A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO 4.ª sessão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO 4.ª sessão."— Transcrição da apresentação:

1 PROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO 4.ª sessão

2 APROFUNDAMENTO DO CONHECIMENTO SOBRE AS COMPETÊNCIAS : LEITURA Parte I O ensino da leitura: a aprendizagem de estratégias de compreensão e interpretação textuais. Modelos de compreensão na leitura. A leitura literária - os seus objectivos; Constituição de corpora textuais no Programa – critérios e indicações; Verificar a progressão no desenvolvimento da competência literária. Parte II Trabalho de grupo Parte III Propostas de trabalho a desenvolver – Aplicação de atividades do GIP.

3

4

5 Assim, a escola terá como tarefa transdisciplinar alargar a competência leitora dos alunos, através de estratégias que eficazmente respondam ao alargamento do (seu) conhecimento do mundo.

6 Mas, o que é a leitura?

7 Leitura: Processo interativo entre o leitor e o texto, através do qual o primeiro reconstrói o significado do segundo. A extração do significado e a consequente apropriação da informação veiculada pela escrita são os objetivos fundamentais da leitura, dependendo do nível de compreensão atingido, do conhecimento prévio que o leitor tem sobre o assunto e o tipo de texto em presença. Assim,…

8 A Leitura: -É uma competência básica na sociedade; -É um processo complexo e a longo termo; -Exige ensino direto; -Prolonga-se e aprofunda-se ao longo da vida. -Por isso…

9 Para nos tornarmos leitores é preciso: PRIMEIRO, aprender a ler fluentemente, isto é, de forma a ser capaz de descodificar e atribuir significado às palavras SEGUNDO, é preciso querer ler. As duas condições têm de se verificar: competência leitora e vontade. Acontece, por vezes, que o processo de aprendizagem da leitura é de tal forma penoso e difícil que, depois de se conseguir dominar a técnica, se considera o dever cumprido e só se lê por imposição… Por outro lado, manter viva a vontade de querer ler exige que as experiências de leitura sejam gratificantes.

10 PAPEL DO PROFESSOR O professor desempenha um papel primordial neste processo, pois dele se espera que: ensine a ler, faça emergir a vontade de querer ler como experiência voluntária e mantenha viva essa atitude ao longo de todo o percurso escolar e para além dele. O processo de um aluno se tornar UM LEITOR desenvolve-se ao longo de 3 etapas:

11 1.Num primeiro momento, que ocorre aquando da chegada à escola (no 1.º ciclo, ou ainda no meio familiar ou no jardim- infância), temos uma FASE DE DESCOBERTA DA LINGUAGEM ESCRITA; 2.Num segundo momento que, idealmente, nunca deveria ultrapassar o final do segundo ano de escolaridade, a criança aprende FORMALMENTE A LER, dominando as TÉCNICAS DA DECIFRAÇÃO; 3.Por último, temos uma etapa em que já se domina a técnica de leitura e, se tudo tiver corrido bem, se lê sobretudo: para aprender a ler cada vez melhor, para obter informação e organizar o conhecimento; para apreciar textos variados. Esta fase estende-se até ao final da escolaridade e ao longo de toda a vida.

12 Quando um aluno não se torna UM LEITOR é porque ocorreu um problema ou problemas.

13 Fatores causadores de problemas na compreensão da leitura (Segundo Citoler, 1996) Deficiências na descodificação; Problemas de memória; Confusão no que se refere às exigências da tarefa; Conhecimentos prévios escassos; Desconhecimento e/ou falta de domínio de estratégias de compreensão; Escasso controlo da compreensão ; Pobreza de vocabulário; Escasso interesse pela tarefa; Autoestima baixa.

14 Determinantes das dificuldades de compreensão leitora (Segundo Sim-Sim, 2007: 10): O (des)conhecimento prévio que o leitor tem sobre o tema; O (des)conhecimento de vocábulos utilizados no texto.

