A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PLANEJANDO O TRATAMENTO SUBSTANCE ABUSE TREATMENT AND THE STAGES OF CHANGE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PLANEJANDO O TRATAMENTO SUBSTANCE ABUSE TREATMENT AND THE STAGES OF CHANGE."— Transcrição da apresentação:

1 PLANEJANDO O TRATAMENTO SUBSTANCE ABUSE TREATMENT AND THE STAGES OF CHANGE

2 M. de Montaigne Todo espírito preocupado com o futuro é infeliz: a ansiedade e a vivência precoce do que será nos roubam o direito e o gosto daquilo que hoje é.

3 Amyr Klink Um dia chega em que é preciso tirar os planos das gavetas e, de alguma forma, começar

4 W. Shakespeare Com o tempo você aprende a engendrar seus planos no presente, pois o futuro tem mania de cais em meio ao vão...

5 PRINCÍPIOS O plano terapêutico é essencial no processo de tratamento e baseia-se nas informações colhidas durante a entrevista inicial. Tal plano organiza, integra e determina prioridades, servindo como plano de ação para atingir as metas estabelecidas. Identifica prioridades a curto e longo prazo, bem como as barreiras a serem ultrapassadas. Serve também como referência para monitorar o trajeto já percorrido.

6 O PLANO DE TRATAMENTO É, enfim, a agenda que surge do processo de avaliação inicial, logo, é pessoal e intransferível. A dupla terapeuta-cliente deve desenvolver a lista de metas terapêuticas e ordena-las prioritariamente. Em muitos casos, a prioridade inicial é a redução ou cessação do consumo de uma dada substância. Outras prioridades podem ser melhorar a situação familiar, no trabalho, retornar à escola, etc. Quando a atenção está focada é melhor a capacidade de resolução do problema, o que encoraja a enfrentar desafios futuros.

7 METAS A CURTO E LONGO PRAZO Metas a curto prazo são aquelas que podem ou devem ser alcançadas nos primeiro 6 meses de tratamento. Tal diferenciação é importante para tornar viável e menos frustrante o processo quando as metas são de execução mais complicada ou exigem + tempo.

8 FALANDO EM PRIORIDADE... QUALQUER AVALIAÇÃO PRÉ- TRATAMENTO, PARA QUALQUER ESPÉCIE DE TRATAMENTO OFERECIDO, NECESSITA, ANTES DE MAIS NADA, DA VERIFICAÇÃO DA GRAVIDADE DA DEPENDÊNCIA E DA ABORDAGEM INICIAL PARA DESINTOXICAÇÃO OU EXCLUSÃO DE QUALQUER OUTRA URGÊNCIA OU EMERGÊNCIA MÉDICA!!!

9 VERIFICANDO O ESTÁGIO DE MOTIVAÇÃO Tal procedimento vai permitir ao cliente obter insights sobre o quanto está preparado para embarcar no processo de mudança. A definição do estágio de motivação não define, per se, o plano de tratamento, mas tem implicação em como as metas são definidas e perseguidas. Importante: definir e buscar metas plausíveis! Problemas maiores, quando possível, devem ser subdivididos. Isto é preferível a desencorajar os pacientes.

10 SETTING, TEMPO DE TTO., FREQÜÊNCIA... Pacientes internados X Pacientes Ambulatoriais. Definir o tempo do contrato terapêutico. Definir a freqüência das sessões. Os planos devem ser flexíveis, mas é importante reportar-se ao plano inicial. Logo, o plano de tratamento não se esgota nas sessões iniciais, é sempre reformulado.

11 DESENVOLVENDO METAS INDIVIDUALIZADAS Quais forem escolhidas pela dupla, deveram ser feitas claramente: parar e manter-se sem usar crack X deixar de ficar no grau; Parte-se do princípio que uma substância pode causar danos em cascata na biografia do cliente, logo, abster-se pode ser o primeiro nó a ser desatado, além de que facilita o tratamento de ou minimiza outros transtornos.

12 QUALIDADES DE UM PROGRAMA DE METAS BEM DESENVOLVIDO Metas significativas para o cliente; Concretas, específicas, voltadas p/ o comportamento Focado em otimizar comportamentos desejáveis; Metas realistas e atingíveis; Incluir passos progressivos; Necessita empenho para sua realização; Apropriada para o período pré-estabelecido.

