A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Francisco Beltrão – outubro de 2011. Jesus Cristo: Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações... (Mt 28, 10a) experiência nos primeiros séculos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Francisco Beltrão – outubro de 2011. Jesus Cristo: Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações... (Mt 28, 10a) experiência nos primeiros séculos."— Transcrição da apresentação:

1 Francisco Beltrão – outubro de 2011

2 Jesus Cristo: Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações... (Mt 28, 10a) experiência nos primeiros séculos da História da Igreja: acolhida e preparação daqueles que pediam o Batismo em Jesus Cristo Concílio Vaticano II DNC – V Conferência Episcopal Latino Americana (Aparecida, 2007) M C Rollemberg, out2011

3 itinerário de preparação para integrar novos membros na vida cristã da comunidade de fé processo pelo qual a pessoa torna-se cristã desde o tempo dos apóstolos os que queriam tornar-se cristãos faziam um itinerário no qual o essencial era o anúncio da Palavra, o acolhimento do Evangelho (visibilizado pela conversão), a profissão de fé, o batismo, a efusão do Espírito Santo e o acesso à comunhão eucarística (CIC n.1229); ritos preparatórios assinalando a caminhada na fé M C Rollemberg, out2011

4 Introduzir alguém no mistério de Jesus Cristo, por meio de catequeses e de ritos, com os quais a comunidade acompanha o itinerário espiritual dos que são iniciados. M C Rollemberg, out2011

5 experiência que remonta à época dos Santos Padres da Igreja permanece exemplo pastoral de zelo missionário prioridade da evangelização catequese bíblica vida cristã integral presença da comunidade na Iniciação inculturação M C Rollemberg, out2011

6 Por que restaurar o catecumenato hoje? - para retomar a dimensão mística e celebrativa da Catequese - para ser um processo de compromisso, de adesão, de transformação (da pessoa, da comunidade) - para ser preparação que leve à compreensão dos mistérios da vida nova revelada em Jesus Cristo M C Rollemberg, out2011

7 O que é essencial no processo catecumenal - cristocentrismo - gradualidade - progressividade - possibilidade de elaborar itinerários diversos, segundo as necessidades de cada realidade M C Rollemberg, out2011

8 O que é essencial no processo catecumenal - verdadeira iniciação, pois... - está vinculado a ritos, símbolos e sinais - está em função da comunidade cristã - apresenta ritos de entregas (compromissos assumidos) e escrutínios (progredir na consciência do pecado e no desejo de salvação) M C Rollemberg, out2011

9 ITINERÁRIO CATECUMENAL LITURGIACATEQUESE CONVERSÃO

10 O itinerário da Iniciação Cristã é caminho de fé, conversão e crescimento, imersão progressiva no mistério, com a companhia de testemunhas, feito de escuta, encontros e experiências de comunidade / Reino. M C Rollemberg, out2011

11 M.C.Rollemberg, 2009 M C Rollemberg, out2011 ANÚNCIO, CAMINHO, ENCONTROS IR, VER, FICAR INTIMIDADE, CONVERSÃO, DEIXAR-SE CRISTIFICAR-SE

12 O ITINERÁRIO CATECUMENAL contempla situações distintas: - catecumenato batismal (para os não batizados) - catecumenato pós-batismal (para os batizados, mas não catequizados) dar sentido aos sacramentos e receber deles a inspiração que leva ao testemunho de Cristo na vida M C Rollemberg, out2011

13 IMPORTANTE: o celebrativo antecede o discursivo. MISTAGOGIA: maneira de ser conduzido ao Mistério pela Liturgia e de fazer a experiência de explicação do conteúdo na catequese. O mistério celebrado desperta a vontade sempre maior de conhecer o que a experiência de Deus proporciona na Liturgia. M C Rollemberg, out2011

14

15 ... nossa sociedade está contaminada por uma mentalidade que não é cristã, e que também não é humana, porque está dominada por interesses econômicos, preocupada apenas com as coisas terrenas e privada de uma dimensão espiritual... nesse clima, não só Deus é marginalizado, como também o próximo, e não há um compromisso pelo bem comum" Bento XVI, 2out2011 M C Rollemberg, out2011

