A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Arranjo Produtivo Local Eletrometal-Mecânico da Microrregião de Joinville / SC Fabio Stallivieri José Tavares.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Arranjo Produtivo Local Eletrometal-Mecânico da Microrregião de Joinville / SC Fabio Stallivieri José Tavares."— Transcrição da apresentação:

1 O Arranjo Produtivo Local Eletrometal-Mecânico da Microrregião de Joinville / SC Fabio Stallivieri José Tavares

2 Estrutura da apresentação Caracterização geral da indústria; Localização geográfica e origem e desenvolvimento histórico; Desenho do APL; Estrutura Institucional; Dinâmica interindustrial local; Dinâmica dos Processos de Aprendizagem, Cooperação e Inovação; Síntese Conclusiva.

3 Características/Tendências da Indústria Eletrometal-Mecânica: Coexistência de indústrias maduras e indústrias dinâmicas; Heterogeneidade nas capacitações tecnológicas; Forte concentração de capital materializado nos processos de fusões e aquisições; Atuação das empresas em nível global; Seleção de fornecedores globais – global sourcing; Grande heterogeneidade no porte das empresas com predominância de pequenas e médias; Elevado processo de terceirização e subcontratação na indústria; Alto comércio interindustrial; Elevada participação no comércio mundial dos bens produzidos na indústria.

4

5 Localização do Arranjo: Nordeste do Estado de Santa Catarina; Próximo a duas áreas com grande concentração industrial, a microrregião de Blumenau também em Santa Catarina, e a região metropolitana de Curitiba no Paraná;

6 Origem e desenvolvimento histórico do arranjo: Joinville fundada como colônia em 1851; Chegaram na microrregião imigrantes agricultores, artesões e outros profissionais (maioria de origem alemã); Instalação na região de artesanatos agrícolas e não agrícolas que originaram as primeiras empresas; Complexidade da economia da erva-mate e da madeira (comércio import export, engenhos de mate, serrarias e meios de transporte) incentivaram os estabelecimentos da metal- mecânica; Empresas fundadas em Joinville de origem familiar.

7 Origem e desenvolvimento histórico do arranjo: Forte espírito de iniciativa no local (espírito empreendedor); Mão-obra-qualificada; Localização geográfica; Forte ligação com a Europa. Fatores diferenciais: Empresas de Joinville ligadas principalmente a eletrometal- mecânica expandiram a sua capacidade produtiva e se consolidaram no mercado nacional e a partir da década de 70 as grandes empresas ingressaram no mercado internacional, destinando suas exportações principalmente para a América Latina e EUA.

8 Desenho do Arranjo

9 Estrutura Produtiva Local / Eletrometal-Mecânica: Número de estabelecimentos e participação relativa no total de empresas do arranjo eletrometal-mecânico na microrregião de Joinville por segmento de atividade econômica em 2003:

10 Estrutura Produtiva Local / Eletrometal-Mecânica: Número de estabelecimentos e participação relativa no total de empresas do arranjo eletrometal-mecânico na microrregião de Joinville por segmento de atividade econômica em 2008:

11 Estrutura Produtiva Local / Eletrometal- Mecânica / Amostra da Pesquisa de Campo:

12 Estrutura Institucional A estrutura institucional do arranjo reúne associações de classe, sindicatos, universidades, escolas técnicas, e centros de tecnologia, treinamento e formação profissional; Da suporte de modo geral, a todas as indústrias presentes na microrregião, sendo reduzidas às ações especificas para a eletrometal-mecânica; Presença de organizações que auxiliam as empresas através de programas específicos de financiamento (BB e Caixa p/ MPEs e BADESC p/ GMEs); Para as MPEs destaca-se também a atuação do SEBRAE com agências em Joinville e Jaraguá do Sul e as respectivas prefeituras municipais.

13 Estrutura Institucional Local

14

15

16 Avaliação das MPEs: Reduzido reconhecimento das atividades prestadas pelas organizações de apoio local; As ações da estrutura educacional tem maior efeito sobre o arranjo; Faltam ações institucionais que eleve a confiança entre os agentes produtivos; Serviços tecnológicos reduzidos a testes, ensaios e cerificações; Falta de uma instituição-ponte que viabilize as MPEs o acesso a universidade e centros de pesquisa. Estrutura Institucional Local

17 Dinâmica interindustrial local:

18 Elevada importância do mercado local, tanto para fornecimento como para as vendas, para as micro e pequenas empresas; Diferenças significativas no destino das vendas das MPEs segundo atividades de atuação; Elevadas interações de mercado entre as empresas locais; Fortes interrelações locais; Elevada importância das transações comerciais realizadas no arranjo, principalmente para as MPEs; Estabelecimento no local de cadeias de fornecimento de peças, componentes, serviços especializados e etapas do processo produtivo; Fortes relações de subcontratação no arranjo.

