A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 B. Tecnologia e Estruturas Industriais 1. Estruturas de Custos, Tecnologia e Fontes de Eficiência 1.1. Economias de escala em monoprodução 1.2. Economias.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 B. Tecnologia e Estruturas Industriais 1. Estruturas de Custos, Tecnologia e Fontes de Eficiência 1.1. Economias de escala em monoprodução 1.2. Economias."— Transcrição da apresentação:

1 1 B. Tecnologia e Estruturas Industriais 1. Estruturas de Custos, Tecnologia e Fontes de Eficiência 1.1. Economias de escala em monoprodução 1.2. Economias de variedade em multiprodução 1.3. Fontes adicionais de rendimentos crescentes: aprendizagem, aglomeração, externalidades de conhecimento e de rede

2 2 2. Organização dos Mercados e Formação de Preços 2.1. Concorrência perfeita 2.2. Monopólio e concorrência monopolística 2.3. Formação de preços em oligopólio 3. Poder de Mercado 3.1. Concentração horizontal e poder de mercado 3.2. Barreiras à entrada e poder de mercado

3 Economias de escala em monoprodução 1.2. Economias de variedade em multiprodução 1.3. Fontes adicionais de rendimentos crescentes: aprendizagem, aglomeração, externalidades de conhecimento e de rede B.1. Estruturas de Custos, Tecnologia e Fontes de Eficiência

4 Economias de escala em monoprodução Rendimentos e economias de escala Fontes de (des)economias de escala Medidas das economias de escala: curvas de custos

5 Rendimentos e economias de escala A instalação de uma unidade produtiva implica que no momento t = 0 se tomem decisões sobre diferentes aspectos: Localizações alternativas: Custos de transporte (matérias-primas, bens finais), distância dos mercados, infraestruturas, mercado de trabalho, factores institucionais,... Opções tecnológicas: custo dos factores de produção, características técnicas dos produtos, maturidade/novidade do processo,... Sistemas organizativos: lay-out, utilização do novas tecnologias da informação, organização do processo produtivo,... Capacidade a instalar: escolha da dimensão. Este último aspecto é o tema central do ponto B.1.

6 Rendimentos e economias de escala (cont.) Podemos pensar uma tecnologia como sendo um conjunto de planos de produção admissíveis. Nesta perspectiva, podemos pensar em duas dimensões temporais distintas: o curto prazo e o médio/longo prazo. No curto prazo faz sentido pensar que existem um conjunto predeterminado de factores de produção que são fixos. Neste contexto, as firmas analisam a possibilidade de maximizar os seus lucros, adquirindo quantidades adicionais de, por exemplo, apenas um produto. Esta óptica de análise remete-nos para o conceito de rendimento marginal. No longo prazo, não há factores fixos; todos os inputs podem ser variáveis. A análise dos efeitos no desempenho da empresa resultante de uma variação simultânea de todos os factores produtivos remete-nos para a análise das economias de escala (quando existe apenas um output).

7 Fontes de (des)economias de escala Fontes de economias de escala -Economias de dimensão acrescida -Efeito das indivisibilidades -Efeito da especialização -Assimetria de informação no mercado do crédito (e no mercado financeiro em geral) torna menos onerosas as condições de acesso ao financiamento por parte das grandes empresas -Custos de transporte e de distribuição dos produtos -Custos de uma estratégia de internacionalização Curiosidade: algumas leis da física são indutoras de economias de escala. Se duplicarmos o raio de uma esfera, aumentamos o volume de um factor de 8 e a superfície de um factor de apenas 4.

