A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica mai-14 1 Engenharia Econômica Prof. Dr. Roberto Cayetano Lotero

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica mai-14 1 Engenharia Econômica Prof. Dr. Roberto Cayetano Lotero"— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica mai-14 1 Engenharia Econômica Prof. Dr. Roberto Cayetano Lotero Telefone: Centro de Engenharias e Ciências Exatas Foz do Iguaçu

2 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Conceitos de Avaliação de Projetos de Investimento mai-14 2

3 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica O passo mais importante na avaliação de investimentos é a estimativa dos fluxos de caixa dos projetos: os desembolsos para o investimento e as entradas líquidas de caixa anuais após o projeto iniciar suas operações. O fluxo livre de caixa é o fluxo de caixa disponível para distribuição aos investidores. É difícil prever de forma exata os custos e receitas associados com um projeto grande e complexo, de forma que os erros de previsão podem ser bastante grandes. Estimando fluxos de caixa mai-14 3

4 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica O ponto de partida é a identificação dos fluxos de caixa relevantes, definidos como o conjunto específico de fluxos de caixa que devem ser considerados na decisão. As decisões devem ser baseadas em fluxos de caixa e não em lucros contáveis. Somente os fluxos de caixa incrementais são relevantes. O fluxo de caixa relevante para um projeto é o fluxo livre de caixa adicional que a empresa espera, caso implemente o projeto, isto é, o fluxo de caixa além e acima daquele que a empresa poderia esperar se ela não implementasse o projeto. Identificação dos fluxos de caixa relevantes mai-14 4

5 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica As demonstrações contábeis são feitas para períodos anuais, portanto não refletem exatamente em que ponto as receitas de caixa ou as despesas ocorrem. Em função do valor do dinheiro no tempo, os fluxos de caixa devem, em teoria, ser analisados exatamente na medida que ocorrem. Deve haver um compromisso entre acuracidade e praticabilidade. Na maioria dos casos é assumido que todos os fluxos de caixa ocorrem no final de cada ano. Distribuição temporal dos Fluxos de Caixa mai-14 5

6 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Os impostos podem ter grande impacto sobre os fluxos de caixa. A depreciação tem um grande impacto para efeitos fiscais, mas não é uma despesa de caixa. As empresas calculam a depreciação de uma forma quando estimam os impostos e de outra quando demonstram o lucro para os investidores. Efeitos fiscais mai-14 6

7 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica A empresa Tisstex é uma tecelagem que adquiriu há cinco anos uma bateria de máquinas para tecelagem da marca Adam ao preço unitário de $ , e cuja vida útil esperada era em torno de 15 anos, com vida fiscal de 10 anos. Se esperava que as máquinas fossem conservadas até seu desgaste total. Em razão da forte concorrência e do surgimento de máquinas melhores, a empresa julga melhor a substituição das máquinas pelas da marca Kaiser. Estimativa dos fluxos de caixa associados a um projeto de investimento mai-14 7

8 Comparação entre os equipamentos AdamKaiser IDados técnicos 1Número de teares por tecelão3648 2Número de golpes por minuto Rendimento (%)87,597 4Consumo (kWh)1,450,95 5Área por tear (m2)148 IIProdução 6Produção por hora (em peças)9,724,15 7Produção por hora por tecelão349, ,20 8Produção anual de um tear IIICustos variáveis de produção (por peça) 9Custo da mão de obra do tecelão0,2420,073 10Custo da mão de obra do alimentador0,0750,030 11Custo de manutenção dos teares0,0600,020 12Consumo de pentes0,0300,022 13Lubrificantes00,006 14Força motriz0,1390,038 15Rejeitos00,042 Total0,5460,231 mai-148

9 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Outras despesas administrativas e comerciais: –$8.000,00 para Adam; –$12.000,00 para a Kaiser. Preço de venda da peça produzida: –$1,21 atual –$ 0,93 futuro Necessidade de capital de giro: 20% do aumento das vendas = $ Vida útil dos novos teares: 10 anos Custo dos novos teares: $ Valor de mercado dos teares em uso: $ Valor residual dos teares novos ao fim da vida útil: $ mai-14 9

10 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Deve-se identificar e medir todos os fluxos de caixa positivos e negativos que resultarão da substituição. Ao analisar projetos de investimento somente interessam as entradas e saídas de caixa, ou seja, movimentos de dinheiro. –É necessário atenção para os conceitos que têm interpretação contábil, como receitas e despesas. –Um dos princípios da contabilidade é que receitas e despesas são registradas no período em que ocorre seu fato gerador, o que geralmente nada tem a ver com o respectivo efeito no caixa da empresa. –Na análise de projetos o que interessa é o efeito no caixa. –Da mesma forma, um valor residual não se refere a um valor contábil, mas à possibilidade de se obter caixa pela venda de um bem no mercado. Determinação dos fluxos de caixa associados ao projeto mai-14 10

11 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Custo de aquisição: $ por tear Pode haver alguns ajustes: –Examinar se existem impostos pagos na aquisição que podem ser recuperados por incentivos fiscais. –Verificar valor residual do equipamento sendo substituído e a correspondente correção fiscal relativa aos ganhos ou perdas de capital por ocasião da venda. Como o tear Adam tem um valor contábil de $ e sua venda no mercado será por $ , haverá uma perda de capital de $20.000, que a uma alíquota de imposto de 50% levará a um benefício fiscal de $ Conseqüentemente deverá ser deduzido $ do valor do novo tear. –Verificar se existe alguma linha de crédito oficial a juros reduzidos para investimentos produtivos que reduzam o valor do investimento. No caso em estudo tem-se uma redução de $ por tear ao utilizar uma linha de crédito especial. –Considerar a necessidade de acréscimo no capital de giro para cobrir a eventual necessidade de aumento de estoques ou crédito aos clientes. No caso atual é de $ (20% do aumento nas vendas). As saídas líquidas de caixa associadas à substituição mai-14 11

