A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Psicologia LABORATÓRIO DE NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Psicologia LABORATÓRIO DE NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Psicologia LABORATÓRIO DE NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Psicologia LABORATÓRIO DE NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Doutoranda: Maria Isabel Santos Pinheiro Colaboradoras UFMG: Flávia N. Almeida, Larissa Salvador, Mariana Pêsso, Amanda Malta Colaboradores APAE: Idelino A. B. Júnior, Luciene C. Cavalhais; Marly A. R. Costa, Patrícia Valadares Orientador: Prof. Dr. Vitor Geraldi Haase Análise dos efeitos da capacitação de profissionais vinculados à instituição de ensino especial na condução de um Programa de Treinamento de Pais

3 APOIO FINANCEIRO

4 O USO DO TREINAMENTO DE PAIS COMO TECNOLOGIA ASSISTIVA NA PROMOÇÃO DE COMPORTAMENTO ADAPTATIVO E QUALIDADE DE VIDA DOS PAIS E EDUCANDOS DA APAE-BH

5 O termo “Tecnologia Assistiva” é utilizado para identificar todos os recursos ou serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e, consequentemente, promover uma maior independência de vida.

6 Comportamento adaptativo diz respeito ao conjunto de habilidades sociais, habilidades práticas e habilidades conceituais utilizadas pelo indivíduo para responder às exigências do seu dia-a-dia.

7 QUALIDADE DE VIDA A COMPREENSÃO MULTIDIMENSIONAL ENVOLVE DIMENSÕES QUE REFLETEM Valores positivos e experiências de vida Ampliar pensamentos e ações (construto QV seja agente de troca social) Possibilidade de participação nas decisões que afetam suas vidas

8 O desenvolvimento e utilização de técnicas de modificação do comportamento aplicados a diversos tipos de distúrbios neuropsiquiátricos é um importante avanço no sentido de melhorar a competência e a qualidade de vida tanto de pacientes quanto de familiares.

9 O Treinamento de Pais, é uma metodologia de trabalho colaborativo que visa capacitar os pais a promover o desenvolvimento mais adaptativo possível de seus filhos.

10 CONSIDERAÇÕES ATUAIS PARA O EXERCÍCIO DA PARENTAGEM DE INDIVÍDUOS COM TD Avanços no diagnóstico, prevenção e terapias Caracterização do fenótipo cognitivo e comportamental Investigação do impacto sobre a funcionalidade e participação social Aperfeiçoamento das técnicas psicoeducacionais e de modificação doo comportamento

11 PAIS Processo de psicoeducação PAIS Técnicas de modificação de comportamento Promover Conhecimento características funcionais do filho; Aprendizagem apropriada; Aprendizagem no contexto natural; Empoderamento da família (stress, expectativas, decisões) O papel exercido pelo pai é fundamental na circunstância do TD

12 CONCEITOS-CHAVES QUE EMBASAM OS PTP Habilidades Sociais Educativas Disciplina não-coerciva Pedagogia do incentivo Estilo Disciplinar Competente Preservação da Autoridade Estrutura Familiar Hierárquica

13 HABILIDADES SOCIAIS Comportamentos sociais que contribuem para a competência social e facilitam relacionamentos saudáveis. (Del Prette & Del Prette 2005) HABILIDADES SOCIAIS EDUCATIVAS Comportamentos sociais dos pais, intencionalmente voltados para o desenvolvimento e a aprendizagem do filho em situação formal ou informal.

14 A criança pode passar a obedecer Os pais resolvem ceder O ciclo pode se repetir de 1 a 3 vezes Quando a criança continua desobedecendo Os pais ameaçam A criança pode continuar desobedecendo Outras interações O ciclo pode se repetir de 3 a 6 vezes A criança pode obedecer Quando os pais dão uma ordem: A criança pode não obedecer Os pais repetem a ordem Punição ? Disciplina não-coerciva Ciclo vicioso de interações coercivas

15 Pedagogia do Incentivo A CRIANÇA DESENVOLVE A QUALIDADE ELOGIADA

16 Presente Ausente Presente Competente Indulgente Ausente Autoritário Negligente Controle Envolvimento Estilo Disciplinar Competente Classificação bidimensional

17 Preservação da Autoridade O conflito causa estresse O conflito desgasta a autoridade O conflito afasta a criança/filho do pai

18 Estrutura Familiar Hierárquica Organização hierárquica Unidade do casal Diálogo Metas para o futuro

19 PROCEDIMENTOS MAIS UTILIZADOS ABC do Comportamento Análise Funcional do Comportamento Happy Hour ou Recreio Especial Happy Hour ou Recreio Especial Reforçamento Diferencial Treino de Obediência e Treino de Independência Treino de Obediência e Treino de Independência Aprendizagem sem erro - DTT

20 MODELO DAS RELAÇÕES CAUSAIS QUE EMBASA A ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Modelo utilizado em neuropsicologia do desenvolvimento O que antecede determinado comportamento problema Antecedente Qual/como é o comportamento problema Comportamento Qual a consequência que aquele comportamento tem trazido Consequente

21 ANÁLISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO

22 Recreio Especial Happy Hour

23 Reforçamento Diferencial Tipo de reforçamento em que algumas respostas são escolhidas para serem reforçadas e outras não.

