A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL A.M. NORTE EQUIPE DE ENSINO BÁSICO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL A.M. NORTE EQUIPE DE ENSINO BÁSICO."— Transcrição da apresentação:

1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL A.M. NORTE EQUIPE DE ENSINO BÁSICO

2 HISTÓRIA TEC. PEDAG. HISTÓRIA ANGELA MARIA CORRÊA

3 DIRETRIZES CURRICULARES ORIENTADORAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA - HISTÓRIA PRESSUPOSTOS METODOLÓGICOS

4 DIMENSÃO HISTÓRICA DA DISCIPLINA (...)Sob uma perspectiva de inclusão social, estas Diretrizes consideram a diversidade cultural e a memória dos paranaenses, de modo que buscam contemplar demandas em que também se situam os movimentos sociais organizados e destacam os seguintes aspectos: (...) o cumprimento da Lei n /08, que inclui no currículo oficial a obrigatoriedade do ensino da história e cultura dos povos indígenas do Brasil.(...)

5 CONCEPÇÃO METODOLÓGICA NÃO HÁ VERDADES ABSOLUTAS (DEFINITIVAS). DIÁLOGO COM VÁRIAS VERTENTES. OS CONSENSOS MÍNIMOS ENTRE O DEBATE DAS VERTENTES TEÓRICAS SÃO FUNDAMENTOS DO CONHECIMENTO HISTÓRICO. A PROBLEMATIZAÇÃO PRODUZ UMA NARRATIVA HISTÓRICA QUE TEM COMO DESAFIO CONTEMPLAR A DIVERSIDADE DAS EXPERIÊNCIAS SOCIAIS, CULTURAIS E POLÍTICAS DOS SUJEITOS E SUAS RELAÇÕES.

6 ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO Investigação dos conhecimentos prévios; Problematização; Trabalho com vestígios e fontes históricas diversos; Fundamentação na historiografia; Problematização do conteúdo; Narrativas históricas produzidas pelos estudantes.

7 CRITÉRIOS AVALIATIVOS Atividades que: Possibilitem a apreensão das idéias históricas; Permitam desenvolver a capacidade de síntese e produção de narrativas históricas; Permitam ao estudante expressar o desenvolvimento de idéias e conceitos históricos; Revelem se o educando se apropriou da capacidade de leitura dos documentos como: cinema, fotografia, histórias em quadrinhos, músicas e televisão, relativos ao conhecimento histórico.

8 A FINALIDADE DA HISTÓRIA É A BUSCA DA SUPERAÇÃO DAS CARÊNCIAS HUMANAS ( MECANISMOS DE EXCLUSÃO SOCIAL) FUNDAMENTADA POR MEIO DO CONHECIMENTO CONSTITUÍDO POR INTERPRETAÇÕES HISTÓRICAS.

9 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA DA DISCIPLINA NOVA ESCOLA CULTURAL, NOVA ESQUERDA INGLESA ( NEO MARXISMO),

10 OBJETO DE ESTUDO A HISTÓRIA A PARTIR DESTA MATRIZ DISCIPLINAR, TEM COMO OBJETO DE ESTUDO OS PROCESSOS HISTÓRICOS RELATIVOS AS AÇÕES E RELAÇÕES HUMANAS PRATICADAS NO TEMPO, BEM COMO A RESPECTIVA SIGNIFICAÇÃO ATRIBUÍDA PELOS SUJEITOS, TENDO OU NÃO CONSCIÊNCIA DESSAS AÇÕES ( SÓCIO HISTÓRICAS).

11 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PEDAGÓGICA COMO FAZER COM QUE OS ALUNOS APRENDAM A INTERPRETAR A HISTÓRIA, CONSTRUINDO SUAS NARRATIVAS HISTÓRICAS? QUAIS OS PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS POSSIBILITAM QUE ESSES SUJEITOS NARREM A PARTIR DE DIVERSAS TEMPORALIDADES?

12 DE ACORDO COM ISABEL BARCA (2000), A APRENDIZAGEM HISTÓRICA SE DÁ QUANDO PROFESSORES E ALUNOS INVESTIGAM AS IDÉIAS HISTÓRICAS. OU SEJA É PRIMORDIAL A LEITURA DE VÁRIAS FONTES HISTÓRICAS, PARA QUE SE POSSA CONSTRUIR AS NARRATIVAS.

