A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Terminologia e Linguística Documentária Linguística Documentária Profa. Marilda L. G. de Lara.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Terminologia e Linguística Documentária Linguística Documentária Profa. Marilda L. G. de Lara."— Transcrição da apresentação:

1 Terminologia e Linguística Documentária Linguística Documentária Profa. Marilda L. G. de Lara

2 Prólogo – Sager Acordo geral – as terminologias, ou seja, as palavras e frases utilizadas no discurso especializado constituem um elemento da linguagem de crescente importância. A terminologia constitui, para os especialistas, o vocabulário essencial para uma comunicação eficaz.

3 Prólogo – Sager Desacordos Público especializado Grande públicoPara muito poucos... Vocabulário essencial para comunicação eficaz. Jargão para enganar, confundir e impressionar com conhecimentos superiores; Uma linguagem arcaica que protege os mistérios do saber. Uma das chaves do progresso que permite o acesso ao mundo das ciências e das técnicas.

4 Prólogo – Sager A razão de ser das terminologias Facilitar a comunicação entre os especialistas e o público profano, superando assim os obstáculos terminológicos criados pelos contatos entre línguas.

5 Prólogo – Sager Dificuldades da terminologia Existe uma ignorância perdoável, que consiste em não ter consciência do pouco que sabemos sobre o que é a informação e sobre a complexidade de qualquer processo de comunicação.

6 Prólogo – Sager Até os dias atuais a Terminologia não é estudada como disciplina autônoma porque considera-se a mesma como parte de uma língua.

7 Prólogo – Sager A terminologia, assim como o conhecimento de línguas estrangeiras (francês, inglês, alemão, etc.) é considerada como uma segunda língua, já que a mesma necessita da língua materna (no caso, o português) para se expressar. Português – língua materna (primeira língua) Terminologia médica – segunda língua Francês – segunda língua

8 Prólogo – Sager Ou seja, de modo mais simplificado, podemos dizer que a definição em uma linguagem de especialidade é sempre realizada com base na metalinguagem (português).

9 Prólogo – Sager Um dos problemas enfrentados pelos profissionais de diversas áreas do conhecimento é que, em seus cursos não estão incluídas disciplinas de aprendizado da linguagem específica. Por exemplo, o engenheiro tem muitas disciplinas de ciências exatas, porém não tem uma que faça o estudante aprender e dominar a linguagem da área.

10 Prólogo – Sager As deficiências na formação dos especialistas podem ser explicadas por uma concepção errônea que trata de modo separado a linguagem e as matérias de especialidade, ou, mais concretamente, que separa o conhecimento de sua forma de expressão apropriada.

11 Prólogo – Sager Há necessidade de admitir que o especialista não tem consciência da linguagem que adquire, e portanto não pode antecipar os possíveis obstáculos que podem surgir na comunicação com especialistas de outras matérias ou com o grande público.

12 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem Quando crianças aprendemos nossa língua materna de forma automática e progressiva, com ajustes subconscientes de acordo com nossas necessidades e capacidade mental, e com diferentes orientações segundo certas condições psicológicas.

13 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem A língua aprendida desta maneira, por uma criança ou um adulto analfabeto, pode ser chamada de língua geral ou materna, já que serve a um grande número de necessidades cotidianas de comunicação e expressão.

14 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem Já na escola secundária, aprendemos a separar a física da química e da biologia, e mais adiante aprendemos a subdividir essas matérias gerais em matérias específicas, como a zoologia, a botânica, ou, a química orgânica da inorgânica. Desta maneira aprendemos a linguagem apropriada para falar de física ou de química, que é como aprender uma segunda língua.

15 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem Segunda língua Biologia Física Francês Inglês

16 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem Ao superar a visão unitária do mundo e da língua de nossa infância, à medida que avança nossa sofisticação social e intelectual, o mundo vai se dividindo em compartimentos, cada um com sua linguagem correspondente. À essa superação corresponde maior fragmentação do mundo, fragmentação essa que ocorre também na linguagem.

17 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem A primeira língua, ou língua materna, serve como metalinguagem. A primeira língua se aprende por imitação; A segunda língua se aprende e se ensina através da primeira. Explica-se, descreve-se, parafraseia-se conceitos na primeira língua. Depois disso, consegue-se dar uma definição formal e designações terminológicas numa segunda língua.

18 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem Ensinamos o significado de uma palavra técnica, de um termo, do mesmo modo que ensinamos o significado de uma palavra inglesa ou francesa, por exemplo. Por meio da repetição deste processo é que se constitui todo um sistema de designações especiais, uma terminologia que constitui a essência do vocabulário da segunda língua, sendo que esta permanece sempre acessível através da primeira.

19 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem É lamentável que a maioria dos estudantes e professores não se deem conta da interação entre essas duas línguas.

20 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem O estudo da terminologia pressupõe o rechaço da concepção de uma língua como um instrumento unitário multifuncional e a aceitação, em troca, de uma concepção da língua como um conjunto de diversas linguagens de vários graus de especificidade.

21 Prólogo – Sager Aquisição da linguagem Ninguém domina toda a matéria de uma determinada área. Sendo assim, também não domina todo o vocabulário desta área. Podemos dizer então, que cada pessoa tem um domínio parcial de seu idioma, e que este domínio está determinado por sua educação, seu nível cultural, sua profissão, sua procedência geográfica, etc.