8 Fontes de (des)economias de escala (cont.) Fontes de deseconomias de escala: -Causas técnicas ligadas à produção -Causas organizativas e de gestão -Causas ligadas às relações de trabalho -Causa ligadas à venda e à distribuição

9 Medidas das economias de escala: curvas de custos

10 10 Tipologia de Custos C´CM CVM $ q

11 11 Curvas de Custos de Curto e Longo Prazo CMLP $ q

12 12 Economias de Escala Definição baseada na função de produção

13 13 Economia de Escala Definição baseada nas Funções Custo CM $ q Rendimentos Crescentes Rendimentos Constantes Rendimentos Decrescentes

14 14 Economias de Escala: Medida com base nos custos S<1S>1 CM C´ $ q

15 15 Dimensão Mínima Eficiente DME q $ CMLP

16 Economias de Variedade em Multiprodução Flexibilidade produtiva e economias de variedade Conceitos de custos em multi- produção Medidas de economias em multi- produção

17 Flexibilidade produtiva e economias de variedade Benefícios da multiprodução A multiprodução maior exigência de flexibilidade que em monoprodução (e isso tem custos) maior capacidade produtiva disponível para se adaptar para fornecer diferentes combinações de produtos (e isso tem benefícios para os consumidores). Há assim um nível óptimo de diferenciação quanto ao nº n de bens a produzir em simultâneo. Custo total Custo de variedade Custo da não satisfação de clientes Há que balancear custos e benefícios. Escolha óptima do grau de variedade n

18 18 Trajectórias tecnológicas Flexibili- dade Eficiência Trajectórias tecnológicas

19 Conceitos de custos em multiprodução

20 20 Economias de Variedade em Multiprodução (cont.) Pode demonstrar-se que CMR(q) decresce, cresce ou mantem- se constante à medida que q aumenta dependendo de s ser maior, menor ou igual a 1, respectivamente. Ou seja, s tem um significado semelhante, na produção multiproduto, ao rácio CM/C´ na produção uni-produto.

21 21 Custo Total Incremental Custo total incremental de aumentar a produção do produto 2 de 0 para, mantendo constante: Custo médio incremental de aumentar a produção do produto de 2 de 0 para, mantendo constante:

22 22 Economia de Escala Específica do Produto i (mantendo o output j constante) Medidas de economias em multi-produção

23 23 Economias de Gama Muitas empresas produzem mais do que um produto porque é mais barato fazê-lo conjuntamente do que separadamente. O termo economias de gama refere-se aos ganhos que resultam desse facto. Considere-se a produção de unidades do produto 1 e unidades do produto 2. O custo de as produzir separadamente é: O Custo de as produzir conjuntamente é:

24 24 Medida para as economias de gama em produção multiproduto Se EG>0 significa que existem economias de gama.

25 Fontes adicionais de rendimentos crescentes: aprendizagem, aglomeração, externalidades de conhecimento e de rede Economias de aprendizagem Economias de aglomeração Externalidades de conhecimento Economias de rede Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas, economias específicas e sistémicas

26 Economias de aprendizagem Curvas de Aprendizagem associadas a Learning-by-doing Interpretação: a produção da n-ésima unidade faz-se, ceteris paribus, num períoso de tempo inferior ao da 1ª unidade produzida. Horas/ Unidade Nº de unidades Z – nº de horas para produzir a n- ésima unidade n – nº total de unidades produzidas y - Elasticidade de aprendizagem - nº de horas para produzir a 1ª unidade 1 n Z

27 27 Curvas de aprendizagem estimadas para a indústria aeronáutica Este ajustamento permitiria estimar: Para n = 50 Z = 4,6 Para n = 100 Z = 3,5 Para n= 1000 Z = 1,4

28 28 Estudos clássicos sobre aumentos de eficiência intra e inter geracionais Samuel Hollander (1962) Fábrica da Dupont de Nemours (em Old Hickory, Delaware) CM Causas do decréscimo dos custos: melhoria da eficiência intra-geracional devido a learning-by-doing, I&D.

29 29 J. Enos (1958) Analisa 4 processos de refinação de petróleo. CM I II III IV Melhorias de eficiência intra e inter geracionais devido a learning-by- doing & by searching, I&D.