19 Dinâmica interindustrial local / Inserção de Micro Empresas:

20 Dinâmica interindustrial local / Inserção de Pequenas Empresas:

21 Dinâmica interindustrial local / Inserção de Médias e Grandes Empresas:

22 O estudo de 2002 identificou 3 tipos de redes de cooperação técnico-produtivas; As informações coletadas em 2010 evidenciam: – No geral as redes não alteraram suas estruturas; – Ocorreu um adensamento das redes tipo 2 e 3, transbordando o APL; – No caso específico da rede tipo 1 as evidências demonstram que as MPEs inseridas nestas estruturas alcançaram maiores capacitações para atuarem em mercados mais dinâmicos. Dinâmica interindustrial local:

23 Caracterização das redes

24

25 Dinâmica interindustrial local: Destino das vendas:

26 Principais transações comerciais locais: Dinâmica interindustrial local:

27 Empresas Subcontratadas:

28 Dinâmica interindustrial local: Empresas Subcontratantes:

29 Dinâmica dos Processos de Aprendizagem, Cooperação e Inovação Na análise comparativa de 2002 e 2010 percebe-se: – Queda na taxa de inovação; – Redução das ações interativas; – Menores taxas de cooperação; – Paralelo o aumento das interações via mercado.

30 Indicadores de Aprendizagem, cooperação e inovação Indicadores para ASPILs: Objetivo: identificar a dinâmica dos processos de aprendizagem, cooperação e inovação e como esta influenciou as capacitações das empresas Transformam atributos qualitativos; Calculados de forma individual para cada empresa da amostra; Os 30 indicadores estão agrupados em quatro grupos / categorias: (i) indicadores de esforço tecnológico (ii) indicadores de aprendizagem externa e ações cooperativas (iii) indicadores de desempenho inovativo (iv) indicadores de externalidades e densidade produtiva local. Analise multivariada

31 Grupo I – Indicadores de Esforço Tecnológico

32

33 Grupo II – Indicadores de Aprendizagem Externa e Ações Cooperativas

34

35 Grupo III – - Indicadores de desempenho Inovativo

36

37 Grupo IV – Indicadores de Externalidades e Densidade Produtiva Local

38

39 Grupo I – Indicadores de Esforço Tecnológico – Analise Fatorial

40 Analise comparativa: No período de analise nota-se uma convergência no APL dos processos de treinamento e absorção de RH; As atividades relacionadas a PD seguem a mesma tendência média homogeneidade e baixa escala; As atividades inovativa manteram a mesma tendência

41 Grupo II – Indicadores de Aprendizagem Externa e Ações Cooperativas – Analise Fatorial

42 Grupo II – Indicadores de Aprendizagem Externa e Ações Cooperativas Analise comparativa: Aumento na heterogeneidade dos processos de interação com C&T; Maior escala dos processos de aprendizagem com agentes produtivos paralelo uma heterogeneidade um pouco mais elevada; Homogeneidade nas relações cooperativas em baixa escala.

43 Grupo III – - Indicadores de desempenho Inovativo – Analise Fatorial

44 Grupo III – Indicadores de desempenho Inovativo Analise comparativa: Aumento na heterogeneidade dos processos de inovações em processos; Maior introduçãop de inovações em produtos e estas ocorrem de forma mais homogênia; Homogeneidade na introdução de inovações orgenizacionais.

45 Grupo IV – Indicadores de Externalidades e Densidade Produtiva Local – Analise Fatorial

46 Grupo IV – Indicadores de Externalidades e Densidade Produtiva Local Analise comparativa: Homogeneidade nos processos de externalidades relacionadas ao fornecimento de peças e equipamentos; Externalidade de mão de obra e serviços passa a ser divergente; Elevada importância e baixa homogeneidade na subcontratação e na externalidade de vendas no local.

47 Analise de Cluster 2002:

48 Analise de Cluster 2010:

49 Grupo I – Indicadores de Esforço Tecnológico – Analise Cluster

50 Grupo II – Indicadores de Aprendizagem Externa e Ações Cooperativas – Analise Cluster

51 Grupo III – - Indicadores de desempenho Inovativo – Analise Cluster

52 Grupo IV – Indicadores de Externalidades e Densidade Produtiva Local – Analise Cluster

53 Considerações sobre a analise de cluster Entre 2002 e 2010 caiu o número de empresas no cluster 1 (de 30 para 28); Aumentou o número de empresas do cluster 2 Analise revela uma tendência de elevação e consolidação das capacitações relacionada a introdução de produtos novos para as empresas

54 Síntese Conclusiva Relevância do mercado; Falta de ações específicas para o APL; Importância no Know How para as capcitações produtivas; Forte capacitações para imitação de produtos e processos.


Carregar ppt "O Arranjo Produtivo Local Eletrometal-Mecânico da Microrregião de Joinville / SC Fabio Stallivieri José Tavares."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google