A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A FORMAÇÃO DO TÉCNICO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE EM MINAS GERAIS Luzia da Silva Trabalho apresentado na Reunião Geral da Rede de Escolas Técnicas do.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A FORMAÇÃO DO TÉCNICO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE EM MINAS GERAIS Luzia da Silva Trabalho apresentado na Reunião Geral da Rede de Escolas Técnicas do."— Transcrição da apresentação:

1 A FORMAÇÃO DO TÉCNICO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE EM MINAS GERAIS Luzia da Silva Trabalho apresentado na Reunião Geral da Rede de Escolas Técnicas do SUS – 25, 26 e 27/10/2005 – Rio Branco - Acre

2 INSERÇÃO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA UFMG NA FORMAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Histórico

3 COMISSÃO INTERINSTITUCIONAL Centro Formador de Recursos Humanos em Saúde da ESP/MG Escola de Formação Profissional da FHEMIG Escola Técnica de Saúde da UNIMONTES Escola de Enfermagem da UFMG

4 MEMBROS DA COMISSÃO Ana Paula Medrado de Barcellos - CEFOR/ESP/MG Bernadete Barcelos Lopes Cançado - CEFOR/ESP/MG Diana Pereira Lima - EFP/FHEMIG Luzia da Silva - CEPTENF/EE/UFMG - Coordenação Maria Dolores Soares Madureira - CEPTENF/EE/UFMG Nadja Naira Guimarães – ETS/UNIMONTES Patrícia Rehfeld Leite - CEFOR/ESP/MG Rigleia Maria Moreira Lucena - EFP/FHEMIG Suelene Coelho - CEPTENF/EE/UFMG

5 PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO TÉCNICO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Finalidade Subsidiar as propostas de formação do Agente Comunitário de Saúde - ACS, por meio das instituições públicas formadoras de recursos humanos da área da saúde no Estado de Minas Gerais, em parceria com o Ministério da Saúde. - SGTES / DEGES. A criação do curso em nível institucional, para aprovação nos órgãos competentes, após a definição da habilitação profissional de nível técnico do ACS pelo Ministério da Educação.

6 PRESSUPOSTOS ÉTICOS E POLÍTICOS Inclusão social Desenvolvimento da cidadania Educação para todos Formação profissional Articulação entre o mundo do trabalho Intersetorialidade e interdisciplinaridade

7 PRESSUPOSTOS PEDAGÓGICOS Aprender a aprender, aprender a fazer e aprender a ser Integração entre teoria e prática Integração ensino, serviço, trabalho e comunidade Adaptação a cada realidade local e aos padrões culturais de uma determinada estrutura social Integração efetiva entre o ensino e a prática profissional Real integração entre a prática e teoria e imediato teste da prática

8 OBJETIVOS DO CURSO Habilitar o Agente Comunitário de Saúde para atuar junto à equipe de saúde como profissional critico, reflexivo e ético, transformador da realidade, desenvolvendo ações de integração social, promoção da saúde e prevenção de agravos na família e na comunidade por meio da informação e do processo educativo. Efetivar a ação educacional com ênfase na valorização do aprender a aprender, da ética, da formação de atitudes e de responsabilidade na construção da cidadania. Estabelecer mecanismos de articulação que possibilitem a escolaridade de nível médio do candidato para viabilizar a habilitação do Agente Comunitário de Saúde. Constituir-se referência na modalidade da concepção pedagógica e metodológica para formação do Técnico de Agente Comunitário de Saúde.

9 ITINERÁRIO DE FORMAÇÃO Módulo I - estende-se a todos os agentes comunitários inseridos na rede básica do Sistema Único de Saúde, com idade mínima de 18 anos, independentemente da escolarização. Módulo II - serão exigidos atestado de conclusão do módulo I e comprovante de conclusão ou declaração de estar cursando ensino médio. Módulo III - destinados aos concluintes do Módulo II que comprovarem ser egressos do ensino médio ou apresentarem declaração de estar cursando o ensino médio, desde que o prazo entre a conclusão do primeiro módulo e deste não exceda 5 anos.

