A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Rebuscar conhecimentos anatômicos e fisiológicos normais com o objetivo de entender como a doença se desenvolve na pele (Patogenia).

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Rebuscar conhecimentos anatômicos e fisiológicos normais com o objetivo de entender como a doença se desenvolve na pele (Patogenia)."— Transcrição da apresentação:

1 Rebuscar conhecimentos anatômicos e fisiológicos normais com o objetivo de entender como a doença se desenvolve na pele (Patogenia).

2 Características de uma pele normal: 1. Proliferação celular normal: Uma adequada proliferação celular mostra o quão saudável está o processo de renovação da epiderme. 2. Conformação córnea normal: Como um resultado do tópico acima, a camada córnea reflete diretamente a qualidade das áreas mais internas da pele. OBSERVAÇÃO: Difusão por concentração: Ocorre sempre na direção de onde há maior concentração da substância a ser transportada para onde há menor concentração. Independente da substância, o organismo como um todo tende a levar a concentração de substâncias ao equilíbrio. Ex.: Nutrição da pele (exceção bomba de sódio e potássio).

3 3. Circulação adequada na papila: Para que a camada basal possa produzir células" lindas"( padrão gisele bündchen) é necessário que a circulação sanguínea esteja disponibilizada adequadamente nas papilas dérmicas,pois assim os nutrientes (vitaminas,sais minerais e O2) chegam mais facilmente (difusão por concentração) à camada basal. 4. Retirada de catabólitos normal/ suficiente: Quando a circulação na papila encontra-se adequada e a retirada dos produtos do metabolismo (catabólitos) acontece de forma suficiente, o resultado é o micro ambiente da papila encontra-se fértil e pronto para propiciar a camada basal um nível excelente de nutrientes disponíveis.

4 5. Linfa em proporção adequada: Um outro fator contribuinte para a qualidade da pele diz respeito ao funcionamento adequado do sistema linfático. Dado esse fato, a concentração de líquido impróprios (com excesso de catabólitos) encontra-se em níveis ótimos, facilitando assim tanto a nutrição (↑ nutrientes) quanto a função descrita no tópico anterior. 6. Porcentagem de células de defesa normal: Quando a pele encontra-se em seu estado normal (ausência de doença), a proporção de células de defesa (mastócitos, linfócitos, etc.) encontra-se em equilíbrio e em quantidades que não interfiram no balanço hídrico da derme, facilitando assim tanto o transporte de nutrientes, pois este está menos carregado ( sopa de feijão batida no liquidificador) quanto a execução das propriedades da derme. *O liquido presente na derme, conhecido como liquido intersticial (entre tecidos) ou substância fundamental amorfa, Quando adentram o capilar linfático passa a se chamar linfa apesar de possuir composição semelhante.

5

6 Compreendendo os mecanismos patogênicos das doenças de pele, ao estudarmos mais a fundo cada uma delas, fica mais facil correlacionar a anatomia da pele com a doença que se apresenta. Basicamente são divididas em: 1. Mecanismo Eritemato-descamativo 2. Mecanismo Discrômico 3. Mecanismo Alérgico 4. Mecanismo Inflamatório 5. Mecanismo Infeccioso 6. Mecanismo Tumoral

7 1. Mecanismo Eritemato-descamativo: A. Excesso de células de defesa: Em uma pele doente, o excesso de células é inevitável. Quando um tecido encontra-se lesado, a sua função acaba se comprometendo por menor que seja o grau da lesão, comprometendo também, no caso da pele, o aspecto geral da pele, o que fornece meios de identificação diagnostica. B. Acúmulo de linfa: Pode ocorrer de duas maneiras: a – excesso de produção ou b- defasagem na retirada. Independente do tipo o acúmulo de linfa sempre gera repercussões no funcionamento da pele em si interferindo nos mecanismos de nutrição e limpeza, tão importantes para a qualidade da pele

8 1. Mecanismo Eritemato-descamativo: C. Acúmulo de catabólitos: Devido ao mecanismo de nutrição e limpeza estar comprometido (ver tópico anterior) é inevitável que haja o acúmulo de catabólitos na pele (derme), comprometendo assim, de forma exponencial, as funções e as propriedades da derme. D. Circulação deficiente na papila: Além das alterações linfáticas descritas no tópico anterior uma circulação deficiente na papila é outro fator agravante que compromete o funcionamento da epiderme uma vez que está diretamente relacionada com a disponibilização de nutrientes para a camada basal, que é responsável pela formação dos queratinócitos

9 1. Mecanismo Eritemato-descamativo: E. Proliferação celular anormal: Como resposta ao dano / lesão/ injúria /doença, ocorre naturalmente uma hiperproliferação celular que confere à camada córnea, especialmente em regiões mais comprometidas, um aspecto descamativo. F. Conformação córnea alterada: Devido a alteração descrita no tópico 2 somada ao tópico 4, a produção dos queratinócitos em uma pele doente está obviamente comprometida devido ao fato de que a camada basal não conta com material de qualidade para a produção celular.Essa dificuldade reflete diretamente na qualidade dos queratinócitos que vão emergindo até alcançar a camada córnea.Ex.:Pedreiro ruim com tijolo bom.

