A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DISCIPLINA DE ALERGOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE P.PINTO ANAMNESE E EXAME FÍSICO NAS DOENÇAS IMUNOLÓGICAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DISCIPLINA DE ALERGOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE P.PINTO ANAMNESE E EXAME FÍSICO NAS DOENÇAS IMUNOLÓGICAS."— Transcrição da apresentação:

1 DISCIPLINA DE ALERGOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE P.PINTO ANAMNESE E EXAME FÍSICO NAS DOENÇAS IMUNOLÓGICAS

2 Anamnese A anamnese é feita no início de cada diagnóstico de doenças alergoimunologicas e serve para: Chegar a um quadro individual (atopia, entre outras) do paciente; Conhecer a situação de exposição; Obter informações sobre a gravidade ou andamento da possível doença alérgica. Para uma visão geral, deve-se obter uma anamnese apoiada em um questionário. Se o período avaliado for mais longo é importante, como complemento, que haja um diário do paciente.

3 Anamnese Atual (HPMA) Busca-se informações sobre: O quadro de queixas; Situação desencadeadora de queixas; Situação de exposição em local privado e profissional. Com relação às queixas específicas (espirros, prurido, obstrução nasal, secreção, tosse vermelhidão da pele, formação de pápulas, entre outros), são questionados: Tipo, duração e frequência; Padrão de acontecimento; Relações com estações do ano, hora do dia, local; Atividades, incluindo passatempos.

4 Anamnese Atual Quanto à exposição : São indispensáveis os esclarecimento sobre intervenções médica/medicamentos ingeridos; Possíveis contatos com desencadeantes concorrentes, como alimentos, bebidas, atividade com poeiras ou plantas, atividade física; Ambiente de trabalho e moradia (organização, animais domésticos, plantas, atividades); Procurar saber se apenas o paciente ou todas as pessoas do seu local de moradia/trabalho apresentam os mesmos sintomas.

5 Anamnese Individual (HPP) O paciente é questionado sobre doenças alérgicas já surgidas (rinite alérgica, asma, eczema atópico), outras alergias e a respeito de alérgenos identificados por observação clínica ou testes anteriores. Os alérgenos podem indicar possíveis causadores atuais com reação cruzada (pólen de árvore – frutas de caroço; penicilina – cefalosporina).

6 Anamnese Individual O paciente deve ser questionado sobre uso passado ou atual de medicamentos que podem ser possíveis causadores, sobre contra- indicações para teste, sobre influência tendenciosa de testes e sintomas não relacionados à alergia, como tosse seca por ingestão de IECA, secura nos olhos por betabloqueadores, diarréia/fratulência por uso de antibióticos, reações fototóxica (redutor de lipídios, tetraciclina, erva de São João). IECA ATB β-Bloqueador

7 Anamnese Individual Deve ser investigado fatores de risco para sensibilização, como: Intervenções cirúrgicas precedentes (repetidas) (anatomia alterada das vias respiratórias, contado intensivo com látex natural, ingestão repetida de antibióticos). Contato com irritantes para pele e mucosas (substância de uso profissional, fumaça de cigarro, produtos vegetais, enzimas animais). IrritantesCirurgias prévias

8 Anamnese Familiar Informa sobre doenças alérgicas já ocorrentes na família (avós, pais, irmãos, filhos). Com frequência familiar aparece, por exemplo, doenças do círculo atópico, como rinoconjuntivite alérgica, asma alérgica e eczema atópico. No caso de histórico familiar positivo aumenta o próprio risco de atopia.

9 Diário do Paciente (Opcional) No diário, o paciente registra, por um longo período, os acometimentos surgidos, quanto ao tipo, época, duração, frequência e expressão. O diário servirá para detectar relações com atividades privadas ou profissionais, com hábitos alimentares ou peculiaridades sazonais e facilitar a identificação do alérgeno. O registro do tipo e duração do acometimento durante a estação de produção de pólen pode fornecer critérios adicionais, para se decidir sobre a necessidade e o espectro alérgeno de uma dessensibilização no próximo outono/inverno. Se forem seguidas medidas saneadoras ou observadas recomendações de dieta, por exemplo, o diário auxilia na observação da evolução da doença.

