A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

António Albano B Moreira Outubro 2012 EMPREENDEDORISMO & INOVAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "António Albano B Moreira Outubro 2012 EMPREENDEDORISMO & INOVAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 António Albano B Moreira Outubro 2012 EMPREENDEDORISMO & INOVAÇÃO

2 Dados do professor António Albano Baptista Moreira (TIM) (VIVO) antonioabmoreira AabmoreiraAntonioabmoreira

3 Fones :

4 Eng. ª elétrica em Angola; Formado em Administração e Pós Graduado em Gestão Estratégica; Executivo Sênior de TI multinacionais de classe mundial; Instrutor do Sebrae para o EAD e cursos de Empreendedorismo; Consultor de Web marketing, gestão e TI; Professor de Tecnologia, empreendedorismo e gestão; Professor de Web Marketing; Palestrante; Cineasta, roteirista e fotografo.

5 Objetivos : Mitos e definições; A importância do Empreendedorismo; Contextualizar o empreendedorismo; Intra empreendedorismo Algumas recomendações; Como fazer?

6 Reflexões O que vem a ser isso ? Abrir empresa? Terceiro setor? Atitude?

7 TEMAS A DISCUTIR Introdução / Objetivos. Qual a situação que vivemos hoje ? O perfil do profissional atual. Realidade das MPE´s. Importância das MPE´s. O que fazer ? Empreendedorismo, o que vem a ser isto?

8 MITOS / VERDADES Se nasce empreendedor; Empreendedorismo é montar empresa; Empreendedorismo é sorte; Empreendedorismo pode ser desenvolvido; Só os empreendedores triunfarão.

9 Empreendedorismo - definições 1. Conceito habitual; 2. Conceito geral; 3. Conceito restrito; 4. Como atitude de vida.

10 A situação hoje - 1 Globalização dos negócios Complexidade e volume das variáveis em jogo, grande volume de dados Vida pessoal agitada. Disponibilidades de inúmeras informações Decisões rápidas Inconstância dos mercados Complexidade das organizações O cliente é mutante e infiel Crescimento dos concorrentes Análise complexa – questões impossíveis de se prever. RESULTADO

11 Dados de a 61% morrem no primeiro ano; 40 a 68% no segundo ano; 55 a 73% no terceiro ano.

12 O Ambiente nas PMEs Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos : Falta de Capital de Giro; Falta de crédito; Problemas Financeiros; Maus pagadores; Falta de Clientes; Concorrência muito forte; Instalações inadequadas; Ponto inadequado; Carga tributária elevada; Fala de mão-de-obra qualificada; Falta de conhecimentos gerenciais; Recessão econômica no país.

13 Dados da importância das PMEs 6,5 milhões de PMEs no País; 50 mil Médias; 60% de todos os empregos com carteira; 19,6 milhões de trabalhadores

14 Causas da mortalidade... 1º Falta de Capital de Giro- 42 % 2º Falta de Clientes - 25 % 3º Problemas financeiros- 21 % 4º Maus Pagadores- 16% 5º Falta de Crédito- 14% Fatores condicionantes e taxa de mortalidade de empresas no Brasil Sebrae - Relatório de Pesquisa Brasília Agosto 2004

15 Razões da Mortalidade das Empresas 1Escassez de recursos financeiros21,9 % 2Instabilidade econômica7,7 3Mercado Limitado7,7 4Concorrência7,3 5Problemas pessoais6,8 6Planos econômicos6,8 7Localização3,4 8Inflação3,4 9Elevados encargos financeiros3,0 10Falta de organização e administração3,0 FONTE : SEBRAE – PROGRAMA GERAÇÃO EMPRESA

16 Razões da Sobrevivência das Empresas 1Perseverança / Persistência20,3 % 2Boa administração14,2 3Dedicação do empresário13,6 4Boa estratégia de vendas5,7 5Capital próprio5,5 6Experiência no ramo4,7 7Mercado favorável4,3 8Reinvestir na empresa4,1 9Qualidade do produto3,3 10Única fonte de renda do empresário3,2 FONTE : SEBRAE – PROGRAMA GERAÇÃO EMPRESA

17 A IMPORTÂNCIA DAS MPE´S - 1 De a as firmas até 100 funcionários criaram 96% dos novos empregos – 1,9 milhão. Enquanto as firmas médias e grandes (mais de 100 funcionários) criaram empregos. O crescimento de empregos nas MPE foi de 19,2% e nas MGE de 0,6%. O crescimento das novas MPE´s foi cerca de 98,7% em Após os 4 primeiros anos apenas 50% das firmas de pequeno porte sobrevivem. Grandes – 83%.

18 A IMPORTÂNICA DAS MPE´S - 2 Total Func Milhões 9,3%17,1%19,4%20,4%33.8% Dados de fonte - RAIS Em número de Funcionários Total Emp %22,8%5,8%1,2%0,2% Em número de Empresas

19 A situação hoje - 2 Criatividade Adaptabilidade Resiliência Conhecimento e voltado para prática Foco em metas Resolução de problemas Tomada de decisão Espírito de equipe Busca de oportunidades O perfil profissional exigido RESULTADO

20 Na vida pessoal Angústias e depressões; Agitação, sensação de impotência e falta de controle; Relações humanas desgastadas; Falta de controle da vida pessoal; Desemprego / falta de emprego.

21 O QUE FAZER ENTÃO ? Inovação; Rapidez; Atendimento; Associativismo. Incubação; Cooperativismo; Empreendedorismo; Empregabilidade; Vantagens, diferenciais competitivos.