30 Economias de aglomeração Benefícios que provêm da articulação da empresa com a sua envolvente. Acesso ao mercado: -Inputs: matérias-primas, componentes, equipamentos, trabalho, financiamento; -Outputs: população, outras empresas. Infraestruturas: vias de comunicação, portos e aeroportos, telecomunicações, serviços públicos, fontes de informação, suporte tecnológico. A concentração geográfica melhora o acesso aos inputs e ao mercado dos outputs e estimula também as sinergias (redes empresariais, relações universidade-indústria, etc.) Também existem deseconomias de aglomeração: rendas fundiárias, congestionamento, etc.

31 Externalidades de conhecimento Na produção e disseminação de novos conhecimentos ocorrem externalidades. As empresas com actividades de I&D têm dificuldades em apropriar- se eficazmente de benefícios do seu investimento. Existem diferentes meios de apropriação: Liderança sistemática Segredo industrial Marketing, reputação, canais de distribuição Registo de patentes

32 Externalidades de conhecimento (cont.) Mas a apropriação é quase sempre imperfeita dado que a natureza do bem produzido (o conhecimento) impede que o estabelecimento de direitos de propriedade seja inequívoco. A re-utilização sucessiva não desgasta o bem conhecimento devido à sua natureza de bem público (ou semi-público). Desta forma, a proximidade (geográfica, cognitiva) facilita o acesso aos conhecimentos produzidos pelos rivais (learning-by-observing & by-interacting)

33 Economias de rede Surgem nas chamadas indústrias-rede (network-industries): caminhos de ferro, telecomunicações, distribuição e transporte de electricidade, etc. A interdependência entre diferentes partes da rede afecta as condições de produção/custos a suportar: O Custo de envio de um bem depende da quantidade de mercadorias que estão a ser transportadas entre A e B, mas também entre outros pontos C e D; O Custo de transporte e distribuição de electricidade para um ponto da rede depende das cargas existentes noutras zonas. Mas as redes não afectam apenas as condições de produção; também influenciam as condições de procura Lei de Metcalfe: Valor de uma rede (de telecomunicações) aumenta exponencialmente com o número de unidades a ela ligadas.

34 Economias de rede (cont.) Os benefícios que o consumidor obtém através da conexão a uma rede designam-se por economias de rede directas. Mas há também: economias de rede indirectas. O aumento da dimensão da rede implica o aumento da variedade oferecida ou a existência de produtos complementares a preços mais baixos (fenómeno que se verifica, por exemplo, no caso do MS-Windows).

35 35 Duas questões relevantes sobre economias de rede: i)Implicam necessariamente monopólio natural ? A evidência empírica (por exemplo, no caso das redes celulares) sugere que certas redes poderão ter uma dimensão máxima óptima. ii)Em caso de monopólio (ou posição dominante), benefícios para consumidores superam as consequências negativas do monopólio ? A resposta não é consensual. Alguns autores tendem a argumentar que existem benefícios em termos estáticos (no curto prazo) e custos no longo prazo. No curto prazo, o estabelecimento de um standard dominante é benéfico; no entanto, o poder de mercado excessivo do detentor da rede pode ter reflexos negativos em termos de inovação (a prazo) Economias de rede (cont.)

36 Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas; economias específicas e sistémicas Economias de escala Análise no interior da mesma geração de bens de capital Melhoria de eficiência com tecnologia inalterável Baseadas em vantagens dimensionais Perspectiva estática Dimensão relevante de análise: empresa

37 37 Economias de aprendizagem Análises intra e inter-geracionais Melhorias de eficiência derivadas da aprendizagem Melhorias de eficiência associadas a mudanças em L e K Mudanças incrementais e radicais: progresso tecnológico Trata-se de efeitos dinâmicos Economias de variedade / multi-produção Melhoria de eficiência redução dos custos de não satisfação de clientes elemento de ajustamento à procura Melhorias de eficiência economias de escala na oferta (relacionadas com modularidades e indivisibilidades) Combinação de elementos internos e externos à empresa Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas; economias específicas e sistémicas (cont.)

