A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Contabilidade e Análise de Balanço I -EaD Professora: Elisete Dahmer Pfitscher, Dra. Professor: João Paulo de Oliveira Nunes, Mestrando

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Contabilidade e Análise de Balanço I -EaD Professora: Elisete Dahmer Pfitscher, Dra. Professor: João Paulo de Oliveira Nunes, Mestrando"— Transcrição da apresentação:

1 1 Contabilidade e Análise de Balanço I -EaD Professora: Elisete Dahmer Pfitscher, Dra. Professor: João Paulo de Oliveira Nunes, Mestrando Fones: 0(xx48) ; ; ; (xx48)

2 2 Enquanto os projetos de investimento da empresa tiverem retornos acima do exigido, ela usará os lucros retidos – e tanto endividamento quanto seu capital próprio permitir – para financiar esses projetos. Se a empresa ainda ficar com lucros retidos depois de financiar todas as oportunidades aceitáveis de investimento, estes lucros serão distribuídos pelos acionistas sob a forma de dividendos em dinheiro

3 Quinta aula Sumário 5.1 Breve histórico da análise de demonstrações contábeis 5.2 Objetivo da análise das demonstrações financeiras 5.3 Aspectos que podem não ser evidenciados pela análise 5.4 Análise de estrutura ou vertical 5.5 Análise de evolução ou horizontal 5.6 Análise por diferenças absolutas 5.7 Análise por quocientes e índices de endividamento Análise por quocientes Índices de endividamento A preparação das Demonstrações Contábeis para Análise e Métodos de Análise

4 Quinta aula Nesta unidade apresenta-se, primeiramente, um breve histórico da análise de balanços. Após, apresentam-se os objetivos da análise de demonstrações financeiras e os aspectos que podem não ser evidenciados por uma análise. Ainda, mostram-se algumas formas que o mercado utiliza para realizar estudos das situações econômico-financeiras das empresas, obtendo, a partir desse estudo, subsídios para a tomada de decisões da parte dos investidores, dos administradores da empresa, enfim, de todas as partes interessadas da sociedade em geral. A preparação das Demonstrações Contábeis para Análise e Métodos de Análise

5 5 5.1 Breve histórico da análise de demonstrações contábeis Segundo Oliveira, Silva e Souza (2003, p. 1 apud PFITSCHER, 2008, p.220): A análise de balanços surgiu e desenvolveu-se dentro do sistema bancário que foi até hoje seu principal usuário. Seu início remonta ao final do século XIX, quando os banqueiros americanos passaram a solicitar balanços às empresas tomadoras de empréstimos.

6 6 5.2 Objetivo das análises das demonstrações financeiras Segundo Neves e Viceconti (2002, p. 437) a Análise das Demonstrações Financeiras tem como objetivo: Fornecer informações numéricas de dois ou mais períodos, de modo a auxiliar ou instrumentar acionistas, administradores, fornecedores, clientes, governo, instituições financeiras, investidores e outras pessoas físicas ou jurídicas interessadas em conhecer a situação da empresa ou para tomar decisões. A Análise das demonstrações financeiras é o estudo detalhado da situação patrimonial das empresas, através da decomposição, comparação e interpretação das demonstrações contábeis, com interesse na obtenção de informações analíticas e precisas.

7 7 A preparação das demonstrações contábeis para análise exige um raciocínio científico do profissional que irá formular o estudo. Segundo Matarazzo (1994,p.22): Quando esta seqüência não é levada em conta, fatalmente a Análise de Balanços fica prejudicada. 1. Extraem-se índices das demonstrações financeiras. 2. Comparam-se os índices com os padrões. 3. Ponderam-se as diferentes informações e chega-se a um diagnóstico ou a conclusões. 4. Recomendações. 5. Tomam-se as decisões. Desta forma, a preparação das demonstrações contábeis para análise das demonstrações financeiras é um instrumento de grande utilidade, podendo auxiliar na previsão de uma possível insolvência e a análise de informação objetiva do desempenho numa determinada série de períodos de estudo, por exemplo, um triênio.

8 8 5.3 Aspectos que podem não ser evidenciados na análise Existem alguns aspectos que não são evidenciados em uma análise preliminar, tais como: a) Capacidade ociosa de máquinas e equipamentos Segundo Neves e Viceconti (2002, p. 437), este aspecto é um fato que, numa simples análise de demonstrativos, pode ficar encoberto. Uma das normas de analisá-lo é a verificação in loco. b) Análise de tendências: Segundo os mesmos autores, através da análise comparativa de diversos períodos pode-se obter a tendência do resultado. Assim, apresentam o Quadro abaixo:

9

10 Análise de estrutura ou vertical Um dos objetivos da Análise dos Balanços é Medir percentualmente cada componente em relação ao todo do qual faz parte, e fazer as comparações caso existam dois ou mais períodos. (NEVES; VICENCONTI, 2002, p. 439). Por exemplo, mensurar a participação, em termos percentuais, dos valores do Ativo Circulante em relação ao total do ativo e, da mesma forma, a relação das contas do Passivo em relação ao total do Passivo, é a forma de calcular a Análise de Estrutura ou Vertical.

