A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Construindo redes de aprendizagem a partir de experiências colaborativas no uso do Second Life Profa. M.S. Mariangela Ziede (UFRGS) Profa. Dra. Nádie Christina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Construindo redes de aprendizagem a partir de experiências colaborativas no uso do Second Life Profa. M.S. Mariangela Ziede (UFRGS) Profa. Dra. Nádie Christina."— Transcrição da apresentação:

1 Construindo redes de aprendizagem a partir de experiências colaborativas no uso do Second Life Profa. M.S. Mariangela Ziede (UFRGS) Profa. Dra. Nádie Christina Machado (UFRGS) Prof. Drando. Jeremiah Spence (UT/EUA) 20/4/2014

2 A pesquisa envolveu 37 alunos do Curso de Especialização em Tutoria a Distância (ESPEAD/UFRGS), realizado na modalidade presencial –Atendem aos alunos do Curso de Licenciatura em Pedagogia (PEAD/UFRGS) Uso do Second Life na disciplina de Metodologia I – agosto 2008/janeiro 2009 Organização e acompanhamento de Professores do PEAD/UFRGS e da University of Texas at Austin Contatos entre Brasil, Estados Unidos e Portugal

3 A concepção pedagógica Abordagem interacionista (PIAGET, 1971), baseada no uso de arquiteturas pedagógicas abertas e articuladas, apoiadas na utilização intensiva de recursos na web. As arquiteturas buscam traduzir propostas pedagógicas em situações de aprendizagem mediadas por materiais didáticos interativos e por Ambientes Virtuais. –Caracterizam-se pelo deslocamento das concepções hierárquicas e disciplinares de ensino e direcionam-se para a concepção do conhecimento interdisciplinar em um modelo de "rede de relações". –Principais concepções constitutivas, segundo Peters (2003): 1) dialógica; 2) estrutural; e, 3) autônoma. Promove a formação continuada de professores e tutores, começando em 2005 e se estendendo por todos os semestres letivos. O ESPEAD destina-se apenas à formação dos tutores e teve início em 2007.

4 Procedimentos Estudo quanti-qualitativo –Aula expositiva para apresentar os Mundos Virtuais e mapear as certezas e dúvidas sobre o uso pedagógico. –Encontros exploratórios no Second Life. –Registro das experiências num wiki externo e interação com professores (UFRGS/ UT) –Participação em eventos integrando as diversas instituições (UFRGS, USP, UT e Universidade do Porto) –Aplicação de um questionário on-line

5 A Região Gaúcha Espaço para encontros informais e churrascos virtuais.

6 A Região Gaúcha Roda de chimarrão e auditório

7 A Região Gaúcha Sistema de teletransporte interno

8 Criando o avatar Momento 1Momento 2 Registros com captura de tela…(alt + print screen)

9 Procurando a Região Gaúcha

10 As vivências exploratórias Visitando a Ilha da Unisinos, onde havia estudado (Cristy Ceriano)

11 Chegando a Região Gaúcha Hoje, 23/09/08, após ler diversos s dos colegas que também não estavam conseguindo se teleportar, de outros tantos com diferentes dicas de como proceder e de uma ajudinha da colega Mariângela, Finalmente consegui chegar na REGIÃO GAÚCHA!! Consegui utilizando o mesmo método do colega R, colocando o nome da região que queria, antes de me logar. Quando entrei já estava lá! (Gigix Karu)

12 Os encontros Com colegas do ESPEAD na Região Gaúcha

13 Os eventos Assim como acontece nos encontros presenciais, também nos virtuais acontecem conversas colaterais. Todas, no entanto, no sentido de apropriar-se de mais informações sobre desde como fazer com que o avatar sentasse até pedindo e recebendo dicas de como captar o som. A solidariedade foi praticada durante todo o evento. A participação desse evento reforça a convicção de que cada vez mais precisamos estudar, nos apropriar das novas ferramentas, dos novos programas para também disponibilizá-los para os alunos do PEAD. (Lise Martian, Universidade do Porto, 15/11/08).

14 Resultados Os dados quantitativos revelam que nem todos conseguiram acessar o SL e criar o seu avatar. Dos 37 participantes quase 1/3 não conseguiu entrar no SL. –Entre os que conseguiram, mais da metade teve dificuldade de encontrar a Região Gaúcha (apesar do envio das coordenadas e das orientações sobre o procedimento). A maioria dos participantes declarou que acessava esporadicamente e todos declararam utilizar o português como idioma. O que confirma outras dificuldades observadas nos registros qualitativos analisados. Entre as principais dificuldades encontradas pelos participantes do curso destacamos três: –1) a necessidade de computadores com mais capacidade e com boa resolução de vídeo; –2) problemas de conexão com a internet; e, –3) as dificuldades decorrentes da falta de domínio do inglês.