12 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica A parte mais importante das entradas líquidas de caixa é aquela que corresponde às operações em cada ano da vida útil do projeto. Ao final do período de operação convém levar em conta os fluxos de caixa ligados à cessação das atividades de produção do equipamento. As entradas líquidas de caixa mai-14 12

13 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica ELC t = (R t – D t – A t )(1- ) + A t ELC t entrada líquida de caixa operacional R t receitas operacionais no ano t D t despesas operacionais no ano t A t depreciação no ano t alíquota de imposto de renda da empresa As entradas líquidas de caixa correspondentes aos anos de operação do equipamento mai-14 13

14 Entradas líquidas para os primeiros cinco anos Ano t, t=1...5Sem substituição Com substituição (1)RtRt x1,21= x0,93= (2)Custos variáveis58.666x0,546= x0,231=33740 (3)Custos administrativos e comerciais (4)D t = (2)+(3) (5)AtAt (6) ELC t = [(1)-(4)](1- )+ (5) (7) ELC t mai-1414

15 Entradas líquidas para os últimos cinco anos Ano t, t=5...10Sem substituição Com substituição (1)RtRt x1,21= x0,93= (2)Custos variáveis58.666x0,546= x0,231=33740 (3)Custos administrativos e comerciais (4)D t = (2)+(3) (5)AtAt (6) ELC t = [(1)-(4)](1- )+ (5) (7) ELC t mai-1415

16 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica A decisão de substituir ou não o equipamento existente é baseada nas diferenças entre as entradas líquidas de caixa: fluxo de caixa incremental. Avaliação das entradas líquidas mai-14 16

17 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica O valor residual do equipamento novo ao final da vida útil, deduzida a tributação sobre o ganho de capital sobre a venda, deve ser acrescido às entradas de caixa do último ano de operação. –Para o caso em estudo, o valor residual: $30.000, que deduzida a tributação de 50%, produz uma entrada de caixa de $ Ao fim da operação do equipamento novo pode ser recuperado o valor acrescido no início da operação ao ativo circulante da empresa: $ As entradas líquidas de caixa no ano de cessação de utilização do equipamento novo mai-14 17

18 Síntese dos fluxos de caixa mai-1418

19 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Uso de fluxo de caixa incrementais –A lógica de análise incremental permite evitar o erro de incluir custos irrecuperáveis. Exemplo: custo do teste de mercado de um novo produto, o qual não será afetado pela decisão de lançar ou não o novo produto. Custo de oportunidade –Utilização de um depósito que poderia ser alugado ou vendido. Necessidade de capital de giro –Normalmente esquecido nos fluxos de caixa. Consideração do imposto de renda –É importante lembrar que é a diferença entre o que a empresa pagaria de impostos com e sem o projeto que deve ser considerada. Consideração da inflação –Valores correntes (ou nominais): que incluem a inflação sobre todos os componentes do fluxo de caixa. –Valores constantes (ou reais): valores que mantêm o poder aquisitivo ao longo do tempo. Convenções utilizadas –adota-se a convenção de fim de período para as entradas e saídas de caixa operacionais e de início de período para os investimentos. Considerações gerais sobre a montagem de um fluxo de caixa mai-14 19

20 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Valor do dinheiro no tempo –Um real recebido hoje vale quanto ao final de t anos? –Considerando uma taxa de juros de k% a.a., esse capital valeria: (1+k) ao final de um ano (1+k)+k(1+k) = (1+k) 2 ao final de dois anos (1+k) t ao final de t anos. Critérios de rentabilidade de um investimento mai-14 20

21 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Para dispor de um real ao cabo de t anos seria suficiente aplicar hoje o valor de: 1/(1+k) t Ou 1/(1+k) t reais aplicados hoje é um real dentro de t anos, à taxa de k%. Ou (1+k) -t é o valor presente de um real a ser recebido dentro de t anos. mai-14 21

22 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica I 0 investimento inicial R t entradas de caixa esperadas durante o ano t D t custos de produção esperados durante o ano t Tvida útil do projeto S T valor residual do investimento ao final da vida útil. O projeto será rentável se: Avaliação da rentabilidade mai-14 22

23 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica A 0 t AAAAAAAAA VP Para calcular o valor presente das entradas líquidas de caixa constantes de t anuidades é suficiente multiplicar o montante por: Entradas líquidas constantes mai-14 23

24 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Entradas líquidas constantes Para transformar um valor presente em uma série constante de t anuidades é necessário multiplicá-lo por: A 0 t AAAAAAAAA VP mai-14 24

25 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Para calcular o valor futuro das entradas líquidas de caixa é suficiente multiplicar o montante por: O inverso dessa relação transformará um valor futuro em uma série constante de t anuidades mai-14 25

26 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica mai-14 26

27 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Critérios de rentabilidade O critério do Valor Presente Líquido – VPL mai-14 27

28 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Critério do índice de lucratividade (IL) mai-14 28

29 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Taxa interna de retorno - TIR mai-14 29

30 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica Comparando os três critérios podem ser feitas algumas observações –Para o VPL o que se mede é uma massa de lucros, para os outros dois o que se mede é a taxa de lucros. –Para a TIR a taxa de desconto r * é um resultado dos cálculos, para os outros dois a taxa é estabelecida pela empresa. A TIR e o VPL são os dois critérios mais utilizados sendo apresentados como tendo igual valor teórico, sendo essa atitude inadequada. mai-14 30


Carregar ppt "Universidade Estadual do Oeste do Paraná Engenharia Econômica mai-14 1 Engenharia Econômica Prof. Dr. Roberto Cayetano Lotero"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google