A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS/POLIOMIELITE - INDICADORES DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO - Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Maria Bernadete.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS/POLIOMIELITE - INDICADORES DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO - Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Maria Bernadete."— Transcrição da apresentação:

1 PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS/POLIOMIELITE - INDICADORES DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO - Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Maria Bernadete de Paula Eduardo HA DDT REUNIÃO COM GVEs – 29/ABRIL/2008

2 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA POLIOMIELITE Situação da Poliomielite: –Em 2008, 4 países permanecem endêmicos no mundo: Afeganistão Índia Nigéria Paquistão –Entre 2003 e 2005, 25 países livres da Pólio foram reinfectados por vírus importado. Política global de erradicação: –Vigilância das Paralisias Flácidas Agudas em menores de 15 anos e casos suspeitos de poliomielite em qualquer idade –Imunização em menores de 5 anos (95% cobertura)

3 Poliomielite no Mundo Nigéria Níger Shade Sudão Congo Angola Afeganistão Paquistão Índia Nepal Bangladesh

4 VIGILÂNCIA DA POLIOMIELITE/PFA Eixos:Eixos: –Prevenção: Coberturas vacinais altas (vacinação de rotina e campanhas nacionais); –Vigilância das PFA: Identificação precoce de caso de pólio Notificação imediata todo caso PFA = Tx Notificação Investigação em 48 horas Coleta oportuna de fezes = Tx Coleta Oportuna –(até o 14º dia do início do déficit motor) Monitoramento de todos os casos de PFA - notificação negativa semanal Revisita e encerramento do caso em 60 dias do início do déficit motor Busca Ativa - medida complementar para identificar casos não notificados e tomada de medidas em relação aos serviços não notificantes –Monitoramento Ambiental do Poliovírus

5 Taxa de Notificação = No. de casos notificados x 100 mil População menor de 15 anos Meta : 1 caso / menores de 15 anosIndicadores Fonte: DDTHA/CVE (*) Dado até abril 2008

6 Investigação em 48 hs = no. de casos investigados em 48 hs x 100 no. de casos notificados de PFA Meta : 80% dos casos investigados nas primeiras 48 hsIndicadores PFA: Investigação em 48 horas dos Casos, ESP, * Fonte: DDTHA/CVE (*) Dado até abril 2008

7 Not. Negativa Semanal = no. de fontes notificantes na SE x 100 no. de fontes notificadoras Meta : 80% das fontes notificando negativamenteIndicadores Fonte: DDTHA/CVE (*) Dado até abril 2008

8 Coleta Adequada de Fezes = no. de casos coletados adequada/e x 100 no. de casos notificados de PFA Meta : 80% dos casos coletados nos primeiros 14 dias PFA - Coleta Oportuna de Fezes, ESP, *Indicadores Fonte: DDTHA/CVE (*) Dado até abril 2008

9 Diagnósticos dos Casos de PFA, ESP – 2007* CASOS NOTIFICADOS : 86 –Com diagnóstico Final: 75 (87,2%) –Não Informado: 11 (12,8%) 31 casos SGB AIH G04.9 – 78 casos AIH Fonte: DDTHA/CVE (*) 2007 = Dados preliminares

10 Casos de PFA por municípios, ESP – 2007

11 INDICADORES POR GVE

12 Fonte: DDTHA/CVE (*) Dado até abril 2008

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40 GVEs que não notificaram nenhum caso (residência) em: 2007 :GVE7, GVE11, GVE16, GVE13, GVE22, GVE30 e GVE32. Até abril de 2008: GVE9, GVE12, GVE17, GVE19, GVE20, GVE21, GVE22, GVE23, GVE24, GVE26, GVE27, GVE28, GVE30, GVE32, e GVE33

41 O que os indicadores mostram a ser feito: Aumentar a notificação imediata de todos os casos de PFA em menores de 15 anos, ou e em pessoas de qualquer idade que apresentem a hipótese diagnóstica de poliomielite: –Promover reuniões locais com VE Municipais e responsáveis pelos NVE Hospitais. –Intensificar as ações relacionadas à notificação semanal – negativa e positiva: 1) contatos telefônicos permanentes com os NVE Hospitalar, 2)visitas programadas para levantamento de prontuários, discussão de caso e análises, e 3) Medidas sanitárias gradativas para os não notificantes – advertências e penalidades para os reincidentes com base nos art. 64 e 65 (obrigatoriedade da notificação), art. 92 (competência das autoridades sanitárias VE e VISA) e art. 110 a 112 (tipo de penalidade/infração) do Cód. Sanitário Lei 1083/98.

42 O que os indicadores mostram a ser feito: Garantir a coleta de amostra de fezes até o 14º dia do início do déficit motor e seu envio ao IAL. Realizar a revisita 60 dias do déficit motor com pelo menos uma avaliação neuro-clínica ou clínica/pediátrica básica (verificação dos movimentos, atrofia, sensibilidade, etc.) Atenção especial ao diagnóstico final firmado e meios utilizados (Líquor, ENMG, TC, IRM, etc.) com anotação na FE, e principalmente nos casos sem coleta/sem coleta oportuna. Garantir a informação imediata nos prazos previstos e de qualidade no SINANNet. Acompanhar os casos e seus indicadores - nível regional e seus municípios Disponibilizar nas GVE o Tabwin/AIH como ferramenta de auxílio à identificação de casos subnotificados

43 Documentos sobre a VE PFA/Pólio disponíveis Vigilância Epidemiológica das PFA/Manutenção da Erradicação da Poliomielite (Doc. Técnico – DDTHA/CVE) Informe Técnico (InformeNet DTA) – Poliomielite (DDTHA/CVE) Guia de Vigilância Epidemiológica – SVS/MS Planilhas para monitoramento dos casos Aulas e palestras Manual da Síndrome Pós- Poliomielite

44 Não deixe a Pólio voltar!

45 Nosso site: – em Nossos telefones: –DDTHA: Nosso endereço de OBRIGADA!


Carregar ppt "PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS/POLIOMIELITE - INDICADORES DE VIGILÂNCIA E MONITORAMENTO - Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Maria Bernadete."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google