13 PLURALISMO ÉTNICO DAS SOCIEDADES HUMANAS EUROPEUS ÁSIÁTICOS AFRICANOS AFRO AMERICANOS - QUILOMBOLAS CIGANOS ABORIGENES AUSTRALIANOS ESQUIMÓS... AMERINDIOS –KAINGANG, GUARANI, XOKLENG E XETÁ ( PR)

14

15 O homem nasce livre e em toda a parte encontra-se a ferros. Toda a nossa sabedoria consiste em preconceitos servis: todos os nossos usos são apenas sujeição, coação e constrangimento. O homem nasce, vive e morre na escravidão: ao nascer cosem-no numa malha; na sua morte pregam-no num caixão: enquanto tem figura humana é encadeado pelas nossas instituições. Eu senti antes de pensar. Observei a natureza e segui o caminho que ela vos traça. Ela exercita continuamente as crianças; endurece o seu temperamento com provas de toda espécie, e ensina-lhes, muito cedo, o que é uma dor e o que é um prazer. ( RUSSEAU, Jean Jaques )

16 OS AMERÍNDIOS DO PARANÁ

17 CONTEÚDOS HISTÓRIA 6º ANO ESTRUTURANTESBÁSICOSESPECÍFICOS RELAÇÕES DE PODER, DE TRABALHO E CULTURAIS Os sujeitos e suas relações com o outro no tempo. Os povos ameríndios e africanos em contraposição ao renascimento europeu. As populações ameríndias do Brasil e do Paraná, organização social, economia, política e cultural. O encontro entre as duas culturas, e suas relações de trabalho e poder. As contribuições dos povos ameríndios, africanos e europeus para a formação da identidade paranaense e brasileira.

18 JUSTIFICATIVA EXPLICITAR QUAL A RELEVÂNCIA DO ENSINO DE DETERMINADO CONTEÚDO DA OU NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA.

19 OBJETIVOS Estabelecer as concepções de civilização e nação, como ideais europeus. Desconstruir a idéia de que os ameríndios viviam e vivem no período pré-histórico, a quem do modelo capitalista vigente. Entender que sua cultura, sociedade e modo de produção é uma opção de vida. Compreender a problemática referente a distribuição de TERRAS indígenas, e do processo de aculturamento de suas sociedades, em detrimento das necessidades do desenvolvimento capitalista. Observar como são estabelecidas as lideranças indígenas no Brasil e Paraná.

20 METODOLOGIA DENTRO DA CONCEPÇÃO CONTEMPORÂNEA DE QUE O PAPEL DO PROFESSOR É MEDIAR O CONHECIMENTO, DEVE-SE ENTÃO PARTIR DE UMA SITUAÇÃO PROBLEMA, DOCUMENTO, VIDEO, IMAGEM, AUDIO,... INVESTIGANDO ASSIM QUAIS SÃO OS PRESSUPOSTOS JÁ CONHECIDOS PELOS EDUCANDOS. PODE-SE PARTIR DO PRESENTE PARA O PASSADO.

21 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Estabelece as concepções de civilização e nação. Entende a idéia de que os ameríndios viviam e vivem no período pré-histórico. Compreende que sua cultura, sociedade e modo de produção é uma opção de vida. Identifica a problemática referente a distribuição de TERRAS indígenas, e do processo de aculturamento de suas sociedades. Compreende como são estabelecidas as lideranças indígenas no Brasil e Paraná.

22 AVALIAÇÃO ATIVIDADES QUE POSSIBILITEM A APRENSÃO DAS IDÉIAS HISTÓRICAS DOS ESTUDANTES EM RELAÇÃO AO TEMPO ABORDADO; ATIVIDADES QUE PERMITAM DESENVOLVER A CAPACIDADE DE SÍNTESE E REDAÇÃO DE UMA NARRATIVA HISTÓRICA; ATIVIDADES QUE PERMITAM AO ALUNO EXPRESSAR O DESENVOLVIMENTO DE IDEIAS E CONCEITOS HISTÓRICOS; ATIVIDADES QUE REVELEM SE O EDUCANDO SE APROPRIOU DA CAPACIDADE DE LEITURA DE DOCUMENTOS COM LINGUAGENS CONTEMPORÂNEAS, COMO: CINEMA, FOTOGRAFIA, HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, MÚSICAS E TELEVISÃO, RELATIVOS AO CONHECIMENTO HISTÓRICO.