16 Necessidade de priorizar a Catequese com Adultos com um rosto próprio que mostre um itinerário de preparação, de acolhimento e de participação no mistério da fé e da vida nova em Cristo, celebrada na Liturgia, introduzindo a pessoa adulta na relação com o Deus de Jesus. Acolher esta pessoa em sua situação própria e inseri-la gradativamente na vida da Igreja, de modo a proporcionar uma adesão fiel e duradoura a Jesus. M C Rollemberg, out2011

17 Por que inspiração catecumenal? dificuldade para estabelecer um itinerário catequético e aplicar a ritualidade completa prevista no RICA DGC: conservar os elementos essenciais do catecumenato M C Rollemberg, out2011

18 JOÃO FELIZARDO, O REI DOS NEGÓCIOS

19 Uma catequese com adultos que vise preparar para a recepção de algum sacramento deve necessariamente ater-se ao estilo catecumenal. Igualmente, uma catequese com adultos que não tenha por finalidade celebrar os sacramentos não precisa seguir as etapas e conter as celebrações previstas no RICA. Quanta confusão! M C Rollemberg, out2011

20 E falando em confusão... batizado, mas não iniciado, reiniciar... batizado, mas não evangelizado, completar a iniciação... catecúmeno já batizado (cristão!)... catecúmeno, não batizado, eleito... fiéis (já batizados)... catequizandos, candidatos (batizados ou não)... M C Rollemberg, out2011

21 RICA: o que é? - proposta para um itinerário de iniciação cristã com ritos próprios em diversos tempos e etapas restaurou o catecumenato (preparação), a celebração conjunta dos 3 sacramentos da iniciação e contemplou a continuidade no tempo pascal (mistagogia) M C Rollemberg, out2011

22 RICA: o que é? manifesta o íntimo laço existente entre a ação de Deus, expressada pelos ritos, e o progresso dos catecúmenos rumo ao batismo desenvolve uma pedagogia espiritual, marcada, pelo processo gradativo com que a pessoa é levada a conhecer o mistério e a converter-se de seus costumes e modo de ver o mundo, até ser incorporado em Cristo e na Igreja M C Rollemberg, out2011

23 ANIMADORES DO PROCESSO CATECUMENAL M C Rollemberg, out2011 FAMÍLIA PADRINHOS COMUNIDADE INTRODUTORES BISPOS PRESBÍTEROS CATEQUISTAS Processo catecumanal

24 teologia da Iniciação Cristã processo do catecumenato com seus diferentes tempos de informação e amadurecimento sentido, objetivo, meios, duração de cada tempo ritos e símbolos celebrações que assinalam a passagem de um tempo para outro (etapas) com suas exigências roteiro e conteúdos dos principais ritos proposta de celebração unitária dos sacramentos da Iniciação Cristã M C Rollemberg, out2011

25 O RICA apresenta o itinerário espiritual a ser percorrido pelos que querem ser iniciados na vida cristã e ajuda as comunidades a acompanhar esse itinerário por meio de ritos e celebrações, realizados na assembleia dominical. Não encontramos no RICA orientações evidentes e detalhadas sobre os conteúdos da catequese em cada tempo, nem detalhes pastorais para sua implantação e implementação. M C Rollemberg, out2011

26 ESTRUTURA DO RICA - introduções importantes: A Iniciação Cristã: observações preliminares gerais e Introdução ao Rito da Iniciação Cristã de Adultos - capítulos quase todos compostos por ritos - apêndice: Rito de admissão na plena comunhão da Igreja católica das pessoas já batizadas validamente M C Rollemberg, out2011

27 ESTRUTURA DO RICA Cap. I: Ritos do Catecumenato em torno de suas etapas Cap. II: Rito simplificado para a Iniciação de adultos Cap. III: Rito abreviado de Iniciação de adultos em perigo ou artigo de morte Cap. IV: Preparação para a Confirmação e a Eucaristia de adultos que, batizados na infância, não receberam a devida catequese M C Rollemberg, out2011

28 ESTRUTURA DO RICA Cap. V: Rito de iniciação de crianças em idade de catequese Cap. VI: Textos diversos na celebração da iniciação de adultos Cap. VII: Textos omitidos no ordenamento prático geral dos ritos de iniciação cristã de adultos Apêndice: Rito de admissão na plena comunhão da Igreja Católica das pessoas já batizadas validamente M C Rollemberg, out2011