24 TREINO DE OBEDIÊNCIA E INDEPENDÊNCIA Incentivar o bom comportamento Ignorar o mau comportamento Não perder a oportunidade de elogiar a criança por qualquer comportamento que se aproxime do desejado. Perder toda e qualquer oportunidade de entrar em conflito por questões menores.

25 Aprendizagem sem erro Discrete Trial Teaching - DTT O ensino por tentativas discretas tem o formato estruturado, comandado pelo (professor, pai, ou mediador) e caracteriza-se por dividir sequências complicadas em passos muito pequenos ou ”discretos” (separados) ensinados um de cada vez durante uma série de “tentativas” (tirals), junto com reforçamento positivo e o grau de ajuda (pronpting) que for necessário para que o objetivo seja alcançado.

26 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Psicologia LABORATÓRIO DE NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Doutoranda: Maria Isabel Santos Pinheiro Colaboradoras UFMG: Flávia N. Almeida, Larissa Salvador, Mariana Pêsso, Amanda Malta Colaboradores APAE: Idelino A. B. Júnior, Luciene C. Cavalhais; Marly A. R. Costa, Patrícia Valadares Orientador: Prof. Dr. Vitor Geraldi Haase Análise dos efeitos da capacitação de profissionais vinculados à instituição de ensino especial na condução de um Programa de Treinamento de Pais

27 OBJETIVOS Objetivo Geral Avaliar os efeitos da capacitação de um grupo de profissionais da educação na condução de um PTP em grupo e seus resultados na modificação do comportamento de alunos matriculados na APAE- BH. Objetivos Específicos Elaborar, com base na literatura atual, um PTP para ser utilizado na APAE – BH. Elaborar material para apoio visual – vídeo-clip. Treinar, à partir de cursos e seminários, os profissionais da instituição para conduzir o PTP. Elaborar MANUAL de apoio e consulta com modelos de procedimentos e termos mais utilizados na área da psicologia cognitiva e comportamental. Avaliar os efeitos do programa na modificação do comportamento dos alunos.

28 INSTRUMENTOS Vineland Sparrow, S., Balla, D. A., & Ciccheti, D. É uma escala descrita para avaliar de comportamento adaptativo da indivíduos com dificuldade de aprendizagem ou suspeita de RM. CHQ – PF50 – Chid Health Questionnaire : Questionário de saúde da Criança, avalia bem estar do filho. Inventário de Estilos Parentias – IEP. Gomide, P. I. C., (2006). Modelo teórico, Manual de Aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Editora Vozes SNAP – IV: avalia sintomas de transtorno do déficit de atenção/hiperatividade e sintomas de transtorno desafiador e de oposição. Matrizes Progressivas de Raven: avalia aspectos importantes do potencial intelectual. Raven adulto (pré treinamento) Análise funcional do comportamento.

29 BASE TREINAMENTO DE PAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL video clip ABC DO COMPORTAMENTO HABILIDADES SOCIAIS EDUCATIVAS - RECREIO DISCRETE TRIAL TEACHING DTT APRENDIZAGEM SEM ERRO

30 TRES SESSÕES INICIAIS Bloco a - Disciplina não coerciva - Habilidades sociais educativas parentais - Desenvolvimento do vínculo afetivo - Paternidade positiva -Identificação/reconhecimento de sucessos alcançados pela criança na medida de suas possibilidades -Estimulação e apoio da aprendizagem adaptadas às características da criança, - Relação inicial com a escola - Na terceira sessão do Bloco 1, inicia-se os contatos com o ABC do comportamento identificando detalhadamente fatores que contribuem para a aprendizagem comportamental. DUAS SESSÕES INTERMEDIÁRIAS Bloco b - Teoria dos 5 fatores que contribuem no formato comportamental da criança. - Terias explicativas da aprendizagem comportamental- ABC do comportamento - Análise funcional do comportamento. - Início de programa para modificação de comportamento TRES SESSÔES FINAIS Bloco c - Trabalha a tarefa da semana anterior como instrumento paraidentificar a relação de tríplice contingência -Bases para a modificação do comportamento. Utilizar as informações anteriores para orientar tarefas de mudanças comportamentais objetivando: 1.manejo de comportamento desadaptativo 2.aprendizagem de novas competências Obs.: capacitar os pais no controle de comportamentos disfuncionais e aquisição novas habilidades utilizando DDT. APOIO: Manual Video clip PROGRAMA - APAE - Sessões- Bloco a/b/c