10 2. Mecanismo Discrômico: Neste mecanismo, vamos entender as alterações da pele e suas repercussoes no funcionamento dos melanocitos, que podem levar as discromias, que sao classificadas em: A. Acromias: ausencia total de cor, todos os melanocitos mortos B. Hipocromias: cor em tom mais claro, alguns melanocitos mortos e/ou preguiçosos. C. Hipercromias: excesso de atividade de melanocitos.

11 MECANISMO DISCROMICO PELE - ANATOMIA Melanocitos – produzir a melanina, pigmento para proteção contra radiação UV e confere cor a pele. Melanogenese – processo de formação produção – local da pele por mm2 Forma dentritica toca muitos Queratinocitos Melanossomas – organelas dos melanocitos que armazenam melanina

12 FATORES QUE INFLUENCIAM A PRODUÇÃO DE MELANINA - GENETICOS - HORMONAIS (H. melanotrofico, H progesterona durante gravidez, anticoncepcionais, tireoide) - AMBIENTAIS– radiação (UVA mais que UVB) - QUIMICOS (substancias fotossensibilizantes como o acido psoralenico) - ALIMENTARES - carencia ou hiperdosagem de várias vitaminas MECANISMO DISCROMICO

13 Mecanismo Discrômico 1. Acúmulo de catabólitos: Devido ao mecanismo de nutrição e limpeza estar comprometido, seja por deficiência vascular (e/ou linfático) ou por desnutrição (falta de bons nutrientes disponiveis), é inevitável que haja o acúmulo de catabólitos na pele (derme), comprometendo assim, de forma exponencial, as funções e as propriedades da derme. Uma delas é levar nutrientes a epiderme e retirar os produtos do metabolismo celular (catabolitos) Isso afeta principalmente a camada basal, pois é a partir de lá que esses nutrientes são levados às camadas mais superiores por difusão e é lá também que se encontram os melanocitos, que a partir desta camada, através de seus “braços”, espalha a melanina por entre os queratinocitos.

14 Mecanismo Discrômico 2. Circulação deficiente na derme (papila): Além das alterações linfáticas descritas no tópico anterior uma circulação deficiente na papila é outro fator agravante que compromete o funcionamento da epiderme uma vez que está diretamente relacionada com a disponibilização de nutrientes para a camada basal, que é responsável pela formação dos queratinócitos bem como abrigo para o centro metabólico dos melanócitos, células produtoras de pigmentos para a pele. Essa circulação deficiente pode estar relacionada a comprometimento das camadas mais internas (hipoderme), impedindo que os vasos supram adequadamente os tecidos superiores com nutrientes (celulite, obesidade,...) e/ou também com relação aos vasos em si por comportamento de risco (tabagismo, etilismo, drogas, diabetes,...)

15 Mecanismo Discrômico 3. Funcionamento anormal celular: O melanócito necessita de uma excelente quantidade de nutrientes chegando até ele para que ele possa metabolizar a melanina e distribui-la por entre os queratinocitos e quando isso não acontece simplesmente o mecanismo normal encontra-se comprometido e a coloração da pele encontra-se comprometida por conseguinte. 4. Apoptose desregulada: as células de um tecido naturalmente tem um tempo de vida e morrem de forma programada com o passar do tempo, isso se chama apoptose, o que ocorre é que em alguns casos, as células podem morrer de maneira antecipada, sem qualquer razão aparente. Contudo algumas teorias tentam desvendar essas causas, que podem ser:

16 Mecanismo Discrômico Contudo algumas teorias tentam desvendar essas causas, que podem ser: A. Genéticas: programação genética em mal funcionamento, hereditariedade, falta de formação do melanocito em todo o corpo (albinismo) ou em parte dele (vitiligo); B. Químicas: interferência no microambiente do melanócito (isotretinoina, acido retinoico,...) ou do tecido como um todo (diabetes, fumante, alcoólatras,...); C. Pós-traumas (físicos, químicos, psicológicos): resposta do tecido ao trauma leva a alteração do tempo de apoptose; D. Overuse (sol em excesso): célula é tão exigida que acaba por morrer de fadiga, uso excessivo e falência orgânica.

17 Mecanismo Discrômico 5. Funcionamento excessivo ou lentificado do melanocito O melanocito pode apresentar padrão de comportamento diante do funcionamento doente da pele, ele pode se apresentar super produtivo ou supra produtivo, o que leva a hipercromia ou a hipocromia respectivamente, as causas destas alterações são as mesmas descritas no tópico acima e depende do fator causal.


Carregar ppt "Rebuscar conhecimentos anatômicos e fisiológicos normais com o objetivo de entender como a doença se desenvolve na pele (Patogenia)."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google