A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MTPS2 Técnicas qualitativas - Entrevista Jordão Horta Nunes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MTPS2 Técnicas qualitativas - Entrevista Jordão Horta Nunes."— Transcrição da apresentação:

1 MTPS2 Técnicas qualitativas - Entrevista Jordão Horta Nunes

2 Qualidades essenciais para entrevistar Interesse Interesse Respeito Respeito Disposição para ficar calado e escutar Disposição para ficar calado e escutar Distinção em grau entre entrevistas completamente abertas e com questionário rígido. Distinção em grau entre entrevistas completamente abertas e com questionário rígido.

3 Formas de aplicação de entrevistas Presencial (face-a-face) Presencial (face-a-face) Carta Carta Telefone Telefone Comunicação mediada por computador assíncrona: , lista de discussão. Comunicação mediada por computador assíncrona: , lista de discussão. CMC síncrona: chat, vídeo on-line CMC síncrona: chat, vídeo on-line

4 Princípios básicos para formular perguntas perguntas simples e diretas, em linguagem comum perguntas simples e diretas, em linguagem comum não fazer perguntas complexas ou de duplo sentido não fazer perguntas complexas ou de duplo sentido usar expressões diferentes para estabelecer fatos específicos e para obter descrição ou comentário; usar expressões diferentes para estabelecer fatos específicos e para obter descrição ou comentário; utilizar interjeições provocativas ou ênfases (linguagem fática) utilizar interjeições provocativas ou ênfases (linguagem fática) fazer perguntas específicas, para fugir de generalizações evasivas; fazer perguntas específicas, para fugir de generalizações evasivas; evitar perguntas diretivas; evitar perguntas diretivas;

5 Princípios básicos para formular perguntas empregar formas mais francas para possibilitar respostas a questões incômodas; evitar subterfúgios arte e tato empregar formas mais francas para possibilitar respostas a questões incômodas; evitar subterfúgios arte e tato procurar datar os eventos a partir da idade dos informantes, ou a uma etapa de sua vida (casamento, primeiro emprego etc.); procurar datar os eventos a partir da idade dos informantes, ou a uma etapa de sua vida (casamento, primeiro emprego etc.); fazer modelo básico de perguntas, além do roteiro; fazer modelo básico de perguntas, além do roteiro; não existe a entrevista completa/livre não existe a entrevista completa/livre a necessidade de planejar perguntas e semi- estruturar para gerar comparações a necessidade de planejar perguntas e semi- estruturar para gerar comparações jamais interromper uma narrativa. jamais interromper uma narrativa.

6 Durante a entrevista entrevista não é diálogo entrevista não é diálogo mostrar-se interessado: gestuação mostrar-se interessado: gestuação quando tiver dúvidas, sugerir com delicadeza: ouvi dizer que.;. quando tiver dúvidas, sugerir com delicadeza: ouvi dizer que.;.

7 Equipamentos Equipamentos Bloco de anotações, notebook ou palmtop Bloco de anotações, notebook ou palmtop Gravador digital – evitar aparelhos tipo MP-3 players ou I-Pod Gravador digital – evitar aparelhos tipo MP-3 players ou I-Pod cuidado com os barulhos do ambiente: (pessoas ao lado, carro, televisão etc.). cuidado com os barulhos do ambiente: (pessoas ao lado, carro, televisão etc.). desligar o gravador quando o informante divagar (ou usar o recurso de ativar pela voz, hoje comum em gravadores digitais) desligar o gravador quando o informante divagar (ou usar o recurso de ativar pela voz, hoje comum em gravadores digitais) não gravar uma abertura no início da fita, para não esfriar o ambiente. não gravar uma abertura no início da fita, para não esfriar o ambiente.

8 Cuidados básicos preparação das informações básicas: leitura, entrevistas exploratórias (coleta de informações genéricas). preparação das informações básicas: leitura, entrevistas exploratórias (coleta de informações genéricas). melhores lugares para entrevistar: a casa, o local de trabalho, passeio pelo bairro; melhores lugares para entrevistar: a casa, o local de trabalho, passeio pelo bairro; privacidade; privacidade; carta, telefone ou pessoalmente: é sempre bom dizer alguém o recomendou; carta, telefone ou pessoalmente: é sempre bom dizer alguém o recomendou; explicar o objetivo da pesquisa sucintamente; explicar o objetivo da pesquisa sucintamente; explicar como vai usar a entrevista no caso de informantes de nível cultural educacional mais alto. explicar como vai usar a entrevista no caso de informantes de nível cultural educacional mais alto.

