A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Método Natural do Brasil Gilda Meneses Rizzo Soares & Eliane Prista Legey - Atribuem a Professora Heloísa Marinho a criação do método natural como uma.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Método Natural do Brasil Gilda Meneses Rizzo Soares & Eliane Prista Legey - Atribuem a Professora Heloísa Marinho a criação do método natural como uma."— Transcrição da apresentação:

1 Método Natural do Brasil Gilda Meneses Rizzo Soares & Eliane Prista Legey - Atribuem a Professora Heloísa Marinho a criação do método natural como uma proposta nova, original e brasileira; - Heloísa Marinho teve influências de Dewey e da Gestalt, criando um método pragmático e estruturalista, com enfase no desenvolvimento das estruturas viso-auditivas; -Heloísa Marinho foi professora de todas as professoras de Educação Infantil formadas no Instituto de Educação entre 1934 e 1978; - Realiza em 1943 uma pesquisa de campo no Instituto de Educação do DF, com colaboração de Lourenço Filho (diretor do INEP)

2 Como surge o processo natural de desenvolvimento e de aprendizagem ou método natural? Objetivos da pesquisa de campo: -determinar o quê, quando e como começavam a se desenvolver comportamentos contraproducentes nos alunos; -Aperfeiçoar técnicas e materiais, testá-los em situações reais de aprendizado; analisá-los na pesquisa; -Professoras Arlete Santos e Maria Caldeira Fucs aplicam o método natural em turmas experimentais do Instituto de Educação. -Neste processo vão sendo criados e testados os princípios e materiais que caracterizam o método.

3 A METODOLOGIA E O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGUEM 1)O educador deve incentivar a atividade lúdica da criança, proporcionando meios para que ela descubra seu próprio universo; 2)A linguagem natural da criança mostra como se deve ensinar a ler e escrever: nomes de pessoas e coisas representam frases nos primeiros anos de vida; 3)A palavra significativa constitui a pedra fundamental do ensino da leitura 4)O verbo só deverá ser ensinado dentro da estrutura frasal; 5)Artigos, preposições, conjunções, pronomes só possuem sentido dentro dos contextos frasais;

4 - Estimulando o potencial criativo da linguagem, brincando com as ideias, levamos as crianças a expandir as estruturas frasais e produzir novas sentenças; - No Brasil comete-se o erro de apresentar palavras novas, alheias a realidade infantil; - A sistematização silábica da cartilha mata o verdadeiro ensino da leitura; -O método natural é global, psicológico e estruturalista. Busca aproveitar o melhor do método analítico com o melhor do método fônico. Por ser estruturalista o método natural trabalha com as ideias de maturação, estado de prontidão, estímulos/respostas, no entanto já aponta que não há sujeitos iguais e que cada um deve seguir seu ritmo de aprendizado.

5 PRINCÍPIOS: 1)A leitura e a escrita não são um fim em si mesmas mas meios para se atingir o pleno desenvolvimento do sujeito. 2)A escolha livre da atividade é um direito da criança; trabalho diversificado; 3)O respeito ao direito dos outros; 4)Variedade de opções de atividade; 5)Atividades de conjunto não devem durar mais do que 20 min. (histórias, novidades, novas técnicas, materiais, etc); 6)Organização cuidadosa dos cantinhos de atividades; a importância do ambiente educador; 7)O professor é o primeiro estimulo: apoio afetivo.

6 ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DAS ATIVIDADES: -Possibilitar a múltipla-escolha; -Estimular a resposta criadora (original, inovadora) -Permitir e promover a utilização variada de todo material; -Estimular a redefinição dos materiais; -Permitir que as aprendizagens se realizem em diferentes rítmos ou velocidades; -Formar o hábito de consulta; -Formar o hábito da auto-verificação da aprendizagem; -Exercitar a auto-avaliação; -Levar ao treino funcional;

7 - Estimular, exercitar a iniciativa individual; - Estimular perguntas; - Estimular a discussão - Permitir o trabalho individual ou em grupo; - Estimular o exercício de atitudes sociais democráticas; - Formar o hábito de estudo independente; - Exercitar a responsabilidade; - Permitir adequar o trabalho ao nível de cada criança; - Levar a criança ao acerto; - Corresponder as necessidades vitais da criança e manter o interesse na atividade.

8 ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO 1)Cantinho da pintura 2)Cantinho da leitura/ biblioteca 3)Cantinho ou mesa da pintura a dedo 4)Cantinho da construção 5)Cantinho dos jogos 6)Cantinho do recorte e colagem 7)Cantinho da boneca / ou dramatização 8)Cantinho do desenho 9)Cantinho da limpeza 10)Cantinho da Escolaridade

9 ORGANIZAÇÃO DO TEMPO ESCOLAR – Planejamento. Entrada – 10 min. Atividades de conjunto – lançar palavras, planejar atividades dos alunos, apresentar nova técnica (jogo, atividade) ou material – 30 min. Atividades diversificadas – construção, expressão escrita, leitura, desenho, jogos, dramatização etc. – 2 horas. Arrumação da sala – 10 min. Atividade de conjunto – merenda – 20 min. Atividades de conjunto – Leitura, brinquedos cantados, jogos de salão, 20min. Recreação – 20 min. Atividade de conjunto – Avaliação das atividades do dia – 20 min. Saída – 10 min.