22 DE DONO A EMPREENDEDOR DONO DE EMPRESA : Visão D/D - de dentro para dentro da empresa. EFICIÊNCIA – Fazer as coisas bem feitas. EMPRESÁRIO : Visão D/F ou - de dentro para fora da empresa ou inverso. F/DConcorrente, Fornecedor, Cliente. EFICÁCIA – Fazer bem feito só o que precisa ser feito. EMPREENDEDOR : Visão F/F -de fora da empresa para fora da empresa. EFETIVIDADE – Manutenção da Eficácia no tempo. NECESSIDADE – Mudança de perfil conforme a evolução.

23 Fatores de sucesso da Empresa Ambiente favorável (Mercado incluído) Gestão (Planejamento Inicial e continuidade) Conhecimento do ramo Empreendedorismo

24 As 3 funções do empresário Gestor / Administrador Técnico Empreendedor

25 A Gestão Objetivos: Estratégia; Diferencial; Planejamento; Controle; Padrões; Informações / Apoio; Melhoria contínua.

26 A Técnica Inovação; Qualidade; Padrões; Continuidade e melhoria.

27 O EMPREENDEDOR EMPREENDEDORES, EMPREENDEDORES, SÃO PESSOAS QUE FAZEM ACONTECER. A arte de dar o 1º passo. Grandes objetivos sempre claros, com foco. Apetite para fazer tudo com seriedade. Energia alocada ao fazer acontecer. A arte refinada da comunicação. A arte do relacionamento. A arte de amarrar pontas. A arte da criatividade pela visão. A arte do ser pra frente.

28 Século XII – Aquele que incentivava brigas Século XVI - Aquele que dirigia uma ação militar Século XVII - Pessoa que criava e dirigia empreendimentos O EMPREENDEDOR VISÃO HISTÓRICA

29 É uma pessoa que transforma sonhos em realidade. (Pinchot) É uma pessoa que imagina, desenvolve e concretiza visões. (Fillion) O EMPREENDEDOR CONCEITOS

30 É uma pessoa que descobrindo seus talentos, competência, seu propósito de vida, desenvolve esforços e realiza sua própria visão. O EMPREENDEDOR CONCEITO AMPLIADO

31 SER EMPREENDEDOR 1- CONJUNTO DE REALIZAÇÃO Busca de oportunidades e iniciativa. Correr riscos calculados. Persistência. Exigência de qualidade e eficiência. Comprometimento. CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS SEGUNDO DAVID McCLELLAND

32 SER EMPREENDEDOR 2- CONJUNTO DE PLANEJAMENTO Busca de informações. Estabelecimento de metas. Planejamento e monitoramento sistemáticos. CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS SEGUNDO DAVID McCLELLAND

33 SER EMPREENDEDOR 3- CONJUNTO DE PODER Independência e autoconfiança. Persuasão e rede de contatos. CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS SEGUNDO DAVID McCLELLAND

34 Meio ambiente Educação Convívio na família Infância Juventude Incentivar a iniciativa Independente Batalha para resolver problemas O EMPRESÁRIO BEM SUCEDIDO NASCE FEITO?

35 MG PE ES RS SP BR CARACTERÍSTICAS Busca de oportunidades e iniciativa Persistência Comprometimento Qualidade e eficiência Correr riscos Estabelecimento de metas Busca de informações Planejamento e monitor. sist. Persuasão e Redes Contato Independência autoconfiança Média Global PERFIL EMPREENDEDOR P E R C E N T U A I S

36 Age diante de dificuldades relevantes. Insiste ou muda de estratégia com a finalidade de enfrentar desafios ou superar dificuldades. Responsabiliza-se pessoalmente pelo cumprimento dos objetivos estabelecidos.PERSISTÊNCIA

37 Analisa as alternativas e calcula riscos cuidadosamente. Age para diminuir riscos ou controlar resultados. Coloca-se em situações que implicam em desafios ou riscos moderados. CORRER RISCOS CALCULADOS

38 Busca autonomia em relação às normas e controle de outros. Mantém suas decisões, mesmo quando outras pessoas se opõem, diante de resultados desanimadores. Mostra-se confiante na sua própria capacidade de completar uma tarefa difícil ou de enfrentar um desafio. INDEPENDÊNCIA E AUTOCONFIANÇA

39 Fixa objetivos que lhe proporcionem desafios e que tenham significado pessoal. G Fixa metas de longo prazo, claras e específicas. G Fixa objetivos de curto prazo, mensuráveis. Estabelecimento de metas/objetivos

40 CLAROS REALISTAS MENSURÁVEIS ESPECÍFICOS REPRESENTAM UM DESAFIO TÊM UM SIGNIFICADO ESPECIAL Critérios para bons objetivos

41 Metas Específicas Significado Provocante Executável Realista Tempo final Observável Dicas para criar metas

42 Se um objetivo é escrito, há um aumento de 60% da probabilidade de atingi-lo. Ajuda você a trabalhar com inteligência, não só com dedicação. Orienta para o futuro, para resultados. Aumenta a motivação Ajuda a administrar a tensão de ser um Empreendedor. MOTIVOS PARA SE ESTABELECER objetivos

43 Pesquisa pessoalmente informações de clientes, fornecedores e concorrentes Pesquisa pessoalmente sobre como fabricar um produto ou fornecer um serviço Solicita orientação de um especialista para obter assessoria técnica ou comercial BUSCA DE INFORMAÇÃO

44 ESCLARECER OBJETIVOS IDENTIFICAR PERGUNTAS DESIGNAR RESPONSABILIDADES DEFINIR UM PRAZO DE REALIZAÇÃO ELEMENTOS DE UM PLANO DE BUSCA DE INFORMAÇÕES

45 Planeja um trabalho grande, dividindo-o em partes mais simples e com prazos definidos Acompanha e revisa seus planos, embasado em informações sobre o desempenho real e em novas circunstâncias Mantém registros financeiros e os utiliza para tomar decisões PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO SISTEMÁTICO

