A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SISTEMA DIGESTÓRIO ARNALDO ZUBIOLI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SISTEMA DIGESTÓRIO ARNALDO ZUBIOLI."— Transcrição da apresentação:

1 SISTEMA DIGESTÓRIO ARNALDO ZUBIOLI

2 AÇÕES QUE OCORREM NO SISTEMA DISGESTÓRIO
1. O movimento do alimento ao longo do tubo digestivo; 2. Secreção de sucos digestivos e a digestão do alimento; 3. Absorção dos produtos da digestão, H2O e eletrólitos; 4. Circulação do sangue pelo TGI para transportar as substâncias absorvidas; 5. Controle de todas essa funções pelo SN entérico e pelo SH.

3 Transtornos do TGI X Terapêutica
Refluxo Gastro Esofágico Ulcera Péptica Náusea e Vomito Constipação Diarréia Antiácidos Procinéticos Antiespasmódicos Antihistaminicos H2 Antagonistas de bomba Antieméticos Antimicrobianos Laxantes Constipantes

4 FÁRMACOS E PROBLEMAS ORAIS

5 A ESTRUTURA DOS DENTES, A MUCOSA ORAL E AS GLÂN- DULAS SALIVARES SÃO IMPORTANTES NA SAÚDE E NA DOENÇA DENTÁRIA

6 DEFINIÇÃO AFTAS INCIDÊNCIA: 20% da população
Aftas são ulcerações superficiais da mucosa oral, com bordas eritematosas e centro branco amarelado, de forma, tamanho e número variável. Surgem no interior das faces e lábios , na língua (bordas e dorsos) e no céu da boca. INCIDÊNCIA: 20% da população

7

8

9 AFTAS ETIOLOGIA: A etiologia das aftas é desconhecida. Fatores predisponentes : MECANISMOS AUTO-IMUNES: constituição individual. Predisposição familiar CARÊNCIAS NUTRICIONAIS: deficiência de vitamina B12, Fe, Zn e ácido fólico DESEQUILÍBRIOS HORMONAIS : transtornos endócrinos, menstruação ALERGIAS A ALIMENTOS E CONSERVANTES STRESS E TRANSTORNOS EMOCIONAIS RAM: corticosteróides, imunossupressores, antineoplásicos, captopril, pastilhas de nicotina, AINEs, tetraciclinas e outros. CONSEQUÊNCIAS DE OUTRAS PATOLOGIAS: infecções víricas ou candidiases, patologias intestinais (colite ulcerosa)

10 MUCOSA ORAL IDENTIFICACÃO E DIFERENCIAÇÃO
CANDIDÍASE: Estomatite eritematosa causada por Candida albicans. VARICELA: vesículas intra-orais abundantes e separadas HESPES LABIAL: a disposição das vesículas é unilateral

11 CANDIDÍASE PLANO TERAPÊUTICO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO TÓPICOS: nistatina ( eleição: bochecho, bálsamo ou pastilhas ), clotrimazol, anfotericina B e clorexidina ( bochechos ). SISTÊMICOS: fluconazol, itraconazol e cetoconazol.

12 HERPES PLANO TERAPÊUTICO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO TÓPICOS: aciclovir tópico( inicio ), clorexidina ( bochechos ) e anestésicos locais. SISTÊMICOS: aciclovir.

13 DOENÇAS DA CAVIDADE ORAL
CÁRIE: placa bacteriana  açucares-ácidos-esmalte-calcio  inflamação, dor e necrose dos tecidos GENGIVITE: zona do colo dental  inflamação superficial  sangramento PERIODONTITE: inflamação dos tecidos que rodeia os dentes  recessão das gengivas  formação de cavidades gengivais  perda de dentes  absorção do osso

14 HALITOSE É o mau cheiro exalado pela boca - mau hálito. Não é doença
CAUSAS: 60 causas (90% na boca) - 5% no estomago tártaro nos dentes, hemorragia das gengivas, língua com detritos, baixa produção de saliva, stress, má alimentação.