9 Entrevistas de profundidade Entrevista de intelectuais famosos: preparação completa e trabalhosa. Tentam testar os conhecimentos do pesquisador. Esse tipo de informante é raro. Entrevista de intelectuais famosos: preparação completa e trabalhosa. Tentam testar os conhecimentos do pesquisador. Esse tipo de informante é raro. É importante ter familiaridade com os termos técnicos. É importante ter familiaridade com os termos técnicos. Interromper a entrevista e continuar em outra sessão se a duração exceder uma hora. Interromper a entrevista e continuar em outra sessão se a duração exceder uma hora.

10 Entrevistas focalizadas Grupos focais Robert Merton, Robert Merton, as pessoas entrevistadas devem ter sido envolvidos numa situação particular (visto um filme, ouvido um programa de rádio, participado de uma passeata etc.); 2. os elementos, padrões, processos e a estrutura social da situação já foram analisados por cientistas sociais. Com base nesse conteúdo ou na análise da situação o pesquisador desenvolve um conjunto de hipóteses relacionadas a determinados aspectos da situação para os envolvidos. 3. com base nessa análise o pesquisador desenvolve um guia de entrevista; 4. a entrevista é focalizada nas experiências subjetivas das pessoas expostas à situação pré-analisada num esforço para analisar suas definições da situação. 5. Familiaridade do pesquisador com a situação observada.

11 Critérios de uma entrevista focal 1. Espectro (Escopo). Maximizar os relatos de elementos evocativos da situação estímulo. 1. Espectro (Escopo). Maximizar os relatos de elementos evocativos da situação estímulo. 2. Especificidade: Evocar relatos altamente especificados. 2. Especificidade: Evocar relatos altamente especificados. 3. Profundidade: Deve-se procurar fazer com que o entrevistado descreve os sentidos afetivo, cognitivo e avaliativo da situação e seu grau de envolvimento nela. 3. Profundidade: Deve-se procurar fazer com que o entrevistado descreve os sentidos afetivo, cognitivo e avaliativo da situação e seu grau de envolvimento nela. 4. Contexto pessoal: A entrevista deve revelar, trazer os atributos e a experiência prévia dos entrevistados que atribuem à situação experimentada os sentidos anteriores. 4. Contexto pessoal: A entrevista deve revelar, trazer os atributos e a experiência prévia dos entrevistados que atribuem à situação experimentada os sentidos anteriores.

12 Níveis de estruturação Princípio geral da não-diretividade (Carl Rogers), para obter níveis de estruturação: Princípio geral da não-diretividade (Carl Rogers), para obter níveis de estruturação: 1. Questão não estruturada: O que mais impressionou (chamou a atenção) vocês no filme? Deixar os entrevistados direcionar o foco da atenção. 2. Questão semi-estruturada: Tipo A: resposta estruturada, estímulo livre: O que você aprendeu com esse filme que você não conhecia antes? O filme trabalha mais com a imagem ou com a música? Tipo B: estímulo estruturada, resposta livre: O que você achou da parte em que o maestro se refere a Hollywood? 3. Questão estruturada. Você acha que o filme procura satirizar algum tipo de produção cinematográfica? O que você sente quando assiste um filme, ou lê um livro, ou escuta uma música que fala de outra obra (filme, livro, música)?

13 Análise qualitativa Análise de conteúdo: Desmontar a estrutura e os elementos do conteúdo do material, para extrair suas diferentes características e extrair seu significado. Sugestão para análise de conteúdo: definir unidades semânticas, palavras, conceitos, frases, que podem ser submetidas a tratamento estatístico, lexicográfico, ou interpretativo, hermenêutico. Análise de conteúdo: Desmontar a estrutura e os elementos do conteúdo do material, para extrair suas diferentes características e extrair seu significado. Sugestão para análise de conteúdo: definir unidades semânticas, palavras, conceitos, frases, que podem ser submetidas a tratamento estatístico, lexicográfico, ou interpretativo, hermenêutico. Análises estatísticas de conteúdo: lexicografia Análises estatísticas de conteúdo: lexicografia Análises qualitativas de conteúdo: teoria embasada nos dados (grounded theory); vocabulário dos motivos,emparelhamento (correspondência entre a construção teórica e a situação observável) Análises qualitativas de conteúdo: teoria embasada nos dados (grounded theory); vocabulário dos motivos,emparelhamento (correspondência entre a construção teórica e a situação observável) Análise histórica Análise histórica Análise do discurso Análise do discurso

14 Teoria da codificação Amostragem teórica Amostragem teórica Seleção gradual Seleção gradual Codificação e categorização Codificação e categorização Codificação teórica Codificação teórica Codificação temática Codificação temática grounded theory e indutivismo grounded theory e indutivismo o enfoque dedutivo e as hipóteses prévias o enfoque dedutivo e as hipóteses prévias


Carregar ppt "MTPS2 Técnicas qualitativas - Entrevista Jordão Horta Nunes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google