A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 Conceitos Logísticos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 Conceitos Logísticos."— Transcrição da apresentação:

1 LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 Conceitos Logísticos

2 CONCEITO DE LOGÍSTICA É uma evolução do planejamento É uma evolução do planejamento e das estratégias militares, e das estratégias militares, do uso dos recursos disponíveis do uso dos recursos disponíveis para alocar tropas nas frentes de para alocar tropas nas frentes de batalha e supri-las de armazenamentos, batalha e supri-las de armazenamentos, munições e alimentos. munições e alimentos. MARCILIO CUNHA

3 LOGÍSTICA Do francês LOGER Significa: suprir, abastecer. LOGÍSTIQUE derivou a palavraLOGÍSTICA

4 LOGISTIQUE SIGNIFICA O CONJUNTO DE AÇÕES E OPERAÇÕES NECESSÁRIAS AO ABASTECIMENTO DE TROPAS. SIGNIFICA O CONJUNTO DE AÇÕES E OPERAÇÕES NECESSÁRIAS AO ABASTECIMENTO DE TROPAS. PARTE INTEGRANTE DA ARTE MILITAR, JUNTO COM A E A. PARTE INTEGRANTE DA ARTE MILITAR, JUNTO COM A TÁTICA E A ESTRATÉGIA. MARCILIO CUNHA

5 LOGÍSTICA NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE ACERTO NO USO : CRISTÓVÃO COLOMBOCABRAL CRISTÓVÃO COLOMBO e CABRAL precisaram dimensionar a quantidade exata de víveres e o tamanho das tripulações para viagens que durariam meses, sem possibilidade de reabastecimento, ao longo desse tempo. MARCILIO CUNHA

6 LOGÍSTICA NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE GRAVE ERRO LOGÍSTICO :, ao contar com o reabastecimento das tropas NAPOLEÃO, ao contar com o reabastecimento das tropas pelo espólios conseguidos durante a invasão à RUSSIA, pelo espólios conseguidos durante a invasão à RUSSIA, ele acabou vendo seus exércitos derrotados pela fome ele acabou vendo seus exércitos derrotados pela fome e pelo frio. e pelo frio. As provisões foram queimadas pelos russos, que As provisões foram queimadas pelos russos, que abandonavam os campos invadidos antes que os abandonavam os campos invadidos antes que os soldados invasores chegassem. soldados invasores chegassem. MARCILIO CUNHA

7 LOGÍSTICA NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE ACERTO DE USO : O fato de NOÉ ter tido que terminar de construir a ARCA antes do dilúvio começar e, ao mesmo tempo, ARCA antes do dilúvio começar e, ao mesmo tempo, conseguir reunir animais de diferentes lugares. conseguir reunir animais de diferentes lugares. MARCILIO CUNHA

8 TRABALHO EM SALA DE AULA Responda as questões: Qual a logística aplicada para a construção da arca? Deus estabeleceu critérios para construção da arca? Noé construiu sozinho a arca? Qual a logística de suprimentos de materiais empregados na construção da arca? Para a construção da arca, como os materiais devem ter sido transportados até o local de construção da arca? Qual deve ter sido a logística para reunir e colocar os animais no interior da arca? Como será que as pessoas e animais sobreviveram os150 dias do dilúvio? Comentem mais algum detalhe que vocês possam ter observado em relação a logística na construção da arca.

9 LOGÍSTICA Em inglês : LOGISTICS Em inglês : LOGISTICS Teve um desenvolvimento extraordinário através das Teve um desenvolvimento extraordinário através das forças aliadas durante a segunda guerra mundial. forças aliadas durante a segunda guerra mundial.. Mobilizaram cientistas e pesquisadores das Universidades.. Desenvolvimento de modelos matemáticos complexos otimizando o sistema de produção e abastecimento de otimizando o sistema de produção e abastecimento de armazenamento. armazenamento. MARCILIO CUNHA