46 Age de forma a executar melhor as coisas, mais rapidamente ou mais barato. Procede de forma a realizar coisas que satisfaçam ou excedam aos padrões de excelência. Assegura que o trabalho seja terminado a tempo e atenda aos padrões de qualidade previamente combinados. EXIGÊNCIA DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA

47 Realiza atividades antes de solicitado ou forçado pelas circunstâncias. Busca novas áreas de atuação, produtos e serviços para ampliar seu empreendimento Aproveita oportunidades fora do comum para começar um negócio novo, obter financiamentos, equipamento, local de trabalho ou assistência BUSCA DE OPORTUNIDADE E INICIATIVA

48 Sacrifica-se pessoalmente ou depende de um grande esforço para completar uma tarefa contratada Trabalha junto com seus empregados ou os substitui caso seja necessário terminar uma tarefa Prima em manter os clientes satisfeitos e coloca em primeiro lugar a boa vontade a longo prazo, em vez do lucro a curto prazoComprometimento

49 Usa de estratégias para influenciar ou persuadir os outros. Usa de pessoas influentes para atingir seus próprios objetivos. Age para desenvolver e manter relações comerciais. PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS

50 Fazendo acontecer... Amplie sua visão de mundo Descubra no que você é bom,...MESMO! Busque as informações necessárias Saiba onde elas estão Quem poderá ajudá-lo ? Que recursos você precisa ?

51 Empreendedor: Atitudes Se acomodar Fazer acontecer

52 Manuais Intelectuais Emocionais Esportivas Comunicação Quais são suas competências/habilidades

53 Fazendo acontecer... EMPREENDEDOR Talento Criatividade Competência + +

54 O que é Empregabilidade ? Competência profissional Adequação profissional Idoneidade Reserva financeira e fontes alternativas Relacionamentos Saúde física e mental Objetivos claros Plano de vida

55 ESTRATÉGIA PESSOAL Valores / Crenças / Princípios Sonhos / Visão Razão da Existência / Missão

56 Sugestão de Plano Pessoal Talento Competência Essencial Metas Visão / Missão Sonho Plano Ação Avaliação Valores / Princípios Modelos Empreen- dedorismo / Disciplina

57 Agora que já sabe... Descubra seus talentos; Desenvolva-os em pontos fortes; Alinhar os Objetivos e Propósitos; Desenvolvimento pessoal; Plano de Negócios; Atitudes Empreendedoras; Alinhar as Estratégias;

58 POR QUE CONTINUARÁ CRESCENDO O NÚMERO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS? Tendências das grandes corporações a transformarem seus complexos em muitas empresas pequenas. A consolidação do franchising. O espírito empreendedor e a necessidade de realização pessoal, principalmente no meio executivo. A aposentadoria precoce. A informatização e a robotização das empresas, que dispensam pessoas de níveis técnicos/gerenciais. O crescimento descomunal de serviços especializados, principalmente ligados à informação. O enxugamento da máquina governamental, que desemprega executivos e técnicos. A terceirização e desverticalização das médias e grandes empresas. Os aspectos tributários e burocráticos, que criam alguns benefícios.

59 COMO ENCONTRAR OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS? Clientes Fornecedores Concorrentes Bancos Mercado de trabalho Meio ambiente Governo

60 COMO IDENTIFICAR OPORTUNIDADES Identificação de necessidades Derivação da ocupação atual Observação de tendências Observação de deficiências Procura de outras aplicações Imitação do sucesso alheio Lançamento de moda Exploração de "hobbyes Exploração de "hobbyes "

61 Estou pronto para abrir um negócio? Estou pronto para abrir um negócio? A ATIVIDADE ME DARÁ PRAZER? TENHO OS RECURSOS NECESSÁRIOS? MINHA FAMÍLIA ACEITA VIVER COM MENOS? EU ENXERGO COPOS MEIO CHEIOS OU MEIO VAZIOS? ESTOU PREPARADO PARA DESCENTRALIZAR DECISÕES?

62 Vamos ao conteúdo EMPREENDEDORISMO OPORTUNIDADES INTRA EMPREENDEDORISMO

63 Como identificar e avaliar uma oportunidade de negócio

64 IDENTIFICANDO UMA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Identificação necessidades/deficiências Observação de tendências Derivação da ocupação atual Exploração de hobbies Lançamento de moda Imitação do sucesso alheio

65 AO FAZER A ESCOLHA, LEVE EM CONTA: Conhecimento do que vai fazer e experiência no ramo Capital estimado para investimento inicial Habilidades necessárias e implícitas ao negócio Fatores morais, ético e religiosos Apoio da família

66 ECOS DO FUTURO VIII Assembléia Geral da World Futuru Society Cliente - verdadeiro rei, convidado honorável Estrutura de trabalho: % CT Compras e comércio: atender necessidades específicas (alimentação, educação, etc) Tempo: leitura de jornais, compras... Big Emerging Markets: China, Índia, Brasil Internet: educação, finanças, marketing... Revolução genética: do homo sapiens ao homo cyberneticus Evolução conhecimento: 2020 dobrará a cada 80 dias

67 TELEMEDICINA

68 TECNOLOGIA Bluetooth

69 CHIP SUBCUTÂNEO - do tamanho de um grão de arroz

70 DESENHOS SOBRE SETORES Educação: equipe, criatividade, idiomas Saúde e Medicina: genética, home care, telemedicina Turismo : ecoturismo, consultor turismo, indústria sistema turismo Varejo: realidade virtual, atendimento customizado, customização total Alimentação: refeições semi-prontas, alimentos naturais, biotecnologia Energia: fontes energéticas, conservação, movimento ambientalista

