A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 CLUSTERS E A NOVA ECONOMIA DA COMPETIÇÃO Planejamento Estratégico Empresarial Professor: Flávio Henrique dos Santos Foguel.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 CLUSTERS E A NOVA ECONOMIA DA COMPETIÇÃO Planejamento Estratégico Empresarial Professor: Flávio Henrique dos Santos Foguel."— Transcrição da apresentação:

1 1 CLUSTERS E A NOVA ECONOMIA DA COMPETIÇÃO Planejamento Estratégico Empresarial Professor: Flávio Henrique dos Santos Foguel

2 2 INTRODUÇÃO Companhias têm acesso a capital, bens, informações e tecnologias, oriundos de qualquer parte do planeta, com um simples apertar de botão de mouse. Neste contexto, muito do conhecimento convencional sobre como as empresas e as nações competem precisa ser revisto (1998).

3 3 INTRODUÇÃO Na teoria, mercados globais mais abertos, transporte mais ágil e a comunicação deveriam diminuir o papel do LOCAL na competição. Qualquer fator mais eficiente que possa ter surgido fora do universo que vai de mercados globais a redes corporativas é acessível a qualquer empresa e, portanto, é ignorado como uma fonte de vantagem competitiva.

4 4 INTRODUÇÃO O LOCAL não tem importância? Como explicar as vantagens na busca da Classe Mundial de: Companhias de Fundos Mútuos de Boston; Empresas do setor têxtil das Carolina do Norte e Carolina do Sul; Empresas de automóveis de alta performance do Sudeste da Alemanha; Empresas produtoras de sapatos do Nordeste da Itália.

5 5 INTRODUÇÃO O mapa econômico mundial é dominado por CLUSTERS: massas críticas de empresas, em uma localidade, de sucesso competitivo extraordinário em setores específicos. CLUSTERS são características de, virtualmente, todas as economias (das nacionais até as metropolitanas), especialmente nas nações mais desenvolvidas (mais conhecidas: Silicon Valley e Hollywood).

6 6 INTRODUÇÃO CLUSTERS estão alicerçados em um paradoxo: as vantagens competitivas duradouras em uma Economia Global estão baseadas cada vez mais em fatores locais: conhecimento, relacionamento, motivação, que os concorrentes geograficamente distantes não possuem.

7 7 INTRODUÇÃO Embora o LOCAL permaneça fundamental para a competição, seu papel atual difere muito do descrito tempos atrás. Quando a competição era focada fortemente em custos de insumos, os locais com alguns dons naturais muitas vezes desfrutavam uma vantagem comparativa que era considerada ao mesmo tempo decisiva e duradoura.

8 8 INTRODUÇÃO Ocorre que Competição nos dias de hoje é um conceito muito mais dinâmico Empresas podem atenuar várias das desvantagens de custos de insumos, utilizando-se fontes globais. Vantagem Competitiva e Utilização produtiva de recursos

9 9 INTRODUÇÃO Ambiente interno é importante. CLUSTERS revelam o papel vital do ambiente imediato de negócios fora do Companhia (Ambiente Setorial). CLUSTERS afetam a competitividade dentro de países tanto dentro como fora de suas fronteiras nacionais.

10 10 O QUE É UM CLUSTER? Marshall (final do séc XIX), Weber (1929) e Lösch (1954) estudaram concentrações industriais CLUSTERS são concentrações geográficas de companhias e instituições interconectadas em um setor específico. Objetivo: ganho de eficiência coletiva – vantagem competitiva derivada das economias externas locais e da ação conjunta. Concentração geográfica e setorial são sinais evidentes da formação de um CLUSTER. São suficientes para gerar Eficiência Coletiva?

11 11 O QUE É UM CLUSTER? Fatores facilitadores da Eficiência Coletiva Divisão do trabalho e da especialização entre produtores; Estipulação da especialidade de cada produtor; Surgimento de fornecedores de matéria-prima e de máquinas; Surgimento de agentes que vendam para mercados distantes; Surgimento de empresas especialistas em serviços tecnológicos, financeiros e contábeis; Surgimento de uma classe de trabalhadores assalariados com qualificações e habilidades específicas; Surgimento de associações para defesa dos interesses do conjunto. (Amato Neto, 2000)

12 12 O QUE É UM CLUSTER? CLUSTER incorporam um arranjo de indústrias relacionadas e outras instituições importantes para a competição. Exemplos: Cluster de Vinho da Califórnia Cluster de Papel e Celulose – Suécia e Portugal

13 13 Educacional, Pesquisa & Organização de Comércio (Ex.: Instituto do Vinho, UC Davis, Instituto de Culinária) Educacional, Pesquisa & Organização de Comércio (Ex.: Instituto do Vinho, UC Davis, Instituto de Culinária) Vinhas Produtores de Vinhos Facilidades de Processamento Produtores de Vinhos Facilidades de Processamento Estoque da Uva Fertilizantes, Pesticidas e Herbicidas Equipamento para colheita da Uva Tecnologia de Irrigação Equipamento para produção do Vinho Barris Rótulos Garrafas Tampões e Cortiça Relações Públicas e Anúncios Publicações Especializadas (Ex.: Wine Spectator, Trade Journal) Cluster de Alimentos Cluster de Turismo Cluster de Agricultura da Califórnia Agencias do Governo Cluster de Vinho da Califórnia

