A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE: NOVOS DESAFIOS Maria Bernadete de Paula Eduardo SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO 30 de março.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE: NOVOS DESAFIOS Maria Bernadete de Paula Eduardo SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO 30 de março."— Transcrição da apresentação:

1 SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE: NOVOS DESAFIOS Maria Bernadete de Paula Eduardo SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO 30 de março de 2007 Ribeirão Preto, SP HA DDT

2 ASPECTOS HISTÓRICOS - SPP 1875: registro de 3 possíveis casos na literatura francesa 1875 – 1980: cerca de 35 artigos com descrição de 200 casos. 2002: primeira descrição das características clínicas da SPP no Brasil – estudo com 52 pacientes (Oliveira, ASB) 2005 – estudo com 167 pacientes (64 do sexo masculino e 103 do sexo feminino, com idades na faixa de 14 a 72 anos) (Quadros, AAJ et al.) Estudo na UNIFESP acompanha cerca de 400 pacientes com SPP, 80% procedentes do ESP. Seminários realizados pelo CVE sobre a SPP:

3 Causa da SPP: hipótese mais aceita é a de que a SPP é causada pelo uso excessivo dos neurônios motores ao longo dos anos (overuse). O vírus pode danificar até 95% dos neurônios motores do corno anterior da medula, matando pelo menos 50% deles, deixando os músculos na área de atuação sem inervação, provocando paralisia e atrofia. Os neurônios remanescentes, ainda que danificados, compensam o dano enviando ramificações para ativar esses músculos órfãos com recuperação da função neuromuscular, parcial ou totalmente. Um único neurônio pode lançar derivações para conectar 5 a 10 vezes mais neurônios do que fazia originalmente. Um neurônio inerva um número muito maior de fibras neuromusculares do que ele normalmente faria, restabelecendo a função motora; porém, sobrecarregado, após muitos anos de estabilidade funcional, começa a se degenerar surgindo o novo quadro sintomatológico. SPP – a doença

4 SPP – Dados estatísticos A incidência e prevalência da SPP são desconhecidas no mundo e no Brasil. Estima-se a existência de 12 milhões de pessoas em todo o mundo (OMS) com algum grau de limitação física causada pela poliomielite. Cerca de 70% dos sobreviventes da poliomielite desenvolvem a SPP (estimativas). Dados dos Estados Unidos apontam para a existência de cerca de 1 milhão de sobreviventes naquele país, dos quais mais de sofreram paralisias que resultaram em diferentes graus de limitações motoras.

5 O diagnóstico clínico da SPP é feito por exclusão, diferenciando-se de outras doenças neurológicas, ortopédicas ou psiquiátricas que podem apresentar quadro semelhante. Critérios que fundamentam o diagnóstico: –1) confirmação de poliomielite paralítica prévia com evidência de perda de neurônio motor, através de história de doença paralítica aguda, sinais residuais de atrofia e fraqueza muscular ao exame neurológico e sinais de desenervação na eletroneuromiografia; –2) período de recuperação funcional, parcial ou completa, seguido por um intervalo (15 anos ou mais, em média 40 anos) de função neurológica estável; –3) início de novas complicações neurológicas: uma nova e persistente atrofia e fraqueza muscular; –4) Os sintomas persistem por mais de um ano; –5) exclusão de outras condições que poderiam causar os novos sinais e sintomas SPP - Diagnóstico

6 SPP – Prevenção e tratamento Prevenção da SPP: deve ser iniciada na fase da poliomielite aguda, evitando-se atividade física intensa. A recuperação se embasa em fisioterapia, com exercícios de resistência a atividade aeróbica, que podem permitir uma reinervação compensatória. Tratamento da SPP: –tratamento da fraqueza muscular com exercícios de aeróbica e resistência, de pouca carga –evitar o supertreinamento e a fadiga –fazer hidroterapia em piscinas aquecidas e temperatura controlada –exercícios localizados, gelo e compressas quentes para a dor –órteses específicas, anti-inflamatórios não hormonais e acupuntura –Em casos de fibromialgia, depressão e ansiedade são administrados medicamentos orais antidepressivos –Na presença de anormalidade das articulações e tecido mole deve haver modificação no uso da extremidade e órteses. –Nas anormalidades do sono, utilizam-se equipamentos apropriados para evitar a apnéia do sono –Na disfagia, orientação fonoaudilógica, nutricional e consistência de alimentos. –Acompanhamento ortopédica permanente –Programas de reabilitação com assistência a problemas físicos e acompanhamento psicoterápico/psicossocial.