10 LOGÍSTICA - DEFINIÇÃO AMPLIADA É o método para colocar É o método para colocar o produto adequado, na hora certa, o produto adequado, na hora certa, na quantidade exata, no lugar correto, na quantidade exata, no lugar correto, ao menor custo possível. ao menor custo possível. MARCILIO CUNHA

11 LOGÍSTICA EM TODOS OS TEMPOS Todos esses eventos tem em comum: A gestão de recursos finitos. Limites escassos de tempo. Estrutura complexas. Soluções simples. MARCILIO CUNHA

12 LOGÍSTICA APLICADA Maximizar Posicionamento Competitivo : MARCILIO CUNHA Estratégias. Estratégias. Planejamento. Planejamento. Operação. Operação.

13 LOGÍSTICA APLICADA Maximizar Posicionamento Competitivo : Estratégias: Estratégias: a empresa decide como estruturar a a empresa decide como estruturar a Cadeia de Suprimento (Supply Chain). Cadeia de Suprimento (Supply Chain). determina a configuração e os processos determina a configuração e os processos de cada estágio a desempenhar na Cadeia de cada estágio a desempenhar na Cadeia de Suprimento. de Suprimento.

14 Estratégias: Estratégias: local. local. capacidade de produção. capacidade de produção. locais de armazenagem. locais de armazenagem. produtos fabricados. produtos fabricados. meios de transporte. meios de transporte. expedição de produtos. expedição de produtos. sistema de informação. sistema de informação. LOGÍSTICA APLICADA Maximizar Posicionamento Competitivo :

15 LOGÍSTICA APLICADA Maximizar Posicionamento Competitivo : Planejamento: Planejamento: definir um conjunto de políticas operacionais a definir um conjunto de políticas operacionais a curto prazo. curto prazo. estabelecer uma previsão de demanda para o estabelecer uma previsão de demanda para o ano seguinte em diferentes mercados. ano seguinte em diferentes mercados. decidir sobre os mercados a serem supridos. decidir sobre os mercados a serem supridos. locais e construção dos estoques, terceirização locais e construção dos estoques, terceirização da fabricação, políticas de reabastecimento e da fabricação, políticas de reabastecimento e estocagem a serem seguidas. estocagem a serem seguidas.

16 LOGÍSTICA APLICADA Maximizar Posicionamento Competitivo : Operação: Operação: administrar a carteira de pedidos individuais administrar a carteira de pedidos individuais de clientes em período semanal ou diário. de clientes em período semanal ou diário. implementar as políticas operacionais da implementar as políticas operacionais da melhor maneira possível. melhor maneira possível. distribuir os pedidos individuais para estoque distribuir os pedidos individuais para estoque ou produção. ou produção. determinar a data em que o pedido deverá ser determinar a data em que o pedido deverá ser atendido. atendido. explorar a redução da incerteza e otimizar o explorar a redução da incerteza e otimizar o desempenho dentro das restrições. desempenho dentro das restrições.

17 LOGÍSTICA EM TODOS OS TEMPOS a impossibilidade de erro. a impossibilidade de erro. a inexistência da hipótese a inexistência da hipótese de uma segunda tentativa. de uma segunda tentativa. MARCILIO CUNHA Fatores determinantes:

18 LOGÍSTICA O termo LOGÍSTICA começou a ser utilizado por empresas de países tecnologicamente avançados em meados do século XX. MARCILIO CUNHA

19 LOGÍSTICA AO FINAL DA GUERRA DÉCADA DE 50 NOS EUA : Expansão empresarial com a explosão mercadológica. mercadológica. Necessidade de novas técnicas de marketing Necessidade de novas técnicas de marketing e distribuição. e distribuição. Consolidação do varejo com muitas redes como Consolidação do varejo com muitas redes como J. C. PENNEY, SEARS, K-MART, sendo modelos J. C. PENNEY, SEARS, K-MART, sendo modelos para outros países. para outros países. MARCILIO CUNHA