31 TUTORIAL - esquema PROGRAMA 8 SESSÕES Habilidades Sociais Educativas Parentais Utilização da disciplina não coerciva ABC do comportamento Manejo do comportamento Possíveis efeitos da punição ESTRUTURA DA SESSÃO PROCEDIMENTOS DE INTERVENÇÃO Chama pelo nome Demonstra atenção à fala do pai/mãe Usa adequada e corretamente componentes não verbais (contato visual, expressão facial, sorrisos, postura, gestualidade, distância-proximidade) Conduz atividade de aquecimento Usa corretamente componentes paralinguisticos (volume voz, velocidade fala, latência, pausas) Apresenta consequências positivas imediatas (elogios, valorização da resposta, manejo da cabeça, sorrisos) Utiliza expressões de civilidade (por favor, obrigada, desculpas) Faz perguntas Estimula participação Retoma pontos importantes Faz perguntas específicas Pergunta sobre descrição do comportamentos de casa Pergunta sobre sentimentos envolvidos Pergunta sobre possíveis consequências da reação Solicita elaboração de estratégias para melhorar Arranjar ambiente Conduzir atividade de aquecimento Retomar da sessão anterior Abordar a tarefa de casa Conduzir o Passo Propor tarefa de casa

32 Análise de Resultados Atendimento Individual conduzido por profissional da APAE - BH

33 NOME: CM Idade: 27 anos Diagnóstico: Autismo - RM

34 Breve relato Sexo: masculino Diagnóstico: (Autismo/Retardo Mental). Os pais queixam resistência do filho para aproximar de escada. Pais têm que arrastar o filho até o meio da escada onde desce independente. Sobe naturalmente a escada. Principais procedimentos utilizados: Aproximação Sucessiva, Reforço positivo

35 PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS UTILIZADOS

36 1Evita a escada, hall da escada (realiza movimento no sentido de distanciar da escada) 2Manter no mesmo hall, evitando olhar para escada 3Mantém no hall (de frente para escada) 4Aproxima espontaneamente da escada (arrastando) 5Aproxima espontaneamente da escada (caminhando) 6Desce a escada de forma espontânea e independente Escala ORDINAL para o comportamento aproximar da escada 1Não realiza a tarefa 2Realiza parte da tarefa 3Realiza totalmente a tarefa Realização (pelo pai/mãe) da atividade proposta para casa

37 Queixa: Desvia o olhar da escada, Evita a escada; Realiza movimento no sentido contrário quando é solicitado que aproxime da escada; Exige força física dos pais para aproximar e descer a escada; SessãoPrograma para semanaAtividade pai/mãeComportamento filho 1 Permitir que os pais o conduza no sentido que aproximar da escada com menor exigência física por parte dos pais 2.Realiza parte da tarefa1. Evita a escada 2 Permitir que os pais o conduza no sentido que aproximar da escada com menor exigência física por parte dos pais 2.Realiza parte da tarefa1. Evita a escada 3 Permitir que os pais o conduza no sentido que aproximar da escada com menor exigência física por parte dos pais; UTILIZAR PAPEL COMO ESTÍMULO 3. Realiza totalmente a tarefa1. Evita a escaca 4 Aproximar sucessivamente o papel da escada para ele aproxime da escada 3. Realiza totalmente a tarefa4. Aproxima arrastando 5 Aproximar sucessivamente o papel dos degraus da escada para que ele aproxime 3. Realiza totalmente a tarefa4. Aproxima arrastando 6 Aproximar sucessivamente da escada para pegar papel. Atender comando verbal dos pais para sair do quarto 3. Realiza totalmente a tarefa5. Aproxima caminhando 7 Aproximar sucessivamente da escada para pegar papel – degrau da escada 3.Realiza totalmente a tarefa 4. Aproxima da escada não vê o papel 8 Aproximar sucessivamente da escada para pegar papel – corre-mão 3. Realiza totalmente a tarefa5. Aproxima caminhando

38 COMPORTAMENTO DE DESCER A ESCADA

39 OBRIGADA!


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Psicologia LABORATÓRIO DE NEUROPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google