A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis."— Transcrição da apresentação:

1 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis

2 Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução

3 Doenças do quadril Artrose Osteonecrose da cabeça femoral Bursite trocantérica Introdução

4 Coxartrose Artrose - doença degenerativa crônica caracterizada por deterioração da cartilagem e neoformação óssea nas superfícies articulares - dor e redução da mobilidade articular, evoluindo com rigidez e claudicação

5 Fisiopatologia Coxartrose Artrose - quando a cartilagem perde a capacidade de manter a integridade de sua estrutura e fisiologia ocorrem alterações morfológicas, biomecânicas, inflamatórias e imunológicas.

6 Fisiopatologia Coxartrose Artrose

7

8 Epidemiologia Coxartrose 5% da população >50 anos 50% necesstia de tratamento cirúrgico Mais frequente em mulheres Associação com obesidade e sobrecarga articular Impacto femoroacetabular

9 Coxartrose Microtraumas de repetição do colo femoral contra o rebordo acetabular podem produzir lesão degenerativa do labrum Colo femoral em cabo de pistola Retroversão acetabular

10 Impacto femoroacetabular Coxartrose

11

12 Radiografia Coxartrose Redução do espaço articular Esclerose subcondral Cistos subcondrais Osteófitos

13 Radiografia Coxartrose

14

15 Classificação de Bombelli Coxartrose Etiologia Morfologia Reação biológica Amplitude de movimento

16 Classificação de Bombelli Coxartrose Etiologia - mecânica - metabólica - combinada

17 Classificação de Bombelli Coxartrose Morfologia - súpero-externa - concêntrica - interna - ínfero-interna

18 Classificação de Bombelli Coxartrose Reação biológica - atrófica - normotrófica - hipertrófica

19 Classificação de Bombelli Coxartrose Amplitude de movimento - rígido: flexão até 30º, abd e ad = 0º - hipomóvel: flexão 30º a 60º, abd e ad<15º - móvel: flexão >60º, abd e ad> 15º

20 Tratamento não cirúrgico Coxartrose Medidas protetoras da articulação - redução do peso - redução da atividade - uso de bengalas

21 Tratamento não cirúrgico Coxartrose Medicamentoso - AINH - paracetamol - condroprotetores

22 Tratamento não cirúrgico Coxartrose FST - analgesia - fortalecimento muscular - manutenção do ADM

23 Tratamento cirúrgico Coxartrose Osteotomias Artrodeses Artroplastias

24 Tratamento cirúrgico Coxartrose Osteotomias - varizante

25

26 Tratamento cirúrgico Coxartrose Osteotomias - valgizante

27

28 Tratamento cirúrgico Coxartrose Artrodeses

29

30 Tratamento cirúrgico Coxartrose Artroplastias

31

32 Sinonímia Osteonecrose Necrose asséptica, necrose isquêmica ou necrose avascular da cabeça femoral

33 Epidemiologia Osteonecrose 4 homens : 1 mulher Faixa etária : 50 anos Bilateralidade: 50%

34 Etiopatogenia Osteonecrose Pós-traumática Agentes químicos Agentes físicos Outras doenças Idiopática

35 Classificação de Arlet e Ficat Osteonecrose

36 Classificação de Arlet e Ficat Osteonecrose Sinal do crescente

37

38

39 Exames de imagem Osteonecrose Radiografia Ressonância magnética

40 Exames de imagem Osteonecrose

41

42

43 Tratamento cirúrgico Osteonecrose Descompressão da cabeça femoral - Ficat 1 e 2A Osteotomia Artroplastia

44 Tratamento cirúrgico Osteonecrose Descompressão da cabeça femoral

45

46 Tratamento cirúrgico Osteonecrose Osteotomia

47

48 Conceito Bursite trocantérica Processo inflamatório que acomete as bursas peritrocantéricas

49 Anatomia Bursite trocantérica

50

51 Etiopatogenia Inflamatória Infecciosa

52 Bursite trocantérica Etiopatogenia Inflamatória - a maioria é atribuída a microtrauma repetitivo em que a musculatura inserida no grande trocanter sofre degenração - processo inflamatório secundário da bursa