10 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO Técnico de Agente Comunitário de Saúde com formação crítica reflexiva, com competência técnica, científica e humanista respeitando os preceitos éticos e legais para o exercício profissional no processo de produção de serviços da rede básica de saúde do SUS, atuando em equipe, no planejamento, na execução de ações de interação social, promoção da saúde e prevenção de agravos, em nível individual, familiar e coletivo, com responsabilidade social e compromisso com a cidadania.

11 PERFIL DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Desenvolver ações que busquem a integração entre as equipe de saúde e a população adscrita à unidade básica de saúde, considerando as características e as finalidades do trabalho de acompanhamento de indivíduos e grupos sociais ou coletividades. Realizar, em conjunto com a equipe, atividades de planejamento e avaliação das ações de saúde no âmbito de adscrição da unidade básica de saúde. Desenvolver, em equipe, ações de promoção da saúde visando a melhoria da qualidade de vida da população, a gestão social das políticas públicas de saúde e o exercício do controle da sociedade sobre o setor da saúde.

12 PERFIL DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Desenvolver ações de prevenção e monitoramento dirigidas às situações de risco ambiental e sanitário para a população, conforme plano de ação da equipe de saúde. Desenvolver ações de promoção da saúde e de prevenção de agravos dirigidas ao indivíduo, à família e a grupos específicos, segundo o perfil epidemiológico, plano de ação da equipe de saúde e protocolos de saúde pública.

13 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR CURRÍCULO INTEGRADO Pautado em concepções pedagógicas crítico-reflexivas e filosóficas que valorizam a cidadania. Permite uma efetiva interação entre ensino e prática profissional. Possibilita real integração entre prática e teoria e imediato teste da prática. Estimula a busca de soluções específicas e originais para diferentes situações.

14 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR CURRÍCULO INTEGRADO A integração ensino-trabalho-comunidade implica em uma imediata contribuição para esta última. Possibilita a integração professor-aluno na investigação e busca de esclarecimentos e propostas. Propicia adaptação à realidade local e aos padrões culturais próprios de uma determinada estrutura social. (DAVINI, 1994)

15 METODOLOGIA Problematização. O processo ensino-aprendizagem está centrado no aluno como sujeito da construção do seu conhecimento. O professor é o facilitador e organizador desse processo. Possibilita o aprender a aprender e o aprender fazendo que ocorre de forma dinâmica por meio da ação- reflexão-ação.

16 METODOLOGIA As atividades de ensino aprendizagem Período de concentração O período de concentração é o momento em que são desenvolvidas as seqüências de atividades das unidades didáticas por meio de estudo em grupos, dramatizações, plenárias, seminários e outros recursos para adquirir, acrescentar e sistematizar o conhecimento teórico que sustenta a prática do Agente Comunitário de Saúde.

17 METODOLOGIA As atividades de ensino aprendizagem Período de dispersão O período de dispersão é o momento de aplicação dos conhecimentos - sistematizados no período de concentração- por meio de atividades desenvolvidas sob a supervisão direta do docente, realizadas, preferencialmente, no local de trabalho do aluno, junto à família, grupos específicos, comunidade e instituições. Esse período equivale ao que, na formação dos profissionais da área de saúde, é caracterizado como estágio supervisionado.

18 MÓDULOS PARA A FORMAÇAO DO TÉCNICO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Módulo I – O contexto e a instrumentalização da ação do Técnico de Agente Comunitário de Saúde – 400 horas Módulo II – A ação do Técnico de Agente Comunitário de Saúde na Vigilância a Saúde – 400 horas Módulo - lII - A ação do Técnico de Agente Comunitário de Saúde na promoção da saúde e prevenção de agravos dirigida ao indivíduo, à família e a grupos específicos segundo o perfil epidemiológico – 400 horas

19 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Avaliação Formativa e Somativa A avaliação de desempenho do aluno nas atividades de concentração e dispersão, pelo docente verificando-se o alcance das competências e desempenhos específicos esperados, segundo os critérios estabelecidos em cada Unidade Didática, registrando-se os resultados em fichas próprias. Os instrumentos utilizados Folha de registro de fatos Ficha de desempenho de atividades E outras

20 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A avaliação final de cada unidade O desempenho esperado é aquele que oferece assistência segura e oportuna aos usuários dos serviços, definidos na ficha de Avaliação de Desempenho e representados pelos conceitos de Apto e Não Apto. Estão sujeitos à recuperação paralela os alunos que revelarem, durante os momentos de concentração e dispersão, dificuldade e deficiência no desempenho das atividades práticas, devendo a mesma ocorrer paralelamente ao desenvolvimento do módulo.