15 COMO MANTER A HIGIENE ORAL
Usar fita dental. Escovar a língua. Escovar os dentes: lado externo, interno e onde os dentes mordem. Terminar com um bochecho feito com enxaguatório bucal sem álcool.

16 DOENÇAS MUCOCUTÂNEAS CRÔNICAS
PLANO TERAPÊUTICO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO Glicocorticóides tópicos de potência alta: - Desoximetasona 0,25% - Fluocinolona ,20% - Fluocinonida ,05% - Betametasona 0,05% - Clobetasol ,05% - Halobetasol 0,05%

17 DOENÇA ORAL POR FÁRMACO, DENTIFRÍCIOS E MATERIAIS ODONTOLÓGICOS
EFEITOS ADVERSOS Reações doloridas da mucosa oral ( estomatite ): - Mucosite, - Ulcerações orais, - Eritema multiforme, - Quimioterapia do câncer. Reações semelhantes a: - Liquenóides, - Lúpus eritematoso, - Pênfigo, - Alergia por contato.

18 DOENÇA ORAL POR FÁRMACO, DENTIFRÍCIOS E MATERIAIS ODONTOLÓGICOS
EFEITOS ADVERSOS Hiperplasia gengival: - Fenitoína ( 40% ), - Ciclosporina, - Nifedipina ( e outros antagonistas de Ca++ ), Xerostomia: - Anticolinérgicos ( reduz fluxo salivar ), - Antidepressivos, - Anticonvulsivos, - Antiparkinsonianos.

19 DOENÇA ORAL POR FÁRMACO, DENTIFRÍCIOS E MATERIAIS ODONTOLÓGICOS
XEROSTOMIA Em geral, causa uma “língua em queimação” Representa um risco elevado de cáries dentárias Representa um risco elevado de candidíase Pode ser provocado por fármacos prescritos

20 DOENÇA ORAL POR FÁRMACO, DENTIFRÍCIOS E MATERIAIS ODONTOLÓGICOS
EFEITOS ADVERSOS Erupções farmacológica análogas a pênfigo: - Penicilamina, - Fenobarbital, - Rifampicina, - Captopril. Eritema multiforme: - Antimaláricos, - Barbitúricos, carbamazepina, salicilatos, clorpropamida, - Sulfonamidas, clindamicina, tetraciclinas.

21 AFTAS PLANO TERAPÊUTICO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO Aftas  inflamação da musosa oral: dor leve ou moderada Infecções bacterianas ou fúngicas associadas Forma Farmacêutica: colutórios e comprimidos. Medicamentos: Ácido salicílico, ibuprofeno, paracetamol

22 DENTRIFRÍCIOS Formas farmacêuticas: pó, pasta ou gel;
Constituição : agentes abrasivos, espumosos e aromatizantes ; Formas farmacêuticas: pó, pasta ou gel; Agente terapêutico: fluor - anticárie; Agentes químicos: citrato de zinco, triclosan, timol e eucaliptol – antibacterianos; Pastas branqueadoras (oxidantes): peróxido de hidrogênio, ou de carbamida e uréia peridrol. Agente abrasivo comum: Bicarbonato de sódio

23 DENTRIFRÍCIOS – Resultados terapêuticos
Redução na formação de placa e cavidades; Um gosto agradável e refrescante.

24 espumosos) e ingredientes terapêuticos (às vezes);
ANTI – SÉPTICOS ORAIS Soluções com sabor, coloração, água, surfactantes (agentes espumosos) e ingredientes terapêuticos (às vezes); Álcool – produto medicinal; Fluor – anticárie; Antimicrobianos: ácido benzóico, timol, eucaliptol, mentol, cetiperidíneo, brometo de domifeno, clorexidina; Anestésico local e anti-séptico: fenol Adstrigentes: citrato de zinco e cloreto de zinco (reduz sangramento e irritação)

25 ANTI-SÉPTICOS – Resultados terapêuticos
Redução temporária do sangramento e irritação; Alívio do desconforto; Gosto refrescante; Melhora da halitose.