38 Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas; economias específicas e sistémicas (cont.) Economias de aglomeração Melhoria de eficiência decorre da proximidade geográfica Há melhores condições de produção: aprovisionamento de inputs, infraestruturas. Efeitos do lado da oferta Há maior acessibilidade à procura (poder de compra concentrado, maior exigência). Efeitos do lado da procura Envolvente da empresa é aspecto determinante

39 Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas; economias específicas e sistémicas (cont.) Externalidades de conhecimento Aprendizagem através de observação e de interacção (relevância da articulação com envolvente) É a proximidade (geográfica, cognitiva) que potencia este tipo de aprendizagem Sinergias associadas à existência de redes de empresas e a efeitos sistémicos Há incentivo à concentração geográfica das indústrias baseadas no conhecimento

40 Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas; economias específicas e sistémicas (cont.) Economias / externalidades de rede Interdependência das diferentes partes de uma rede afecta - custos de produção (oferta) e preços a pagar - valor do bem para cada novo consumidor (procura) Dimensão da rede (efeito escala) afecta esse valor Crescimento da rede valor aumenta (aspecto dinâmico) Tal como nas economias de escala, efeitos para consumidores são contraditórios.

41 Diferentes dimensões de rendimentos crescentes: economias estáticas e dinâmicas; economias específicas e sistémicas (cont.) Estáticas Sistémicas Dinâmicas Específicas Economias de Escala Economias de Variedade Economias de Aglomeração Economias de Rede Externalidades de conhecimento Economias de Aprendizagem

42 42 B.2. Organização dos Mercados e Forma- ção de Preços 2.1. Concorrência perfeita 2.2. Monopólio e concorrência monopo- lística 2.3. Formação de preços em oligopólio

43 Concorrência Perfeita Hipóteses: - Produto homogéneo - Informação completa e perfeita - Muitos vendedores e compradores (price-takers) - Não existem custos de transacção - Não existem externalidades nem problemas na atribuição de direitos de propriedade - Livre entrada e saída (não existem barreiras à entrada) - Perfeita divisibilidade do produto

44 44 Equilíbrio da firma individual Programa de decisão $ q CVM CM C´

45 45 Equilíbrio de Longo Prazo No curto prazo podem ocorrer duas situações: - e, nesse caso, saem firmas do mercado até se atingir - e, nesse caso, entram firmas no mercado até se atingir S D $ q qc pc

46 46 Eficiência e Bem Estar EC EP $ q S D O equilíbrio competitivo (i.e., uma solução descentralizada) é um óptimo social. Neste contexto, a intervenção do Estado é indesejável. Definição: Excedente Social ES = EC + EP

47 47 Deadweight Loss EC EG EP DL Imagine-se que o Estado fixava um imposto T por unidade de output. Tal significava que, se o consumidor pagasse p por uma unidade de output, a firma receberia p-T. Neste caso, o excedente social seria: ES=EC+EG+EP onde: EG - Excedente do Estado DL - Deadweight Loss p p-T

48 Monopólio e concorrência monopolística Monopólio Discriminação de preços em monopólio Concorrência monopolística

49 Monopólio Programa de decisão A B C D C´ R´ q $ pm pc qmqc O monopolista é ineficiente: pm > pc e qm < qc O que acontece quando se passa do equilíbrio de monopólio para o equilíbrio competitivo? Monopolista C-A Consumidor A+B Total B+C

50 50 O Poder de Monopólio Vimos anteriormente que o monopolista decidia de acordo com a seguinte regra: Tendo em atenção que, obtém-se o Índice de Lerner: Reflectindo o desvio do preço de monopólio relativamente ao C´, o Índice de Lerner reflecte o poder de monopólio. A expressão anterior sugere que o grau de monopólio depende da elasticidade procura preço ( ): quanto mais elástica for a elasticidade, tanto mais o preço de monopólio se aproxima do preço competitivo e, portanto, tanto menor é o grau de monopólio.

