A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Doença Renal Crônica. Introdução Introdução Relevância Relevância Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Estadiamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Doença Renal Crônica. Introdução Introdução Relevância Relevância Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Estadiamento."— Transcrição da apresentação:

1 Doença Renal Crônica

2 Introdução Introdução Relevância Relevância Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Estadiamento Estadiamento Fatores de Risco – Detecção Precoce Fatores de Risco – Detecção Precoce Etiologia Etiologia Diretrizes Diretrizes

3 Perda da Função Renal progressiva progressiva insidiosa insidiosa inexorável inexorável

4 n Relevância Doença Renal Crônica como: Problema médico Problema de saúde pública Números crescentes (incidência / prevalência) Morbidade elevada Incapacitação funcional (QoL) Custos elevadíssimos

5

6 Percentual de diagnósticos de doenças renais primárias mais incidentes na população estudada 2002

7 Prevalência Prevalência Número de casos com diagnóstico de D.R.C. em um momento, por milhão de pessoas (pmp). BRASIL- 2004 HEMODIALISE 52176 CAPD 3754 DPA 1934 DPI 275 TRANSPLANTADOS 25600 TRANSPLANTADOS 25600

8 Prevalência de DRC Creatinina elevada em 0,48% dos adultos Creatinina elevada em 0,48% dos adultos Nos idosos (>60 anos) foi de 5,09% Nos idosos (>60 anos) foi de 5,09%

9 Prevalência de DRC IBGEDRC <1864.143.353307.888 18 – 59 99.079.282475.581 60 – 69 8.607.616361.520 70 – 79 4.791.356383.308 80+1.878.392275.560 178.499.9991.803.857

10 Freqüência de Doenças Renais em Hipertensos e Diabéticos D = 408.507 H = 1.495.944 DH= 353.932

11 Relevância Insuficiência Renal Crônica 1,4 a 1,8 milhões de brasileiros com DRC. 60.000 pacientes mantidos em diálise 25.000 pacientes transplantados renais Reduzida qualidade de vida Gastos de 1,8 bilhões de reais a cada ano.

12 Síndrome Urêmica Neurológica Central Sonolência, coma Diver. ativ. cognitiva Perda memória Tremores, miolomas Convulsão desorientação, confusão Apnéia do sono Cardiovascular Aterosclerose acelerada Miocardiopatia Pericardite Hematológica Anemia Quimiotaxia neutrofílica Alt. função linfócitos Diátesis hemorrágica Disfunção plaquetária Neurológica Periférica Neuropatia sensomotora Disestesias Soluço Pernas inquietas Fadiga muscular Oftámica Calcificações conjuntival Calcificações corneal Endocrinológica Hiperparatireoidismo secundário Intolerância aos carbohidratos Resistência insulínica Dislipemias Metab. tirocino periférico alterado Atrofia testicular Disfunção ovariana Amenorréia, dismenorréia Pulmonar Edema pulmonar Pneumonite Pleurite fibrinosa Gastrintestinal Anorexia, náuseas e vômitos Estomatite, gengivite Parotidite Gastrite, duodenite, úlcera pética Dermatológica Prurido Calcificação distrófica Alt. pigmentação Cabelo seco, quebradiço

13 Definiu-se como Doença Renal Crônica como: Definiu-se como Doença Renal Crônica como: a presença de um ritmo de filtração glomerular inferior a 75 ml/min/1,73m 2, por três meses seguidos ou mais. a presença de um ritmo de filtração glomerular inferior a 75 ml/min/1,73m 2, por três meses seguidos ou mais. presença de sinais de lesão renal (laboratorial, imagens ou histologia renal). presença de sinais de lesão renal (laboratorial, imagens ou histologia renal). Insuficiência Renal Crônica Diagnóstico

14 Definindo a Disfunção Renal Creatinina Plasmática Creatinina Plasmática Recíproca da Creatinina Recíproca da Creatinina Clearance de Creatinina Clearance de Creatinina Depuração Calculada do RFG Depuração Calculada do RFG K.t/V semanal K.t/V semanal Medidas do RFG (radioisótopos, inulina) Medidas do RFG (radioisótopos, inulina)

