A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Implantes ortopédicos Prof. Marcelo Bragança dos Reis.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Implantes ortopédicos Prof. Marcelo Bragança dos Reis."— Transcrição da apresentação:

1 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Implantes ortopédicos Prof. Marcelo Bragança dos Reis

2 Implantes Banda de tensão

3 Implantes Banda de tensão

4 Falar sobre o princípio e indicações

5 Implantes Banda de tensão

6 Implantes Banda de tensão

7 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Fratura exposta Prof. Marcelo Bragança dos Reis

8 Introdução

9

10 Classificações Gustilo e Anderson – 1976 / 1984 AO

11 Classificações Gustilo - tipos Lesão de partes moles e contaminação tecidual I II IIIA IIIB IIIC

12 Gustilo & Anderson Classificações

13 Gustilo – tipo III Também estão incluídas no tipo III: - fratura segmentar - fratura ocorrida no campo e em locais muito contaminados - PAF alta energia

14 Tratamento Emergência cirúrgica

15 Tratamento Atendimento pré-hospitalar Atendimento hospitalar - sala de emergência - centro cirúrgico

16 Tratamento Atendimento pré-hospitalar - ATLS - curativo estéril - imobilização

17 Tratamento Imobilização - o membro afetado deve ser imobilizado na posição que se encontra - tentativas de realinhamento podem produzir lesões adicionais e aumentar a contaminação - redução é indicada na ausência de pulsos distais a lesão

18 Tratamento Não utilizar torniquetes Preferível curativo compressivo

19 Tratamento Atendimento hospitalar - sala de emergência - centro cirúrgico

20 Tratamento Sala de emergência - ATLS - exames complementares - radiografias - não abrir o curativo O local mais apropriado para examinar o ferimento é o centro cirúrgico

21 Tratamento Sala de emergência - antibioticoterapia - vacinação antitetânica

22 Tratamento Centro cirúrgico - lavagem da ferida - desbridamento - estabilização da fratura - cobertura da lesão de partes moles

23 Tratamento Centro cirúrgico - lavagem da ferida

24 Tratamento Centro cirúrgico - desbridamento 4 Cs da viabilidade muscular

25 Tratamento Centro cirúrgico - desbridamento

26

27 Tratamento Centro cirúrgico - estabilização da fratura

28 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros superiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis

29 Anatomia - músculos - arco coracoacromial Lesão do manguito rotador

30 Anatomia Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador

31 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Fases - < 25 anos - dor aguda após esforço prolongado - edema e hemorragia na bursa e tendões - reversível - não há ruptura I

32 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Fases - 25 – 40 anos - dor crônica - processo inflamatório crônico - fibrose e tendinite - ruptura parcial II

33 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Fases - > 40 anos - dor constante - perda de força de elevação - ruptura completa de um ou mais tendões III

34 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Tratamento Fase - Conservador - AINH - Crioterapia I

35 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Tratamento Fase - Conservador - 70% de resposta - AINH - FST - Cirúrgico – após 3 a 6 meses de tratamento conservador II

36 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Reabilitação Fase - FST ainti-inflamatória e analgésica (crioterapia, TENS, U.S, ondas curtas) - fortalecimento dos músculos do MR e adutores do ombro (responsáveis pelo abaixo da cabeça umeral) para redução do atrito acromioumeral e da evolução do processo inflamatório e degenerativo. II

37 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Reabilitação Fase Adutores RI RE II

38 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Cirurgia Fase - descompressão subacromial aberta ou artroscópica II

39 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Cirurgia Fase II

40 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Tratamento Fase - Cirúrgico Idade <60 anos indicação absoluta III

41 Síndrome do impacto Lesão do manguito rotador Tratamento Fase - Cirúrgico Descompressão subacromial + reparo tendinoso e reinserção óssea III

42 Capsulite adesiva Redução do ADM do ombro devido à retração e redução volumétrica da cápsula articular 20% idiopática

43 Classificação Capsulite adesiva primária x secundária

44 Capsulite adesiva

45 Tratamento Capsulite adesiva Analgésicos e AINH Corticoides Amitriptilina Bloqueio anestésico do n. suprasescapular FST

46 Tratamento Capsulite adesiva FST - crioterapia 30min 2 a 3x/dia - TENS - exercícios pendulares e de mobilização passiva do ombro 2 a 3x/dia iniciados por fisioterapeuta e repetidos em casa

47 Tratamento Capsulite adesiva Casos graves e refratários - manipulação sob anestesia - desbridamento do tecido sinovial e liberação capsular