7 Poliomielite: não erradicada no mundo - endêmica e epidêmica em países da África, Ásia e Oriente Médio. Sobreviventes da poliomielite – além das seqüelas, o acometimento pela SPP Importância epidemiológica

8 Condições para Vigilância ou Monitoramento de Doença:Condições para Vigilância ou Monitoramento de Doença: Diagnosticável:Diagnosticável: –Existência de meios diagnósticos Qualidade da assistência:Qualidade da assistência: –Capacidade de diagnosticar –Prestar atendimento adequado ao pacientes – Monitoramento e suporte ao paciente

9 Importância epidemiológica Prevenção da Poliomielite – VE das Paralisias Flácidas:Prevenção da Poliomielite – VE das Paralisias Flácidas: –Notificação Imediata de todo caso de PFA em menores de 15 anos: conscientização dos profissionais médicos de que a Pólio não foi erradicada no mundo. – Aumentar a Taxa de Coleta de Amostras de Fezes (Teste Poliovírus) – meta: todo o caso de PFA em < 15 anos. –Coberturas vacinais da vacina oral > 95%. –Melhorar a qualidade do preenchimento da Ficha SINAN. –Controle vacinal de migrantes de/para áreas endêmicas/epidêmicas.

10 èMonitoramento da Síndrome Pós-Poliomielite èDivulgação da síndrome entre os médicos com divulgação do CID provisório – G96.8, a ser utilizado até a classificação definitiva. èImplantação de formulário específico para registro dos casos/monitoramento (unidades neurologia/neuromuscular e outras que concentram atendimento aos casos – unidades de referência, centros universitários, etc.). èDivulgação de estudos e material técnico como subsídio ao conhecimento da doença e aos órgãos responsáveis pela atenção à síndrome. èMelhoria das atenção médica aos portadores da SPP.

11 CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MÊS |____|____| ANO __________ REGISTRO MENSAL DE CASOS DE SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE - SPP MUNICÍPIO: _____________________________ GVE: ______________________ SERVIÇO DE SAÚDE:_____________ Nº Ord. Data do No me do Nome da Ida de Dat a Nas cime nto SexoSexo Endereço Completo Atual Ano de início da Poliomielite Serviço de Saúde que diagnosticou Município e Estado onde residia Estado vacinal na época de início da Pólio Data do Atend iment o Pa cie nte Mãea PoliomieliteDiagnóstic o da SPP OBSERVAÇÕE S CID 10 – G96.8

12 Campos do formulário: Data do Atendimento Nome do paciente Nome da Mãe Idade,Data Nascimento e Sexo Endereço Completo Atual Ano de início da Poliomielite Serviço de Saúde que diagnosticou a Poliomielite Município e Estado onde residia Estado vacinal na época de início da Pólio Data do Diagnóstico da SPP OBSERVAÇÕES

13 Fluxo de envio - Mensal Formulário REGISTRO DE CASOS DE SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE UNIDADE NEUROMUSCULAR/ORTOPEDIA/OUTROS 5º dia do mês subsequente ao informado VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO MUNICÍPIO 10º dia do mês subsequente ao informado DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR/CVE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA REGIONAL 15º dia do mês subsequente ao informado (envio , planilha em excel)

14 Poliomielite nunca mais! OBRIGADA!


Carregar ppt "SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE: NOVOS DESAFIOS Maria Bernadete de Paula Eduardo SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO SIMPÓSIO REGIONAL DE IMUNIZAÇÃO 30 de março."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google