26 REFLUXO GASTROESOFÁGICO

27 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
CONCEITO: O refluxo gastroesofágico (RGE) é a passagem do conteúdo gástrico para o esófago sem que tenha ocorrido eructação ou vômito. *** 30% a 40% da população experimenta pirose ocasional e regurgitação

28 PATOGENESE Fator Mecanismo ou condição Resultado
Pressão reduzida no EEI EEI tem pressão em repouso reduzida ou relaxa em períodos impróprios. Permite aumento do refluxo do estomago para o esôfago. Diminuição na depuração esofágica Motilidade esofágica reduzida diminui a depuração de material do refluxo. Permite que o material permaneça no esôfago por mais tempo aumentando a potência para dano a mucosa. Esvaziamento gástrico retardado Motilidade gástrica reduzida diminui o esvaziamento do estomago para o duodeno. Conteúdo estomacal mais disponível para refluxo , pois permanece mais tempo no estomago. Aumento do volume intragástrico Consumo de grande quantidade de alimentos resulta em aumento do conteúdo gástrico. Maior presença de ácido para refluxo Aumento da pressão intraabdominal Condições como gravidez, obesidade e pressão no estomago, quando em posição de decúbito Aumento de pressão no estomago facilita o refluxo do conteúdo gástrico

29 Fatores que alteram o tônus (pressão) do EEI
REDUZEM Xantinas - Aminofilina (teofilina) Bloqueadores β (atenolol, propanolol) e α (doxazozina) Anticolinérgicos (inotrópicos) Bloqueadores do canal de cálcio (nifedipina, diltiazem) Nitratos Benzodiazepínicos (diazepam), Derivados da progesterona Alimentos Chá, café, chocolate, menta Cebola, alho Opióides (morfina) AUMENTAM Betanecol Cisaprida Metoclopramida Domperidona Noradrenalina Alcalinização gástrica Gastrina PGs F2 Proteinas

30 Tratamento Farmacológico da DRGE
Os fármacos utilizados em DRGE devem: potenciar a motilidade gastrintestinal; potenciar a pressão do EEI; reduzir a secreção gástrica ácida do estômago.

31 DRGE Terapêutica Farmacológica
Antiácidos e Alginatos Eficazes no alívio sintomático e terapêutica a curto prazo Mais utilizados por doentes a fazer auto-medicação Poucos estudos controlados confirmam eficácia

32 Protetores de célula da mucosa
 Sucralfato: 1g (4x ao dia) 1 hora antes das refeições e ao deitar  Clínica moderada  Compostos de bismuto - Subcitrato de bismuto coloidal - Dicitratobismutato tripotássico - Salicilato de bismuto

33 Protetores de célula da mucosa
SUCRALFATO complexo de sacarose sulfatada + hidróxido de alumínio Se liga a proteinas da cratera da ulcera 1 g (4x ao dia) , min. antes das refeições e ao deitar. 80% de cicatrização em 4 semanas não aprovado para úlcera gástrica Constipação

34 Protetores de células da mucosa
Bismuto- subsalicilato Antisecretor,  síntese de PGs, inibe pepsina, bactericida 480 mg / 4x ao dia, junto ou após as refeições e ao deitar Subcitrato de bismuto Controle de odor de colostomia, flatus Bismuto é um cation trivalente que pode formar complexos insolúveis com tetraciclina e quinolonas Pode aumentar o efeito de AAS, warfarina e hipoglicemiantes 3-6 years: 1/3 tablet or 5 mL every 30 minutes to 1 hour as needed 6-9 years: 2/3 tablet or 10 mL every 30 minutes to 1 hour as needed Helicobacter pylori eradication: 524 mg 4 times/day with meals and at bedtime; requires combination therapy Control of fecal odor in ileostomy or colostomy: Subgallate: 1-2 tablets 3 times/day with meals (maximum: 5 tablets/day)