11 11

12 12 O Balanço Patrimonial apresenta uma situação fictícia de uma determinada empresa, onde são mostradas as contas para realizar um estudo. - Verifica-se que a conta Clientes representa 70,89% do total do grupo Ativo Circulante ou seja, (1.442/2.034). Com relação à conta Fornecedores, ela representa 54,30% do total do grupo Passivo Circulante ou seja, (1.425/2.624). - Analisando especificamente essa equação, pode-se afirmar que 70,89% - 54,30% mostra uma diferença positiva de 16,59%. Porém, embora sejam duas contas correlatas, deve-se analisar outras contas que compõem esses dois grupos. - Nesse sentido, faz-se um novo cálculo do total do grupo Ativo Circulante em relação ao total do Ativo, e percebe-se que 64,96% (2.034/3.131) existem de bens e direitos a serem transformados em dinheiro a curto prazo;quanto às obrigações a curto prazo, elas representam 83,80% (2.624/3.131). Dessa forma, nota-se que a empresa apresenta um déficit a curto prazo de 18,84% (64,96% - 83,80%). - Vale ressaltar que é conveniente analisar também o grupo Ativo Permanente, e verifica-se que existe a concentração das contas do Imobilizado, pois, a conta investimento está zerada. Ainda, evidencia-se que essa análise vertical é a base preliminar para o início dos estudos.

13 Análise de evolução ou horizontal As demonstrações financeiras são documentos essencialmente históricos que informam o que acontece nos períodos dentro das empresas estudadas e fornecem informações valiosas quanto à capacidade futura da empresa de saldar seus compromissos financeiros. (GARRISON; NOREEN 2000). A Análise de evolução ou horizontal, segundo Neves e Viceconti (2002, p. 442): avaliar o aumento ou diminuição dos valores que expressam os elementos patrimoniais ou do resultado numa determinada série histórica de exercício.

14 Análise por diferenças absolutas O resultado das análises de Balanços é apresentado em forma de relatório ou parecer, que inclui uma análise da estrutura e composição do patrimônio e um conjunto de índices sobre os quais é formada a conclusão do analista. O Quadro a seguir mostra uma forma de cálculo por diferenças absolutas.

15 15 Segundo Neves e Viceconti, (2002, p. 444): O objetivo da analise absoluta é avaliar qualitativa e quantitativamente os novos recursos injetados na empresa e a forma como esses recursos foram aplicados. Baseia-se na diferença entre os saldos no inicio e no fim do período para determinar o fluxo de origens e aplicações de recursos.

16 16 Assim, conforme está demonstrado no Quadro a seguir o grupo que apresenta maior origem é o Patrimônio Líquido (R$ 347) e o grupo que apresenta maior aplicação é o do Ativo Permanente (R$ 310).

17 Análise por quocientes e índices de endividamento Nesta seção são estudados a análise por quocientes e os índices de endividamento Análise por Quocientes Segundo Neves e Viceconti (2002,p. 446): É determinada em função da relação existente entre dois elementos, indicando quantas vezes um contém o outro ou a proporção de um em relação ao outro. Índices de Liquidez e Solvência Geral Segundo os mesmos autores os índices de liquidez servem para avaliar a capacidade financeira da empresa e para satisfazer compromissos de pagamento com terceiros. São divididos em: Liquidez Absoluta, Imediata ou Instantânea (LI); Liquidez Corrente (LC); Liquidez Seca (LS); Liquidez Geral (LG) e Solvência Geral (SG).

18 18 a) Liquidez Absoluta, Imediata ou Instantânea (LI) ou (ILM) Esse indicador, obtido a partir da divisão das contas do disponível pelas obrigações de curto prazo, mostra que para cada um real de dívida a curto prazo, quanto a empresa tem de disponibilidade para cumprir aquela obrigação exigível no curto prazo. A fórmula é representada pela equação: DISPONÍVEL ILM =______________________ PASSIVO CIRCULANTE

19 19 b) Liquidez Corrente (LC) ou (ILC) A mensuração desse indicador é realizada pela divisão dos direitos que a empresa dispõe no curto prazo, ou seja, que podem ser convertidas no exercício em análise (Ativo Circulante) pelas exigibilidades de curto prazo (Passivo Circulante). ATIVO CIRCULANTE ILC =____________________ PASSIVO CIRCULANTE

20 20 c) Liquidez Seca (LS) ou (ILS) Demonstra esse indicador, a capacidade de pagamento que a empresa possui, no curto prazo, de honrar os seus compromissos com terceiros. Nesse caso, para o efetivo cálculo, são excluídos os estoques da empresa. Tem essa motivação o fato de que os produtos constantes dos estoques necessitariam ainda serem processados ou comercializados, dentro do processo operacional da empresa. É representado pela seguinte fórmula: ATIVO CIRUCLANTE - ESTOQUES ILS =_____________________________ PASSIVO CIRCULANTE

21 21 d) Liquidez Geral (LG) ou (ILG) Nesse indicador estão compreendidos os bens e direitos da empresa, aqueles que estão no giro operacional da empresa, sendo que a sua conversão em dinheiro deve ocorrer até o fim do exercício social em curso e também os do exercício seguinte, divididos pelas obrigações exigíveis que serão liquidadas no exercício social em curso e as obrigações exigíveis com prazo superior a um ano. É representada pela seguinte fórmula: ATIVO CIRUCLANTE + Realizável no Longo Prazo ILG= ____________________________________________ PASSIVO CIRCULANTE + Exigível a Longo Prazo

22 22 e) Solvência Geral (SG) Este índice auxilia os gestores na tomada de decisão, pois indica a capacidade de solvência da empresa, ou seja, mostra qual a quantidade de bens e direitos (AC e ARLP) que a empresa possui em relação ao total Exigível (PC + PELP). É representado pela fórmula: ATIVO TOTAL SG = _____________ PASSIVO EXIGÍVEL


Carregar ppt "1 Contabilidade e Análise de Balanço I -EaD Professora: Elisete Dahmer Pfitscher, Dra. Professor: João Paulo de Oliveira Nunes, Mestrando"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google