13 FRAMES Feedback Responsability Advice Menu Empathy Self-efficacy

14 EXEMPLO DE CASO I M.J., 46a, fem., divorciada, vem ao tto. porque está bebendo + que gostaria e pensa em parar. Quase sempre bebe com amigos num bar perto de seu trabalho. Bebe às 3a., 4a., 5a. feiras 3 a 5 cervejas; aos fins de semana 10 a 12 cervejas. Sabe enumerar várias conseqüências negativas e prevê outras, isto a deixa pensativa. No entanto, ainda não está queimada e seus relacionamentos poderiam ser prejudicados se ela deixasse a bebida: excluída. Não sabe o que quer fazer e o que precisa fazer.

15 PLANO TERAPÊUTICO I Metas a Longo Prazo Manter abstinência do álcool bem como de outras substâncias; Aquisição e manutenção de relacionamentos sociais gratificantes e significativos; Aquisição de estratégias para reconhecer e lidar com situações de alto-risco de recaídas.

16 PLANO TERAPÊUTICO I Metas a Curto Prazo Identificar as conseqüências negativas do beber; Avaliar os prós e contras do beber; Implementar planos de como não dirigir depois de beber e reduzir outros comportamentos de risco; Avaliar possibilidades alternativas de satisfação em contextos sociais; Estabelecer abstinência a curto prazo; Engajar a cliente num processo de mudança. Tratamento semanal, nos primeiros 6 meses, revisões a cada 3 meses.

17 Exemplo de Caso II P J, 34 anos, solt., usuário de múltiplas substâncias desde o colégio. Usando, nos últimos 6 anos, quase diariamente álcool e maconha e 4x/sem, cocaína. Ocasionalmente, anfetaminas. Geralmente em grupo de 15 pessoas. Na última década vem com problemas em manter relacionamentos c/ mulheres bem como manter atividade remunerada fixa. O que + o incomoda é sua situação de trabalho, abaixo do seu potencial. Orgulhoso, observava que o uso de drogas não o levou a danos físicos, acidentes ou prisões. Desta vez decidiu-se de vez a parar de usar todas as substâncias.

18 PLANO TERAPÊUTICO II Metas a Longo Prazo 1. Estabelecer e manter total abstinência de todas as substâncias psicoativas; 2. Aquisição e manutenção de relacionamentos sociais efetivos; 3. Aquisição e uso de estratégias p/ situações de alto risco; 4. Estabelecer trabalho compatível com suas capacidades;

19 PLANO TERAPÊUTICO II Metas a Curto Prazo 1.Identificação das conseqüências negativas do uso de drogas; 2.Estabelecer e manter a abstinência; 3.Iniciar um planejamento de atividades dirigido às melhores habilidades do cliente; 4.Expandir contatos sociais; Tratamento 2x/semana, com sessões extras s/n. Priorizar 1 e 2; revisões trimestrais.

20 APRECIAR A DIVERSIDADE DE CLIENTES Obs. Apreciar = Abordar; Apreciar = Ter gosto, querer bem. Desenvolver um plano individualizado requer sensibilidade para apreciar a diversidade de clientes. Algo que conta muito é a diferença racial. Outros fatores envolvem gênero, idade, educação, status, orientação sexual e saúde psíquica.

21 SUMÁRIO O plano, desenvolvido com o cliente é endereçado a estabelecer metas. Organiza e prioriza as informações colhidas na abordagem inicial; Metas são reconhecidas a curto e longo prazo, sendo que estas são variáveis conforme a gravidade do quadro, o comprometimento, suporte social e tempo planejado p/ o tratamento; O plano de tratamento deve ser visto como mutável e flexível; Deve ser significativo, exeqüível, específico, atender a diversidade de clientes.

22 Gilberto Gil Se oriente, rapaz, pela constelação do Cruzeiro do Sul; Considere, rapaz, a possibilidade de ir para o Japão Pela simples razão de que tudo merece consideração

23 Rubem Alves Simplicidade é isto: quando todo o coração e toda a alma buscam uma só coisa

24 Mário Quintana Se estão distantes suas utopias, Não é motivo para não querê-las: Quão monótonos seriam os caminhos Sem a mágica presença das estrelas.

25 Hamer, 30/11/2001 Era isto.


Carregar ppt "PLANEJANDO O TRATAMENTO SUBSTANCE ABUSE TREATMENT AND THE STAGES OF CHANGE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google