A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Implantação de Modelos de Qualidade em Pequenas Empresas Marcele Guerra Maschka Outubro, 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Implantação de Modelos de Qualidade em Pequenas Empresas Marcele Guerra Maschka Outubro, 2012."— Transcrição da apresentação:

1 Implantação de Modelos de Qualidade em Pequenas Empresas Marcele Guerra Maschka Outubro, 2012

2 O que é uma Pequena Empresa

3 microempresa - "pessoa jurídica que tenha auferido, no ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais). Lei número 9.317/96, de 5 de dezembro de 1996 [ LEI96] empresa de pequeno porte - "pessoa jurídica que tenha auferido, no ano calendário, receita bruta superior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais) e igual ou inferior a R$ ,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais). Lei número 9.317/96, de 5 de dezembro de 1996 [ LEI96]

4 - Microempresa: I) Na indústria e construção: até 19 funcionários; II) No comércio e serviços: até 09 funcionários. - Pequena empresa: I)Na indústria e construção: de 20 a 99 funcionários; II) No comércio e serviços: de 10 a 49 funcionários SEBRAE, 2012

5 Como implantar qualidade em uma Pequena Empresa

6 Início Conceitos da Qualidade Diagnóstico Interno Planejamento Estratégico Equipes da Qualidade Eliminação de Desperdícios Gerência de Processos Normalização Programa Sebrae – Qualidade para Pequenas Empresas

7 Modelos PDCA MPS.Br

8 Para que Qualidade em uma Pequena Empresa???

9 Segurança de mercado; Criação de novos negócios; Redução de custos; Conquista de novos mercados; Clima de incentivo, motivação e participação; Direcionamento da empresa para o cliente; Obtenção de retorno compensador. SEBRAE, A Resposta para essa pergunta é...

10 É simples assim?

11 Desafios na Implantação da Qualidade em Pequenas Empresas 1.Desenvolver um modelo de Gerenciamento participativo. mudando a maneira antiga de tocar o negócio, para um novo modelo, com planejamento, delegação e treinamento, gerando mais participação de seus funcionários, o que resultará também na maior motivação de sua equipe. 2.Utilizar o planejamento como ferramenta em todas as atividades da empresa. seja ela de qualquer natureza, com o objetivo de evitar ações impensadas, que na maioria das vezes geram altos custos, falhas e desperdícios de toda espécie. 3.Monitorar continuamente o ambiente interno e externo da empresa. registrando, pesquisando e analisando tanto o clima dos funcionários, como a satisfação dos Clientes externos, o que garantirá o contínuo aprimoramento de seus produtos ou serviços. 4.Deixar a informalidade, o mercado atual, não comporta mais gerir uma empresa com decisões informais, com base na intuição, pois elas tem contribuído para a perda de competitividade. 5.Divulgar o seu produto ou serviço de maneira correta. Para muitos empresários, a propaganda boca a boca, ainda é a melhor divulgação, mas em tempos globalizados e informatizados, devemos e precisamos utilizar novas estratégias de publicidade, para atingir os clientes, garantindo um retorno mais rápido aos investimentos realizados. Muitas empresas apesar de possuírem excelentes produtos ou serviços, vivem engatinhando, por não praticarem uma publicidade de modo eficaz, muitas vezes jogando dinheiro fora, justamente por não fazer uma divulgação correta. Paz, 2010.