20 LOGÍSTICA NA DÉCADA DE 60 ORIENTADA PARA DISTRIBUIÇÃO DE MERCADORIAS PELO SETOR DE MARKETING ORIENTADA PARA DISTRIBUIÇÃO DE MERCADORIAS PELO SETOR DE MARKETING. UTILIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E FERROVIÁRIO. UTILIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E FERROVIÁRIO. MARCILIO CUNHA

21 LOGÍSTICA NA DÉCADA DE 70 Fenômenos mundiais que mudaram a direção desse sistema : Fenômenos mundiais que mudaram a direção desse sistema : Crise do petróleo com elevação dos custos de transportes. custos de transportes. Início da era cibernética, com uso cada vez Início da era cibernética, com uso cada vez mais popular dos computadores. mais popular dos computadores. Invasão comercial japonesa acompanhada Invasão comercial japonesa acompanhada de inovações técnicas ( JUST-IN-TIME, KANBAN, de inovações técnicas ( JUST-IN-TIME, KANBAN, KAIZEN,QUALIDADE TOTAL ) KAIZEN,QUALIDADE TOTAL ) MARCILIO CUNHA

22 LOGÍSTICA NA DECADA DE 80 Explosão da micro – informática. O mundo começou suas grandes O mundo começou suas grandes transformações do século. transformações do século. A partir daí a vida nunca mais A partir daí a vida nunca mais seria como antes. seria como antes. MARCILIO CUNHA

23 LOGÍSTICA NOS ANOS 2000 SAI DE UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA UMA SAI DE UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA UMA EMPRESA PARA UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA EMPRESA PARA UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA RELAÇÕES ENTRE MUITAS EMPRESAS. RELAÇÕES ENTRE MUITAS EMPRESAS. MARCILIO CUNHA

24 EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO AO CLIENTE DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO MARCILIO CUNHA

25 CICLO EVOLUTIVO DA LOGÍSTICA ATÉ OS ANOS DÉCADA DE DÉCADA DE DÉCADA DE ATÉ OS ANOS DÉCADA DE DÉCADA DE DÉCADA DE / /2000 ERA DE ESPECIALIZAÇÃO BUSCA POR EFICIÊNCIA EFICÁCIA VANTAGEMCOMPETITIVASISTEMASDESINTEGRADOS INTEGRAÇÃOINTERNA SERVIÇOAOCLIENTE INTEGRAÇÃOEXTERNA ( SUPPLY CHAIN ) MARCILIO CUNHA

26 PRINCIPAIS MACROPROCESSOS LOGÍSTICOS FORNECEDOR TRANSPORTADOR FÁBRICA DISTRIBUIDOR VAREJO CONSUMIDOR SUPRIMENTOS DISTRIBUIÇÃO FÍSICA OPERAÇÕES LOGÍSTICA REVERSA MARCILIO CUNHA

27 Fases na mudança de natureza da relação entre produtores e varejistas Fase I Fase II Fase IIIFase I Fase II Fase III Integração relação associativa relação associativa Racionalização caracterizado pela Racionalização caracterizado pela Relação negocial procura conjunta de Relação negocial procura conjunta de caracterizado soluções. caracterizado soluções. poder de barganha poder de barganha das empresas. das empresas. Pioneiro Pioneiro Relação de compra e Relação de compra e pela persuassão pessoal pela persuassão pessoal dos compradores e dos compradores e vendedores. vendedores. MARCILIO CUNHA

28 Atividades logísticas primárias transportes. transportes. manutenção de estoques. manutenção de estoques. processamento de pedidos. processamento de pedidos. MARCILIO CUNHA

29 Atividades logísticas secundárias ( de apoio ) obtenção de insumos. obtenção de insumos. programação de produção. programação de produção. manuseio de materiais. manuseio de materiais. embalagem. embalagem. armazenagem. armazenagem. manutenção de informação. manutenção de informação. MARCILIO CUNHA

30 CICLO CRÍTICO RELAÇÃO ENTRE AS TRÊS ATIVIDADES PRIMÁRIAS PARA ATENDER CLIENTES: CLIENTES TRANSPORTES MANUTENÇÃO DE ESTOQUE PROCESSAMENTO DOS PEDIDOS DOS CLIENTES MARCILIO CUNHA