14 14 Cluster Sueco de Papel e Celulose Indústria Internacionalmente Competitiva Fonte: Análise MONITOR Químicos Prevenção de incêndios Florestais Corte e Coleta de Toras Maquinário para corte e coleta Lâminas para Serras Serraria Lascas de Madeira POLPA Consultoria em Engenharia Maquinário & Equipamentos para Polpa & Papel Indústria de Impressão Produtos sanitários Reciclagem PAPEL EMBALAGENS DE PAPEL Casas Pré-Fabricadas Móveis de Madeira Cortiça Material para Construção Outros produtos de madeira Maquinário para serraria Silvicultura Ligação Fraca Ligação Moderada Ligação Forte

15 15 CLUSTERS AMERICANOS Hartford Seguro Área de Los Angeles Defesa Aeroespacial Entretenimento Wichita Aeronaves Leves Dallas/ Houston Desenvolvimento de Imóveis Baton Rouge/ New Orleans Alimentação Texas/ Louisiana Produtos Químicos Nashville/ Louisville Gerenciamento Hospitalar Wisconsin/ Iowa / Illinois Equipamento Agrícola Detroit Auto-Peças e Equipamento Warsaw, Indiana Dispositivos Ortopédicos Dalton, Georgia Tapetes Sul da Flórida Tecnologia de Saúde Computadores Carolina do Norte Mobília Doméstica Fibras Sintéticas Meias West Michigan Móveis para Escritório Providence Joalheria Pennsylvania/ New Jersey Produtos Farmacêuticos Omaha Telemarketing Reservas de Hotel Processamento de Cartão de Crédito Boston Fundos Mútuos Biotecnologia Software Rochester Equipamento Para Imagens Silicon Valley Microeletrônica Capital de Risco

16 16 Clusters e Competição CLUSTERS afetam a competição em três eixos principais: 1)Incrementando a produtividade das companhias baseadas na área; 2)Dando a direção e o caminho da inovação, na qual se alicerçará os futuros ganhos de produtividade; 3)Estimulando a formação de novos negócios.

17 17 Clusters e Produtividade A participação em um CLUSTER fornece às empresas: 1)Maior acesso a mão-de-obra e fornecedores; 2)Acesso à informações especializadas; 3)Complementaridades; 4)Acesso a Instituições e bens públicos; 5)Melhora da motivação e da avaliação de desempenho.

18 18 Clusters e Inovação O relacionamento com os outros membros do CLUSTER facilita o aprendizado da empresa, gerando um ambiente mais favorável à Inovação.

19 19 Clusters e a Formação de Novos Negócios Maior Concentração de Consumidores; Barreiras de entrada são menores; Menor custo de capital.

20 20 Clusters e a Agenda Estratégica das Empresas O Conceito de CLUSTER acrescenta à agenda estratégica empresarial 4 questões: 1)A escolha do localização geográfica; 2)O envolvimento na região; 3)O aprimoramento de seu CLUSTER; 4)Trabalhar Coletivamente.

21 21 Clusters Brasileiros CMB / S.C. Concentração do Setor CMB em Santa Catarina Fonte: Balanço Anual. Artigo de cama, mesa e banho. Julho

22 22 Clusters Brasileiros CMB / S.C Tabela 1 – Principais Empresas do Segmento CMB da Indústria Têxtil Brasileira por Ordem de Receita Líquida – 1999 OrdemEmpresaSedeReceita líquida R$ mil Participação (%) 1TekaSC – Blumenau ,4 2KarstenSC – Blumenau ,9 3DöhlerSC – Joinville ,0 4ArtexSC – Blumenau ,4 5BuettnerSC – Brusque ,6 6LepperSC – Joinville ,2 7AltenburgSC – Blumenau ,0 8ToáliaPB ,6 9SisaSE ,8 10São Carlos TecelagemSP ,0 11TognatoSP ,1 12RomariaSP ,0 Receita total ,0 Fonte: Balanço Anual. Artigo de cama, mesa e banho. Julho 2000 Principais Empresas do Segmento CMB da Indústria Têxtil Brasileira por Ordem de Receita Líquida – 1999

23 23 Clusters Brasileiros Outros Exemplos Rio Verde (GO) – Grãos, aves, suínos S.J. dos Campos (SP) – Aeronáutica ABC (SP) – Automóveis Joinville (SC) – Softwares Blumenau (SC) - Cristais Novo Hamburgo (RS) – Calçados Petrolina (PE) / Juazeiro (BA) – Frutas


Carregar ppt "1 CLUSTERS E A NOVA ECONOMIA DA COMPETIÇÃO Planejamento Estratégico Empresarial Professor: Flávio Henrique dos Santos Foguel."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google