21 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Far-se-á a recuperação paralela, com o objetivo de: Buscar superar as dificuldades detectadas durante os períodos de concentração e/ou dispersão utilizando-se um cronograma que permita ao aluno desenvolver as atividades previstas para o desempenho satisfatório. Discutir com o aluno os conceitos construídos no período de concentração que são o alicerce para o desempenho daquela atividade em que ele demonstrou deficiência. O aluno que não obtiver o desempenho Apto permanece em processo de recuperação e de novas avaliações. O docente deve buscar, dentro das possibilidades do Curso, os recursos pedagógicos, proporcionando ao aluno, acompanhamento sistematizado, de modo a promover seu desempenho satisfatório.

22 OFERECIMENTO DAS TURMAS E RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO As turmas deverão ser oferecidas preferencialmente de forma descentralizada respeitando o domicílio de trabalho do aluno permitindo seu fácil acesso à formação. O número de alunos por turma deverá ser preferencialmente de 30 a 40 alunos. A relação professor/aluno deverá ser de 1/30 a 40 na concentração e de 1/6 na dispersão. Deve-se favorecer a formação de turmas em municípios de maior número de ACS com a finalidade de garantir a qualidade das ações e o impacto na assistência. Nos municípios onde há menor número de ACS propõe-se a organização de turmas em um município sede para as atividades de concentração e garantir a dispersão nos municípios domicílio de trabalho do aluno.

23 CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES Os alunos matriculados no curso Técnico de Agente Comunitário de Saúde deverão cursar com aproveitamento todos os 3 (três) módulos constantes da matriz curricular do curso. Para o ingresso no Módulo II o aluno deverá apresentar declaração de conclusão de Módulo I onde deverá constar o registro da carga horária (400 horas) e as competências profissionais relativas ao módulo cursado, para fins de aproveitamento de estudo.

24 PESSOAL DOCENTE Coordenador Geral Coordenador Pedagógico Coordenador Local Corpo docente

25 PESSOAL DOCENTE A preparação da equipe técnica ocorre por meio de um programa de educação continuada, sob a responsabilidade do Coordenador do curso, visando instrumentalizá-la para a elaboração do planejamento, execução e avaliação do processo de ensino e aprendizagem e na metodologia utilizada no curso.

26 DIPLOMAS Será conferido Diploma de Técnico de Agente Comunitário de Saúde àqueles que concluíram com aproveitamento os 3 (três) módulos, totalizando uma carga horária de 1200 horas e comprovada a conclusão do nível médio.

27 GUIA CURRICULAR PARA FORMAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE MATERIAL DIDATICO

28 Equipe de trabalho Coordenação : Luzia da Silva - EE/UFMG Ana Paula Medrado de Barcellos – ESP-MG Elaine Cristina Viegas Rodrigues Mourão - ESP-MG Luzia da Silva - EE/UFMG Maria Auxiliadora Córdova Christófaro - EE/UFMG Maria Dolores Soares Madureira - EE/UFMG Suelene Coelho - EE/UFMG

29 GUIA CURRICULAR PARA FORMAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE MATERIAL DIDATICO FINALIDADE Operacionalização da formação do - ACS, pelas instituições públicas formadoras de recursos humanos da área da saúde no Estado de Minas Gerais, em parceria com o Ministério da Saúde /SGTES/DEGES

30 FUNDAMENTAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Nos diplomas legais do ensino profissional de nível técnico. No Referencial para o Curso Técnico de Agente Comunitário de Saúde do Ministério da Educação e Ministério da Saúde (Brasília, Nas perspectivas delineadas para a educação profissional no setor saúde, com destaque para: a inclusão social dos trabalhadores; elevação da sua escolaridade, na perspectiva da melhoria da qualidade de respostas do setor saúde às demandas da população e à ampliação da sua cidadania;