15 O que fazer para eliminar ou minimizar estas dificuldades?

16 A leitura enquanto processo intencional e com um fim bem determinado.

17 Uma boa compreensão na leitura está relacionada, na perspetiva de Lyon (2003), com:

18 Solé (1998) refere: - para que haja a compreensão do texto, o leitor deve utilizar várias estratégias:

19 Estratégias de leitura Antes da leitura - motivação do leitor - definição dos objetivos de leitura - conhecimento prévio sobre o assunto - formulação de previsões e questionamentos do leitor diante do texto Estas estratégias são relevantes pois a leitura começa antes que se inicie a leitura integral do texto, além de criar expectativas que facilitam a interação entre o leitor e o texto. Durante a leitura - confirmação ou retificação das antecipações criadas antes ou durante a leitura - construção do sentido global do texto e da ideia principal - formulação de perguntas sobre o que foi lido - esclarecimentos de possíveis dúvidas. O uso de estratégias durante a leitura pressupõe a leitura autónoma ou compartilhada; ou seja, quando o leitor consegue ler sozinho (autónoma) ou quando necessita da ajuda de um leitor mais experiente que auxilie o leitor menos experiente a questionar o texto, a estabelecer relações, buscar indícios no texto, levantar hipóteses, inferências, posicionar-se diante das ideias do autor (compartilhada). Depois da leitura - identificação da ideia principal - elaboração de resumo - formulação de respostas e perguntas - impressões a respeito do texto lido Estas estratégias estimulam o leitor a aprofundar seus conhecimentos permeados pela partilha de ideias, interpretações com outros leitores. Escrever sobre o que se leu também é fundamental para verificar se houve compreensão do texto.

20 Estratégias a utilizar ANTES de iniciar a Leitura

21 Estratégias a utilizar DURANTE a Leitura Fazer uma leitura seletiva Criar uma imagem mental do que foi lido (associações, cheiros, sabores, sentimentos e até vivências marcantes…) Sintetizar à medida que se avança na leitura do texto Adivinhar o significado de palavras desconhecidas Sempre que possível usar materiais de auxílio (dicionário, sites….) Parafrasear partes do texto Sublinhar e tomar notas durante a leitura.

22 Exemplos de autoquestionamento do aluno durante a leitura do texto: De que imagens me lembro quando leio o texto? O que tenho de ler devagar e com muita atenção? O que posso ler mais depressa? O que não preciso de ler? O que tenho de reler? Qual a informação mais importante deste parágrafo? Como posso dizer a informação importante em poucas palavras? Não percebo bem esta palavra, onde posso procurar o seu significado? Quero saber mais sobre este assunto, onde posso procurar mais informação? Como é que descubro o significado da palavra? O que é que a palavra me faz lembrar? (associação de ideias) Que pistas podem encontrar se ler o que está antes e depois da palavra? Como posso dizer o mesmo que o autor, usando outras palavras? Que informação devo destacar (sublinhando ou colocando notas ao lado do texto) para mais facilmente me lembrar ou localizar mais tarde?

23 Estratégias a utilizar APÓS a Leitura Formular questões sobre o que foi lido e tentar responder; Confrontar as previsões feitas com o conteúdo do texto; Discutir com os colegas ao que foi lido; Reler; Mobilizar os efeitos da leitura.

24 Lista de autoverificação para depois da leitura SIMNÃO Aprendi palavras novas com o texto? Fiquei com vontade de saber mais sobre o assunto do texto? Consigo dizer o que aprendi com este texto? Tomei notas sobre algumas partes do texto? Apetece-me falar do texto que li a alguém? Percebi todas as palavras do texto? Já reli o texto?

25 A sua constituição à luz dos Novos Programas de Português do Ensino Básico

26

27 Definição de corpus textual É um conjunto alargado de objetos textuais, presentes na aula de Português, Destina-se ao desenvolvimento de todas as competências, quer no modo oral, quer escrito. Enquadra-se no Projeto Curricular de Turma / Projeto Educativo de Escola (cf. Novos Programas de Português, pag.100 )

28 REPRESENTATIVIDADE E QUALIDADE DOS TEXTOS INTEGRIDADE DAS OBRAS DIVERSIDADE TEXTUAL PROGRESSÃOINTERTEXTUALIDADE CRITÉRIOS PARA A CONSTITUIÇÃO DOS CORPORA Flexibilidade de seleção da responsabilidade do professor, cumpridos critérios de acordo com a abordagem didática pretendida (cf.pág.105)

29 ORIENTAÇÕES 2.º Ciclo Novos Programas de Português, pag.102

30 Novos Programas de Português, pag.103 Diversidade GestãoTemporal

31 Novos Programas de Português, pag.110 (cf. Pág 152 /153) Biblioteca escolarEventos culturaisTIC

32 Referencial de textos Novos Programas de Português, pag.104

33 Orientações para a selecção de textos literários Novos Programas de Português, pag.74/113 2ºciclo 3ºciclo

34 ORIENTAÇÕES Novos Programas de Português, pag.139 Consolidação da competência de leitor do aluno, Educação literária, Relação entre a literatura e outras manifestações culturais Consolidação da competência de leitor do aluno, Educação literária, Relação entre a literatura e outras manifestações culturais

35 PARTE II TRABALHO PRÁTICO

36 TRABALHO NA SESSÃO: GIP LEITURA: página 21

37 ATIVIDADES DE APLICAÇÃO NAS AULAS - GIP Leitura 2º CICLO – Ler para apreciar textos variados, p Ler textos literários, p Ler para construir conhecimento, p º CICLO – Ler para apreciar textos variados, p Ler textos literários, Ler para construir conhecimento, p


Carregar ppt "PROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO 4.ª sessão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google