A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SUPPLY CHAIN GRUPO 1997 ALEX BORGES FERNANDA ALMEIDA IGOR FERNANDES IRENE PROFIRIA RODRIGO ARANTES PEDRO CÉSAR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SUPPLY CHAIN GRUPO 1997 ALEX BORGES FERNANDA ALMEIDA IGOR FERNANDES IRENE PROFIRIA RODRIGO ARANTES PEDRO CÉSAR."— Transcrição da apresentação:

1 SUPPLY CHAIN GRUPO 1997 ALEX BORGES FERNANDA ALMEIDA IGOR FERNANDES IRENE PROFIRIA RODRIGO ARANTES PEDRO CÉSAR

2 Supply Chain ou Cadeia de Logística Integrada A integração de cadeia logística concentra-se em alinhar os processos chave do negócio. Supply Chain é todo o esforço envolvido nos diferentes processos e atividades empresarias que criam valor na forma de produtos e serviços para o consumidor final.

3 O desempenho do Supply Chain depende principalmente de quatro fatores, a saber: Capacidade de resposta às demandas dos clientes; Qualidade de produtos e serviços; Velocidade, qualidade e timing da inovação dos produtos; Efetividade dos custos de produção e entrega e utilização de capital. A gestão do Supply Chain é um conceito mais amplo e estrategicamente mais importante, que se inicia na saída das matérias-primas dos fornecedores, passa pela produção, montagem e termina na distribuição dos produtos acabados aos clientes finais.

4 O segmento de supermercados tem operado com margens operacionais muito pequenas e sob pressão de consumidores que esperam variedade, qualidade, conveniência e preços baixos.

5 Solução Cooperação entre: Fabricantes de produtos alimentares; Não alimentares; Varejo; Atacado; Demais facilitadores. ECRECR Efficient Consumer Response

6 Introdução eficiente de produtos Sortimento eficiente da loja Promoção eficiente Reposição eficiente Agregam valor ao consumidor ECR Efficient consumer response

7 As ferramentas que auxiliam a estratégia e à visão global do ECR são: * Gerenciamento de categoria: Gerenciamento por categoria de produto; * Reposição contínua : Metodologia Just In time para reposição; * Custeio por rentabilidade: Entendimento de custos e rentabilidade associado a produtos e processos; * Benchmarking das melhores práticas; * Pedido acompanhado por computador: Automação máxima da emissão de pedidos e de movimentação de mercadorias.

8 Já na gestão de informação a cadeia ECR funciona como o JIT, demandando do fornecedor apenas quando o produto passa no check out do supermercado O fluxo dos produtos segue modelo tradicional de cadeia PUSH. O fornecedor empurra o produto até o consumidor. Fonte: Ching (1999)

9 No ECR todos os integrantes da cadeia estão conscientes de que devem agregar valor ao consumidor. O consumidor elegerá a cadeia de distribuição mais eficiente. A conseqüência disso é a redução dos níveis de estoques em toda a cadeia de distribuição. A redução dos custos financeiros exigidos par a manutenção dos estoques, produtos mais frescos e de melhor qualidade e repasse dos ganhos dos produtos.

10 Quatro estratégias de ERC O Introdução eficiente do produto Visa a melhoria no desenvolvimento e introdução de novos produtos; Busca identificar oportunidades de mercado com base na visão do cliente.

11 Sortimento eficiente da loja Determinar o nível de oferta de um produto de acordo com o comportamento de compras do consumidor; Gerenciamento dos estoques na loja; Melhor utilização dos espaços da loja.

12 Promoção eficiente Melhor planejamento e gerenciamento das promoções.

13 Reposição eficiente Redução de tempo e custos na reposição de produtos; Repor o produto certo, no local certo, na hora certa da maneira mais eficiente.

14 CONSIDERAÇÕES FINAS DO ECR Estratégia ECR para produtos alimentícios e não alimentícios; Necessidades dos clientes; Adaptação a realidade local;

15 IMPEDIMENTOS À IMPLANTAÇÃO RÁPIDA DAS PRATICAS DE ECR Falta de comprometimento; Falta de conhecimento dos parceiros e integrantes; Necessidade de investimento de tempo e recursos; Tempo e custos altos para desenvolvimento e adaptação; Falta de gente com especialização técnica.

16 SISTEMAS DE CONTABILIDADE E CUSTOS NÃO MEDEM BENEFÍCIOS DO ECR Custo real do produto e serviço X A rentabilidade dos produtos, serviços, canais, clientes e fornecedores

17 SUPPLY CHAIN & PULL Cadeia de distribuição tem a mesma base conceitual da cadeia de logística integrada, o supply chain; O sistema de gestão de estoque é um misto de pull, puxar estoque, e balanceamento síncrono; Integrar o valor ao consumidor final (Cadeia de distribuição integrada);

18 REDUÇÃO DO TEMPO DE REPOSIÇÃO COM ECR Um estudo do Efficient Consumer Response Study, de 1993, comprova a redução no ciclo de reposição de itens básicos: Fonte: Ching (1999)

19 CICLO DE REPOSIÇÃO DO ECR Fonte: Valentine e Associados

20 RESPOSTA RÁPIDA (BALANCEAMENTO SINCRÔNICO): Prática de ECR onde não se aplica sistema de pull; Fluxo Sincrônico de demandas: Fonte: Ching (1999)

21 O ECR NA DIMINUIÇÃO DO CICLO DE REPOSIÇÃO Limited Empresa de vestuário americana, diminuiu seu ciclo de reposição para 30 dias, utilizando ECR, no seguinte fluxo: Fonte: Ching (1999)


Carregar ppt "SUPPLY CHAIN GRUPO 1997 ALEX BORGES FERNANDA ALMEIDA IGOR FERNANDES IRENE PROFIRIA RODRIGO ARANTES PEDRO CÉSAR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google