71 ENERGIA - VELOZ E LIMPO SELO DE ECOLOGICAMENTE CORRETO carro híbrido, capaz de rodar com gasolina ou hidrogênio

72 BIODIESEL menos poluentecusto muito menor ÓLEO DE DENDÊ ÓLEO DE CANOLA

73 REALIDADE VIRTUAL FastSkin, da Speedo Swift Suit, da Nike

74 Mistura de calcário com vegetais como batata, arroz, trigo e mandioca. matéria prima o milho BIOPLÁSTICO

75 O SER HUMANO DO FUTURO Jovens adultos mais tempo em casa Lares com duas rendas Superpopulação x problemas sociais x oportunidades negócios Diversidade é a tônica do futuro- idiomas, nacionalidades Idosos - concentração mais alta do mundo Ascensão da mulher Geração Bits/Bytes –individualista solitário –menor lealdade e comprometimento –mantém alternativas abertas –tecnoliterata –comunicação bits e bytes –visão irreal e material

76 O ENSAIO DO SUCESSO Descreva as características do produto Determine o público-alvo Estime o mercado Conheça seus concorrentes Defina canal de distribuição Recursos financeiros, físicos e humanos Avalie o risco do negócio Verifique as questões de legislação

77 PRECAUÇÕES Invista na dobradinha talento-disciplina Não dispense a experiência de profissionais bem sucedidos Jamais pense que já esgotou as possibilidades Faça pesquisa sobre o potencial do negócio Planeje o empreendimento Conscientize-se que é preciso ser o melhor.

78 78 Idéia e oportunidade –Idéias não são necessariamente oportunidades –A oportunidade deve se ajustar ao empreendedor –Características da oportunidade: »atraente, »durável, »tem uma hora certa, »é ancorada em um produto ou serviço que cria ou adiciona valor para o seu comprador –É um alvo móvel. Se alguém a vê, ainda há tempo de aproveitá-la. –Um empreendedor habilidoso dá forma a uma oportunidade onde outros nada vêem, ou vêem muito cedo ou tarde. –Não é questão de usar técnicas, checklists e outro métodos

79 79 Fontes de idéias Pesquisa universitária Olhar nas ruas Idéias que deram certo em outros lugares Experiência enquanto consumidores Experiência no emprego Mudanças demográficas e sociais Caos econômico, crises, atrasos Como usar as capacidades e habilidades pessoais Franquias

80 Vamos ao conteúdo INTRA EMPREENDEDORISMO

81 Quadro das Mudanças

82 Tendências Atuais do Mundo Moderno Globalização Tecnologia Competitividade Informação Produtividade Qualidade Ênfase no Cliente Conhecimento Foco nos Serviços Capital Humano - Habilidades - Competências - Talento - Motivação - Compromisso

83 VISÃO E ESTRATÉGIA FINANÇAS CLIENTE PROCESSOS INTERNOS APRENDIZAGEM E CRESCIMENTO Como criar valor para os acionistas? Como criar valor para os clientes? Como tornar excelentes os processos do negócio? Como crescer e melhorar?

84 Empregabilidade O Mundo pertence aqueles que pensam em novos caminhos. Vwe Grahl, arquiteto

85 E o Capital Humano como fica em meio as mudanças? Fim do emprego vitalício Pagamentos por competência Guerra dos talentos Rápida obsolescência do conhecimento técnico Automação >> desemprego Telemática >> deslocalização do trabalho

86 Conhecimentos Habilidades Atitudes dos novos Profissionais Estratégico e Visionário Parceria e Compromisso Longo Prazo e Missão Consultivo Foco no Negócio Foco Externo e no Cliente Pro ativo e Antecipatório Foco nos Resultados e nos Fins

87 Perfil Profissional Tecnologia + Negócios Visão sistêmica e holística Polivalência Iniciativa Adaptabilidade Ética Trabalho em equipe Flexibilidade Empreendedorismo Motivação Criatividade Cultura global

88 A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons, 1990)

89 Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade

90 O velho modelo econômico (a era da manufatura) Dirigido pelos modelos clássicos Recursos escassos eram materiais raros Força de trabalho (poder dos músculos) Retornos pequenos Barreiras de entrada Ativos físicos Sobrevivência dos maiores

91 O novo modelo econômico (a era da inovação empreendedora) Dirigido por novos modelos de negócios Recursos escassos são imaginação e conhecimento Retornos maiores Baixas barreiras de entrada Ativos intelectuais Poder do conhecimento Sobrevivência dos mais rápidos

92 Fatores associados com maiores níveis de atividade empreendedora (GEM) Percepção da oportunidade Fatores sociais e culturais Educação (segundo grau e universitário) Participação das mulheres Experiência Suporte financeiro para start-ups

93 Empreendedorismo = Pessoas + Processos

94 Quem é o empreendedor? Alta InventorEmpreendedor A grande maioria Gerente, Administrador Criatividade e Inovação Baixa Alta Habilidades gerenciais e know-how em business

95 Mitos sobre o empreendedor Mito 1: Empreendedores são natos, nascem para o sucesso Realidade: Enquanto a maioria dos empreendedores nasce com um certo nível de inteligência, empreendedores de sucesso acumulam habilidades relevantes, experiências e contatos com o passar dos anos. A capacidade de ter visão e perseguir oportunidades aprimora-se com o tempo. Mito 2: Empreendedores são jogadores que assumem riscos altíssimos Realidade: tomam riscos calculados evitam riscos desnecessários compartilham o risco com outros dividem o risco em partes menores

96 Mitos sobre o empreendedor Mito 3: Os empreendedores são lobos solitários e não conseguem trabalhar em equipe Realidade: São ótimos líderes Criam times Desenvolvem excelente relacionamento no trabalho com colegas, parceiros, clientes, fornecedores e muitos outros

