A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber Jesus Pereira Medicina e cirurgia do pé e do tornozelo LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber Jesus Pereira Medicina e cirurgia do pé e do tornozelo LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber."— Transcrição da apresentação:

1 LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber Jesus Pereira Medicina e cirurgia do pé e do tornozelo LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber Jesus Pereira Medicina e cirurgia do pé e do tornozelo

2 INTRODUÇÃO  Lesão mais comum em atletas  Brasil = futebol  EUA = basquete  EUA – 01 entorse/dia/ hab.  Brasil – entorses/dia  Diagnóstico incorreto  Tratamento – conservador.

3 ANATOMIA  Articulação complexa de Encaixe  03 articulações  Movimento uniaxial  Estabilidade  ligamentos

4 LIGAMENTOS Deltóide TFIA TFA FC TFP TFIP TC

5

6 MECANISMO DE LESÃO  Trauma indireto  Inversão – supinação – equino  Inversão – dorsiflexão = CF  Rotação externa ou interna = sindesmose

7 CLASSIFICAÇÃO  Grau I  Grau II  Grau III

8 CLASSIFICAÇÃO  Grau I - Leve Edema - Equimose ? - Função Ok

9 CLASSIFICAÇÃO  Grau II - Edema Moderado - Equimose - Função Diminuída

10 CLASSIFICAÇÃO  Grau III - Edema Grave - Equimose Grave - Perda da Função

11 INSTABILIDADE MECÂNICA E FUNCIONAL  Sistema Nervoso Central  Sistema vestibular  Visual  Auditivo  Sensibilidade Tátil  Impulsos proprioceptivos  Larsen – ENMG < tempo de reação  Instabilidade funcional sem lesão ligamentar  Integridade da pinça do tornozelo  Lesão dos ligamentos Gerber J.P. – Foot Ankle Int

12 PATOLOGIA  14% arrancamento ósseo  O TFA é lesado de 40 a 70% dos entorses  O FC está associado em 20%  O Ligamento Deltóide 2,5%  A Sindesmose de 1 a 10% Salomão, O. – RBO

13 FATORES PREDISPONENTES  Intrínsecos: - Antecedente - Sexo - Altura - Peso - Formato do pé - Fraqueza muscular - Baixo tempo de reação - Frouxidão ligamentar • Extrínsecos: - Tipo de piso - Tipo de calçado - Modalidade esportiva Bruce D B at All - J Athl Train. 2002

14 FATORES PREDISPONENTES  Intrínsecos: - Antecedente - Sexo - Altura - Peso - Formato do pé - Fraqueza muscular - Baixo tempo de reação - Frouxidão ligamentar • Extrínsecos: - Tipo de piso - Tipo de calçado - Modalidade esportiva Bruce D B at All - J Athl Train. 2002

15 DIAGNÓSTICO Clínico  História de entorse  Edema  Equimose

16 DIAGNÓSTICO Clínico  Incapacidade funcional  Palpação  Teste da gaveta anterior

17 DIAGNÓSTICO Imagem  Radiografia normal comparativo  Radiografia sob estresse  Ressonância Magnética

18 RX STRESS TILT GAVETA

19 RNM

20 DIAGNÓSTICO CLÍNICO X IMAGEM  Exame Clínico: •No Geral= 60% de diagnóstico •Lesão Grau III= 100% •Lesão Grau II= 25%  RNM: •Lesões Associadas •Falta de resposta ao Tto Conservador •Atletas de alto nível Frey, C. – Foot Ankle Int

21 PARÂMETROS RADIOGRÁFICOS 1) Distância intermaleolar interna 3 mm 2) Distância intermaleolar interna 10 mm 3) Distância intermaleolar externa 4) Espaço livre tibiofibular na cúpula tibial 5) Espaço livre tibiofibular 10 mm acima = 3,2 mm 6) Sobreposição tibiofibular 7) Espaço livre articular medial = 2,9 mm Penumaticos, S. G. – Foot Ankle Int

22 PARÂMETROS RADIOGRÁFICOS 1) Distância intermaleolar interna 3 mm 2) Distância intermaleolar interna 10 mm 3) Distância intermaleolar externa 4) Espaço livre tibiofibular na cúpula tibial 5) Espaço livre tibiofibular 10 mm acima = 3,2 mm 6) Sobreposição tibiofibular 7) Espaço livre articular medial = 2,9 mm Penumaticos, S. G. – Foot Ankle Int

23 RADIOGRAFIA SOB ESTRESSE  Método de Landeros - Ponto aleatório do tálus  Método de Gomes - Centro de rotação do tálus  Tilt Talar Gomes C.T.S. – RBO

24 CLASSIFICAÇÃO  ANATÔMICA  TIPO DE LESÃO: - Tipo I – Sem lesão macroscópica - Tipo II – Lesão parcial do ligamento - Tipo III – Lesão completa do ligamento Salomão, O. – RBO

25 TRATAMENTO – LESÃO AGUDA - CURA   Fase Inflamatória – 10 D   Fase Proliferativa – 4 a 8 S   Fase Maturação – 01 A Peterse W. – Arch Orthop Traum Surg – 2013

26 TRATAMENTO – LESÃO AGUDA  Lesões tipo I e tipo II = Tratamento conservador 1) limitar a extenção da lesão 2) Restaurar a ADM 3) Recuperar a propiocepção  Lesões tipo III = Controvércia - Resultados do tratamento conservador X cirúrgico se equivalem. Gerber J.P. – Foot Ankle Int