31 Localização das fontes de suprimentos.Localização das fontes de suprimentos. Aquisição e controle de insumos.Aquisição e controle de insumos. Meios de transportes.Meios de transportes. Armazenagem de matérias-primas e materiais auxiliares.Armazenagem de matérias-primas e materiais auxiliares. Capacidade de máquinas e equipamentos de produção.Capacidade de máquinas e equipamentos de produção. Armazenagem de produtos acabados.Armazenagem de produtos acabados. Movimentação interna de insumos e produtos acabados.Movimentação interna de insumos e produtos acabados. Comunicações e controles.Comunicações e controles. Elementos do Sistema Logístico MARCILIO CUNHA

32 Fatores na Distribuição de Produtos número, tamanho a localização das unidades fábris. número, tamanho a localização das unidades fábris. número e localização de depósitos e armazens. número e localização de depósitos e armazens. a localização geográfica dos mercados. a localização geográfica dos mercados. quantidade e tipos de produtos em linha de quantidade e tipos de produtos em linha de comercialização. comercialização. disponibilidade do produto. disponibilidade do produto. a frequência de compra dos clientes. a frequência de compra dos clientes. MARCILIO CUNHA

33 Abastecimento do Varejo SISTEMA COMUMSISTEMA COMUM INDÚSTRIA DEPÓSITO REGIONAL DISTRIBUIDOR VAREJO DO FABRICANTE ATACADISTA DO FABRICANTE ATACADISTA SISTEMA IDEAL SISTEMA IDEAL INDÚSTRIA VAREJO MARCILIO CUNHA

34 Parceria Fornecedor / Varejo ( aspecto comercial ) De :De :Comercialização PreçoPreço CondiçãoCondição PromoçãoPromoção Para : Para : 1. Comercialização 1. Comercialização 2. Marketing e Promoção 2. Marketing e Promoção 3. Tecnologia 3. Tecnologia 4. Logística 4. Logística 5. Nível de Atendimento 5. Nível de Atendimento 6. Recursos Humanos 6. Recursos Humanos MARCILIO CUNHA

35 EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA COMERCIAL PRODUTOR VAREJO PRODUTOR VAREJOEFICIÊNCIA DO DOFABRICANTEEFICIÊNCIA COMERCIANTEEFICIÊNCIA SISTEMA CONCEPÇÃODOPRODUTOLOGÍSTICADAEMPRESAPREÇODEVENDA PREÇODECOMPRALOGÍSTICADAEMPRESA PREÇOCOMPETITIVOAOCONSUMIDOR CONCEPÇÃODOPRODUTOLOGÍSTICADOPRODUTORLOGÍSTICADOCOMÉRCIOPREÇOCOMPETITIVO E LUCRATIVO NO MERCADO + MARCILIO CUNHA

36 Abastecimento do Varejo 1.Sistema de ressuprimento contínuo: adequar o ritmo de abastecimento com a demanda. adequar o ritmo de abastecimento com a demanda. 2. Sistema de distribuição fluída: eliminar custo, tempo, espaço e manuseio. eliminar custo, tempo, espaço e manuseio. 3. Organização logística integrada: operações e funções coordenadas do fornecedor ao operações e funções coordenadas do fornecedor ao ponto de venda. ponto de venda. 4. Indicadores de performance logística: medir para melhorar. medir para melhorar. MARCILIO CUNHA

37 EDI-ELETRONIC DATA INTERCHANGE ( INTERCÂMBIO ELETRÔNICO DE DADOS) Troca eletrônica de documentos, como ordem de compra, autorização, faturas e notas fiscais em formatos padronizados, de computador entre empresas.Troca eletrônica de documentos, como ordem de compra, autorização, faturas e notas fiscais em formatos padronizados, de computador entre empresas. MARCILIO CUNHA