10 Diário do Paciente Ocupações nas horas vagas Hábitos alimentares Atividades profissionais

11 Exame físico Em caso de suspeita de doença alérgica, deve-se excluir possível diagnóstico de doenças não alérgicas e investigar minuciosamente o estado físico do paciente. O exame físico útil para orientação geral e serve de base para outros exames. É necessário um procedimento padronizado. O importante é realizar um exame do sistema de órgãos afetados.

12 Exame físico É necessário: Obter uma impressão do aspecto geral do paciente; Abranger parâmetros vitais importantes; Avaliar regiões do corpo, ou seja, sistema de órgãos.

13 Aspectos Gerais São considerados: Aspecto geral sob condições de força; Peso e altura; Danos causados pelos sintomas; Dano por prurido, asma, obstrução nasal, condições atmosféricas, atividade motora.

14 Parâmetros Vitais São verificados: Pressão arterial; Frequência de pulso; Frequência respiratória; Temperatura corporal (dependendo do quadro patológico).

15 Regiões do corpo/Sistema de órgãos Exame físico minucioso; Anamnese clara; Sintomas indicativos; Um exame objetivo de órgãos pode ser prioritário;

16 Regiões do corpo/Sistema de órgãos Pele: deve ser dada atenção aos sintomas frequentes em atópicos. Os sinais de atopia são: Sebostase (pele e couro cabeludo secos - xerose); Hiperlinearidade da palma da mão e sola dos pés; Pregas das pálpebras inferiores duplicadas (linhas de Deny- Morgan), abertura lateral da sobrancelha (sinal de Hertogue); Escoriações lineares como sinal de prurido; O tipo de dermografismo (vermelho ou branco); Manchas hipocrômicas na face e MMSS (Pitiriase alba); Hiperqueratose folicular.

17 Regiões do corpo/Sistema de órgãos Pele: Sinais de mastocitose: entre os sinais possíveis estão as máculas, em parte vermelhas, em parte marrons, e nódulos que após esfregar apresentam-se como urticárias. Alterações ungueais: Unhas brilhantes em consequência de fricção com o dorso das mãos ou das unhas ou restos de sangue sob as unhas como resultado do prurido nos eczemas. Atenção às doenças atuais e suas manifestações e localizações típicas.

18 Regiões do corpo/Sistema de órgãos Cabeça e pescoço: Palpação de gânglios linfáticos; Olhos: Mobilidade, forma da pupila, vermelhidão das mucosas, tumefação de pálpebras, lacrimejamento/secura. Seios paranasais: Possibilidade de dor pela percussão e exame endoscópico do canal nasal. Nariz: Hiperplasia do pavilhão nasal, desvio do septo e pólipos visíveis. Palidez-hiperemia de cornetos, epistaxes, sinais de infecção.

19 Regiões do corpo/Sistema de órgãos Orelha : Canal auditivo, secreção, tumefação e dor, aspecto da membrana timpânica. Cavidade bucal: Tamanho e inflamação das amígdalas, tumefação da língua (Glossite), vermelhidão da mucosa, erosões e edema de mucosa.

20 Regiões do corpo/Sistema de órgãos Tronco: Inspeção (forma e movimento do tórax), palpação, percussão e ausculta, especialmente dos pulmões (abafamento, excursão respiratória, ruído respiratório, estridor inspiratório ou expiratório, tosse/expectoração). Abdome: Ausculta (avaliação dos ruídos intestinais) e palpação. Extremidades: Vascular: suprimento sanguíneo, vasculites, edema circunscrito. Musculoesquelético: tumefação das articulações, dor e força. Exame neurológico.

21 Regiões do corpo Sistemas e órgãos

22


Carregar ppt "DISCIPLINA DE ALERGOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE P.PINTO ANAMNESE E EXAME FÍSICO NAS DOENÇAS IMUNOLÓGICAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google