992, saltou de 25 mil para um milhão, isto é, aumentou 40 vezes. No entanto, em sua maioria, são professores improvisados, não preparados para desenvolver a função de pesquisadores e sem formação pedagógica (UNESCO, Cresalc, 1996)

12 b) Preocupação com a qualidade dos resultados do ensino superior, sobretudo, do ensino na graduação. As pesquisas demonstram a importância da preparação no campo específico e no campo pedagógico dos docentes;

13 C) Novas demandas de trabalho - O documento da Conferência Internacional sobre Ensino Superior – uma perspectiva docente, Paris, 1997, promovida pela Organização Sindical Internacional de Educação, expressa preocupações com temas do campo educacional até então ausentes na docência universitária, como: qualidade da educação; educação à distância e novas tecnologias; gestão e controle do ensino superior; financiamento do ensino e da pesquisa; o mercado de trabalho e a sociedade; a autonomia e as responsabilidades das instituições; os direitos e liberdades do professor de ensino superior; as condições de trabalho; entre outras.

14 d) Influência das novas configurações de trabalho na sociedade contemporânea da informação e do conhecimento; das tecnologias avançadas e do Estado Mínimo, reduzindo a empregabilidade. Em decorrência, nota-se um afluxo dos profissionais liberais, ex-empregados, ao exercício da docência no ensino superior, cuja oferta de empregos se encontra em expansão.

15 e) Exigência de permanente requalificação como condição de trabalho. O resultado disso é a expansão da oferta de cursos superiores de graduação e de pós-graduação lato e stricto sensu. A preparação para o exercício do magistério superior far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de mestrado e doutorado. Parágrafo único: O notório saber, reconhecido por universidade com curso de doutorado em área afim, poderá suprir a exigência do título acadêmico (LDBEN, art. 66)

16 No que se refere à exigência de titulação, o Decreto 2.207/97 determina que, no segundo ano de sua vigência, às instituições de ensino superior deverão contar com 15% de seus docentes titulados na pós-graduação strictu sensu, dos quais 5% de doutores, pelo menos; no quinto ano de vigência, com 25% dos quais 10% de doutores, pelo menos; e no oitavo ano de vigência, com um terço, dos quais 15% de doutores, pelo menos.

17 DIDÁTICA – BREVE GÊNESE HISTÓRICA Os cursos de licenciatura foram instituídos no Brasil em 1934, na Universidade de São Paulo, com a finalidade explicita de oferecer aos bacharéis das várias áreas os conhecimentos pedagógicos necessários às atividades de ensinar. A área da Pedagogia que tem por objetivo de estudo o ensino é a Didática.

18 MARCOS HISTÓRICOS DA DIDÁTICA O termo didática é conhecido desde à Grécia, representando uma ação de ensinar, presente nas diversas relações humanas. Século XVII, entre 1627 e 1657 João Amós Comênio escreve a obra Didática Magna – Tratado da arte universal de ensinar tudo a todos

19 No século XVIII, Rousseau será o autor da segunda revolução didática. Sua obra dá origem a um novo conceito de infância, pondo em relevo sua natureza e transformando o método de ensinar em um procedimento natural, exercido sem pressa e sem livros (CASTRO, p.1990, p. 19). Século XIX: Herbart erige as bases da pedagogia científica e os passos formais da aprendizagem.

20 Século XX: movimento escolanovista, que enfatiza o aprendiz como agente ativo da aprendizagem e a valorização dos métodos que respeitassem a natureza da criança, que a motivassem e estimulassem a aprender.

21 PROFESSOR REFLEXIVO Saberes da docência: saberes conceituais, integradores e pedagógicos; A importância da reflexão na ação; A formação contínua: como processo de articulação entre o trabalho docente, o conhecimento e o desenvolvimento profissional do professor, enquanto possibilidade de postura reflexiva dinamizada pela práxis (Lima, p. 45, 2001).

22 ENSINO SUPERIOR: FINALIDADES 1.Propiciar um conjunto de conhecimentos métodos e técnicas científicos, que assegurem o domínio científico e profissional do campo específico e devem ser ensinados criticamente; 2.Conduzir o aluno a uma progressiva autonomia;

23 3. Considerar o processo de ensinar e aprender como atividade integrada à investigação; 4. Desenvolver a capacidade de reflexão; 5. Substituir a simples transmissão de conteúdos por um processo de investigação do conhecimento; 6. Integrar, vertical e horizontalmente, a atividade de investigação à atividade de ensinar do professor, o que supõe trabalho em equipe; 7. Criar e recriar situações de aprendizagem; 8. Valorizar a avaliação diagnóstica;

24 9. Conhecer o universo cultural e de conhecimentos dos alunos e desenvolver, com base nele, processos de ensino e aprendizagem interativos e participativos.

25 Década de 70: universidade funcional; Década de 80: universidade dos resultados; Década de 90: universidade operacional.

26 1. A atividade será realizada em grupos de 3 integrantes; 2. O grupo irá elaborar um Plano de Disciplina, tomando por base a estrutura curricular no curso de pós- graduação em Marketing Estratégico; 3. A atividade deverá ser entregue no dia ORIENTAÇÕES PARA 2ª ATIVIDADE

27 MODELO DE PLANO BRASÃO OU LOGOMARCA DA IES Dados de Identificação Curso: Disciplina: Semestre: Carga Horária: Créditos: Docente: Nome e formação

28 COMO ELABORAR UMA EMENTA 1. Definição Ementa é uma descrição discursiva que resume o conteúdo conceitual ou conceitual / procedimental de uma disciplina. 2. Características formais Os tópicos essenciais da matéria são apresentados sob a forma de frases nominais (frases sem verbo); Não é necessário que os tópicos sejam elencados em itens (um embaixo do outro): a redação é contínua.

29 1) Português Histórico: A origem e a formação da língua portuguesa. O latim clássico e o latim vulgar. A evolução fonológica, morfológica, sintática e semântica. A constituição do léxico. A expansão da língua portuguesa. 2) Didática: Análise dos efeitos das mudanças culturais, científicas e tecnológicas na Educação e na Didática. Estudo da interdependência dos elementos constitutivos das situações de ensino e de aprendizagem. Estudo dos objetivos educacionais como norteadores da ação educativa. EXEMPLOS

30 OBJETIVO GERAL É o que se quer atingir. É o fio condutor da disciplina OBJETIVOS ESPECÍFICOS É o desdobramento do objetivo geral.

31 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO; METODOLOGIA; CRONOGRAMA; AVALIAÇÃO; REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

32 DEMO, Pedro. O Bom Docente. Fortaleza: UNIFOR, p. (Temas Pedagógicos; 25). PIMENTA, Selma Garrido & ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, RIOS, Terezinha Azeredo. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


Carregar ppt "DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Prof.(a) Ana Vieira. DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente, aprende (Guimarães."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google