A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TRABALHO DE CAMPO- PRINCIPAIS ESTRATEGIAS Enf. Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira Capacitação nas técnicas de aplicação e leitura da prova tuberculínica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TRABALHO DE CAMPO- PRINCIPAIS ESTRATEGIAS Enf. Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira Capacitação nas técnicas de aplicação e leitura da prova tuberculínica."— Transcrição da apresentação:

1 TRABALHO DE CAMPO- PRINCIPAIS ESTRATEGIAS Enf. Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira Capacitação nas técnicas de aplicação e leitura da prova tuberculínica

2 Cuidados preliminares a aplicação Conservação Armazenamento Tipo de frasco utilizado Padronização dos insumos Padronização da técnica Padronização do leitor

3 Respeito aos aspectos éticos no atendimento da população alvo ( presidiários, soldados). Luminosidade Conforto térmico e cansaço físico

4 Aplicação da tuberculina Terço médio do antebraço Afastado de vasos sanguíneos, pelos e em locais dificies de permitir uma leitura adequada.

5 Aplicação de PT e registro das aplicações com dificuldades - Pápula de aplicação

6 Leitura Medição em milímetros Evitar caneta Unhas Treinamento continuo e leitura duplicada nos serviços

7

8 Mapa de Leituras Comparadas - Teste Tuberculínico Leitor: Leitor de Referência:

9 Considerando que a leitura da Prova Tuberculiníca é uma atividade que deve ser “muito praticada” e para as pessoas adquirirem a habilidade necessária, é importante observar as seguintes etapas: LEITURA ABERTA reconhecer as áreas de eritema, edema e induração da reação. Para isso apalpar a área de induração com o dedo indicador determinando o contorno da mesma, limitar os bordos e encostar a régua delicadamente sobre a área de induração no sentido transverso ao braço. A prática tem demonstrado que aproximadamente 30 leituras são suficientes para o treinando se sentir seguro nesta prática.

10 LEITURA DUPLA CEGA COM PROF. DE REFERENCIA Nesta leitura, o treinando e o enf. de ref. fazem leituras individuais e registram no mesmo cartão (verso e anverso), identificando cada um a sua leitura. Devem trabalhar em mesas separadas acompanhados de secretário s para registrar as leituras. Garantir que o mesmo cliente seja examinado pelo treinando e pelo enf. de ref. Sugere-se aproximadamente 100 leituras –AVALIAÇÃO A avaliação é feita através dos registros nos cartões e elaboração de gráficos e tabelas, para melhor interpretação dos resultados (anexo 4). A determinação de parâmetros ou percentual de acertos entre as leituras dos técnicos (equipe de trabalho) será estabelecida de acordo com os objetivos do treinamento: capacitação de técnicos para participarem de pesquisa - devem ser aferidos com o enfermeiro de referência e também entre si. É necessário que haja concordância entre as leituras de no mínimo 90%. capacitação de técnicos para serem instrutores ou supervisores do PCT - o percentual de acertos do treinando com o enfermeiro de referência será de no mínimo 80%. Considerar como “acertos” as leituras que forem coincidentes ou diferentes 1 e 2mm do enfermeiro de referência com o treinando. Considerar como "erro" as leituras diferentes de 3mm e mais do enfermeiro de referência com treinando. Para manutenção do padrão de leitura do Teste Tuberculínico, recomenda-se a aferição dos técnicos com o enfermeiro de referência de dois em dois anos.

11 LEITURA DUPLA CEGA CONSIGO Nesta leitura, o treinando lê o mesmo cliente em dois momentos: Separa-se aproximadamente 100 clientes em uma sala. O treinando faz a primeira leitura registra no cartão e entrega o cartão ao cliente.

12 A determinação de parâmetros ou percentual de acertos entre as leituras dos técnicos (equipe de trabalho) será estabelecida de acordo com os objetivos do treinamento: capacitação de técnicos para participarem de pesquisa - devem ser aferidos com o enfermeiro de referência e também entre si. É necessário que haja concordância entre as leituras de no mínimo 80%. A avaliação é feita através dos registros nos cartões e elaboração de gráficos e tabelas, para melhor interpretação dos resultados

13

14 capacitação de técnicos para serem instrutores ou supervisores do PCT – o percentual de acertos do treinando com o enfermeiro de referência será de no mínimo 80%. Considerar como “acertos” as leituras que forem coincidentes ou diferentes 1 e 2mm do enfermeiro de referência com o treinando. Considerar como "erro" as leituras diferentes de 3mm e mais do enfermeiro de referência com treinando.

15 Obrigada !


Carregar ppt "TRABALHO DE CAMPO- PRINCIPAIS ESTRATEGIAS Enf. Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira Capacitação nas técnicas de aplicação e leitura da prova tuberculínica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google