97 O processo empreendedor

98 Caminho crítico do planejamento Reconhecimento/avaliação da oportunidade Estratégia Detalhamento das ações Orçamento Reconhecimento/avaliação da oportunidade Estratégia Detalhamento das ações Orçamento X

99 Modelo interativo do EC Características organizacionais Suporte gerencial Tipo de trabalho Recompensas/incentivos Disponibilidade de tempo Limites organizacionais Características individuais Propensão de assumir riscos Desejo de autonomia Necessidade de realização Orientação a metas Auto-controle Evento inicial Disponibilidade de recursos Decisão para agir de forma empreendedora Planejamento Viabilidade do negócio Implementação da idéia Habilidade de superar barreiras

100 Uma estrutura para o empreendedorismo Organizar a geração e armazenamento das oportunidades (banco de dados, reuniões periódicas etc) Rever processos ou estrutura formal e/ou informal: suporte gerencial a ações empreendedoras Definir meios de recompensar e/ou incentivar a geração de idéias Disponibilidade de recursos e tempo (dia-a-dia e projetos Empreendedores) Fazer com que tais políticas sejam parte da cultura da organização Incentivar o aprendizado Assumir riscos calculados / tolerar falhas

101 10 mandamentos do empreendedor corporativo 1. Faça o trabalho que for necessário para que seu projeto dê certo, independente de sua função/cargo na empresa 2. Compartilhe os créditos do sucesso 3. Lembre-se, é mais fácil pedir perdão que permissão 4. Venha trabalhar cada dia querendo ser demitido!!! 5. Peça conselho antes de pedir recursos 6. Siga sua intuição a respeito das pessoas; construa um time composto pelos melhores 7. Prepare-se antes de divulgar sua idéia; publicidade prematura não é imune ao sistema corporativo 8. Nunca aposte uma corrida na qual não esteja participando! 9. Seja verdadeiro com suas metas, mas realista sobre as formas de atingi-las 10. Honre seus superiores, sua empresa, seus patrocinadores! * Fonte: Pinchot,

102 Intra empreendedorismo Agente de mudança Implementação de melhorias Novos produtos e serviços Exploração de oportunidades Resolução de problemas Alavancar negócios Gerar valor Trabalhar em equipe Ambiente favorável Adapte as características empreendedoras

103 GLOBALIZAÇÃO: PENSAR GLOBALMENTE E AGIR LOCALMENTE. QUALIDADE NÃO SERÁ MAIS UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO CADA VEZ MAIS ESTREITAS. CLIENTES MENOS FIÉIS. USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. A INFLUÊNCIA DA INTERNET – REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES GRANDES MUDANÇAS PARA O SÉCULO XXI

104 A INTERNET E SUA INFLUÊNCIA CONSEQÜÊNCIAS: NOVAS FORMAS DE COMERCIALIZAÇÃONOVAS FORMAS DE COMERCIALIZAÇÃO MOSTRAR E ADQUIRIR PRODUTOS EM QUALQUER LUGAR NO MUNDOMOSTRAR E ADQUIRIR PRODUTOS EM QUALQUER LUGAR NO MUNDO FECHAR NEGÓCIOS COM CLIENTES EM TODO PLANETAFECHAR NEGÓCIOS COM CLIENTES EM TODO PLANETA AULAS A LONGA DISTÂNCIA, COM DIÁLOGOS EM TEMPO REALAULAS A LONGA DISTÂNCIA, COM DIÁLOGOS EM TEMPO REAL PESQUISAS E ACESSO AS BIBLIOGRAFIAS MAIS RECENTESPESQUISAS E ACESSO AS BIBLIOGRAFIAS MAIS RECENTES RECRUTAR E SELECIONAR PESSOAS PARA AS EMPRESAS, ENTRE OUTRAS COISASRECRUTAR E SELECIONAR PESSOAS PARA AS EMPRESAS, ENTRE OUTRAS COISAS MIDIAS SOCIAISMIDIAS SOCIAIS ETCETC

105 TENDÊNCIA DA GLOBALIZAÇÃO MOVIMENTO EM DIREÇÃO AO LIVRE COMÉRCIO MUNDIAL IMPULSO DAS TELECOMUNICAÇÕES BIOTECNOLOGIA REDUÇÃO DO TAMANHO DOS PRODUTOS PRODUTOS ECOLOGICAMENTE CORRETOS GERENTES GLOBALIZADOS (EMPREENDEDORES) COSTUMIZAÇÃO PERSONALIZAÇÃO

106 PRINCIPAIS AMEAÇAS TRANSFORMAÇÕES NAS ESTRUTURAS DE TRABALHO DIMINUINDO EMPREGOS MAIOR CONCORRÊNCIA EM ESCALA MUNDIAL IMPOSIÇÃO DO PAISES RICOS AOS MAIS POBRES DESIGUALDADES FINANCEIRA CONCENTRAÇÃO DE RIQUEZAS NAS MÃOS DOS PODEROSOS

107 PRINCIPAIS OPORTUNIDADES QUALIDADE EM MAIOR ESCALA GRANDE NÚMERO DE OPÇÕES DE FORNECEDORES E MERCADOS ALTA TECNOLOGIA DISPONÍVEL E DEMOCRATIZADAS PREÇOS MAIS BAIXOS GRANDES OPÇÕES DE PARTICIPAR DA CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

108 QUAIS AS TENDÊNCIAS ?

109 GERENTES GLOBALIZADOS ANTES HOJE AUTORITÁRIO ABERTO À PARTICIPAÇÃO CENTRALIZADOR DELEGADOR VISÃO DEPARTAMENTAL VISÃO SISTÊMICA INDIVIDUALISTA PARTICIPATIVO ESPECIALISTA MULTI ESPECIALISTA CHEFEEMPREENDEDOR