31 FUNDAMENTAÇÃO DO GUIA CURRICULAR a atuação do ACS no contexto das transformações das práticas de saúde como um profissional do Sistema Único de Saúde; No papel social do ACS participando da Equipe do Programa de Saúde da Família junto às comunidades, por meio de ações intersetoriais na assistência social, na família e no meio ambiente, voltadas para a promoção da saúde e prevenção de agravos. No desenvolvimento a capacidade do ACS em analisar criticamente sua prática de forma contextualizada.

32 FUNDAMENTAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Em concepções filosóficas crítico-reflexivas que têm como eixos norteadores: o aprender a aprender que engloba aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser; autonomia e o discernimento, no âmbito da competência do ACS para assegurar a integralidade, a eqüidade, a qualidade e a humanização das ações prestadas ao indivíduo, à família e à comunidade. atitudes e valores éticos orientados para a cidadania e para a solidariedade

33 ORGANIZAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Modular (Três Módulos) Competências, Habilidades e Conhecimentos Unidades Didáticas Com: propósito, objetivos, seqüências de atividades discentes e docentes para os períodos de concentração e dispersão; textos de apoio; instrumentos de avaliação do processo de ensino- aprendizagem.

34 ORGANIZAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Organização dos conteúdos Conceitos chaves pertinentes a construção das competências e habilidades Pautados na interdisciplinaridade eixos transversais : a ética, o processo saúde - doença, a comunicação, o trabalho de equipe e a ação educativa.

35 ORGANIZAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Módulo I – O contexto e a instrumentalização da ação do Agente Comunitário de Saúde h Unidade 1 – Compreendendo o mundo em que vivemos Unidade 2 – Compreendendo o processo saúde –doença Unidade 3 - A ação do Agente Comunitário de Saúde no diagnóstico e planejamento em Saúde Unidade 4 - A ação do Agente Comunitário de Saúde na educação para a saúde

36 ORGANIZAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Módulo II – A ação do Agente Comunitário de Saúde na Vigilância à Saúde h Unidade 1 – A ação do Agente Comunitário de Saúde para a promoção do ambiente Saudável Unidade 2 - A ação do Agente Comunitário de Saúde na mobilização da coletividade para a promoção da saúde

37 ORGANIZAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Módulo lII - A ação do ACS na promoção da saúde e prevenção de agravos dirigida ao indivíduo, à família e a grupos específicos, segundo o perfil epidemiológico. Unidade 1 – A ação educativa do ACS no controle da saúde da mulher Unidade 2 - A ação educativa do ACS no controle da saúde da criança e do adolescente

38 ORGANIZAÇÃO DO GUIA CURRICULAR Módulo lII - A ação do ACS na promoção da saúde e prevenção de agravos dirigida ao indivíduo, à família e a grupos específicos, segundo o perfil epidemiológico. Unidade 3 - A ação educativa do ACS a grupos que demandam cuidados especiais Unidade 4 - A ação educativa do ACS no controle das doenças crônico - degenerativas Unidade 5 - A ação educativa do ACS no controle das doenças transmissíveis

39 Avaliação do Processo de Ensino-Aprendizagem processual e contínua Busca a identificação do sucesso e das dificuldades apresentados pelo aluno. Ocorre nos períodos de concentração e dispersão, verificando-se o alcance de competências e desempenhos esperados.

40 INSTRUMENTOS UTILIZADOS NO PROCESSO AVALIATIVO Ficha de Registro de Fatos Ficha de Desempenho de Atividades (Chek list) Diário do Aluno

41 A avaliação final do desempenho O aluno, é considerado aprovado, se: obtiver conceito APTO (equivalente ao desempenho satisfatório), por unidade didática. ter freqüência mínima de 75% nas atividades de concentração e de dispersão.


Carregar ppt "A FORMAÇÃO DO TÉCNICO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE EM MINAS GERAIS Luzia da Silva Trabalho apresentado na Reunião Geral da Rede de Escolas Técnicas do."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google