51 51 Custos e Benefícios do Monopólio Custos do Monopólio O monopólio é uma solução ineficiente quando comparada com a concorrência perfeita: o monopolista produz menos quantidades a preços mais elevados. Comportamentos do tipo Rent-seeking. Posner argumenta que o monopolista utiliza ineficientemente recursos para preservar o seu poder de mercado. Benefícios do Monopólio Os lucros de monopólio podem constituir um incentivo para que a empresa desenvolva novos produtos ou novos processos de produção.

52 52 Monopólio Natural q $ CM C´ D R´ qmqaqc Comentários: 1. A solução de equilíbrio em monopólio natural depende do quadro institucional: - Produz qm se houver barreiras à entrada; - Produz qa se os mercados forem contestáveis ou existir regulação; - Produz qc se existir regulação. 2. Implicações de se produzir qc Definição: Uma firma é um monopólio natural se dispõe de condições para produzir o output de forma mais eficiente que duas ou mais firmas, ou seja:

53 Discriminação de Preços Tipologia de discriminação de preços 1. Discriminação de 1º Grau ou Discriminação Perfeita Cada unidade do bem é vendida ao consumidor pelo preço máximo que ele está disposto a pagar. 2. Discriminação de 2º Grau O preço unitário depende do número de unidades adquiridas. Exemplo mais comum: descontos de quantidades. 3. Discriminação de 3º Grau Cada grupo de consumidores adquire o produto a um preço diferente. Exemplos mais comuns: descontos para idosos e estudantes, etc. É a forma de discriminação de preços mais comum.

54 54 Discriminação Perfeita $ q qm´=qc D C´ Comentários: 1. Cada unidade do bem é vendida ao consumidor pelo preço máximo que ele está disposto a pagar. 2. O nível de output e o excedente social são iguais aos do modelo competitivo. 3. Coloca-se um problema de repartição: há uma transferência do excedente do consumidor que passa a reverter, na sua totalidade, em benefício do monopolista. qm

55 55 Discriminação de 3º Grau $ $$ qqqq1q2q1+q2 C´ p1 p2 Hipóteses: 1. A firma dispõe de poder de monopólio. 2. Deve ser capaz de identificar grupos distintos de consumidores com preferências distintas. 3. Os custos de segmentação devem ser menores que os benefícios da discriminação.

56 56 Discriminação do 3º Grau (cont.) Comentário: O preço é inversamente proporcional à elasticidade em cada mercado. Efeitos em termos de Bem Estar O monopolista discriminador do 3º grau pode ser mais ou menos eficiente que o não discriminador tudo dependendo das formas das funções custo e procura.

57 Concorrência Monopolística A existência de diferenciação do produto permite relativizar a importância da dimensão das firmas e desloca o centro de gravidade da análise para o lado da procura. A principal implicação da diferenciação é que a elasticidade de substituição entre os outputs das diferentes firmas, num mesmo mercado, é finita e, em consequência, o produtor dispõe de poder de monopólio ainda que a quota de mercado de cada firma seja pequena. A concorrência monopolística possui características quer do monopólio quer da concorrência perfeita.: Do monopólio: num contexto em que existem economias de escala, a firma defronta uma curva da procura com declive negativo (portanto, dispõe de poder de mercado); por outro lado, ao contrário do monopolista, a firma disputa a sua quota de mercado, concorrendo pelo preço e pela variedade; Da concorrência perfeita: não existem barreiras à entrada ou à saída.