110 COMO VENCER A COMPETITIVIDADE DOS NOVOS TEMPOS 1) Positividade 2) Flexibilidade 3) Organização 4) Criatividade e inovação 5) Foco

111 ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO EMPRESÁRIO DA MPE Normalmente sem formação acadêmica. Aprendeu o ofício na prática, como empregado (com os vícios da prática). Vem da produção ou vendas. Aversão a controles e informações. Altamente intuitivo. Decide empiricamente. Limita-se a acompanhar a concorrência. Estilo de administração autocrática/paternalista. Fazedor de tudo. Coragem e capacidade de assumir riscos. Individualista. Visão e preocupação imediata. Descrente de mudanças e aprendizado. Desinformado – não lê. Não investe em auto desenvolvimento. Ressalte-se uma nova classe

112 CONTRIBUIÇÕES DAS MPEs CONTRIBUIÇÕES DAS MPEs Emprego e renda-famíliaEmprego e renda-família Escola de mão-de-obraEscola de mão-de-obra Incubadora de novos negóciosIncubadora de novos negócios Complemento na cadeia produtivaComplemento na cadeia produtiva Flexibilidade para pequenos nichosFlexibilidade para pequenos nichos

113 COMO AS MPEs PODERÃO SER COMPETITIVAS I - Atuar em pequenos nichos II - Participar de um complexo produtivo maior III - Em ambas as situações: Modernizar relações com o consumidor Modernizar relações com o consumidor Investir em qualidade e produtividade Investir em qualidade e produtividade Aproveitar a qualidade de empreendedor Aproveitar a qualidade de empreendedor do funcionário do funcionário Auto-desenvolver seus dirigentes Auto-desenvolver seus dirigentes Bancar novos investimentos nessa Bancar novos investimentos nessa modernização modernização

114 Menor carga tributária Maior carga tributária Informalidade Produção nào-seriada Cadeias e terceiros Até o cliente Economia de escala Rigidez produção/ Venda/ramo O cliente se adapta Ao produto(cria hábitos) Mão-de-obra qualificada Decisões descentralizadas Formalização das operações Produção seriada(em linha) Contato direto Com o cliente Custos Unitários maiores Versatilidade produção/ Venda/ramo Adequação dos Produtos ao cliente Mão-de-obra menos qualificada Decisões centralizadas

115 EMPREENDEDOR (High-Tech): Pessoa capaz de Perceber, Planejar e Explorar Oportunidades de Inovações Tecnológicas. OPORTUNIDADE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: Uma oportunidade de inovação tecnológica é percebida pelos empreendedores por seus aspectos qualitativos de: Atratividade (novidade, diferencial e utilidade); Temporariedade (janela da oportunidade); Intensidade (motivação para gerar um novo empreendimento de base tecnológica). Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

116 GRAU DE INOVAÇÃO Objeto da Inovação Produto, Serviço, Processo ou Design. Dimensão Tecnológica Estado da Arte (Atualidade). Dimensão Mercadológica Cobertura de Mercado (Local / Global).

117 Empreendedorismo e Inovação Tecnológica IDÉIA INOVADORA Provérbio Inspirador Nada é mais forte do que uma idéia cujo tempo é chegado... Vítor Hugo Como chegar a essa idéia? As idéias inovadoras e geradoras de empreendimentos de base tecnológica são decorrentes de trabalhos de P&D em áreas especializadas utilizando tecnologia avançada.

118 Empreendedorismo e Inovação Tecnológica Como julgar se a idéia é promissora, capaz de gerar um novo produto /serviço inovador, base de um empreendimento de sucesso? Realizando um estudo capaz de demonstrar a sua viabilidade técnica e econômica (EVTE) e um planejamento capaz de convencer da sua atratividade comercial e financeira (Plano de Negócios)

119 Empreendedorismo e Inovação Tecnológica Em que consiste o EVTE? Apresentar elementos de comprovação de que a idéia pode gerar um produto ou serviço: * Factível (protótipo ou demo funcional); * Necessário (para clientes alcançáveis); * Inovador (com alto grau de inovação); * Rentável (retorno do capital empregado).

120 Em que consiste o Plano de Negócios? Convencer (promotores e investidores) da atratividade do negócio, apresentando: * Equipe gestora (competência/experiência); * Tecnologia (atual/produtos de alto valor); * Mercado (alcançável com liderança); * Lucratividade (rápido ROI e alta TIR). Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

121 Em quanto tempo ocorre a maturação de empreendimentos de base tecnológica? 3 a 5 anos São necessários de 3 a 5 anos para: * Estruturar a empresa (RH técnico e gerencial); * Desenvolver os produtos e serviços; * Conhecer e desenvolver o mercado-alvo; * Atrair e captar recursos financeiros. Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

122 Qual é a forma mais eficaz para apoiar e acelerar esse amadurecimento? Engajar em programa de Incubadora de Empresas de Base Tecnológica para acesso a: * Treinamentos; * Consultorias individuais; * Encontros informais; * Eventos especializados. Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

123 Como surgiu e evoluiu o Plano de Negócios para demonstração da atratividade de negócios? * Inicio para atrair capital de risco (anos 60) ; * Estendido para outros stakeholders (anos 70); * Generalizado seu uso para capitalização (80). Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

124 Qual é a utilidade atual do Plano de Negócios? * Repensar o negócio; * Atrair parceiros; * Exibir as competências existentes; * Decidir com segurança; * Captar recursos financeiros. Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

125 Requisitos para atingir os objetivos do P/N ? * Apresentar o negócio de forma estruturada; * Identificar as oportunidades de inovação tecnológica baseadas na pesquisa de mercado e na análise SWOT; * Focar em nichos de mercado-alvo; * Dimensionar para rentabilidade desejada; * Revisar para consistência, clareza e objetividade. Empreendedorismo e Inovação Tecnológica