23 KAINGANG, GUARANI, XOKLENG E XETÁ

24

25 DESINFORMANDO

26

27 DISTRIBUIÇÃO DOS POVOS INDIGENAS 1500

28 DISTRIBUIÇÃO DOS POVOS INDÍGENAS 2001

29 VAZIO DEMOGRÁFICO A historiografia oficial da região Oeste do Paraná, referente ao início da colonizaçao deste território, raramente mencionou a presença de sujeitos indígenas por esta área no momento em que foi conlonizada. Esta área no momento em ue foi cololizada. Esta ausência relatada nas diversas fontes deste período supostamente colaborou para a noção de que este espaço deveria ser povoado, haja vista a necessidade de introduzi-lo às esferas do processo capitalista desenvolvido pela nação. (Carla C.N. Conradi 20- ?)

30 Desde a chegada dos portugueses ao território brasileiro, houve uma significativa redução da população indígena, em 1500 haviam aproximadamente 6 milhões de indíos distribuidos igualmente pelo território nacional, segundo o Censo IBGE 2010, hoje são aproximadamente indivíduos. Ainda existem vários povos que nunca tiveram contato com o homem branco, Aylton Krenac em sua fala no ciclo de palestras 500 anos de Brasil diz chegar a aproximadamente 56 povos. São nações não brasileiras na verdade, cada uma possui sua cultura, língua, arte, religião, hábitos, tradições, mitos e costumes.

31

32 GUARANI ESPREMIDOS

33 ALDEAMENTO GUARANIS

34 KAINGANG

35 ALDEAMENTO KAINGANG

36 ALDEAMENTO XETÁ Cinco homens e três mulheres carregam a sina de serem os últimos de seu povo. Kuein, Tuca, Tikuein, Tiqüem, Rondon, Aãn, Ana Maria e Maria Rosa Tiguá são os sobreviventes de um grupo que, segundo estimativas de antropólogos, era formado por 450 indivíduos na época em que tiveram os primeiros contatos documentados com os brancos, em 6 de dezembro de Da cultura e dos hábitos que tornaram os xetás diferentes de qualquer outro grupo indígena do Sul do país, restaram só algumas lembranças. A língua é falada por apenas três pessoas. Os xetás podem ser considerados um povo genuinamente paranaense. Hoje em São Jerônimo da Serra existem aproximadamente 250 indivíduos. (http://www.arara.fr/Indios%20Xetas%20no%20Parana.pdf)

37 XETÁ

38 ATIVIDADE 1 A PARTIR DA TABELA ESTABELECER OS SITIOS ARQUEOLÓGICOS DO PARANÁ NO MAPA E DATA-LOS

39

40 BP SIGNIFICA BEFOR PRESENT OU SEJA ANTES DO PRESENTE

41 ATIVIDADE 2 ORGANIZAR OS CONTÉUDOS DENTRO DO PTD, DANDO ÊNFASE NOS PRESSUPOSTOS METODOLÓGICOS.

42 ESTRUTURA DE UM PTD

43 ATIVIDADE 3 SOCIALIZAÇÃO E DEBATE DEBATER O PROCESSO METODOLÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA PARA A APROPRIAÇÃO DE CONTEÚDOS. PEDIR PARA OS PROFESSORES RELATAREM COMO REALIZAM A RETOMADA DOS CONTEÚDOS EM SUAS AULAS. FAZER UMA LISTA DE SUGESTÕES DE TEXTOS, AUTORES, VÍDEOS E FILMES QUE OS PROFESSORES UTILIZAM EM SALA DE AULA PARA TRABALHAR O CONTEÚDO.


Carregar ppt "SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL A.M. NORTE EQUIPE DE ENSINO BÁSICO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google