29 ESTRUTURA DA INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS SEGUNDO O MODELO DO CATECUMENATO QUATRO TEMPOS e TRÊS ETAPAS - ETAPAS: assinalam um tempo de partida e um tempo de chegada, marcando a DECISÃO firme de assumir Cristo na vida M C Rollemberg, out2011

30 É preciso destacar em relação a estas etapas : ordem para haver lógica no amadurecimento da fé dinamismo, sem tempos pré-definidos criatividade de numerosos métodos manter o essencial e o específico: o caráter cristocêntrico e gradual do processo responsabilidade de toda a comunidade eclesial M C Rollemberg, out2011

31 tempos Pré- Catecumenato ADMISSÂOAOCATECUMENATOADMISSÂOAOCATECUMENATO Catecumenato ELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOMEELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOME Iluminação ou Purificação CELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOSCELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOS Mistagogia duraçãoindefinida(mais longo)Tempo da Quaresma Tempo Pascal conteúdoanúncio evangélico catequese integral e gradual preparação imediata catequese sacramental e litúrgica finalidadedespertar a fé e a conversão aprofundar a féamadurecer as decisões integração na comunidade celebra- ções - Celebrações da Palavra - Exorcismos menores - Bênçãos - Escrutínios - Entrega do Símbolo - Entrega da Oração do Senhor Eucaristia comunitária funçãoacolhidaconversão, vivência cristã, entrosamento com a Igreja purificaçãoContemplação categoriacandidatos, simpatizantes, interessados OU candidatos catecúmenos OU candidatos, crismandos eleitos, iluminados OU candidatos, crismandos neófitos OU crismados

32 TEMPO DO PRÉ-CATECUMENATO – OBJETIVOS acolher os interessados, formar grupos introduzir a leitura da Bíblia para provocar a adesão inicial a Cristo e à sua Igreja primeiros sinais de conversão (desejo de mudança de atitudes – n.15-16) primeiro anúncio M C Rollemberg, out2011

33 TEMPO DO PRÉ-CATECUMENATO – MEIOS acolhida em qualquer época do ano indicação do Introdutor relacionamento com a comunidade eclesial recepção no grupo catequético (n.12) anúncio dinâmico e convicto de Jesus Cristo, pelo testemunho (n.9-12;111) incentivo à oração M C Rollemberg, out2011

34 TEMPO DO PRÉ-CATECUMENATO – MEIOS bênçãos (catequista) (n.102;120) duração indeterminada (caminhada pessoal) verificação da caminhada pessoal, avanços na disposição do candidato (padre, introdutor, catequista) RITO DE ADMISSÃO AO CATECUMENATO (algumas oportunidades ao longo do ano) M C Rollemberg, out2011

35 tempos Pré- Catecumenato ADMISSÂOAOCATECUMENATOADMISSÂOAOCATECUMENATO Catecumenato ELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOMEELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOME Iluminação ou Purificação CELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOSCELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOS Mistagogia duraçãoindefinida conteúdoanúncio evangélico finalidadedespertar a fé e a conversão celebra- ções bênçãos funçãoacolhida categoriacandidatos, simpatizantes, interessados OU candidatos

36 TEMPO DO CATECUMENATO – OBJETIVOS adesão a Cristo, vínculo efetivo (fé) conversão, esforço por viver uma vida nova comunhão (aceitação da convivência e da pertença à comunidade) compromisso caridade M C Rollemberg, out2011

37 TEMPO DO CATECUMENATO – MEIOS tempo suficientemente longo (não se trata de transmitir conteúdo da Palavra de Deus, mas assimilar na vida esta Palavra) articulação entre catequese e liturgia (a catequese deve esclarecer a fé, orientar a vida segundo o espírito cristão e levar a vivenciar o mistério da salvação, o que é facilitado pela vinculação com o ano litúrgico e com a valorização das celebrações da Palavra) M C Rollemberg, out2011

