AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DOS PROCESSOS DE INCLUSÃO DIGITAL E INFORMACIONAL NOS USUÁRIOS DE PROGRAMAS E PROJETOS NO BRASIL. Benedito Medeiros Neto UNIVERSIDADE.

Slides:



Advertisements
Apresentações semelhantes
ProInfo (Programa Nacional de Informática na Educação)
Advertisements

Tecnologias do conhecimento Os desafios da educação.
Gestão em Saúde Introdução aos conceitos: Gestão e Saúde Justificativas da disciplina... Prof. Helena Kanashiro.
ÍNDICE DE EFETIVIDADE DA GESTÃO MUNICIPAL IEGM. CONTEXTO HISTÓRICO Situação econômica Conscientização da população Impactos sociais Administração gerencial.
Diversidade, História Natural e Conservação de Vertebrados na América do Sul – BIZ 0303 OBJETIVOS (conteúdo): Utilizando os vertebrados da América do Sul.
FORMAS DE PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NO BRASIL. O PAPEL DA MÍDIA NA CONSTRUÇÃO DA DEMOCRACIA, CIDADANIA E JUSTIÇA NO MUNDO GLOBALIZADO: UM ESTUDO VOLTADO AOS.
PARCERIA ENTRE O GOVERNO FEDERAL E OS GOVERNOS ESTADUAIS PARA PROMOVER A INCLUSÃO DIGITAL REUNIÃO NACIONAL DO CONSECTI Brasília, 24 de maio de 2012 Ministério.
AUTOR DO TCC: CAMILLA VIANA DE SOUZA [1] ORIENTADOR DO TCC: SIDNEI QUEZADA MEIRELES LEITE[2] [1] Licenciada em Artes pela Universidade Federal do Espírito.
PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS INTRODUÇÃO: O que é Planejamento? O que é Planejamento de Recursos Humanos?
A avaliação no contexto escolar GOVERNO DO CRATO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Coordenadoria de Aperfeiçoamento Pedagógico.
Seminário de desenvolvimento regional dos gestores do Sebrae.
CONASEMS INTEGRALIDADE DA ATENÇÃO NÚCLEO DE ATENÇÃO À SAÚDE NÚCLEO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIAS NILO BRETAS MARCOS FRANCO A NECESSÁRIA INTEGRAÇÃO DA ATENÇÃO.
UNESC - FACULDADES DE CAMPINA GRANDE - FAC CURSO: BACHAREL EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: ONCOLOGIA DURAÇÃO: 60 horas PROFESSORA: Mª APARECIDA A. DANTAS.
A PERCEPÇÃO DE COORDENADORES DE CURSOS DA ÁREA DA SAÚDE SOBRE O USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Marcela Stella Paiva Edilson Carlos.
Prof. Ma. Maria Cecilia Amendola da Motta
SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ.
Ensino Híbrido: uma nova abordagem para o Ensino Médio
Substituir Slides Número: 5 e 9 do vídeo por estes do power point
Análise do Programa de Pesquisa em Saúde e Saneamento da Funasa no Período de 2000 a 2016 Cibele Medeiros Brito Leite Cristine Diniz Santiago Filomena.
Seminário Nacional de Saneamento Sustentável
Sala de Situação e sua interface com o Relatório de Gestão Municipal
O impacto da tics na educação: Professor x educando
PROPOSTA PEDAGÓGICA.
Cultura e Interação Social Antônio Floriano Pesaro
Tema 2 UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DIGITAIS EM SALAS DE AULA (#ecoimooc5,#artefacto1) UC Educação Aberta a Distância Elisabete Caseiro – –
  WORKSHOP TOMADA DE DECISÃO SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS, RISCOS E GESTÃO - EVENTOS EXTREMOS E DESASTRES AMBIENTAIS 28 e 29 junho 2016 IEE- USP.
IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE ALIMENTOS NA CIDADE DE JABOTICABAL/SP
Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina Curso de Especialização em Saúde da Família Melhoria da atenção a saúde bucal dos escolares.
INSTITUCIONAL EXTERNA 2013
Mario Augusto Pires Pool Unilasalle – Rede La salle 2016
AMBIENTE DIGITAL COMO UM ECOSISTEM -Fundamentos
Aedes aegypti, alfabetização científica e oficinas temáticas na educação de jovens e adultos interventiva Sheila dos Santos Rodrigues (Faculdade UnB.
Plano Tecnológico.
TRANSIÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE
PROJETO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO COMUNITÁRIA
Avanços nas atividades do projeto no período de novembro de 2016 a junho de 2017 (Brasil) 19 de junho de 2017.
Melhoria da Atenção ao Pré-natal e Puerpério na UBS Vilena, Bonfim/RR
PRINCÍPIOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO ENSINO DE HISTÓRIA
Mediação Pedagógica e Tecnológica das TDICS na EAD
TECNOPOLO (PORTO ALEGRE – RS)
Dra Eugênia Rodrigues, MD, PhD
A INFORMAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.
Relatórios de Auditoria
POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS.. O ESTADO E A SOCIEDADE.
ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS
Marcelo Ximenes A. Bizerril
O conceito básico da Agenda 21
Universidade Federal do Ceará Faculdade de Educação
Avaliação de satisfação de curso EaD por meio da análise qualitativa
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
Relatório: O Mercado de Trabalho de Pelotas
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
“Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!”
Tecnologia em Análise e Desenvolvimento em sistemas
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS - EJA
Planejamento, Avaliação e Fundamentos Cognitivos em EaD
Programação Estruturada Aula 1 Prof. Jorge Barreto Julho 2018.
Consequências do consumismo: Socioeconômico e socioambientais
UTILIZAÇÃO DA MÍDIA IMPRESSA E MÍDIA INFORMÁTICA
EXPERIÊNCIA DE GOVERNANÇA DIGITAL: MEDIAÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM POLÍTICAS PÚBLICAS INTERSETORIAIS. Autores Samuel Bräuer.
Relação entre BNCC, Currículo e Projeto Político Pedagógico
SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DO PARANÁ Áreas de atuação
em Educação em Direitos Humanos
Professora Patricia Matsuda
Ghisleine Trigo Silveira APASE – São Paulo 23/08/2018
12 e 13 de setembro de 2018 | Sede do CNPq • Brasília-DF
PESQUISA DE MARKETING “Função que conecta o consumidor e o público em geral ao profissional de marketing através de informações - usadas para identificar.
Avaliação de Desempenho Avaliação por Objetivos Prof. Rodrigo Toledo.
Santa Catarina – Censo IBGE 2010
CIÊNCIA DIGITAL Gabriel Vieira (mestrado) Grazieli Izidorio (mestrado)
Transcrição da apresentação:

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DOS PROCESSOS DE INCLUSÃO DIGITAL E INFORMACIONAL NOS USUÁRIOS DE PROGRAMAS E PROJETOS NO BRASIL. Benedito Medeiros Neto UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UnB FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃ0 – FCI Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - PPGCINF /

INTRODUÇÃO - REVISÃO DA LITERATURA - METODOLOGIA ANÁLISE DOS RESULTADOS – CONCLUSÃO (S2/32) ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

. Painel 5: INTRODUÇÃO – Contexto Dados da expansão dos serviços de telecomunicações e mais recentes, as iniciativas de inclusão social dos últimos governos brasileiros em todos os seus níveis, a presenças das ONG na luta pela desigualdade social e pela cidadania, e volume de recursos em favor dos menos favorecidos, foram resultantes de aporte financeiros. Da mesma forma, as iniciativas das empresas em apoiar o treinamento de mão de obra técnica, e a prioridade em educação, foram tentativas para reverter o quadro exclusão e desigualdade na América Latina e Caribe, nos últimos 10 (dez) anos, embora as avaliação e os indicadores ainda não são animadores (Medeiros Neto, 2012). (S3/32)

TIC em larga escala, patrocinadas pelos agentes econômicos e pelos governos, propicia, muitas vezes, tirar dividendos ou proveitos a partir de seu impacto, mas também pode possibilitar ganhos para a sociedade, para a comunidade e, mais especificamente, para o cidadão, pelo desenvolvimento de redes de inteligência coletiva, criando uma harmonia global a integrar os mais diversos povos e linhagens culturais (LÉVY, 2001) - (S4/32) A problematização deste estudo circunscreve-se basicamente na verificação dos possíveis ganhos da parcela dos incluídos beneficiada, a partir das ações diretas ou indiretas do Governo no que diz respeito aos programas, projetos e iniciativas de inclusão digital. No entanto, a despeito destes possíveis ganhos, é preciso enfatizar que a democratização do acesso na era da informação não está assegurada e deve ser discutida e avaliada (BALBONI, 2007; REIS, 2007). INTRODUÇÃO – Contexto e Justificativa