48 Doenças do cotovelo Epicondilites Introdução

49 Epicondilite lateral Epicondilites

50 Epicondilite lateral - tratamento Epicondilites AINH FST - analgesia - alongamento Cirurgia - retirada de fibrose e liberação parcial da origem do ERCC

51 Epicondilite medial Epicondilites

52 Tenossinovite estenosante do 1º compartimento extensor Doença de De Quervein

53 Tenossinovite estenosante do 1º compartimento extensor Doença de De Quervein

54 Tenossinovite estenosante do 1º compartimento extensor Doença de De Quervein

55 Exame físico Doença de De Quervein Teste de Finkelstein

56 Tratamento Doença de De Quervein Conservador - imobilização - corticoide: IM x infiltração

57 Tratamento cirúrgico Doença de De Quervein

58 Fisiopatologia Dedo em gatilho

59 Fisiopatologia Dedo em gatilho

60 Tratamento Dedo em gatilho Conservador - 1 ou 2 infiltrações de corticoides resolve o problema na maioria dos pacientes

61 Tratamento Dedo em gatilho Cirúrgico - liberação da polia A1 de forma percutânea ou aberta

62 Tratamento Dedo em gatilho Aberto

63 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis

64 Introdução Coxartrose Artrose - doença degenerativa crônica caracterizada por deterioração da cartilagem e neoformação óssea nas superfícies articulares - dor e redução da mobilidade articular, evoluindo com rigidez e claudicação

65 Fisiopatologia Coxartrose Artrose - quando a cartilagem perde a capacidade de manter a integridade de sua estrutura e fisiologia ocorrem alterações morfológicas, biomecânicas, inflamatórias e imunológicas.

66 Classificação de Bombelli Coxartrose Etiologia Morfologia Reação biológica Amplitude de movimento

67 Classificação de Bombelli Coxartrose Etiologia - mecânica - metabólica - combinada

68 Classificação de Bombelli Coxartrose Morfologia - súpero-externa - concêntrica - interna - ínfero-interna

69 Classificação de Bombelli Coxartrose Reação biológica - atrófica - normotrófica - hipertrófica

70 Classificação de Bombelli Coxartrose Amplitude de movimento - rígido: flexão até 30º, abd e ad = 0º - hipomóvel: flexão 30º a 60º, abd e ad<15º - móvel: flexão >60º, abd e ad> 15º

71 Tratamento não cirúrgico Coxartrose Medidas protetoras da articulação - redução do peso - redução da atividade - uso de bengalas

72 Tratamento não cirúrgico Coxartrose Medicamentoso - AINH - paracetamol - condroprotetores

73 Tratamento não cirúrgico Coxartrose FST - analgesia - fortalecimento muscular - manutenção do ADM

74 Tratamento cirúrgico Coxartrose Osteotomias Artrodeses Artroplastias

75 Conceito Tendinite patelar Tendinose x tendinopatia Lesão crônica e degenerativa que ocorre no ligamento patelar próximo à sua inserção no polo inferior da patela Tendinose: processo degenerativo Joelho do saltador

76 Epidemiologia Tendinite patelar 50% dos atletas de voleibol Outros esportes que envolvem saltos

77 Etiopatogenia Tendinite patelar Tração excessiva é imposta ao tendão, levando a estiramento e consequente microrruptura das fibras

78 Etiopatogenia Tendinite patelar

79 Etiopatogenia Tendinite patelar

80 Estágios de Blazina Tendinite patelar I – dor surge após atividades esportivas e não interfere no desempenho II – dor durante e após atividades esportivas sem afetar o desempenho III – dor durante e após atividades esportivas alterando o desempenho IV – ruptura parcial ou total do ligamento

81 Tratamento conservador Tendinite patelar Indicação - estágios I e II - estágio III inicialmente

82 Tratamento conservador Tendinite patelar Correção dos fatores de risco - erros de treinamento - flexibilidade do quadríceps

83 Tratamento conservador Tendinite patelar Medicamentoso - AINH - corticoides devem ser evitados

84 Tratamento conservador Tendinite patelar FST - eletroterapia - U.S - laser - campos eletromagnéticos - cinesioterapia síntese de colágeno

85 Tratamento conservador Tendinite patelar FST

86 Tratamento conservador Tendinite patelar FST - alongamento: - - isquiotibiais - - tríceps sural - - quadríceps - e vitar carga excêntrica como subir/descer escadas