53 Bursite trocantérica Quadro clínico Sexo feminino: 2 a 4x mais frequente Mais frequente entre 30 – 50 anos Dor lateral no quadril Irradiação anterior 40%

54 Bursite trocantérica Exames complementares Radiografia Ressonância magnética

55 Bursite trocantérica Exames complementares

56

57 Tratamento Repouso AINH FST - analgesia - alongamento muscular Bursite trocantérica

58 Doenças do joelho Artrose Osteonecrose Tendinite patelar Lesão meniscal Introdução

59 Conceito Artrose do joelho é uma doença de caráter degenerativo e inflamatório que provoca a destruição da cartilagem articular e leva a deformidade da articulação Gonartrose

60 Superfície articular Gonartrose

61

62 Desvio de eixo do joelho Gonartrose Genu varo

63 Desvio de eixo do joelho Gonartrose

64

65

66 Desvio de eixo do joelho Gonartrose

67

68 Etiologia Microfraturas do osso subcondral Osteonecrose

69 Epidemiologia > 60 anos 3 mulheres : 1 homem Osteonecrose

70 Classificação Osteonecrose

71

72 Exames de imagem Radiografias Ressonância magnética Osteonecrose

73 Exames de imagem Osteonecrose

74

75 Exames de imagem Osteonecrose

76

77 Tratamento conservador Osteonecrose Indicação - assintomáticos - estágios iniciais

78 Tratamento conservador Osteonecrose Diminuição da descarga do peso corporal AINH FST para fortalecimento muscular

79 Tratamento cirúrgico Osteonecrose Descompressão Artroplastias

80 Conceito Tendinite patelar Tendinose x tendinopatia Lesão crônica e degenerativa que ocorre no ligamento patelar próximo à sua inserção no polo inferior da patela Tendinose: processo degenerativo Joelho do saltador

81 Epidemiologia Tendinite patelar 50% dos atletas de voleibol Outros esportes que envolvem saltos

82 Etiopatogenia Tendinite patelar Tração excessiva é imposta ao tendão, levando a estiramento e consequente microrruptura das fibras

83 Etiopatogenia Tendinite patelar

84

85 Etiopatogenia Tendinite patelar

86

87 Estágios de Blazina Tendinite patelar I – dor surge após atividades esportivas e não interfere no desempenho II – dor durante e após atividades esportivas sem afetar o desempenho III – dor durante e após atividades esportivas alterando o desempenho IV – ruptura parcial ou total do ligamento

88 Tratamento conservador Tendinite patelar Indicação - estágios I e II - estágio III inicialmente

89 Tratamento conservador Tendinite patelar Correção dos fatores de risco - erros de treinamento - flexibilidade do quadríceps

90 Tratamento conservador Tendinite patelar Medicamentoso - AINH - corticoides devem ser evitados

91 Tratamento conservador Tendinite patelar FST - eletroterapia - U.S - laser - campos eletromagnéticos - cinesioterapia síntese de colágeno

92 Tratamento conservador Tendinite patelar FST

93

94 Tratamento conservador Tendinite patelar FST - alongamento: - - isquiotibiais - - tríceps sural - - quadríceps - e vitar carga excêntrica como subir/descer escadas

95 Tratamento conservador Tendinite patelar FST - alongamento

96

97 Tratamento cirúrgico Tendinite patelar Indicação - persistência dos sintomas após 4 a 6 meses de tratamento conservador - estágio IV

98 Superfície inferior plana Superfície superior côncava Avasculares – exceto na periferia Anatomia Lesão meniscal

99 Anatomia Lesão meniscal Menisco medial - Em forma de C – 3/5 de um círculo - Maior raio - Assimétrico - Corno posterior mais largo ( Assimétrico) - Vascularização : artérias geniculares superior e inferior

100 Anatomia Lesão meniscal Menisco lateral - Formato mais circular – 4/5 de um círculo - Menor raio - Maior mobilidade

101 Anatomia Lesão meniscal

102 Anatomia Lesão meniscal

103 Anatomia ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO

104 Anatomia Lesão meniscal Composição - 75% água. - Tecido fibrocartilaginoso, contendo colágeno. principalmente colágeno tipo I.