35 3-6 years: 1/3 tablet or 5 mL every 30 minutes to 1 hour as needed
Helicobacter pylori eradication: 524 mg 4 times/day with meals and at bedtime; requires combination therapy Control of fecal odor in ileostomy or colostomy: Subgallate: 1-2 tablets 3 times/day with meals (maximum: 5 tablets/day)

36 Protetores de células da mucosa
Misoprostol (Cytotec)- Agonista de PG E2 Reduz a produção de H+ Aumenta a produção de muco Aumenta a resistencia da mucosa Prevenção de lesão por AINEs Reações Adversas Diarréia (30%) Contra-indicado na gravidez

37 Supressores da secreção ácida
DRGE Terapêutica Farmacológica Supressores da secreção ácida Antagonistas dos receptores H2 Inibidores da Bomba de Prótons (IBP’s) “IBP’s são os fármacos mais rápidos e eficazes na inibição ácida, alívio sintomático e regressão das lesões de esofagite...”

38

39

40 TRATAMENTO FARMACOLÓGICO - ANTI HISTAMÍNICOS H2

41 CIMETIDINA RANITIDINA FAMOTIDINA NIZATIDINA
- CONDIÇÕES NÃO ULCEROSAS: 200 mg / 4 x / dia ÀS REFEIÇÕES E AO DEITAR. - ÚLCERAS PÉPTICAS: 400 ou até 800 mg / 2 x dia RANITIDINA - 300 mg / dia (2x OU DOSE ÚNICA À NOITE) - CASOS GRAVES: até 600 mg / dia (2x dia) FAMOTIDINA - 1 cp (40 mg) / ao deitar NIZATIDINA - 1 cp (300mg) / ao deitar

42 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO INIBIDORES DA BOMBA DE PRÓTONS OMEPRAZOL: 20mg/24hs, V.O. Ligação ao sistema enzimático (K+/H+ - ATPase) Redução de secreção de ions H+ Usos: RGE, úlcera duodenal, patológias hipersecretantes (longo prazo) LANSOPRAZOL: 30mg/24hs, V.O. *** PANTOPRAZOL, ESOMEPRAZOL, RABEPRAZOL.

43 Inibidores de bomba de próton (IBP)

44 Inibidores de bomba de próton (IBP)

45 INIBIDORES DA BOMBA DE PRÓTONS
PANTOPRAZOL - 1 cps DE 20 OU 40 mg / 1 x / dia pela manhã (4 sem.) LANSOPRAZOL - 30 mg / dia (2 – 4 sem.) OMEPRAZOL - 20 mg / dia (4 sem.)

46 Variedades de IBPs IBPs São iguais? Omeprazol Pantoprazol Lanzoprazol
Sim: mecanismo de ação Não: Formulação Farmacocinética Interação Discutivel:Eficácia clinica Potência Segurança Rabeprazol Menor Esomeprazol S-isomero do omeprazol, maior taxa de cicatrização 3a geração

47 Necessitam 1 a 5 dias efeito total
IBPs Necessitam 1 a 5 dias efeito total Droga Tempo de inibição completa t1/2 de conversão a pH 5 Inibição de H+-K ATPase Omeprazol 30 min 0,3 h (18min.) Intermédia Lanzoprazol 30min 0,3 h Pantoprazol 45 min ( 50% de inibição) 1,2 h lenta Rabeprazol 5 min 0,01 h rápida esomeprazol _ WILLIAMS, M. P.; POUNDER, R. E.Volume 13 (Suppl3)1999 J.Biol Chem 272(36), 1997

48 Inibidores de bomba de prótons
Fármaco Ome Lans Rab Pant Eso Diarréia 3% 3,8%(Idosos) 4 % constipação Dor abdominal 5,2% 2,1% 1 % Dor de cabeça 7% 2,4 % 6-9% 5 % Neuropatia otica isquemica (EV) ? Urticária + giardíase Possível

49 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO PRÓ-CINÉTICOS  METOCLOPRAMIDA * BROMOPRIDA  CISAPRIDA  DOMPERIDONA