. INTRODUÇÃO – Dificuldades e problemas A despeito destes esforços dos atores públicos e privados, seja através de programas de inclusão digitais, colocação de computadores, disponibilidade acesso banda larga nas escolas públicas e a presença do WiFi em praças e lugares públicos, o uso das TIC em setores como saúde e governança, o certo é que na maioria dos países ainda prescindem de uma política pública mais robusta para que a inclusão digital seja uma ação permanente. Quase sempre identifica-se a baixa formação de professores e falta de mediadores como bibliotecários e monitores. A fibra ótica que não chega às casas dos usuários distantes, os preços dos serviços de telecomunicações, e a falta de unidades de inclusão digital para maior parte da população em estado de vulnerabilidade social, continua a ser desafio na maioria dos países da América Latina (Medeiros Neto, 2012, p.29). (S5/32)

. INTRODUÇÃO – Dificuldades e problemas Isto acontece, em parte, pela baixa penetração dos exploradores de telecomunicação nas áreas de baixo atrativo econômico, tais como as periferias das metrópoles, pequenos municípios, fronteiras com baixo índice populacional e áreas rurais. Além de tudo isto, nas fronteiras afastadas apenas a tecnologia satelital garante o acesso às redes e serviços mas tem um custo elevado. No entanto, deve-se observar a importância da inclusão digital ganhar espaço no processo de construção da cidadania (Medeiros Neto, 2012, p.29). - (S6/32)

Expectativas: Elaborar Metodologias Desenvolver sistemática de avaliação Desenvolver procedimentos operacionais de pesquisa Construir Indicadores Testar Sistemas de métricas de mensuração A PERGUNTA O Programa GESAC, parceiros e conveniados no processo de inclusão digital, oferecendo acesso à internet em banda larga, nos seus pontos de presença (Pontos GESAC), fornecendo infraestrutura, recursos digitais, facilitando a mediação e dando capacitação, promovem mudanças significativas na aprendizagem do usuário, aluno das escolas públicas, e transformações na vida do usuário das comunidades assistidas, e, ao levar o acesso à informação, facilitaram a comunicação, promoveram a disseminação e a produção de conteúdos ? - (S7/32). Painel 5: INTRODUÇÃO - Definição do problema

OBJETIVO GERAL Identificar e avaliar as mudanças e as transformações ocorridas no usuário (cidadão e alunos incluídos digitalmente), no BRASIL, no período de 2006 a 2009, numa amostra dos usuários dos 3570 pontos GESAC, telecentros e laboratórios de informática das escolas públicas. (S8/32)

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Analisar as práticas de inclusão digital do Programa GESAC e parceiros no uso da tecnologia; Identificar os impactos e resultados das capacitações, oficinas e mediações do GESAC e parceiros, junto ao usuário, das atividades promovidas nos Telecentros e em laboratórios de informática das escolas públicas; Avaliar o processo de apropriação social das TICs pelo usuário dos Pontos GESAC; Identificar e aplicar indicadores de forma a mensurar a inclusão digital, informacional e social. (S9/32)

REVISÃO DA LITERATURA Impactos da Sociedade da Informação no Brasil Inclusão Digital – Um conceito em consolidação Alfabetização digital e letramento digital Inclusão Informacional Alfabetização Informacional (ALFIN) Competência Informacional Inclusão Informacional Inclusão Social Desigualdades Sociais Acessibilidade e conectividade à sociedade da Informação Apropriação Social das TICs- (S10/32)

REVISÃO DA LITERATURA Certamente que a inclusão digital pode promover a participação do indivíduo no ciberespaço, que se torna a cada dia a esfera dos debates públicos, e que a competência em informação lhe possibilitará a participação no novo espaço de decisões do Estado. Esfera pública é um conceito importante discutido na visão de Jürgen Habermas (2014), ele examina as condições sociais e histórica que levaram à criação de tais espaços nas sociedades modernas. “A esfera pública”, diz o filósofo, “continua a ser um princípio organizador de nossa ordem política”. Para tal, ele entende que deve haver liberdade de expressão, um direito do cidadão a ser garantido pelo poder público. Nesse sentido, Habermas acrescenta que a opinião pública é uma forma de legitimar o poder político quando ela se origina de um processo crítico de comunicação. (S11/32)