58 58 Concorrência Monopolística e Bem Estar q $ qcm pcm D CM qc pc Nesta figura representa-se o equilíbrio de longo prazo, isto é, quando a livre entrada e saída conduz a lucros nulos. O equilíbrio de longo prazo é ineficiente por duas razões: 1. O preço está acima do preço competitivo (pcm>pc). 2. O nível de output está abaixo do competitivo (qcm

59 59 Concorrência Monopolística e Bem Estar (cont.) Este facto leva alguns autores a considerar que, em concorrência monopolística existe excesso de capacidade. Ou seja, se existissem menos firmas, cada uma delas adoptaria uma escala mais eficiente e tal seria positivo para os consumidores. Mas, como cada firma produz uma variedade diferente, o número de variedades oferecida no mercado seria menor e, como os consumidores têm uma preferência estrita pela diversidade, tal situação teria reflexos negativos no bem estar dos consumidores. Tal significa que o grau de diferenciação óptimo em cada mercado é uma resultante destes dois efeitos.

60 Formação de preços em oligopólio Modelo de Cournot Modelo de Bertrand Modelo de Stackelberg Oligopólio com colusão

61 Modelo de Cournot Começa-se com o caso de um duopólio, generalizando-se depois para o caso de empresas. Hipóteses fundamentais: i) O produto é homogéneo, ii) o preço (único) de mercado resulta da oferta agregada das empresas, e iii) as empresas determinam simultaneamente a quantidade oferecida. Utilizando a terminologia da Teoria dos Jogos, temos a seguinte estrutura: a variável estratégica são as quantidades que são escolhidas simultaneamente; o lucro (que traduz a utilidade de cada jogador) é função da quantidade produzida por essa empresa e do preço de mercado; o equilíbrio de mercado é dado pelo equilíbrio de Nash desse jogo.

62 62 Modelo de Cournot: Dedução Algébrica Função procura: p = a – b Q, Q=q 1 +q 2 Função Custo: C = c Q (custo marginal constante) são funções reacção, isto é, dão-nos a escolha óptima de i dada a decisão de j.

63 63 Modelo de Cournot q1 q2 q2n q1n

64 64 Cournot, Concorrência Perfeita e Monopólio

65 65 Cournot, Concorrência Perfeita e Monopólio (cont.) q1 q2 qM qC q1M+q2M=qM q1c+q2c=qc

66 66 Modelo de Cournot: Generalização para N firmas Teoremas Limites Para a solução simétrica q i =q N obtêm-se os seguintes resultados:

67 67 Modelo de Cournot: Teoremas Limites À medida que o número de firmas aumenta, o preço de equilíbrio aproxima-se do preço de equilíbrio competitivo, isto é, Se definirmos Perda de Eficiência como sendo,

68 68 Teoremas Limites Demonstra-se que Verificando-se que:

69 69 Relação entre Estrutura e Resultados

70 Modelo de Bertrand A variável de decisão mais usual são os preços. Por essa razão, Bertrand propôs um modelo com as mesmas hipóteses das de Cournot mas tomando o preço como variável estratégica. q Procura residual da firma 1 Procura a que i faz face dado um preço p2 fixado pela firma rival Hipótese: não existe restrição de capacidade -Se p 1 > p 2 a procura dirigida a 1 é nula a firma 2 satisfaz toda a procura - Se p 1 = p 2 a procura é dividida entre as duas firmas - Se p 1 < p 2 toda a procura é dirigida à empresa 1. Cmg p p2p2

71 71 Modelo de Bertrand (cont.) Suponhamos que c < p 2 < p M. Neste caso, qual a resposta óptima da empresa 1 ? Neste último caso, e admitindo que o lucro cresça com o preço, é de esperar que a empresa 1 fixe um preço o mais elevado possível: onde é um infinitésimo.