38 EDI- ELECTRONIC DATA INTERCHANGE ( INTERCÂMBIO ELETRÔNICO DE DADOS ) Existe um padrão ou linguagem internacional, que permite troca eletrônica de dados entre fornecedores, varejistas e transportadores.Existe um padrão ou linguagem internacional, que permite troca eletrônica de dados entre fornecedores, varejistas e transportadores. MARCILIO CUNHA

39 Códigos de Barras Simbolo representado por uma série de barras que contém informações codificadas que podem ser reconhecidas por leitores eletrônicos usados para facilitar a introdução de dados nos computadores.Simbolo representado por uma série de barras que contém informações codificadas que podem ser reconhecidas por leitores eletrônicos usados para facilitar a introdução de dados nos computadores. MARCILIO CUNHA

40 Códigos de Barras Tem de ser padrão de início ao fim da cadeia logística para propiciar uma linguagem comum entre os parceiros comerciais.Tem de ser padrão de início ao fim da cadeia logística para propiciar uma linguagem comum entre os parceiros comerciais. Existem dois padrões de codificação reconhecidos oficialmente.Existem dois padrões de codificação reconhecidos oficialmente. MARCILIO CUNHA

41 Códigos de Barras Sistema UPC ( Universal Product Code) adotados nos EUA e CANADÁ e administrado pela UCC-Uniform Code Concil.Sistema UPC ( Universal Product Code) adotados nos EUA e CANADÁ e administrado pela UCC-Uniform Code Concil. Sistema EAN ( International Article Numbering Assotiation) utilizado pelo resto do mundo e administrado pela EAN. Sistema EAN ( International Article Numbering Assotiation) utilizado pelo resto do mundo e administrado pela EAN. MARCILIO CUNHA

42 Códigos de Barras Afim de que a existência de dois sistemas internacionais não atrapalhasse o comércio entre os países, nos meados da década de 80 houve um acordo entre a UCC e a EAN.Afim de que a existência de dois sistemas internacionais não atrapalhasse o comércio entre os países, nos meados da década de 80 houve um acordo entre a UCC e a EAN. Surgiu um código padrão UCC/EAN, compatibilizando as estruturas dos dois códigos.Surgiu um código padrão UCC/EAN, compatibilizando as estruturas dos dois códigos. MARCILIO CUNHA

43 Códigos de Barras APLICAÇÃO DO SISTEMA:APLICAÇÃO DO SISTEMA: Torna possível o acompanhamento de toda a movimentação de cargas.Torna possível o acompanhamento de toda a movimentação de cargas. Acompanha desde a saída da linha de produção até a chegada ao consumidor final.Acompanha desde a saída da linha de produção até a chegada ao consumidor final. Permite a individualização de pedidos,controle de estocagem e separação de mercadorias.Permite a individualização de pedidos,controle de estocagem e separação de mercadorias. Torna ágil as operações logísticas.Torna ágil as operações logísticas. Permite o rastreamento das mercadorias.Permite o rastreamento das mercadorias. Contabilização das movimentações.Contabilização das movimentações. MARCILIO CUNHA

44 Unitização de Cargas Significa organizar cargas e uni-las de forma a facilitar seu transporte e manuseio. A principal ferramenta é o palete. MARCILIO CUNHA

45 Uso do Palete Aumento da capacidade de estocagem. Redução de largura dos corredores. Economia de mão de obra. Redução de custos. MARCILIO CUNHA

46 Equipamentos de Movimentação MARCILIO CUNHA

47 Armazenagem

48 Recepção e Expedição Minimizar as operações logísticas: Entrega paletizada reduzindo custos e tempo.Entrega paletizada reduzindo custos e tempo. Otimização pelo uso do palete na movimentação e armazenamento de mercadorias.Otimização pelo uso do palete na movimentação e armazenamento de mercadorias. Utilização de código de barras e a tecnologia de radiofrequência.Utilização de código de barras e a tecnologia de radiofrequência. Melhoria do fluxo da qualidade do fluxo de informações.Melhoria do fluxo da qualidade do fluxo de informações. MARCILIO CUNHA