REVISÃO DA LITERATURA Impactos da Sociedade da Informação no Brasil Inclusão Digital – Um conceito em consolidação Alfabetização digital e letramento digital Inclusão Informacional Alfabetização Informacional (ALFIN) Competência Informacional Inclusão Informacional Inclusão Social Desigualdades Sociais Acessibilidade e conectividade à sociedade da Informação Apropriação Social das TIC (S12/32)

INDICADORES E INCLUSÃO – cont. Digital: Uso da Tecnologia e Acesso à Informação “ O usuário usa a Tecnologia e domina suas operações básicas” “O usuário acessa a informação de forma eficiente e efetiva” Informacional: Avaliação, Uso e Busca/Procura da Informação “O usuário avalia a Informação de forma crítica e competente” “O usuário usa a Informação de forma correta e criativa” “O usuário busca a Informação relacionada a assuntos de interesse pessoal” Social: Contribui e reconhece a importância da Informação e Participa de grupos e gera Informação “O usuário contribui positivamente para a comunidade de aprendizagem e para sociedade e reconhece a importância da Informação para uma sociedade democrática” “O usuário participa efetivamente de grupos para buscar a gerar Informação” (S13/32)

ANALISE DOS RESULTADOS (ENCONTRADOS) Métodos de Análise a)Análise descritiva Inicial para validar variáveis processos de ID, II e IS. Identifica-se Limitações b) Mono e Multivariada (variável: Você se sente um incluído digital?) Análise Discriminante Logística Modelo Logístico Método de Trabalho (S14/32)

M E T O D O L O G I A S A PESQUISA NACIONAL DE AVALIAÇÃO Compreendeu uma amostra de usuários considerados incluídos digitalmente, que obtiveram alguma forma de capacitação ou treinamento em ambientes eletrônico-digitais, em uma amostra de 742 dos Pontos GESAC APLICAÇÃO DE MÉTODOS E TÉCNICAS PARA: I) Avaliar e construir indicadores da apropriação da tecnologia com base no uso de computadores e no acesso à informação II) Avaliar e construir indicadores dos níveis de de inclusão informacional dos usuários amostrados III) Avaliar e construir indicadores para a mensuração do nível de inclusão social IV) Aplicar modelo univariado e multivariado

M E T O D O L O G I A S na WEB Delineamento da Amostragem Universo Amostra (TABELA 1) Região Números Amostrados Variância da Idade dos respondente s Erro Amostral CENTRO NORDESTE NORTE SUDESTE SUL

INCLUSÃO DIGITAL, INFORMACIONAL, SOCIAL Em Pontos GESAC – INDIOS O Programa GESAC tem sido implandado no Parque Indígena de Xingu (PIX), inicialmente, en la parte sul, na área cultural conhecida como Alto Xingú, integrada por nativos Kamayurá, Kuikuro yawalapiti, entre outros Oficinas de capacitação foram realizadas nestas comunidades para Inclusão Digital e Informacional

INCLUSÃO DIGITAL, INFORMACIONAL, SOCIAL Em Pontos GESAC – INDIOS Os usuários dos telecentros públicos revelam uma percepção de mudança no seu desenvolvimento cognitivos, em maior ou menor grau, nas condições para exercício da cidadania após alguma tipo de capacitação ou oficina, ou mesmo pela simples frequência nestes locais para o uso computador com acesso à Internet. O fato que quanto mais desenvolvimentos cognitivos dos usuários nas unidades de inclusão digital, maior é o envolvimento do indivíduo em ações na busca da cidadania, maior é o comprometimento e o engajamento sócio, político e cultural nas esferas públicas e na sua vida particular (Simeão, 2011). (S18/32)

RESULTADOS - I

Percentage and total number of individuals older than 10 years, according to ability to use the LINUX / INTERNET for schooling Escolaridade Habilidade no uso do LINUX / da INTERNET Total (n) Não sei e não aplico (%) Sei e aplico no dia a dia (%) Sei mas não aplico (%) Fundamental incompleto 73,5 / 17,612,4 / 70,514,1 / 11,92548 Fundamental completo 62,2 / 10,716,0 / 78,021,7 / 11,3368 Médio incompleto 56,7 / 9,716,2 / 77,827,1 / 12,42096 Médio completo53,1 / 6,418,6 / 81,728,3 / 12,0900 Superior incompleto 40,7 / 2,835,8 / 91,323,5 / 5,9523 Superior completo 42,5 / 2,829,7 / 92,227,8 / 4,9990 Total59,3 / 10,718,4 / 78,622,4 / 10,77425 Excluídos 1058 (12,5%) indivíduos com informação ignorada.

