A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PEDAGOGIA: INTERLOCUÇÕES ENTRE FORMAÇÃO, SABERES E PRÁTICAS Selma Garrido Pimenta Prof. Titular Pesquisadora do GEPEFE – FEUSP IV FONAPE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PEDAGOGIA: INTERLOCUÇÕES ENTRE FORMAÇÃO, SABERES E PRÁTICAS Selma Garrido Pimenta Prof. Titular Pesquisadora do GEPEFE – FEUSP IV FONAPE."— Transcrição da apresentação:

1 PEDAGOGIA: INTERLOCUÇÕES ENTRE FORMAÇÃO, SABERES E PRÁTICAS Selma Garrido Pimenta Prof. Titular Pesquisadora do GEPEFE – FEUSP IV FONAPE – BH setembro 2011

2 TESE – PROPOSTA ESTÁGIO EIXO ARTICULADOR DOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

3 TEXTO 1 PIMENTA, FRANCO & LIBÂNEO, PEDAGOGIA, formação de professores – e agora? (problemas decorrentes das DCNP/2006). In: ANAIS do XV ENDIPE. BH

4 JUSTIFICATIVA COMPROMISSO COM A QUALIDADE DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM NA ESCOLA PÚBLICA

5 O pacote do BM e o modelo educativo subjacente à chamada “melhoria da qualidade da educação para os setores sociais mais desfavorecidos” está, em boa medida, reforçando as condições objetivas e subjetivas que contribuem para produzir ineficiência, má qualidade e desigualdade no sistema escolar. Rosa Maria Torres No livro Banco Mundial e as políticas educacionais, p. 127

6 Um sistema de ensino que substituiu a aprendizagem na sala de aula pela avaliação do rendimento escolar em escala. A divulgação dos dados quantitativos esconde mecanismos internos de exclusão ao longo do processo de escolarização.

7 A ESCOLA QUE SOBROU PARA OS POBRES Universalização do acesso, mas em prejuízo da qualidade Inversão das funções da escola: do direito à aprendizagem e ao conhecimento, às necessidades “mínimas” de aprendizagem para a sobrevivência.

8 A ESCOLA QUE SOBROU PARA OS POBRES Uma escola sem conteúdo e com um arremedo de acolhimento social e socialização (escola de tempo integral?) O que apareceu como “novo padrão de qualidade” virou um arremedo de qualidade. Aumentou a exclusão dentro da escola, antecipando a exclusão na vida social.

9 e O QUE O CURSO DE PEDAGOGIA TEM A VER COM ISSO?

10 O QUE DIZEM AS PESQUISAS GATTI & BARRETO – LIBÂNEO, J.C. – LEITE & LIMA

11 PROPOSTA TRANSFORMAR urgentemente O CURSO DE PEDAGOGIA EM LICENCIATURA PARA FORMAR PROFESSORES para a EDUCAÇÃO de CRIANÇAS de 0 a 11 ANOS.

12 Curso de Formação de Professores para crianças de 0 a 11 anos Necessidade URGENTE de tomar o ENSINO como prática social que se realiza nas ESCOLAS PÚBLICAS como PONTO DE PARTIDA e PONTO DE CHEGADA Dos cursos de formação de professores para a educação de 0 a 11 anos.

13 Curso de Formação de Professores para crianças de 0 a 11 anos Necessidade URGENTE de PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EXPLICÍTO para essa formação. Necessidade URGENTE de colocar o ESTÁGIO como articulador desse processo formativo.

14 Curso de Formação de Professores para crianças de 0 a 11 anos Necessidade urgente de projeto curricular que coloque a didática, as disciplinas de conteúdos específicos, articuladas com as metodologias de ensino Necessidade urgente de focar no ensino e nas escolas as contribuições das teorias educacionais.

15 Curso de Formação de Professores para crianças de 0 a 11 anos Valorização da docência Valorização da PESQUISA ESPECÍFICA sobre APRENDIZAGENS e PRÁTICAS de sala de aula E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ESCOLARES NA escola pública

16 E para onde vai o curso de Pedagogia Primeiro, a LICENCIATURA em Formação de Professores para crianças de 0 a 11 anos; Depois, o bacharelado em Pedagogia para Licenciados em geral.