126 OBJETIVOS DO PLANO DE NEGÓCIOS Analisar a viabilidade da futura empresaAnalisar a viabilidade da futura empresa Orientar de forma segura o empreendedorOrientar de forma segura o empreendedor Diminuir os riscosDiminuir os riscos Aumentar as chances de sucessoAumentar as chances de sucesso Planejar agora o que fazer no futuroPlanejar agora o que fazer no futuro

127 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ASPECTOS ECONÔMICOS Mercado Consumidor Mercado fornecedor Concorrentes TAMANHO E LOCALIZAÇÃO Produto Localização ASPECTOS TÉCNICOS Tecnologia Processo Produtivo Equipamento (Lay-out) Investimentos Fixos Mão-de-obra CAPITAL Próprio Terceiros ASPECTOS FINANCEIROS Faturamento Custos Lucro Capital de giro Retorno do investimento

128 RESUMO

129 Sequência Ideia OportunidadeNegócioImplantação

130 IDEIA EVTE

131 Perguntas Real necessidade? Cliente busca? Valor agregado? Competitivo? Lucrativo/rentável? Vale o esforço? Tecnologia? Segmentação? Nicho? Longo prazo? Potencial? 5 forças de Porter – Concorrência, fornecedores, clientes, novas empresas, substitutos? Momento propício? Ciclo de consumo? Minhas vantagens competitivas? Me interessa, gosto disto? Estilo de vida conhecimentos, habilidades, competências requeridas. Ética, lei, pessoas.

132 Análise SWOT simples/ 5 Forças Forças Fraquezas Oportunidades (dentro do negócio a a montar) Ameaças Concorrentes Barganha de fornecedores Barganha de clientes Entrada de novos concorrentes Produtos subsituíveis

133 OPORTUNIDADE Modelo de negócios/Business Model –Mais dados e informações

134 Relacionamento com o Cliente Atividades Chave Segmentos de Clientes Proposta de Valor Canais de distribuição Fluxo de Receitas Estrutura de Custos Parceiros Chave Recursos Chave Os 9 blocos Canvas – 9 Blocos Blog:

135

136 Suas necessidades precisam e justificam uma oferta distinta São alcançados por diferentes canais de distribuiçãoPrecisam de diferentes tipos de relacionamentoPossuem uma grande diferença de lucro Estão dispostos a pagar por diferentes aspectos da oferta Segmentos de Clientes Diferenças entre segmentos de clientes As empresas agrupam os clientes em segmentos com necessidades, costumes ou outro atributo em comum, de forma que possam melhor entender, alcançar e servir esses clientes. Blog:

137 Esse bloco visa agrupar os clientes em segmentos com necessidades, costumes ou outro atributos em comum. Cada segmento tem uma proposta de valor, canal e relacionamento diferente. Para quem está se criando valor? Quem são nossos mais importantes clientes? Esses clientes possuem necessidades em comum? Esses clientes são atingidos da mesma maneira? Segmentos de Clientes PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Blog:

138 s Novidade Performanc e Customizaç ão Fazer o serviço DesignPreço Marca/Statu s Redução de custo Redução de risco Acessibilid ade Conveniênc ia/Usabilida de Alguns elementos que podem agregar valor Proposta de Valor A proposta de valor consiste de uma cesta de produtos e/ou serviços que a empresa oferece de forma a criar valor para um segmento de clientes específico. Blog:

139 Esse bloco visa descrever quais são os valores que os produtos e serviços da empresa oferecem para cada segmento de cliente específico. Que valor é entregue ao cliente? Que problemas dos clientes estamos ajudando a solucionar? Que necessidades dos clientes estamos satisfazendo? Que cesta de produtos e serviços estamos oferecendo para cada segmento de cliente? PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Proposta de Valor Blog:

140 Dar visibilidade aos produtos e serviços da empresa Ajudar os clientes a analisar a proposta de valor da empresa Permitir aos clientes comprar produtos e serviços específicos Entregar a proposta de valor aos consumidores Tipos de Canais Próprio Direto Força de Vendas Vendas na Internet Indireto Lojas Próprias Parceiro Lojas de Parceiros Atacado Canais Os canais podem ser de comunicação, distribuição e venda. Eles são a interface com os clientes e possuem diversas funções e tipos. Funções dos Canais Blog:

141 Canais Esse bloco visa descrever como a empresa comunica e entrega a seus segmentos de clientes a proposta de valor. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Por quais canais seus segmentos de clientes querem ser atingidos? Como são atingidos agora? Como nossos canais se integram? Quais possuem melhor custo-benefício? Como são integrados a rotina do clientes? Blog:

142 Assistência pessoalAssistência pessoal dedicadaAuto-serviçoServiço automatizadoComunidadesCo-criação Categorias de Relacionamento Relacionamento com o Cliente O relacionamento com o cliente é como a empresa interage com um segmento de cliente. Uma empresa precisa definir que tipo de relacionamento ela quer estabelecer. Captura de clientes Retenção de clientes Incremento de vendas Fortalecimento da marca Motivações Blog:

143 Esse bloco visa descrever o tipo de relacionamento que a empresa estabelece com cada segmento de clientes para entregar sua proposta de valor. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Que tipo de relacionamento cada segmento de clientes espera ser estabelecido e mantido com eles? Quais tipos de relacionamento tem sido estabelecidos? Quais os custos desses relacionamentos? Como eles estão integrados com o modelo de negócios? Relacionamento com o Cliente Blog:

144 Receita de transação resultado de um único pagamento do cliente Receita de transação de pagamento contínuo ou suporte pós-compra Venda de ativo Taxa de utilização Taxa de assinatura Aluguel Licença Taxa de corretagem Publicidade Formas de Receita Fluxo de Receitas O fluxo de receitas representa as formas pelas quais a empresa gera receita de cada segmento de clientes e seus valores. Tipos de Receita Blog:

145 Esse bloco visa representar as formas que a empresa gera receita e o dinheiro gerado por cada segmento de clientes, permitindo um bom entendimento de cada segmento de cliente e do valor que ele representa para a empresa. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Por qual valor os clientes estão realmente dispostos a pagar? Pelo que eles atualmente pagam? Como eles estão pagando atualmente? Quanto cada fluxo de receitas contribuem para a receita total? Fluxo de Receitas Blog:

146 FísicoIntelectualHumanoFinanceiro Categorias de Recursos Recursos Chave Os recursos chave permitem que uma empresa crie e ofereça a proposta de valor, mantenha relacionamento com segmentos de clientes e ganhe receita. São os recursos importantes para o funcionamento do modelo de negócios. Blog:

147 Esse bloco visa descrever os ativos mais importantes para fazer o modelo de negócios funcionar. Caso a empresa não tenha tais recursos, ela precisará de parceiros chave. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Quais recursos chave a proposta de valor precisa? E para o canal de distribuição? E para o relacionamento com o cliente? E para o fluxo de receitas? Recursos Chave Blog:

148 Produção Solução de problemas Plataforma/rede Categorias de Atividades Chaves Atividades Chave As atividades chave são as atividades essenciais para o que o modelo de negócios da empresa funcione corretamente. Blog:

149 Esse bloco visa descrever as atividades principais a serem feitas para que o modelo de negócio da empresa funcione. É importante que a empresa consiga fazer essas atividades internamente ou por parceiros, podendo terceirizar as demais. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Quais as atividades chave que a proposta de valor precisa? E os canais de distribuição? E o relacionamento com o cliente? E o fluxo de receitas? Atividades Chave Blog:

150 Alianças EstratégicasCoopetiçãoJoint VentureComprador-Fornecedor Parceiros Chave Tipos de parceirias Os parceiros chave são extremamente importante para as empresas, pois podem otimizar o seu modelo de negócios, reduzir riscos ou adquirir recursos. Blog:

151 Esse bloco visa descrever a rede de fornecedores e parceiros que fazem o modelo de negócios funcionar, se possível não deixar recursos e atividades chave com parceiros para não ficar dependente deles, ou ter redundâncias. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Quem são os parceiros chave? Quem são nossos fornecedores chave? Quais recursos chave são adquiridos dos parceiros? Quais atividades chave os parceiros fazem? Parceiros Chave Blog:

152 Modelos de Negócios Baseado em Estrutura de Custos Baseado em custoBaseado em valor Características: Custos fixos Custos variáveis Economia de escala Economia de escopo Estrutura de Custos A estrutura de custos envolve os principais custos decorrente da operação do modelo de negócios. Criar e entregar valor, manter relacionamento com clientes e gerar receitas todos acarretam em custos. Blog:

153 Esse bloco visa descrever todos os custos envolvidos na operação do modelo de negócios. Se possível, colocar valores para verificar a viabilidade ou melhora do modelo de negócios. PERGUNTAS QUE DEVEM SER RESPONDIDAS Quais são os principais custos inerentes ao modelo de negócios? Quais recursos chave são mais caros? Quais atividades chave são mais caras? Estrutura de Custos Blog:

154 Parceiros Chaves Atividade s Chaves Recursos Chaves Estrutura de Custos Fluxo de Receitas Proposta de Valor Relacionament o com Clientes Segmento s de Clientes Canais Blog:

155 Referências: Livro: Business Model Generation Link: Blog:

156 IMPLANTAÇÃO Plano de negócios/Business Plan –Mais dados e informações detalhadas –Orçamento (custos, receitas, lucros) –Análise de viabilidade –Horizonte de 12 meses –Financiamentos (necessidades e fontes) –Análise de viabilidade Economica-financeira –Vários modelos (SEBRAE, FAZ, Make Money, etc)

157 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ASPECTOS ECONÔMICOS Mercado Consumidor Mercado fornecedor Concorrentes TAMANHO E LOCALIZAÇÃO Produto Localização ASPECTOS TÉCNICOS Tecnologia Processo Produtivo Equipamento (Lay-out) Investimentos Fixos Mão-de-obra CAPITAL Próprio Terceiros ASPECTOS FINANCEIROS Faturamento Custos Lucro Capital de giro Retorno do investimento

158 PORQUÊ O EMPREENDEDORISMO ? Importância das Micro e Pequenas Empresas na geração de renda e empregos. Desenvolvimento e mudança social e econômica. Só os empreendedores triunfarão. Auto-realização pessoal. Empregabilidade.

159 ESTRATÉGIA PESSOAL Valores / Crenças / Princípios Sonhos / Visão Razão da Existência / Missão

160 Sugestão de Plano Pessoal Talento Competência Essencial Metas Visão / Missão Sonho Plano Ação Avaliação Valores / Princípios Modelos Empreen- dedorismo / Disciplina

161 Agora que já sabe... Descubra seus talentos; Desenvolva-os em pontos fortes; Alinhar os Objetivos e Propósitos; Desenvolvimento pessoal; Plano de Negócios; Atitudes Empreendedoras; Alinhar as Estratégias;

162 E principalmente... É preciso dar sentido a tudo isto. Achar um motivo. Para no final: Amar, ser amado, ser reconhecido e Deixar um legado!!!

163 ATÉ ONDE VOCÊ IRIA SE NÃO HOUVESSE LIMITES?O QUÃO CRIATIVO E INOVADOR VOCÊ É?

164 Fones : SUCE$$ !


Carregar ppt "António Albano B Moreira Outubro 2012 EMPREENDEDORISMO & INOVAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google