38 TEMPO DO CATECUMENATO – MEIOS vida cristã (oração, guardar a esperança em Cristo, seguir a inspiração de Deus, praticar a caridade; mudança de mentalidade e de costumes) e acompanhamento pessoal (testemunho e apoio; introdutores) vida litúrgica e testemunho pessoal (ajuda da Igreja na caminhada; através deles, Deus age purificando e protegendo os catecúmenos) testemunho de vida e profissão de fé M C Rollemberg, out2011

39 tempos Pré- Catecumenato ADMISSÂOAOCATECUMENATOADMISSÂOAOCATECUMENATO Catecumenato ELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOMEELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOME Iluminação ou Purificação CELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOSCELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOS Mistagogia duraçãoindefinida(mais longo) conteúdoanúncio evangélico catequese integral e gradual finalidadedespertar a fé e a conversão aprofundar a fé celebra- ções - Celebrações da Palavra - Exorcismos menores - Bênçãos funçãoacolhidaconversão, vivência cristã, entrosamento com a Igreja categoriacandidatos, simpatizantes, interessados OU candidatos catecúmenos OU candidatos, crismandos

40 TEMPO DA ILUMINAÇÃO – OBJETIVOS preparação espiritual maturidade das decisões Como a IC é a primeira participação sacramental na morte e ressurreição de Cristo (...) toda a iniciação deve ter caráter pascal. Por esse motivo, tenha a Quaresma absoluta primazia para a mais intensa preparação dos eleitos e seja a Vigília Pascal considerada como o tempo próprio para a iniciação nos sacramentos. (RICA n.8) M C Rollemberg, out2011

41 TEMPO DA ILUMINAÇÃO – MEIOS recolhimento espiritual ( oração, jejum, caridade, escuta da Palavra, Campanha da Fraternidade, Via Sacra...) textos próprios da Quaresma para iluminar, isto é, conhecer mais profundamente Cristo Evangelhos dominicais – Ano A Celebração dos Escrutínios (caráter de purificação) M C Rollemberg, out2011

42 tempos Pré- Catecumenato ADMISSÂOAOCATECUMENATOADMISSÂOAOCATECUMENATO Catecumenato ELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOMEELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOME Iluminação ou Purificação CELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOSCELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOS Mistagogia duraçãoindefinida(mais longo)Tempo da Quaresma conteúdoanúncio evangélico catequese integral e gradual preparação espiritual finalidadedespertar a fé e a conversão aprofundar a féamadurecer as decisões celebra- ções - Celebrações da Palavra - Exorcismos menores - Bênçãos - Escrutínios - Entrega do Símbolo - Entrega da Oração do Senhor funçãoacolhidaconversão, vivência cristã, entrosamento com a Igreja purificação categoriacandidatos, simpatizantes, interessados OU candidatos catecúmenoseleitos, iluminados OU candidatos, crismandos

43 TEMPO DA MISTAGOGIA – OBJETIVOS experiências novas dos sacramentos (n.7) aprofundar as relações com a comunidade inserção e engajamento concreto na vida da comunidade assumir a vocação no mundo M C Rollemberg, out2011

44 TEMPO DA MISTAGOGIA – MEIOS exortação, explanações lugar destacado nas Missas dominicais; homilias convivência com grupos de Pastorais e de serviço da comunidade celebração concluindo o tempo da mistagogia M C Rollemberg, out2011

45 tempos Pré- Catecumenato ADMISSÂOAOCATECUMENATOADMISSÂOAOCATECUMENATO Catecumenato ELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOMEELEIÇÃOouINSCRIÇÃODONOME Iluminação ou Purificação CELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOSCELEBRAÇÃODOSSACRAMENTOS Mistagogia duraçãoindefinida(mais longo)Tempo da Quaresma Tempo Pascal conteúdoanúncio evangélico catequese integral e gradual preparação imediata catequese sacramental e litúrgica finalidadedespertar a fé e a conversão aprofundar a féamadurecer as decisões integração na comunidade celebra- ções - Celebrações da Palavra - Exorcismos menores - Bênçãos - Escrutínios - Entrega do Símbolo - Entrega da Oração do Senhor Eucaristia comunitária funçãoacolhidaconversão, vivência cristã, entrosamento com a Igreja purificaçãocontemplação categoriacandidatos, simpatizantes, interessados OU candidatos catecúmenos OU candidatos, crismandos eleitos, iluminados OU candidatos, crismandos neófitos OU crismados temasQuerigmaIgreja Hist. Salvação Mandamentos Credo Pai Nosso Sacramentos a partir dos Evangelhos dominicais (retomando alguns temas) vida nova em Cristo