87 Tratamento conservador Tendinite patelar FST - alongamento

88 Tratamento cirúrgico Tendinite patelar Indicação - persistência dos sintomas após 4 a 6 meses de tratamento conservador - estágio IV

89 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias da coluna vertebral Prof. Marcelo Bragança dos Reis

90 Definição Deformidade tridimensional da coluna vertebral Desvio no plano frontal >10º Alterações no plano sagital e axial Escoliose

91 Definição Desvia a coluna da linha média no plano frontal Maior rotação está no ápice da curva Rotação ocorre em direção à convexidade da curva Escoliose

92 Definição Desvios normais da coluna vertebral - plano frontal: <10º - lordose cervical: 20º - 40º - cifose torácica: 20º - 40º - lordose lombar: 40º - 60º Escoliose

93 Exame físico Escoliose

94 Escoliose idiopática do adolescente Escoliose Forma mais comum de escoliose Mais frequente em meninas - > 20º - 4 : 1 - > 40º - 8 : 1

95 Tratamento conservador Escoliose Expectante - < 20º Colete - 20º a 40º Risser < 3

96 Tratamento cirúrgico Escoliose Artrodeses

97 Tratamento cirúrgico Escoliose Artrodeses

98 Definição Dorso Curvo Doença de Scheuermann Aumento da cifose torácica Cifose torácica ou tóraco-lombar rígida que acomete adolescentes

99 Quadro clínico Dorso Curvo

100 Critérios de Sorenson Dorso Curvo Cifose torácica > 45º Encunhamento > 5º em 3 corpos vertebrais consecutivos

101 Critérios de Sorenson Dorso Curvo

102 Diagnóstico diferencial Dorso Curvo Scheuermann Postural

103 Postural: flexivel e não preenche criterios de sorenson

104 Tratamento conservador Dorso Curvo Fisioterapia - postural ou deformidade discreta <50º - alongamento muscular: isquiotibiais, flexores do quadril, peitorais e paravertebrais lombares - fortalecimento dos músculos abdominais, glúteos, paravertebrais torácicos - conscientização postural

105 Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis

106 Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas - artralgia - artite - rigidez Introdução

107 Diferenciar artralgia artrite e AR

108 Introdução Revisão de artrose

109 Diferenciar das deformidades da AR

110 Definição Doença inflamatória crônica de etiologia desconhecida; Artrite simétrica e aditiva das pequenas e grandes articulações; Podendo apresentar manifestações gerais e envolvimento de outros órgãos e sistemas. Artrite Reumatoide

111 Deformidades articulares Artrite Reumatoide

112 Deformidades articulares Artrite Reumatoide

113 Deformidades articulares Artrite Reumatoide

114 Deformidades articulares Artrite Reumatoide

115 Tratamento Objetivos - reduzir a inflamação e a dor - manter a movimentação e força articular - prevenir e corrigir deformidades Artrite Reumatoide

116 Tratamento Métodos - repouso - AINH - imobilizações - FST - cirurgia ortopédica Artrite Reumatoide

117 Tratamento FST - calor local alivia espasmo muscular e reduz a rigidez - exercícios passivos ajudam a prevenir ou minimizar perda de função - exercícios isométricos aumentam a força muscular e contribuem para manutenção da estabilidade articular Artrite Reumatoide

118 Definição Fibromialgia Quadro de dor difusa e crônica, frequentemente associada a queixas de fadiga, e sono não repousante. Sintomas vagos - parestesias, sensação subjetiva de edema, alterações cognitivas, dificuldade de concentração e raciocínio, ansiedade, humor deprimido e irritabilidade, tontura, sensação de desmaio iminente, perda de memória, dores de cabeça, palpitações e fraqueza.

119 Diagnóstico Fibromialgia Presença de dor difusa pelo corpo por mais de 3 meses - acima e abaixo da cintura - do lado direito e esquerdo Detecção de 11 pontos dolorosos a palpação - de um conjunto de 18 tender points

120 Diagnóstico Fibromialgia

121 Tratamento Fibromialgia Objetivos - minimizar a dor - restaurar a amplitude de movimento e a flexibilidade - melhorar a qualidade de vida

122 Tratamento não medicamentoso Fibromialgia Exercícios físicos - atividades aeróbias - alongamento e fortalecimento muscular Acupuntura: controverso Massoterapia - redução significativa da dor - efeito transitório


Carregar ppt "Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Implantes ortopédicos Prof. Marcelo Bragança dos Reis."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google