15 Depoimentos Muitas pessoas (e no próprio ESPEAD) não conseguiram acessar pois o SL exige uma máquina com hardware potente e uma conexão rápida. Eu mesma, embora com um computador com uma boa configuração, fiquei praticamente um mês sem acessar o SL pois ele solicitava uma atualização do programa. Como minha conexão é muito instável, não conseguia atualizar e por isso ele não abria. Isso eu achei bem complicado. Existem programas que embora com uma versão mais atual, continuam a operar com a versão anterior. O SL não. (tutora Polo de Sapiranga) Mesmo baixando o software em português, algumas funcionalidades aparecem em inglês. Acredito que uma pessoa que não tenha, pelo menos, uma mínima noção dessa língua, tenha bastante dificuldade de navegar e compreender algumas coisas. (tutora D.)

16 Conclusões A experiência dos tutores com o Second Life foi muito significativa e possibilitou a interação entre os tutores/alunos e os alunos de outras Universidades do Brasil e do Exterior. Cada vez que os tutores acessavam a Região Gaúcha, vivenciavam a aprendizagem e deduziam as demais formas de expressão e recursos disponíveis para o desenvolvimento de novas atividades. Aprender a caminhar, a dançar, a voar enfim, todos os movimentos no teclado e no mouse para que o seu avatar tivesse vida. Alguns problemas de conexão e de hardware surgiram em meio ao processo, mas foram contornados a partir da instalação do programa no laboratório onde os que não conseguim acessar, dos seus computadores pessoais, tinham o acesso garantido. Fagundes (1999) destaca que, no contexto atual da EaD, o educador não deve pensar apenas na área cognitiva em um ambiente de aprendizagem construtivista. É preciso ativar mais do que o intelecto.

17 Conclusões Ao educador cabe a função de ativação da aprendizagem; ele deve trabalhar consigo mesmo a percepção de seu próprio valor e promover a auto-estima e a alegria de conviver e cooperar, bem como desenvolver um clima de respeito e de auto-respeito. O Second Life proporcionou estas aprendizagens, pois os participantes demonstravam entusiasmo em explorar as possibilidades e rapidamente registravam as fotos (captura de telas) e as experiências nos seus wikis.

18 Referências BRAGA, Mariluci. Realidade Virtual e Educação. Revista de Biologia e Ciências da Terra. v.1, n.1, BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, ______. O que é mídia-educação. Campinas: Autores Associados, ______. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, DEMETERCO, Jeferson; ALCÂNTARA, Paulo Roberto. O Mundo virtual como ferramenta interativa no ensino-aprendizagem colaborativo. Comunicar, n.023, Grupo Comunicar, Huelva, Espanha, 2004, pp FAGUNDES, Léa da Cruz ET al. Projetos de Aprendizagem – Uma experiência mediada por ambientes telemáticos. Workshop Brasileiro de Informática na Educação – WIE Disponível em: ______; MAÇADA, Débora; SATO, Luciane. Aprendizes do Futuro: as Inovações Começaram. Coleção Informática para a Mudança na Educação – Ministério da Educação. Brasília: Estação Palavra, Disponível em: pdf FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à práticaeducativa. São Paulo: Paz e Terra, (Coleção Leitura). LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

19 MAIA, Carmem; MATTAR, João. ABC da EaD: a educação a distância hoje. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Sociedade da Informação no Brasil: Livro verde. Brasília, MOORE, M.G.; KEARSLEY, G. Educação a Distância: uma Visão Integrada. São Paulo: Cengage Learning, PETERS, Otto. Didática do ensino a distância: experiências e estágio da discussão numa visão internacional. Trad. Ilson Kayser. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, ______. A educação a distância em transição: tendências e desafios. Trad. Leila Ferreira de Souza Mendes. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, Editora Unisinos PRADO, Gilbertto. Desertesejo: um projeto de ambiente virtual de multiusuário na Web. In: Catálogo Eletronic Art Exhibition. 13th SIBGRAPI Brazilian Symposium on Computer Graphics and Image Processing. Caxias do Sul: Lorigraf, PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon, MCB University Press, Vol. 9 No. 5, October SPENCE, J. (2008). Demographics of Virtual Worlds. Journal of Virtual Worlds Research.1(2). Retrieved from on 1 January 2009.http://jvwresearch.org

20 MUITO OBRIGADO! Profa. M.S. Mariangela Kraemer Lenz Ziede Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Profa. Dra. Nádie Christina Ferreira Machado Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Prof. Drando. Jeremiah Spence University of Texas at Austin (UT)


Carregar ppt "Construindo redes de aprendizagem a partir de experiências colaborativas no uso do Second Life Profa. M.S. Mariangela Ziede (UFRGS) Profa. Dra. Nádie Christina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google