10 RECURSOS & JOGOS PARA ATIVIDADES -Chamadinha canguru – quadro de pregas com os nomes dos meninos e meninas; -Quadro de pregas – vários tamanhos – para exposição, composição de frases, comparação de palavras, etc. -Janelinha do Tempo -Calendário -Galeria do auto-retrato – cada dia um menino e uma menina se auto desenham e escrevem seus nomes; -Vocabulário de apoio – palavras diversificadas – o contraste separa e a semelhança confunde – efeitos de camuflagem (gestalt) -Pré-Livro – pequena história escrita com todos os sons

11 - Visor Fonético – jogo de cartões que combina imagens com palavras/ letras; - Cartão Relâmpago – Fichas com desenhos simples (mnemônicos) organizados em ordem alfabética; - Trilhos – correlação conjunto de figuras a conjunto de palavras; - Preguicinha – palavras encobertas que se descobre aos poucos para uma leitura bem devagarinho; - Caçada – caçar as vogais em uma palavra; - Bloquinho de sons – cada criança faz seu desenho de várias figuras que possuem o mesmo som inicial; ex: gato, galinha,gaveta, a professora cola as palavras abaixo do desenho. - Caderno de sons – individual de referência para cada criança;

12 - Bolsinhas de sons – um quadro de pregas pequeno com duas ou três dobrinhas para encaixar: figura/palavra/letra; - Bloquinho mágico – tiras de palavras e tiras de letras para que as crianças possam ao trocar um letra formar novas palavras; - Tabuleiro – correlacionar figura-palavra -Trilho fonético – Cartões com figuras e letras - Loto ( bingo) – figuras, palavras, letras.

13 DIFERENÇAS & SEMELHANÇAS… SINTÉTICOANALÍTICOFÔNICONATURALCONSTRUTIVISTA - Alfabético ou silábico; - Vai da parte – letra ou sílaba – para o todo – palavra/texto; - Apresentação pela professora das letras, sílabas, encontros vocálicos, palavras simples escolhidas pela forma e não pelo sentido. - Parte da escrita para a leitura. Aprende-se a ler escrevendo - Usa cartilha - Palavração ou texto; - Vai do todo – palavra ou texto – para a sílaba/letra - Parte do texto ou palavras, escolhidas pela facilidade de decodificação e não necessariamento pelo sentido; - Parte da leitura para a escrita. Aprende-se a escrever lendo. - Usa cartilha - Apresentação de Letras/fonemas a partir de uma história; - Enfase na relação grafema/fonema; - Letra/palavra/sons; - Parte da leitura e decodificação dos sons para a escrita; - Aprende-se a ler e escrever pela decodificação dos sons da língua e seu registro. - Usa cartilha - Parte de atividades/ jogos lúdicos elaborados a partir de conjunto de palavras/chaves - Primeiro grupo de palavras: nomes próprios e substantivos; - Análise (sons e grafia)das palavras através de jogos coletivos e/ou individuais; - Atividades diversificadas livre escolha dos alunos; - Não usa cartilha -Ampliação do universo linguistico: leitura de diferentes tipos de texto; - Estímulo a escrita livre da criança; - Registro escrito de toda atividade; - Leituras e escritas coletivas; - Análise dos diferentes estágios da criança e intervenção a partir dos estágios; - Atividades diversificadas; - Não usa cartilha

14 1.Alfabetiza ç ão Natural - Editora Bertrand Brasil Ltda; Rio de Janeiro- RJ ; 284 p á gs a edi ç ão;Alfabetiza ç ão Natural 2.Jogos Inteligentes - Editora Bertrand Brasil Ltda; Rio de Janeiro- RJ; 441 p á gs ª edi ç ão;Jogos Inteligentes 3.Meu Pr é -Livro - Editora EDC - Editora Did á tica e Cient í fica; Rio de Janeiro- RJ; 122 p á gs ª edi ç ão;Meu Pr é -Livro 4.Minhas Ca ç adas - Editora EDC - Editora Did á tica e Cient í fica; Rio de Janeiro- RJ; 123 p á gs ª edi ç ão;Minhas Ca ç adas Edi ç ões Esgotadas 1.Alfabetiza ç ão Natural - Editora Francisco Alves; Rio de Janeiro- RJ; 171 p á gs edi ç ões;Alfabetiza ç ão Natural 2.Caderno de Alfabetiza ç ão Natural Fase I - Editora Francisco Alves; Rio de Janeiro- RJ; 160 p á gs (3 edi ç ões);Caderno de Alfabetiza ç ão Natural Fase I 3.Caderno de Alfabetiza ç ão Natural Fase II - Editora Francisco Alves; Rio de Janeiro- RJ; 174 p á gs (3 edi ç ões);Caderno de Alfabetiza ç ão Natural Fase II 4.Diversos M é todos do Ensino da Leitura e da Escrita: Estudo Comparativo - Editora Francisco Alves; Rio de Janeiro- RJ; 57 p á gs (8 edi ç ões);Diversos M é todos do Ensino da Leitura e da Escrita: Estudo Comparativo 5.Escola Natural: Uma Escola para a Democracia - Editora Francisco Alves; Rio de Janeiro- RJ; 125 p á gs ;Escola Natural: Uma Escola para a Democracia 6.Fundamentos e Metodologia da Alfabetiza ç ão: M é todo Natural (participa ç ão de Eliane Legey) - Editora Francisco Alves; Rio de Janeiro- RJ; 182 p á gs (7 edi ç ões);Fundamentos e Metodologia da Alfabetiza ç ão: M é todo Natural Para saber mais sobre método natural… Gilda Rizzo


Carregar ppt "Método Natural do Brasil Gilda Meneses Rizzo Soares & Eliane Prista Legey - Atribuem a Professora Heloísa Marinho a criação do método natural como uma."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google