15 Cockcroft-Gault Nephron 16:31-41,1976 (r=0,9176) Cockcroft-Gault Nephron 16:31-41,1976 (r=0,9176) (140 – Idade em anos) x (Peso em kg) (140 – Idade em anos) x (Peso em kg) Clear (ml/min/1,73m 2 ) = ---------------------------------------------------- Clear (ml/min/1,73m 2 ) = ---------------------------------------------------- 72 x Creatinina sérica (mg/dL) 72 x Creatinina sérica (mg/dL) Para mulheres, multiplicar o valor obtido por 0,85. Insuficiência Renal Crônica Avaliando a Função Renal

16 Insuficiência Renal Crônica Fases RFG Creatinina B Estadiamento 3 4

17 Insuficiência Renal Crônica Fases RFG Creatinina 5 4 1 B Estadiamento 2 3 0 4

18 Doença Renal Crônica Estadiamento e Classificação Estadio Filtr. Glomerular (ml/min) Creatinin a (mg/dL) Grau de I.R.C. 0 > 90 0,6 – 1,4 Grupo de risco para DRC Ausência de lesão renal 1 > 90 0,6 – 1,4 Função renal normal Presença de lesão renal 2 60 – 89 1,5 – 2,0 IR leve ou Funcional 3 30 – 59 2,1 – 6,0 IR moderada ou laboratorial 4 15 – 29 6,1 – 9,0 IR severa ou clínica 5 < 15 > 9,0 IR terminal ou pré-dialítica SBN2004

19 INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Diagnóstico da Doença Renal Diagnóstico 1987 Glomerulonefrite Crônica36,5% N.T.I.C. / P.N.C.16,5% Nefroesclerose10,8% Diabetes Mellitus 8,1% D. Renal Policística 6,7% Nefropatia Lúpica 4,7% Outros 1,7% Indeterminado 15,0% Sabbaga E. 1987

20 INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Diagnóstico da Doença Renal Diagnóstico 1987 1997 2005 Glomerulonefrite Crônica36,5% 27,5% 13,0% N.T.I.C. / P.N.C.16,5% 11,0% 9,0% Nefroesclerose10,8% 16,8% 27,1% Diabetes Mellitus 8,1% 13,0% 22,3% D. Renal Policística 6,7% 3,0% 5,4% Nefropatia Lúpica 4,7% 1,3% 2,1% Outros 1,7% 4,6% 12,1% Indeterminado 15,0% 22,8% 9,0% Sabbaga E. 1987 Sec. Saúde SP, 1997 Romão Jr JE, 2004

21 INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Diagnóstico da Doença Renal Diagnóstico 1987 1997 2005 Glomerulonefrite Crônica36,5% 27,5% 13,0% N.T.I.C. / P.N.C.16,5% 11,0% 9,0% Nefroesclerose10,8% 16,8% 27,1% Diabetes Mellitus 8,1% 13,0% 22,3% D. Renal Policística 6,7% 3,0% 5,4% Nefropatia Lúpica 4,7% 1,3% 2,1% Outros 1,7% 4,6% 12,1% Indeterminado 15,0% 22,8% 9,0% Sabbaga E. 1987 Sec. Saúde SP, 1997 Romão Jr JE, 2004

22 Diretrizes para DRC Tratamento Restr. Protéica? Contr.Glicemia Contr. HAS Inib. ECA Anemia Osteodistrofia Acidose DesnutriçãoEducação Acesso Início da TRS Cardiopatia Vasculopatia Neuropatia Retinopatia Escolha TRS Retardar Progressão Prevenir Complicações Modificar Comorbidades Preparo para TRS Diagnóstico da IRC


Carregar ppt "Doença Renal Crônica. Introdução Introdução Relevância Relevância Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Diagnóstico – Avaliação da Função Renal Estadiamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google