49 Separação de Pedidos Retirada de qualquer item do estoque para atender aos pedidos dos clientes internos e/ou externos. 60%Uma das atividades mais importantes do ciclo logístico, por consumir cerca de 60% dos custos operacionais de armazenagem. MARCILIO CUNHA

50 Manuseio Há excessos de manuseio das mercadorias.Há excessos de manuseio das mercadorias. Vulneráveis a danos e perdas.Vulneráveis a danos e perdas. Na cadeia de distribuição física, até chegar ao ponto de venda, um produto pode passar por cerca de 15 manuseios.Na cadeia de distribuição física, até chegar ao ponto de venda, um produto pode passar por cerca de 15 manuseios. Os excessos de manuseio das mercadorias,são decorrentes da falta de equipamentos de movimentação.Os excessos de manuseio das mercadorias,são decorrentes da falta de equipamentos de movimentação. Média escala de distribuição paletizada no Brasil.Média escala de distribuição paletizada no Brasil. MARCILIO CUNHA

51 Carga ou Descarga DOCAS: Interface entre a expedição e os transportes com a finalidade de facilitar o carregamento e descarregamento de mercadorias. MARCILIO CUNHA

52 Carga ou Descarga As operações junto aos veículos, feitas manualmente são lentas.As operações junto aos veículos, feitas manualmente são lentas. Pelo sistema manual, uma carreta pode demandar um tempo de até 2 horas para cada operação.Pelo sistema manual, uma carreta pode demandar um tempo de até 2 horas para cada operação. Normalmente mobiliza de 3 a 4 pessoas.Normalmente mobiliza de 3 a 4 pessoas. Numa situação de operação paletizada, pode ser reduzido até 15 minutos.Numa situação de operação paletizada, pode ser reduzido até 15 minutos. MARCILIO CUNHA

53 Filas de Caminhões Em momentos de pico, um veículo pode aguardar até 6 horas para iniciar uma operação de carga ou descarga.Em momentos de pico, um veículo pode aguardar até 6 horas para iniciar uma operação de carga ou descarga. MARCILIO CUNHA

54 Cross - Docking Frete que é descarregado de um caminhão, passa pela plataforma de carregamento e é carregado em umFrete que é descarregado de um caminhão, passa pela plataforma de carregamento e é carregado em um ou mais caminhões sem permanecer em estoque. ou mais caminhões sem permanecer em estoque. MARCILIO CUNHA

55 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Pode ser segmentada em duas grandes áreas : ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS DISTRIBUIÇÃO FÍSICA DISTRIBUIÇÃO FÍSICA MARCILIO CUNHA

56 LOGÍSTICA EMPRESARIAL CONCEITO : Estuda como administrar de maneira rentável, os serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através do planejamento, organização e controles efetivos para as atividades de manuseio, movimentação interna, armazenagem e transportes que visam facilitar o fluxo de insumos e produtos MARCILIO CUNHA

57 Cadeia de Suprimentos – Supply Chain MARCILIO CUNHA

58 CADEIA DE SUPRIMENTOS Trata de todas as atividades de movimentaçãoTrata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição de insumos até o ponto de cosumo final, acompanhados dos fluxos de informações, e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição de insumos até o ponto de cosumo final, acompanhados dos fluxos de informações, com o propósito de providenciar níveis de com o propósito de providenciar níveis de serviços adequados aos clientes a um custo serviços adequados aos clientes a um custo razoável. razoável. MARCILIO CUNHA

59 As empresas estão obtendo vantagens competitivas por meio : do aumento dos níveis de serviços ao cliente. do aumento dos níveis de serviços ao cliente. da redução de estoques em todas as etapas da redução de estoques em todas as etapas da cadeia. da cadeia. da redução dos custos de movimentação e da redução dos custos de movimentação e armazenagem de mercadorias. armazenagem de mercadorias. A CADEIA DE SUPRIMENTO MARCILIO CUNHA

