A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições."— Transcrição da apresentação:

1 TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições

2 QUALIDADE DE EMPREENDIMENTO

3 Introdução Empreender significa executar aquilo que bem e retamente foi decidido, alcançar as metas igualmente propostas, vencendo cada uma das etapas quer enfrentando as dificuldades, quer suportando-as. Empreender significa executar aquilo que bem e retamente foi decidido, alcançar as metas igualmente propostas, vencendo cada uma das etapas quer enfrentando as dificuldades, quer suportando-as.

4 Introdução O espírito empreendedor manifesta-se tanto no fazer: O espírito empreendedor manifesta-se tanto no fazer: –Desenvolver um novo produto –Alterar o atual layout de máquinas de uma linha de produção

5 Introdução …como no agir: …como no agir: –Promover o bom relacionamento na equipe –ser responsável no cumprimento de metas e prazos –tomar decisões que melhorem as pessoas

6 Introdução O espírito empreendedor não encontra o seu fundamento na inteligência O espírito empreendedor não encontra o seu fundamento na inteligência

7 Introdução … mas na vontade firme que movimenta ou repele os sentimentos do apetite irascível em vista da consecução de uma meta … mas na vontade firme que movimenta ou repele os sentimentos do apetite irascível em vista da consecução de uma meta

8 Introdução A capacidade de criar e propor soluções adequadas pode ser seqüestrada pelos sentimentos de ira, de medo ou de tristeza A capacidade de criar e propor soluções adequadas pode ser seqüestrada pelos sentimentos de ira, de medo ou de tristeza

9 A virtude da fortaleza O espírito empreendedor fundamenta-se na virtude da fortaleza O espírito empreendedor fundamenta-se na virtude da fortaleza

10 A virtude da fortaleza A virtude da fortaleza é a inclinação habitual da vontade de controlar os movimentos do apetite irascível A virtude da fortaleza é a inclinação habitual da vontade de controlar os movimentos do apetite irascível

11 A virtude da fortaleza A fortaleza é necessária para que os sonhos ocorram e se tornem realidade A fortaleza é necessária para que os sonhos ocorram e se tornem realidade

12 A virtude da fortaleza É forte quem persevera no cumprimento do que entende dever fazer, segundo a sua consciência; quem não mede o valor de uma tarefa exclusivamente pelos benefícios que recebe, mas pelo serviço que presta aos outros. O homem forte às vezes sofre, mas resiste; talvez chore, mas bebe as lágrimas. Quando a contradição recrudesce, não se dobra.

13 A virtude da fortaleza Esta virtude tem duas faces, duas manifestações: Esta virtude tem duas faces, duas manifestações: –Acometer –Sustentar

14 A virtude da fortaleza Acometer Acometer –Valentia Superação do medo Superação do medo –Audácia Propor e executar metas altas, ideais grandes Propor e executar metas altas, ideais grandes –Constância Manutenção do esforço até o fim Manutenção do esforço até o fim

15 A virtude da fortaleza Quem sabe ser forte não se deixa dominar pela pressa em colher o fruto da sua virtude; é paciente.

16 A virtude da fortaleza Sustentar Sustentar –Paciência Passividade ativa Passividade ativa Saber esperar Saber esperar Suportar os ímpetos Suportar os ímpetos –Perseverança Suportar as sucessivas contrariedades Suportar as sucessivas contrariedades Levar o empreendimento até o fim Levar o empreendimento até o fim

17 A lei do gosto Em geral, as pessoas tendem a adiar as tarefas difíceis para as quais não sentem gosto, e se atiram imediatamente sobre as que gostam Em geral, as pessoas tendem a adiar as tarefas difíceis para as quais não sentem gosto, e se atiram imediatamente sobre as que gostam A ação só ocorre quando há um motivo extrínseco proporcionado A ação só ocorre quando há um motivo extrínseco proporcionado –Se não houvesse o último minuto, as tarefas não acabariam –O esforço é inversamente proporcional ao tempo faltante ao término O resultado é a passividade, a desordem, a indisciplina, o querer se livrar o quanto antes, a preguiça, o abandono, o comodismo, o serviço de má qualidade O resultado é a passividade, a desordem, a indisciplina, o querer se livrar o quanto antes, a preguiça, o abandono, o comodismo, o serviço de má qualidade

18 Pró-atividade As pessoas pró-ativas que buscam objetivos comuns e maiores de uma empresa ou organização criam um bom ambiente à sua volta As pessoas pró-ativas que buscam objetivos comuns e maiores de uma empresa ou organização criam um bom ambiente à sua volta

19 Motivação Ver a meta como algo grande, positivo e atingível Ver a meta como algo grande, positivo e atingível Entusiasmo e esperança Entusiasmo e esperança Saber o que quer e aonde vai Saber o que quer e aonde vai Atitude vigilante Atitude vigilante Disposição para recomeçar Disposição para recomeçar


Carregar ppt "TM175 Tópicos Especiais em Engenharia Mecânica IV: Ética Parte II – O Indivíduo nas Instituições."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google