72 72 Modelo de Bertrand (cont.) Se p 2 for superior ao preço de monopólio, então a solução óptima da empresa 1 consiste em fixar o preço de monopólio, assim recebendo o lucro de monopólio. Se p 2 for inferior a c, então a melhor opção para a firma 1 é fixar p 1 = c, sendo o lucro igual a zero. Daqui se conclui que a função reacção da firma 1 é dada por: Se a firma 2 dispuser da mesma tecnologia, a sua função reacção será simétrica da firma 1.

73 73 Modelo de Bertrand (cont.) p2p2 p1p1 pMpM pMpM Comentário -A solução, dada pela intersecção das funções reacção é p 1 =p 2 =c. - Ao contrário de Cournot (em que se verificam os teoremas limites), no caso da concorrência pelos preços basta que existam duas empresas para que se atinjam os resultados da concorrência perfeita. 45º

74 74 O Paradoxo do Modelo de Bertrand A ideia de que a eficiência não aumenta com o número de firmas instaladas é um dos aspectos criticados em Bertrand. Há três formas de ultrapassar este resultado: 1.Admitir a hipótese de existir diferenciação do produto. 2. Fazer uma analise dinâmica da concorrência monopolística em Bertrand. 3.Admitir a hipótese de existirem restrições de capacidade.

75 O Modelo de Stackelberg As decisões relativas às quantidades são sequenciais e não simultâneas. Considera-se a versão mais simples do modelo de Stackelberg: duas empresas, procura linear e custos lineares. A Empresa 1 é líder e a Empresa 2 é seguidora.

76 76 O Modelo de Stackelberg(cont.)

77 77 Stackelberg e Cournot

78 78 O Modelo de Stackelberg: Representação Gráfica Stackelberg Cournot Função reacção da firma 1 F. Reacção de 2 q2q2 q1q1 Cournot Stackelberg q2q2 q1q1 Liderança da firma 1Liderança da firma 2

79 Oligopólio com Colusão Situação em que existe maximização conjunta dos lucros. No caso de duopólio ter-se-ia: Em que mercados é menos provável a colusão: -Procura instável; -Produtos heterogéneos; -Barreiras à entrada baixas; -Assimetrias dimensionais fortes; -Assimetrias de custos fortes; -Vigilância de práticas anticoncorrenciais; -Dificuldade em observar comportamentos rivais.

80 80 Oligopólio com Colusão (cont.) q2 q1 A B Comentário - Hipótese: Duopólio colusivo com custos nulos a repartição de quotas não depende dos custos - O segmento de recta AB representa o lugar geométrico dos pontos de tangência entre as curvas de iso-lucro dos dois duopolistas que maximizam conjuntamente o lucro. [ver Varian (1999, pp )]

81 81 B.3. Poder de Mercado 3.1. Concentração horizontal e poder de mercado 3.2. Barreiras à entrada e poder de mercado

82 Concentração horizontal e poder de mercado Noções preliminares a)Concentração b)Poder de mercado Determinantes da concentração Medidas de concentração Medida, testes empíricos e efeitos da concentração em termos de bem-estar e dos desempenhos

83 83 Noções preliminares Interesse desta análise: Interpretar a relação entre Concentração, Rivalidade e Eficiência Definição: C = f(N, D) onde: N – número de firmas D – Dispersão das quotas de mercado

84 84 Estrutura de Mercado - Grau de Concentração - Barreiras à Entrada - Grau de Diferenciação do Produto Grau de Integração Internacional -Penetração das Importações -Intensidade Exportadora -Penetração do IDE Determinantes do Poder de Mercado

85 Determinantes da concentração C = C (EE, BE, OF) EE – Economias de escala BE – Barreiras à Entrada OF – Outros factores (por exemplo, grau de integração internacional)

86 86 Economias de escala e Concentração Situação 1 – Curvas de Custo Médio (de longo prazo) em U p1 p2 DME1DME2q1q2 Admitindo mercado equidimensional, tem-se: N1= q1 / DME1 N2 = q2 / DME2 Tecnologia Custos DME Concentração $ D

87 87 Situação 2 – Tecnologia com rendimentos constantes à escala p CMLP q DME D -Diferentes dimensões eficientes Estrutura de mercado indeterminada -Se as empresas adoptarem a dimensão mínima eficiente muitas PME

88 88 Situação 3 – Tecnologia exibindo sempre rendimentos crescentes à escala p q D CMLP Só existe lugar para uma empresa eficiente. O monopólio natural.