46 RITOS, CELEBRAÇÕES E BÊNÇÃOS momentos fortes; riqueza de simbolismos dupla dimensão – ação salvífica celebrada e adesão aos dons oferecidos; o Rito manifesta a precedência da graça divina e a cooperação do homem a esta graça (cf. SC 10-11) a maturidade é resultado do encontro da ação salvífica celebrada com a adesão aos dons oferecidos os Ritos ajudam a moldar a personalidade do catecúmeno que se vai configurando a Cristo M C Rollemberg, out2011

47 RITOS PROPOSTOS NO ITINERÁRIO CATECUMENAL RITOS DE PASSAGEM - RITO DE ADMISSÃO AO CATECUMENATO - RITO DE ELEIÇÃO (INSCRIÇÃO DO NOME) RITOS DAS ENTREGAS - CREDO - PAI NOSSO M C Rollemberg, out2011

48 CELEBRAÇÕES NO ITINERÁRIO CATECUMENAL CELEBRAÇÃO DOS ESCRUTÍNIOS CELEBRAÇÕES DA PALAVRA BÊNÇÃOS EXORCISMOS MENORES RITO DA UNÇÃO M C Rollemberg, out2011

49 É compreensível que haja resistências ao Catecumenato e ao RICA. Argumentam que (...) além de propor um itinerário complicado, que exige pessoas bem preparadas, é muito exigente para o catecúmeno em termos de tempo, dedicação, estudo, mudança de vida, compromissos... É óbvio que há dificuldades, mas ou continuamos com o tradicional catolicismo de atos sociais cristãos, que vai esvaziando nossa Igreja, ou procuramos algo mais comprometedor e aprofundado que leve à conversão, sabendo que pessoa convertida encontra tempo e meios para cuidar das coisas do Senhor, da sua comunidade e da construção do reino no coração da sociedade. (In: Catequese com adultos e catecumenato. História e Proposta Ed. Paulus.) M C Rollemberg, out2011

50 CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – uma experiência paroquial

51 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ = início: primeira semana da Quaresma = término: Solenidade de Pentecostes (ano seguinte) = idade mínima: 18 anos completados no ano anterior = número máximo de catequizandos por grupo: 10 = grupos formados por não batizados e já batizados, sem faixas de idade = número total de encontros: 50 M C Rollemberg, out2011

52 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ ATIVIDADES - encontros semanais com duração de 1h30 - Celebrações da Palavra nos encontros, assinalando momentos fortes - Ritos de Passagem. Rito de Admissão ao Catecumenato - depois de, pelo menos, 12 encontros; adaptado para contemplar não batizados e batizados. Rito de Eleição – no primeiro Domingo da Quaresma do ano seguinte M C Rollemberg, out2011

53 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ ATIVIDADES - Ritos das Entregas - antecipados para o tempo do catecumenato; experiências de realizar os dois ritos em uma mesma celebração - Celebração dos Escrutínios – nos Domingos da Quaresma - Ritos e Celebrações explicados no encontro que os antecede - Ritos e Celebrações com linguagem reformulada, e adaptados aos já batizados M C Rollemberg, out2011

54 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ ATIVIDADES - dia de espiritualidade em preparação para a recepção dos Sacramentos da Iniciação – no mês anterior à Páscoa - Celebração Penitencial – no sábado anterior ao Domingo de Ramos; explanação, dinâmica, confissão dos já batizados (embora incentivados a buscar a Reconciliação já no catecumenato) - Tempos e festas litúrgicos - contemplados nos encontros semanais M C Rollemberg, out2011

55 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ MINISTÉRIO DO INTRODUTOR (2012) Aquele que anuncia o querigma e ajuda o candidato na descoberta pessoal do Evangelho de Jesus Cristo e o acompanha no processo de conversão inicial. Iniciação Cristã como eixo catalisador da Pastoral de Conjunto. M C Rollemberg, out2011

56 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ PROPOSTA PARA O MINISTÉRIO DO INTRODUTOR Primeiros passos - despertar a comunidade eclesial para a importância da Iniciação Cristã de Adultos - suscitar introdutores - organizar a formação para os introdutores M C Rollemberg, out2011

