A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Introdução Parte II Fevereiro/2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Introdução Parte II Fevereiro/2011."— Transcrição da apresentação:

1 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Introdução Parte II Fevereiro/2011

2 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. São classificados em: Materiais; Informações; e Consumidores

3 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Predominantemente, processadores de materiais Predominantemente, processadores de informações Predominantemente, processadores de consumidores Todas as operações de manufatura ContadoresCabeleireiros Empresas de mineração e de extração Matriz de bancoHotéis Operações de varejoEmpresa de pesquisa de marketing Transporte rápido de massa ArmazénsAnalistas financeirosTeatro Serviços postaisServiços de notíciasParque temático Linhas de embarque de contêineres Unidade de pesquisa em universidade Dentista Empresas de transporte rodoviárioEmpresa de telecomunicações Fonte: Adaptado de Slack (2006)

4 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Existem dois tipos: Instalações: prédios, equipamentos, terreno e tecnologia do processo de produção; Funcionários: os que operam, mantêm, planejam e administram a produção.

5 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. O propósito do processo de transformação das operações está diretamente relacionado com a natureza de seus recursos de input transformados.

6 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Podem transformar suas propriedades físicas; Podem mudar sua localização (empresas de courier); Podem mudar a posse dos materiais (varejo) Podem estocar (empresas de armazenagem)

7 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Podem transformar suas propriedades informativas (a forma da informação) (contadores); Podem mudar a posse da informação (empresas de pesquisa de mercado); Podem estocar ou acomodar a informação (arquivos ou bibliotecas) Algumas operações mudam a localização da informação, como as empresas de telecom.

8 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Podem mudar os consumidores (cabeleireiros, cirurgia plástica) Podem acomodar os consumidores (hotéis) Podem transformar a localização dos consumidores (transporte) Podem transformar o estado fisiológico dos consumidores (hospital) Podem transformar o estado psicológico dos consumidores (entretenimento)

9 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Os outputs e o propósito do processo de transformação são bens físicos e/ou serviços, e estes, geralmente, são vistos como diferentes em vários sentidos.

10 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Geralmente os bens físicos são tangíveis; Geralmente os serviços são intangíveis

11 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Geralmente os bens físicos podem ser estocados Geralmente os serviços são não estocáveis

12 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Geralmente os bens físicos podem ser movidos. Geralmente os serviços são não transportáveis

13 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Geralmente os bens físicos são quase sempre produzidos antes de o consumidor recebê-los Geralmente os serviços são freqüentemente produzidos simultaneamente com seu consumo

14 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Os consumidores têm baixo nível de contato com as operações que produzem bens; Os serviços por serem produzidos e consumidos simultaneamente, em geral há um nível mais alto de contato entre o consumidor e a operação

15 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Os consumidores julgarão a qualidade da operação dos bens físicos com base nos próprios bens; Os consumidores julgarão os serviços na hora da produção.

16 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. McDonalds; Serviços de sistemas de informática; Fabricantes de máquinas-ferramentas especiais

17 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. A distinção entre serviços e produtos é ao mesmo tempo difícil não particularmente útil; Todas as operações são fornecedoras de serviços, que podem, também, produzir produtos como forma de servir a seus clientes.

18 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Macrooperação - Função produção de uma transportadora possui: inputs de pessoal, equipamentos, caminhões, financeiros, material a transportar, instalações e etc. Transforma-os em serviços de transporte. Entretanto, nessa operação global, há muitas operações menores como: recebimento de material, separação, expedição, carregamento, manutenção, compras, informática e etc.

19 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. A operação global de uma transportadora pode ser denominada macrooperação, enquanto que seus departamentos podem ser denominados microoperações; Essas microoperações têm inputs, alguns dos quais procedentes de macrooperações externas, mas muitos deles decorrentes de outras microoperações internas

20 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Dentro de cada microoperação pode haver seções ou grupos que podem ser considerados operações. Essas seções ou grupos podem também receber parte de seus inputs e fornecer parte de seus outputs a outras seções ou grupos dentro ou fora de sua própria microoperação; Qualquer função produção pode ser considerada uma hierarquia de operações.

21 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. A expressão consumidor interno pode ser usada para descrever os que recebem outputs e fornecem inputs a qualquer microoperação; Os consumidores internos são outra microoperação;

22 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Entendimento dos objetivos estratégicos da produção: Desenvolvimento de uma visão clara de como essa função deve contribuir para o atingimento dos objetivos organizacionais a longo prazo.

23 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Desenvolvimento de uma estratégia de produção para a organização: habilidade de colocar a estratégia de produção na estratégia geral da organização.

24 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Projeto de produtos, serviços e processos de produção: projetar toda a rede ampla de operações que fornece inputs para a função produção e entregar seus outputs aos consumidores

25 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Planejamento e controle da produção: é a atividade de decidir sobre o melhor emprego dos recursos de produção, assegurando, assim, a execução do que foi previsto. Planejar a capacidade; Administração do estoque; Administração da cadeia de suprimentos; Controle Just in time; Administração da qualidade de produtos e serviços.

26 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Melhoria do desempenho da produção: é responsabilidade permanente de todo gerente de produção melhorar o desempenho de suas operações. Evitar erros; Prevenção de falhas na produção; Administração da qualidade total

27 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Trabalhar junto com outras funções da organização para entender o impacto de outras funções na produção. Ex: previsão de vendas (marketing), compras e etc.

28 André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. São responsabilidades fora do contexto organizacional, porém de uma forma ou de outra causam impacto dentro da organização: Globalização; Proteção ambiental; Responsabilidade social: forma de administração da operação tem impacto sobre os indivíduos envolvidos; Consciência tecnológica:entendimento da tecnologia na produção; Gestão do conhecimento: contribuir com o aprendizado contínuo na organização através da sua experiência


Carregar ppt "André Luiz Anjos de Figueiredo M.Sc. Introdução Parte II Fevereiro/2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google