Percentage and total number of individuals older than 10 years, according to ability to use the LINUX / INTERNET for schooling Excluídos 1058 (12,5%) indivíduos com informação ignorada. As ações e programas de Inclusão Digital do Governo Brasileiro, estão distribuídos nos planos municipais, estadual e federal, mas não estão devidamente registrado e acompanhado, já houve tentativas do Ministério do Planejamento e do IBICT do MCTI para mapeamento e registros, mas tudo é dificultados pelo crescimento significativo na última década e a falta de registros e memória das próprias ações e projetos. Percebe-se mesmo com a falta de estatísticas mais exatas uma redução no crescimento. (S21/32)

RESULTADOS - II

METRIC SYSTEM FOR EVALUATION OF DIGITAL INCLUSION (DIDIX) Indicators index and most vulnerable groups in Brazil and GESAC Points As ações e programas de Inclusão Digital do Governo Brasileiro, estão distribuídos nos planos municipais, estadual e federal, mas não estão devidamente registrado e acompanhado, já houve tentativas do Ministério do Planejamento e do IBICT do MCTI para mapeamento e registros, mas tudo é dificultados pelo crescimento significativo na última década e a falta de registros e memória das próprias ações e projetos. Percebe-se mesmo com a falta de estatísticas mais exatas uma redução no crescimento. (S23/32)

METRIC SYSTEM FOR EVALUATION OF DIGITAL INCLUSION (DIDIX) Indicators index and most vulnerable groups in Brazil and GESAC Points Grupos vulneráveis DIDIXIndicadores de Uso do Brasildo GESACComputadorInternet Internet em casa Mulheres93,076,395,093,015,0 Mais de 50 anos47,076,392,089,018,0 Não estudam/Incompleto 31,074,490,087,010,0 25% mais pobres34,074,492,090,07,0 Soma205,0301,4369,0359,050,0 Média51,2575,3592,2589,7512,5

METRIC SYSTEM FOR EVALUATION OF DIGITAL INCLUSION (DIDIX) Indicators index and most vulnerable groups in Brazil and GESAC Points Assiste-se, uma corrida contra o tempo para incluir indivíduos, e o incentivo da digitalização nas novas mídias, que vai deste a cultura digital até as relações comerciais e sociais dos indivíduos em rede sociais. Isto leva o processo de inclusão digital e informacional a continuar ser preponderante no Brasil, e nos demais países da América Latina e Caribe, onde os países menores levam vantagens como o Uruguaio pela alfabetização superada, e desvantagem quando mesmo pequeno, como Haiti e a Guatemala, com sua população de escassos recursos materiais.

A PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS INCLUÍDOS DIGITALMENTE - I “ EXPLANATORY POWER OF EACH VARIABLE. OBTAINED THROUGH DIFFERENT UNIVARIATE AND MULTIVARIATE MODELS “TO BE DIGITAL INCLUDED” (S26/32)

TABELA - 1/3

Equivalência entre Indicadores Excluídos 1058 (12,5%) indivíduos com informação ignorada. Ao compara-se os alguns indicadores de inclusão digital com os de necessidade mais básicas para alcançar à cidadania, como educação, saúde e serviços de saneamento básico, observa-se uma certa equivalência nas regiões mais vulneráveis do Brasil. Em respostas a este quadro, resistente a mais de uma década, desenvolve-se a mais de uma década um grande programa coordenado pelo Ministério das Comunicações, por meio da Secretaria de Inclusão Digital, o Programa Gesac (Medeiros Neto & Miranda, 2011). (S28/32)

TABELA - 2/3

A PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS INCLUÍDOS DIGITALMENTE - II

TABELA - 3/3

OBRIGADO A TODOS !! Mais informações em: Benedito Medeiros Neto: (32/32)