57 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ PROPOSTA PARA O MINISTÉRIO DO INTRODUTOR Formação para Introdutores (temas sugeridos) - a meta da Iniciação Cristã, raízes e necessidade pastoral - itinerário catecumenal: o que é? - RICA e suas etapas - Sagrada Escritura - Mt atitudes e papel do introdutor - acompanhamento espiritual: o que é; sugestões - quando e como anunciar Jesus Cristo - estabelecendo relações de confiança e amizade M C Rollemberg, out2011

58 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ DIMENSÃO CRISTOLÓGICA - A BUSCA DE UM ENCONTRO PESSOAL COM JESUS - Jesus, fonte de vida - Jesus, pão da vida e luz do mundo - Jesus, homem no meio dos homens - A misericórdia de Deus em Jesus Cristo - QUEM É JESUS CRISTO M C Rollemberg, out2011

59 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ DIMENSÃO ECLESIOLÓGICA - IGREJA NO DESÍGNIO DE DEUS - IGREJA POVO DE DEUS - IGREJA UNA, SANTA, CATÓLICA E APOSTÓLICA - IGREJA MISSIONÁRIA: formação de comunidades cristãs pelo testemunho de comunhão M C Rollemberg, out2011

60 PROJETO DE CATEQUESE COM ADULTOS DE INSPIRAÇÃO CATECUMENAL – MARINGÁ DIMENSÃO DOUTRINÁRIA - MANDAMENTOS - BEM-AVENTURANÇAS - CREDO - ORAÇÃO DO PAI NOSSO - SACRAMENTOS DIMENSÃO CELEBRATIVA M C Rollemberg, out2011

61

62 PARA REFLEXÃO... Uma comunidade que assume a Iniciação Cristã renova sua vida comunitária e desperta seu caráter missionário. Isso requer novas atitudes pastorais por parte dos bispos, presbíteros e agentes de pastoral (DA 291) M C Rollemberg, out2011

63 PARA REFLEXÃO... Como responder de modo satisfatório a tantas situações distintas? Como começar? Não apenas o itinerário catecumenal, mas todas as ações pedagógico-pastorais na Igreja devem ser ações de toda a comunidade (comunidade catequizadora!). Isto significa que o itinerário catecumenal deve estar inserido em uma pastoral orgânica; por outro lado, o DGC alerta para que certos movimentos não se apossem dos processos catequéticos, menos ainda dos candidatos. M C Rollemberg, out2011

64 PARA REFLEXÃO... Propor a fé cristã aos não crentes é essencial na missão da Igreja (cf. Mc 16, 15s); é preciso uma comunidade atraente, um dinamismo missionário e um testemunho de solidariedade. Isso exige tempo suficiente, catequistas bem formados, espaços físicos próprios e adequados, comunidade acolhedora e pastores que acompanhem... Como favorecer tudo isso? M C Rollemberg, out2011

65 PARA REFLEXÃO... O objetivo do itinerário catecumenal é despertar a fé no Deus que se revela, e só há revelação quando esta é resultado da liberdade de Deus (em querer se comunicar) e da liberdade do homem (em querer acolher na vida aquilo que não conhece, mas aspira). O trabalho da catequese é ajudar as pessoas a fazerem perguntas, a se abrirem para Deus que responde – então depende das perguntas com as quais alguém se coloca a caminho ao encontro da revelação... Como ajudar os catequizandos considerando suas experiências pessoais de Deus, de comunidade, de família...? M C Rollemberg, out2011

66 PARA REFLEXÃO... No processo catecumenal, a Palavra lida e celebrada deve levar à adesão à comunidade (cristãos sem Igreja é contrassenso!). Mas há também uma função pedagógica: interpelar, provocar respostas concretas diante dos fatos da vida. Mais do que falar da Bíblia é preciso dar condições para que os catequizandos tenham contato com texto das escrituras; para isso, o itinerário catecumenal deve ser eminentemente bíblico – nos temas, na espiritualidade, nos conceitos... Como implementar o caráter bíblico na Catequese com Adultos? M C Rollemberg, out2011