27 TRATAMENTO CONSERVADOR - AGUDA  Imobilização gessada 06 semanas  Tratamento Funcional: - Imobilizador removível 06 sem. - Fisioterapia - Descarga precoce - Velocidade da recuperação - 95% de bom resultado Ardèvol JArdèvol J - Knee Surg S Traum Arthrosc 2002.Knee Surg S Traum Arthrosc 2002.=

28 TRATAMENTO CONSERVADOR - AGUDA  Imobilização  Tratamento Funcional: - Ligeiramente favorável - Cuidado - Trabalhos de pior Evidência - Retorno mais precoce Kerkhoffs GMKerkhoffs GM, - Cochrane Database Syst Rev. 2002;(3). Update Update 2013

29 TRATAMENTO CONSERVADOR - AGUDA  Imobilização: Bandagem Elástica X Aircast - Bandagens + complicações - Inconclusivo Boyce SHBoyce SH, - Br J Sports Med Feb Kerkhoffs GMKerkhoffs GM, - Cochrane Database Syst Rev. 2002;(3). Update Update 2013

30 TRATAMENTO CONSERVADOR - AGUDA  Retorno à atividade física: - Tipo I = 07 a 10 dias - Tipo II = 20 dias - Tipo III = 06 a 08 semanas Gerber J.P. – Foot Ankle Int

31 TRATAMENTO CIRÚRGICO - AGUDA  Lesões combinadas  Atletas de elite  Rafia ou reinserção do ligamento com sutura transóssea ou com miniancoras.  P.O. tratamento funcional.  7 a 18% de complicações  Sindesmose = cirurgia – parafuso tibio- fibular 2,5 cm acima da articulação. Kaikkonen A. - Clin Orth

32 TRATAMENTO CONSERVADOR X CIRÚRGICO  Tto Cirúrgico melhor que Tto Funcional  > complicações  > custo  Cirurgia tardia = fase aguda Pijnenburg, A. C. M. – JBJS – 2003  Não há evidência suficiente Kerkhoffs G. M. – Cochrane

33 TRATAMENTO CONSERVADOR X CIRÚRGICO  Tto Cirúrgico melhor que Tto Funcional  > complicações  > custo  Cirurgia tardia = fase aguda Pijnenburg, A. C. M. – JBJS – 2003  Não há evidência suficiente Kerkhoffs G. M. – Cochrane

34 TRATAMENTO CONSERVADOR X CIRÚRGICO   Conservador > Cirúrgico   Cirurgia Situações Individuais   Imobilização 10 dias  órtese semi-rígida   Treinamento Neuro-Muscular   Orteses previne lesões

35 TRATAMENTO LESÃO CRÔNICA  20 a 40% das lesões evoluem com instabilidade e/ou dor. Conservador Instabilidade Funcional:  Fisioterapia  Exercícios específicos  Uso de órteses  50% de bom resultado Demeritt K.M. – J Athl Train

36 TRATAMENTO LESÃO CRÔNICA TTO CIRURGICO  Falha do tto Conservador  Dor Crônica  > 03 Entorses/Ano

37 TRATAMENTO LESÃO CRÔNICA Cirúrgico Instabilidade Mecânica:  Várias Técnicas - Reconstrução ligamentar Preferência - Tenodeses Limitação de movimentos Instabilidade da Subtalar

38 TRATAMENTO LESÃO CRÔNICA  Anatomical reconstruction of the lateral ligaments of the ankle with a gracilis autograft: a new technique using an interference fit anchoring system. Am J Sports Med Jun; 33(6): Anatomical reconstruction of the lateral ligaments of the ankle with a gracilis autograft: a new technique using an interference fit anchoring system. Anatomical reconstruction of the lateral ligaments of the ankle with a gracilis autograft: a new technique using an interference fit anchoring system.  Reconstruction of the lateral ankle ligaments with bone-patellar tendon graft in patients with chronic ankle instability: a preliminary report. Am J Sports Med May-Jun; 30(3): Reconstruction of the lateral ankle ligaments with bone-patellar tendon graft in patients with chronic ankle instability: a preliminary report. Reconstruction of the lateral ankle ligaments with bone-patellar tendon graft in patients with chronic ankle instability: a preliminary report.  Arthroscopic-assisted lateral ligamentous reconstruction in combined ankle and subtalar instability. Arthroscopy May; 23(5): Arthroscopic-assisted lateral ligamentous reconstruction in combined ankle and subtalar instability. Arthroscopic-assisted lateral ligamentous reconstruction in combined ankle and subtalar instability.  Reconstruction of the lateral ankle ligaments with allograft in patients with chronic ankle instability. Foot Ankle Clin Sep Reconstruction of the lateral ankle ligaments with allograft in patients with chronic ankle instability. Reconstruction of the lateral ankle ligaments with allograft in patients with chronic ankle instability.

39 RECONSTRUÇÃO LIGAMENTAR  Técnica de Brostrom

40 TENODESES  Procedimento de Chrisman-Snook modificado  Técnica de Watson Jones – primeira  Procedimento de Evans

41 ARTROSCOPIA

42 PROFILAXIA ÓRTESEXENFAIXAMENTO Sem Diferença Mickel T.J. – JFAS

43 CONCLUSÃO  Lesão ligamentar mais comum  Exige um diagnóstico preciso  Diagnóstico clínico e radiográfico  Tratamento conservador na fase aguda com 95% de bons resultados  Tratamento funcional  Cirurgia em casos especiais  Nem sempre é incapacitante  Nas Lesões crônicas preferência para as reconstruções  As tenodeses evoluem com limitação de movimentos.

44


Carregar ppt "LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber Jesus Pereira Medicina e cirurgia do pé e do tornozelo LESÕES LIGAMENTARES DO TORNOZELO Cleber."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google