12 Case de Implantação 1. Pesquisa realizada em Pequenas Empresas do Estado de Santa Catarina. Cândido, 1998.

13 Dificuldades encontradas na implantação do modelo de qualidade pelas empresas do Estado de Santa Catarina. CaracterísticasDificuldade de Implantação Arrojo, crença, obstinação pelo trabalhoFalta de trabalho em equipe; Expectativas exageradas com a implantação; Execução antes do planejamento. Agilidade nas ações e na tomada de decisões imediatas.Ansiedade por resultados, tomada de decisão baseada na intuição; Não utilização dos dados; Improvisação e não aplicação de métodos Visão de curto prazoPouco tempo aplicado à implantação; Busca de resultados imediatos; Atropelo das etapas de planejamento Empregados mais próximos dos clientesNão aproveita informações dos clientes Adaptabilidade maior em relação às mudanças de mercadoCrença de que não há necessidade de planejamento; Crença em soluções mágicas. Flexibilidade de adaptação ao mercadoFalta de constância de propósito e persistência Mão de obra com utilização otimizadaFalta de tempo para dedicar-se ao treinamento; Dificuldade de adequação de horários para treinamento. Empregados mais generalistasFalta de especialistas; Menor capacidade técnica; Improvisação e amadorismo; Turn-over elevado Pouca reserva de capitalPouco investimento em treinamento e em melhoria de produtos e processos Sistema de remuneração inconsistente; Resistências a novas tecnologias Gerenciamento autoritárioDificuldade de envolvimento das pessoas apesar da liderança exercida; Inibição da participação Gerenciamento centralizadoFalta de tempo para conduzir o programa, centralização de atividades se desfocando das decisões estratégicas.

14 Estudo de Caso 1. Implantação do MPS.BR Resultados Alcançados: atestar a qualidade dos processos utilizados pela empresa, podendo observar o quanto era falho o processo anterior, principalmente relacionado ao gerenciamento de projetos. Dificuldades encontradas na implantação: mudança na cultura da empresa e dos funcionários, em função da necessidade de se adequarem ao novo processo. Lições Aprendidas: a Cientec percebeu o quanto é importante manter um processo de desenvolvimento mais simplificado e alinhado com as reais necessidades da empresa. Ramos, 2011 Case de Implantação

15 Estudo de Caso 2. OAM bordados. Implantação do GRD (gerenciamento da rotina diária) no processo de produção. Dificuldades encontradas antes da implantação: Falta de informações a respeito dos pedidos; Falta de padrões a serem seguidos; Falta de motivação para execução das atividades; Falta de conhecimento para resoluções de adversidades comuns ao trabalho; Metas contraditórias; Política de seqüenciamento inadequada; Alguns métodos ineficientes de produção; Leiaute ineficiente; Ações de melhoria: Padronização de trabalho; Sensibilização e treinamento dos colaboradores; Implantação de um sistema informatizado de controle da produção. Resultados Alcançados: Padronização dos procedimentos do trabalho no setor; Treinamento dos colaboradores para os novos métodos; Diminuição dos erros e desperdícios no processo; Aumento da produtividade do setor; Utilização de sistema informatizado para melhoria no processo. Martins, 2008 Case de Implantação

16 Lições Aprendidas 1.É um processo lento e gradual; 2.Necessidade de investimentos e apoio do nível estratégico da organização; 3.É necessário um trabalho de auditoria intenso, principalmente no início; 4.Treinamento e Disciplina. 5.Qualidade e produtividade de uma organização depende de três fatores: processos, tecnologia e pessoas.

17 Referências caminhos/qualidade/integra_bia/ident_unico/ http://www.sebrae.com.br/momento/quero-melhorar-minha-empresa/entenda-os- caminhos/qualidade/integra_bia/ident_unico/ pequenas-e-medias-empresas/26533/http://www.administradores.com.br/informe-se/informativo/a-qualidade-nas- pequenas-e-medias-empresas/26533/ _dia_a_dia_em_uma_empresa_de_prestacao_de_servicos_do_setor_textil.pdfhttp://www2.joinville.udesc.br/~labq/Impantacao_do_gerenciamento_da_rotina_do _dia_a_dia_em_uma_empresa_de_prestacao_de_servicos_do_setor_textil.pdf


Carregar ppt "Implantação de Modelos de Qualidade em Pequenas Empresas Marcele Guerra Maschka Outubro, 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google