60 O VAREJO ATUAL É constituído na combinação de dois fatores chave desse setor : LOCALIZAÇÃO LOCALIZAÇÃO MERCADORIAS MERCADORIAS MARCILIO CUNHA

61 VALOR PARA O CLIENTE Equivale a todos os benefícios que ele recebe em troca do esforço representado pelo ato de compra. Benefícios : Benefícios : Qualidade da mercadoria. Qualidade da mercadoria. Atenção dos funcionários. Atenção dos funcionários. Ambiente da loja. Ambiente da loja. Comodidade na compra. Comodidade na compra. MARCILIO CUNHA

62 PRODUÇÃO X LOGÍSTICA X MARKETING Atividades típicas Controle de qualidade Planejamento detalhado Manuseio interno Manutenção de máquinas e equipamentos Fabricação de produtos e serviços Atividades de interfaces Programação da produção Localização industrial Compras de matérias-primas Transportes de fornecedores Estocagem de materiais Atividades típicas Manutenção de estoque Processamento de pedidos Preparação de pedidos Armazenagem Manuseio de materiais Roteirização de entregas Atividades de interfaces Padrões de níveis de serviço Localização de depósitos Formação de preço Embalagem Distribuição física de produtos Atividades típicas Promoção, propaganda e merchandising Pesquisa de mercado Mix de vendas Administração da força de vendas MARCILIO CUNHA

63 LOGÍSTICA APLICADA Planejamento, Organização e Controle do conjunto de atividades de movimento e armazenamento que facilitam o fluxo de materiais e produtos desde dos fornecedores ao cliente ou ao consumidor, para satisfazer a demanda ao menor custo incluídos a demanda ao menor custo incluídos os fluxos de informação e controle. MARCILIO CUNHA

64 LOGÍSTICA NAS EMPRESAS Porque as empresas necessitam da Logística ? # Devido a maior competitividade global. # Escassez da matéria-prima. # Falta mão de obra qualificada. # Ineficiência na distribuição. # Necessidade de uma maior ocupação do mercado. ? MARCILIO CUNHA

65 LOGÍSTICA NOS ANOS 2000 SAI DE UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA UMA SAI DE UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA UMA EMPRESA PARA UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA EMPRESA PARA UMA SOLUÇÃO QUE GERENCIA RELAÇÕES ENTRE MUITAS EMPRESAS. RELAÇÕES ENTRE MUITAS EMPRESAS. MARCILIO CUNHA

66 LOGÍSTICA NOS ANOS 2000 POSSIBILITA DE FORMA SISTEMÁTICA : Eliminação de desperdícios. Redução de custos. Otimização dos processos de compra. Produção e distribuição de mercadorias. Influencia cada uma das etapas ao longo da cadeia produtiva. MARCILIO CUNHA

67 LOGÍSTICA NOS ANOS 2000 Através da logística se define : O local mais adequado para instalar uma Fábrica ou um Centro de Distribuição. Aspectos de suprimento das linhas de produção. Escoamento das mercadorias até os consumidores. MARCILIO CUNHA

68 LOGÍSTICA NOS ANOS 2000 AO EMPREGAR ALGUNS CONCEITOS A EMPRESA TEM : Condições de dimensionar melhor seus Condições de dimensionar melhor seus estoques. estoques. Domínio total dos seus negócios. Domínio total dos seus negócios. Como desenvolver clientes. Como desenvolver clientes. Como oferecer melhores serviços. Como oferecer melhores serviços. MARCILIO CUNHA

69 LOGÍSTICA NOS ANOS 2000 # O reabastecimento do mercado consumidor está baseado nas compras efetivas do está baseado nas compras efetivas do consumidor, sendo mais rápido e flexível consumidor, sendo mais rápido e flexível em função de uma combinação de práticas em função de uma combinação de práticas operacionais na logística. operacionais na logística. MARCILIO CUNHA

70 (81) (81)


Carregar ppt "LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 LOGÍSTICA EMPRESARIAL - FBV 2 Conceitos Logísticos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google