50 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
TRATAMENTO FARMACOLÓGICO PRÓ-CINÉTICOS - Melhora a eficácia da barreira anti-refluxo; - Aumenta o tônus do cárdia; - Aumenta as contrações antrais; - Acelera o esvaziamento gástrico

51 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
→ PRÓ-CINÉTICOS * METOCLOPRAMIDA, CLORIDRATO (Ref. PLASIL) - R e G FORMAS FARMACÊUTICAS: Comprimido - 10mg, Solução injetável - 5mg/ml, Solução oral - 4mg/ml POSOLOGIA: Adulto: 10-30mg, VO, a intervalo de 6-8h 10-30mg, IM, a intervalo de 6-8h Crianças: até 0,5mg/Kg/dia VO

52 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
* METOCLOPRAMIDA, CLORIDRATO (Ref. PLASIL) - R e G. LOCAL DE AÇÃO: Esôfago até intestino delgado proximal EFEITOS/AÇÕES: Aumento de motilidade e esvaziamento gástricos; Diminuição de relaxamento no estômago superior; Aumento de contrações antrais, Responsividade à acetilcolina

53 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
* METOCLOPRAMIDA, CLORIDRATO (Ref. PLASIL) - R e G. REAÇÕES ADVERSAS: Sedação (10%) Reação extrapiramidal (1%) Agitação, constipação, diarréia, Boca seca, edema orbitário, Dor e rigidez do pescoço PRECAUÇÕES: Depressão e epilepsia Diminuição da função hepática e renal

54 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
* BROMOPRIDA (Ref. DIGESAN) - G FORMA FARMACÊUTICA: Solução oral - 4mg/ml POSOLOGIA: Adultos: 40mg a 60mg/dia, VO, em 3 a 4 vezes Crianças: 0,5mg a 1mg/Kg/dia, VO LOCAL DE AÇÃO: Esôfago até cólon EFEITOS/AÇÕES: Estimula a motilidade Aumenta o esvaziamento gástrico Antiemético Atravessa a BHE

55 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
* BROMOPRIDA (Ref. DIGESAN) - G REAÇÕES ADVERSAS: Cefaléia, Contrações e espasmos musculares, Sonolência e astenia. PRECAUÇÕES: Hemorragias gastrointestinais. Obstrução da motricidade gastrointestinal

56 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
* DOMPERIDONA (MOTILIUM - Jansen-Cilag) FORMAS FARMACÊUTICAS: Comprimido de 10mg; Suspensão oral de 1ml/1mg. LOCAL DE AÇÃO: Esôfago até intestino delgado proximal EFEITOS/AÇÕES: Similar a metoclopramida.

57 REFLUXO GASTROESOFÁGICO
* DOMPERIDONA (MOTILIUM - Jansen-Cilag) POSOLOGIA: Adultos: 20-40mg, VO, a intervalo de 6-8h Crianças: 5ml de suspensão/10kg, VO, a intervalo de 6-8h REAÇÕES ADVERSAS: Boca seca, cefaléia, Ginecomastia, galactorréia, amenorréia.

58 METOCLOPRAMIDA 10 mg DOMPERIDONA BROMOPRIDA 10 mg
- 1 cp 3 x / dia (ANTES REFEIÇÕES E AO DEITAR) OU 2 COLHERES DE CHÁ CRIANÇAS: 5 – 14 anos – 13 – 20 gts / 3 x dia; 3 – 5 anos – 10 gts / 3 x dia > 3 anos – 5 gts / 3 x dia DOMPERIDONA - 1 cp ou 10 ml susp. 3 x / dia (ANTES REF. E AO DEITAR) CRIANÇAS < 1 ano: 2,5 ml / 10 kg – 3 x dia CRIANÇAS > 1 ano: 5,0 ml / 10 kg – 3 x dia BROMOPRIDA 10 mg - 1 cp OU 5 – 10 ml susp. 3 x / dia

59


Carregar ppt "SISTEMA DIGESTÓRIO ARNALDO ZUBIOLI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google