22 Prólogo – Sager Proposição de Terminologia Estudar uma matéria equivale a aprender as linguagens desta matéria.

23 Prólogo – Sager Porém, existem vários níveis de compreensão para este aprender uma matéria. Exemplo: tradutores e intérpretes, sem serem especialistas de uma matéria, compreendem os textos especializados a ponto de poder reexpressá-los em outro idioma, apesar de não serem capazes de construir pontes, de produzir automóveis ou de analisar substâncias químicas.

24 Prólogo – Sager Neste ponto pode-se concluir que tradutores, intérpretes, documentalistas e terminólogos desempenham uma posição de ponte entre a linguagem e as matérias de especialidade, ou seja, entre o conteúdo e o instrumento. Estes profissionais conhecem a linguagem da matéria, mas não conhecem a matéria como conhecem os especialistas.

25 Prólogo – Sager A exploração da ideia de diversos níveis do saber aproxima a terminologia da psicolinguística e da ciência cognitiva.

26 Prólogo – Sager Se distinguimos níveis de compreensão de uma matéria também é útil distinguir entre os níveis de linguagem. Assim teríamos: 1. Linguagem que existe somente na forma escrita (ex.: símbolos da matemática; fórmulas químicas); 2. Linguagem escrita e falada com variações segundo seus interlocutores; 3. Linguagens usadas pelos especialistas para comunicarem-se entre si; 4. Linguagens que os especialistas usam para comunicar-se com interlocutores menos especializados, ou para comunicar-se com especialistas de outras matérias; 5. Linguagens diferentes do discurso científico e do discurso técnico, e entre o discurso de divulgação e o discurso didático; 6. Linguagens que os especialistas usam para se comunicar com o público geral.

27 Prólogo – Sager Corrigindo a primeira proposição Conhecer uma matéria equivale a ter um domínio de parte das linguagens desta matéria; dominar as linguagens de uma matéria equivale a ter certa compreensão da matéria

28 Prólogo – Sager O estudo da terminologia É complexo porque deve satisfazer 3 inquietudes distintas: 1. A dos especialistas da matéria; 2. A do público geral; e, 3. A dos mediadores da comunicação.

29 Prólogo – Sager O conhecimento é incompleto sem uma introdução à ferramentas existentes para resolver problemas de comunicação como são os dicionários e tesauros (impressos e eletrônicos), os bancos de dados terminológicos e outros instrumentos que facilitam a comunicação mono e multilingue.

30 Prólogo – Sager Os trabalho de Maria Teresa Cabré e sua trajetória docente e organizadora tem permitido ver a necessidade de apresentar a terminologia como uma preocupação que afeta todos os aspectos da informação e da comunicação, bem como de encontrar um nível de expressão capaz de chegar a um público diverso.

31 Linguística Documentária O termo Linguística Documentária foi originalmente proposto por García Gutierrez (1990) a partir do pressuposto de que os problemas relacionados à informação são problemas de linguagem.

32 Linguística Documentária No interior da Ciência da Informação, a Linguística Documentária constitui um campo de estudos que se propõe a observar os problemas que caracterizam a linguagem documentária como uma forma específica de linguagem inscrita no universo da linguagem geral. Esse é um dos motivos que explica o fato da Linguística Documentária recorrer à Terminologia (teórico-metodológica e concreta).

33 Terminologia A Terminologia desenvolve reflexões teóricas sobre suas bases conceituais, como metodologias de trabalho. Seus objetivos aplicados se relacionam à observação dos discursos especializados nas áreas do saber ou de atividade, visando principalmente a construção de dicionários e glossários especializados. Funcionalmente, a Terminologia é veículo de conhecimento, aspecto importante para a descrição e recuperação da informação.

34 Terminologia e LD A Terminologia modeliza o conhecimento como campo nocional; a linguagem documentária, modeliza a informação para construir sistemas informacionais.

35 Terminologia e LD O diálogo entre a Terminologia e a Linguística Documentária se realiza no plano teórico e metodológico, não se restringindo, portanto, ao empréstimo pontual dos termos utilizados nas áreas do saber ou de atividade. Do ponto de vista da Linguística Documentária, a organização e representação da informação requer, necessariamente, a integração sistemática e articulada do vocabulário de especialidade.

36 Terminologia e LD Trata-se de uma apropriação que obedece, também, a critérios documentários: tornar próprio um conhecimento se traduz como atitude que orienta a pesquisa para a interdisciplinaridade enquanto categoria de ação, cujos resultados prevêem a reorganização dos conceitos sob a ótica das práticas documentárias. O processo não é simples e sua sedimentação depende, também, da experimentação prática.

37 Referências SAGER, J. C. La terminología: puente entre varios mundos. In: CABRÉ, M. T. La terminología: teoria, metodología e aplicaciones. Barcelona: Antártida; Empúria, p. 11 – 17. LARA, M. L. G. de; TÁLAMO, M. de F. G. M. Uma experiência na interface Linguística Documentária e Terminologia. Datagramazero – Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 8, n. 5, out./2007. Disponível em:. Acesso em: 18 maio 2011.


Carregar ppt "Terminologia e Linguística Documentária Linguística Documentária Profa. Marilda L. G. de Lara."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google