67 PARA REFLEXÃO... As alegrias e as tristezas, angústias e esperanças (GS) dos candidatos são, também, as do catequista, do introdutor, do pároco... É preciso testemunhar uma atitude de respeito e de acolhimento do candidato e de suas realidades, compreender o que ele experimenta, suas vivências, colocar-se no seu lugar e comunicar essa compreensão com gestos concretos, não só com palavras: a primeira impressão virá com os introdutores! Como preparar os introdutores? Como acolher os candidatos qualquer que seja sua condição de vida? M C Rollemberg, out2011

68 PARA REFLEXÃO... EN enaltece e prioriza o testemunho, adverte que sempre é necessário anunciar clara e inequivocamente Jesus Cristo (EN n.22). Apelar para que a pessoa se abra e responda ao convite do amor de Deus em Cristo. Testemunhar vale mais que muitas palavras... M C Rollemberg, out2011

69 PARA REFLEXÃO... Para batizados não evangelizados: uma evangelização visando a conversão a Jesus Cristo. A Igreja Particular deve fazer desta evangelização o principal Plano Orgânico de Pastoral. Como acolher os batizados que querem completar a iniciação, ou buscar os que já receberam os três sacramentos da iniciação mas não foram evangelizados? A Igreja Particular deverá propor uma catequese e itinerários, considerando o RICA, adaptados segundo as necessidades pastorais. M C Rollemberg, out2011

70 PARA REFLEXÃO... Para os interlocutores devem ser preparados com atenção e acompanhamento os agentes que irão participar do processo (cf. DNC cap.VI) – a Iniciação Cristã de Inspiração catecumenal exige uma nova formação dos catequistas e agentes de pastoral. Como implementar e favorecer uma formação adequada aos catequistas e a todos aqueles envolvidos na dinâmica da Iniciação Cristã, especialmente aqueles que estarão na Catequese com Adultos? M C Rollemberg, out2011

71 mas apenas para começar! M C Rollemberg, out2011

72 Tu me seduziste, Senhor, e eu me deixei seduzir! Jr 20, 7 M C Rollemberg, out2011

73 SENHOR JESUS, TU NOS SEDUZISTE E NOS ENVIASTE PARA COLABORAR NA CONSTRUÇÃO DO TEU REINO ASSUMINDO NOSSO TRABALHO PASTORAL. CONCEDE, SENHOR, QUE NOSSAS AÇÕES SEJAM FRUTO CONCRETO DA NOSSA SEDE DE TI. QUE NOSSAS MENTES ESTEJAM PERMANENTEMENTE ABERTAS PARA COMPREENDER, NOS FATOS DE HOJE, A TUA VONTADE. M C Rollemberg, out2011

74 QUE NOSSOS CORAÇÕES SEJAM CHAMAS ARDENTES QUEIMANDO PARA TI NO TRABALHO POR NOSSOS IRMÃOS. QUE SEJAMOS CAPAZES DE TESTEMUNHAR FIRMEMENTE NOSSA ÚNICA CERTEZA: A DE QUE CAMINHAS CONOSCO, AMIGO E COMPANHEIRO, ALIMENTO E CONFORTO. QUE SEJAMOS VERDADEIROS DISCÍPULOS, FAZENDO DA INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ UMA REALIDADE EM NOSSAS COMUNIDADES, CUMPRINDO ASSIM O MANDATO QUE NOS DEIXASTE DE FAZER TODOS OS POVOS DISCÍPULOS TEUS. M C Rollemberg, out2011

75 CONFIAMOS, SENHOR, EM TUA MISERICÓRDIA PARA COM NOSSAS FALHAS: TU BEM NOS CONHECES! ACEITA, SENHOR, NOSSO TRABALHO PASTORAL; QUE ELE TRAGA FRUTOS VERDADEIROS ÀS NOSSAS COMUNIDADES PARA QUE, POR FIM, TU SEJAS TUDO EM TODOS. AMÉM! M C Rollemberg, out2011

76 Tu me seduziste, Senhor, e eu me deixei seduzir! Jr 20, 7 M C Rollemberg, out2011

77 Andar com fé eu vou


Carregar ppt "Francisco Beltrão – outubro de 2011. Jesus Cristo: Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações... (Mt 28, 10a) experiência nos primeiros séculos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google