105 Anatomia Lesão meniscal A – Radiais B – Circunferênciais C – Perfurantes Fibras de colágeno

106 Lesão meniscal Anatomia ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Superior aspect of medial (A) and lateral (B) menisci after vascular perfusion with India ink and tissue clearing using modified Spaltheholz technique. Note vascularity at periphery of meniscus, as well as at anterior and posterior horn attachments. Absence of peripheral vasculature at posterolateral corner of lateral meniscus (arrow) represents area of passage of popliteal tendon. (From Arnoczky SP, Warren RF: Am J Sports Med 10:90, 1982.)

107 Anatomia Lesão meniscal Vascularização

108 Lesão meniscal Anatomia ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Frontal section of medial compartment of knee. Branching radial vessels from perimeniscal capillary plexus (PCP) can be seen penetrating peripheral border of medial meniscus. F, Femur; T, tibia. (From Arnoczky SP, Warren RF: Am J Sports Med 10:90, 1982.)

109 Anatomia Lesão meniscal Vascularização

110 Lesão meniscal Anatomia ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Zones of potential meniscal healing (see text). (From Miller MD, Warner JJP, Harner CD: Meniscal repair. In Fu FH, Harner CD, Vince KG, eds: Knee surgery, Baltimore, 1994, Williams & Wilkins.) Zones of potential meniscal healing (see text). (From Miller MD, Warner JJP, Harner CD: Meniscal repair. In Fu FH, Harner CD, Vince KG, eds: Knee surgery, Baltimore, 1994, Williams & Wilkins.)

111 Anatomia Lesão meniscal Vascularização

112 Função Lesão meniscal Nutrição Estabilização Propriocepção Redução do stress sobre a tíbia e o fêmur

113 FUNÇÃO DO MENISCO - Absorção - Distribuição - Redução do atrito - Estabilização passiva - Aumento da congruência e da área de contato - Propriocepção - Limitação do movimento ao final da flexo-extensão

114 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO

115 Função Lesão meniscal Aumento da congruência articular

116 Função Lesão meniscal Distribuição de forças

117 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Role of hoop tension in menisci. Single cut to radial edge eliminates hoop tension and allows menisci to move out from between bones.

118 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Distribuição de forças Distribuição de forças

119 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO

120 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Distribuição de forças Distribuição de forças

121 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO

122 Lesão meniscal Função ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Distribuição de forças Distribuição de forças

123 Lesão meniscal Epidemiologia incidência (60 a 70/ ) proporção entre homens e mulheres (2,5:1) idade (21 a 30 anos) lesão degenerativa lesão do LCA (aguda-menisco lateral; crônica- menisco medial)

124 Lesão meniscal Mecanismo Rotacional em flexão parcial Corno posterior : local mais comum Medial varo + RI Lateral valgo + RE

125 Lesão meniscal Classificação ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO

126 Lesão meniscal Classificação Tipo de lesão I – Longitudinal II – Horizontal III – Oblíqua IV – Radial

127 Lesão meniscal Classificação Tipo de lesão Degenerativa

128 ANATOMIA FUNÇÃO EPIDEMIOLOGIA MECANISMO DE LESÃO CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Lesão meniscal Classificação Periférica

129 Lesão meniscal Clínica Dor Derrame articular

130 Lesão meniscal Exame físico

131 Lesão meniscal Exame físico

132 Lesão meniscal Exame físico

133 Lesão meniscal Exame físico

134 Lesão meniscal Ressonância magnética

135 Lesão meniscal Tratamento cirúrgico Artroscopia - meniscectomia - sutura meniscal

136 Lesão meniscal Tratamento cirúrgico Artroscopia - meniscectomia - sutura meniscal

137 Doenças do pé e tornozelo Hálux valgo Tendinite do Aquiles Fasciíte plantar Introdução

138 Hálux valgo

139

140 Pronação do hálux

141

142 Hálux valgo

143

144 Anatomia Tendão mais resistente do corpo humano Tendinite do Aquiles

145 Etiopatogenia Tendinose Degeneração intra-tendínea Paratendinite Resposta inflamatória exuberante e sintomática Microtraumatismos de repetição Tendinite do Aquiles

146 Tratamento Conservador Cirúrgico Tendinite do Aquiles

147 Fasciíte plantar

148

149

150 Tratamento Conservador Cirúrgico Fasciíte plantar

151


Carregar ppt "Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google