A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

APOPTOSE Professora: Maria Marta Figueiredo

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "APOPTOSE Professora: Maria Marta Figueiredo"— Transcrição da apresentação:

1 APOPTOSE Professora: Maria Marta Figueiredo

2

3 A APOPTOSE é um processo ativo cuja marca registrada é a autodigestão controlada dos constituintes celulares, devido à ativação de proteases endógenas e pode ser comparada metaforicamente a um suicídio celular. A célula morre de forma ordenada sem prejudicar células vizinhas. APOPTOSE

4 Morte Fisiológica e Patológica Depende de ATP Não há autólise Ativação de Enzimas Celulares como Caspases e Endonucleases APOPTOSE Núcleo Contração Condensação Fragmentação

5 Onde ocorre APOPTOSE?

6 Na EMBRIOGÊNESE (separação de dedos dos membros,...) Na IMUNOGÊNESE maturação de células T Na REGULAÇÃO HORMONAL prolactina leva à involução de glândulas mamárias, endométrio na menstruação, atresia folicular do ovário na menopausa. Modelos e Mecanismos

7 Apoptose - Causas Fisiológicas

8 Nas DOENÇAS - NEOPLÁSICAS ( apoptose) - INFECÇÃO VIRAL (eliminação de células T – HIV) Na DOENÇA NEURODEGENERATIVA M orte dos neurônios Morte induzida por células T citotóxicas – rejeição celular Modelos e Mecanismos

9 APOPTOSE – Causas Patológicas Linfócitos T CD8 + citotóxicos – Célula Alvo em Apoptose

10 APOPTOSE – Causas Patológicas Célula Alvo em Apoptose - Linfócitos T CD8 + citotóxicos

11 Características Atinge células individualmente; A célula se encolhe e o citoplasma fica denso;

12 A cromatina se torna condensada e disposta em grumos colados à carioteca; Características

13 O núcleo se fragmenta (cariorrexe); A membrana citoplasmática emite projeções e forma brotamentos que contêm fragmentos do núcleo; Características

14 Fragmentação das células em múltiplos brotos (corpos apoptóticos). *Fagocitose por MO Características

15

16 APOPTOSE CARACTERÍSTICAS MICROSCÓPICAS – H&E

17 Características

18 Importância Regulação celular Crescimento celular do câncer por supressão da morte celular Deleção de células anormais danificadas, por radiação, toxinas ou outros estímulos

19 Indução: Sinais extrínsecos: - ligantes a receptores; - radiação ionizante; - infecção viral ou fatores químicos; Linfócito-T citotóxico; Privação de fatores de crescimento; Estímulos internos. Mecanismos

20 APOPTOSE – Características bioquímicas Clivagem de proteínas do citoesqueleto caspases Entrecruzamento de proteínas corpos apoptóticos Quebras típicas do DNA por endonucleases 200 pb (gel em escada) Reconhecimento fagocítico fosfatidilserina e trombospondina

21 Bioquímica da apoptose: Receptores de Morte - Iniciam as cascatas de Caspases – Pertencem à superfamília TNF (tumor necrosis family): - CD95 (ou Fas) - TNF R1 (TNF Receptor 1) - Linfócitos T - DR4 e DR5 Mecanismos

22 Caspases Estão presentes no citosol sob a forma de pró-enzimas inativas, tornando-se ativas após clivagem proteolítica. Quando ativas clivam proteínas chaves: - Proteínas que inativam a DNAase - Na manutenção da integridade da estrutura celular. Reação de amplificação - cascata Mecanismos

23 Receptor CD95 (Fas) Mecanismos Via extrínseca

24 Mecanismos Via intrínseca

25 Mitocôndria – alteração da permeabilidade da membrana Liberação de Citocromo c Ativação de caspases. Proteínas reguladoras intracelulares Bcl-2, Bcl-X L, Bcl-w, Bcl-1 e A1 - proteínas anti-apoptóticas Bax, Bad, Bid proteínas pró-apoptóticas IAP- Liga às caspases inibe a atividade ou ativação. Proteínas que controlam o sinal apoptótico e estabelecem conecção ao programa de execução Bcl2 Bax Bad- Bcl2 Bcl2 Apaf1 Mecanismos

26 Gene p53 – crítico - envolvido no controle da apoptose. Gene p53 – crítico - envolvido no controle da apoptose. Governa a resposta celular a danos ao DNA. Governa a resposta celular a danos ao DNA. Defeito- células deixam de morrer e proliferam acumulando danos genéticos que podem gerar o câncer Defeito- células deixam de morrer e proliferam acumulando danos genéticos que podem gerar o câncer Mecanismos

27 Integração Integração Sinais extracelulares regulam os sinais intracelulares apoptóticos (ativa ou inibi). Sinais extracelulares regulam os sinais intracelulares apoptóticos (ativa ou inibi). Ação – regulam os níveis ou atividades dos membros das famílias Bcl2 e IAP. Ação – regulam os níveis ou atividades dos membros das famílias Bcl2 e IAP. Se há danos DNA, há interrupção da fase antes de ir para fase S. O sinal de parada em G1 é dado pela p53 (níveis intracelulares aumentam) G1/S-ciclina –replicação DNA S-ciclina- inicio da replicação M-ciclina – eventos da mitose As cdks são inibidas por sinais (- ), CC para

28 Integridade Celular: o poro de transição de permeabilidade mitocondrial se mantém habitualmente fechado. APOPTOSE Depleção de ATP NECROSE expressão p53 Expressão de Bax Abertura do poro mitocondrial Lesão do DNA Ativação das caspases (liberação do citocromo c) Abertura do poro de algumas mitocôndrias Mecanismos

29

30 Doenças Infecciosas – Shigelose Bactérias do Gênero Shigella possuem plasmídeos que codificam fatores ativadores das caspases induz apotose em macrófagos propagação do microorganismo Mecanismos

31

32 NECROSE E APOPTOSE

33 CARACTERÍSTICASNECROSEAPOPTOSE EstímuloPatológicoFisológico ou Patológico OcorrênciaGrupo de CélulasCélulas Individuais ReversibilidadeIrreversível Ativação de EndonucleasesNãoSim Liberação de Enzimas Lisossomais SimNão Inflamação ExsudativaPresenteAusente Alterações NuclearesPresentePresente (Cariorrexe) Morfologia Tumefação e Lise Celular Corpos Apoptóticos NECROSE E APOPTOSE

34

35


Carregar ppt "APOPTOSE Professora: Maria Marta Figueiredo"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google