17 A TESE: ESTÁGIO = EIXO ARTICULADOR DA FORMAÇÃO Estágio como e com pesquisa supera dicotomia teoria e prática e contribui para formação de melhor qualidade de professores e pedagogos

18 Estágio comporta estatuto de campo de conhecimento: se produz na interação entre os cursos de formação e o campo social no qual de desenvolvem as práticas educativas. Por isso, pode se constituir em atividade de pesquisa. (e não ficar reduzido a atividade técnica)

19 Estágio: campo de conhecimento ENVOLVE estudos, análise, problematização, reflexão e proposição de soluções para o ensinar e o aprender.

20 Estágio: campo de conhecimento COMPREENDE reflexão sobre as práticas pedagógicas, o trabalho docente e as práticas institucionais, situados em contextos sociais, históricos e culturais.

21 Estágio: campo de conhecimento se justifica quando lembramos que os problemas encontrados na escola são janelas abertas para a reflexão e para a pesquisa.

22 Aspectos indispensáveis à construção do profissional docente: identidade; saberes; posturas. Eixo central e articulador nos cursos de formação;

23 ESTÁGIO como MEDIAÇÃO FORMADORES – FORMANDOS - PROFESSORES atentos aos nexos e relações que se estabelecem poderão realizar as articulações pedagógicas que os tornem sempre estagiários de novas experiências.

24 PINTO, Umberto de A. Pedagogia Escolar: coordenação pedagógica e gestão educacional. SP. Cortez Ed

25 PEDAGOGIA ESCOLAR Ao buscar entender o que é necessário para a melhoria do ensino público oferecido para a grande população brasileira, Umberto afirma que alguns consensos já foram possíveis a partir das pesquisas produzidas no meio acadêmico, embora comumente desconsideradas pelas políticas públicas.

26 PEDAGOGIA ESCOLAR... apontam que a mudança qualitativa das aprendizagens dos alunos passa pela formação dos professores, desde que articulada às condições de desenvolvimento profissional docente, e indicam também o papel decisivo que a equipe diretiva da escola assume neste processo de mudança.

27 PEDAGOGIA ESCOLAR As equipes diretivas das escolas são constituídas pelos coordenadores pedagógicos, diretores e vice- diretores, ou seja, os profissionais do ensino que atuam fora da sala de aula - os pedagogos escolares.

28 PEDAGOGIA ESCOLAR A Pedagogia Escolar refere-se à área da Pedagogia que estuda as questões relacionadas à educação escolar e às áreas de atuação dos pedagogos nas escolas.

29 ÁREAS ATUAÇÃO PEDAGOGO ESCOLAR A coordenação do trabalho pedagógico A direção escolar, A coordenação dos programas de desenvolvimento profissional dos educadores e A articulação da escola com a comunidade local. PINTO, Umberto.

30 REFERÊNCIAS PIMENTA & LIMA, Estágio e Docência. SP. Cortez Ed (6ª. Ed.) PIMENTA. Pesquisa-ação crítico- colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências na formação e na atuação docente. In: Pesquisa em educação: alternativas investigativas com objetos complexos. PIMENTA & FRANCO (orgs.). São Paulo (2ª. Ed.).

31 REFERÊNCIAS PIMENTA, FRANCO & LIBÂNEO, PEDAGOGIA, formação de professores – e agora? (problemas decorrentes das DCNP/2006). In: ANAIS do XV ENDIPE. BH GATTI & BARRETO. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília. UNESCO

32 REFERÊNCIAS LIBÂNEO, J.C. O ensino da Didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de Pedagogia. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n.229. p , set/dez 2010.

33 REFERÊNCIAS LEITE & LIMA. Cursos de Pedagogia no Brasil: o que dizem os dados do INEP/MEC? In: Ensino em Revista. Uberlândia, v.17,n. 1. p. 6993, jan/jun PINTO, Umberto de A. Pedagogia Escolar: coordenação pedagógica e gestão educacional. SP. Cortez Ed


Carregar ppt "PEDAGOGIA: INTERLOCUÇÕES ENTRE FORMAÇÃO, SABERES E PRÁTICAS Selma Garrido Pimenta Prof. Titular Pesquisadora do GEPEFE – FEUSP IV FONAPE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google