89 89 Situação 4 – Tecnologia exibindo rendimentos decrescentes à escala D CMLP A pequena dimensão é sempre mais eficiente. No limite, os consumidores têm incentivos em produzir para auto-consumo.

90 Medidas da concentração a)Problemas práticos da medida Qual o objecto de estudo ? -Indústria Transformadora ? Outros Sectores ? -Nível de desagregação da CAE -Geografia Qual a fronteira da indústria / Mercado ? Volatilidade das quotas de mercado Controlo accionista Grau de diversificação

91 91 a)Problemas práticos da medida (cont.) Variável dimensional a eleger -Volume de Vendas -Emprego -Activos -Output Informação sobre a totalidade das firmas ou apenas sobre algumas ? Que tipos de indicadores de concentração ? -Absolutos (médias) -Relativos -Estocásticos

92 92 b) Índices de Concentração -Índice discreto de concentração -Índice de Hirschman-Herfindahl -Índice de Entropia -Índice de Hannah e Kay -Índice de Rosenbluth, Hall-Tideman -Coeficiente de Variação -Variância do logaritmo da dimensão

93 93 Índice discreto de concentração onde, x i é o output da firma i; x é o output total; r é o número de firmas. Na situação de equidimensionalidade tem-se Cr = r/n. Vantagens: exige pouca informação, cálculo fácil. Problema: que valor fixar para r ?

94 94 Índice H de Herfindahl Teoricamente: informação sobre todas as firmas. Na prática: podem-se excluir as mais pequenas. Ao contrário do índice anterior que atribui a mesma ponderação a todas as firmas, este pondera as firmas pela sua quota de mercado atribui maior ponderação às firmas de maior dimensão.

95 95 Índice H de Herfindahl (cont.) onde, Cv é o coeficiente de variação. Interpretação: -Equidimensionalidade: Cv = 0 H = 1/n -Uma só empresa: Cv = 0 e n = 1 H = 1 -

96 96 Índice de Entropia Interpretação: -Exige informação sobre todas as empresas; -Ao ponderar cada empresa por log (1/s i ), atribui menor importância às mais pequenas (dá mais peso às maiores); -Equidimensionalidade: E = log n -Uma só empresa: log 1 = 0 E = 0 -E é uma medida inversa de concentração:

97 97 Índice de Hannah e Kay Trata-se de uma generalização de H. Se = 2 vem R = H. De acordo com o peso que se queira dar às maiores empresas, utilizam-se diferentes valores para.

98 98 Índice de Rosenbluth, Hall-Tideman Equidimensinalidade: RH&T = 1/n Uma só empresa: RH&T = 1

99 99 Índice Discreto de Concentração em Economia Aberta C r ajustado = (Q r – Exp r ) / [Q – (Exp – Imp)] Q r e Exp r são, respectivamente, a produção e as exportações das r maiores firmas. Q, Exp e Imp são, respectivamente, a produção, as exportações e as importações totais da indústria. Pressupõe-se que: - As r maiores firmas exportam proporcionalmente ao seu peso na indústria; - Os importadores não são os maiores produtores; - As importações são competitivas.

100 100 Coeficiente de Variação Trata-se de uma medida de dispersão. Quanto maior for Cv, tanto menor, ceteris paribus, será a concentração.

101 101 Síntese Foi apenas apresentado um subconjunto dos índices existentes. Qual o mais apropriado ? -Divergências Marginais -Possível demonstrar elevadas correlações No entanto, a escolha deverá respeitar: -Utilização do índice; -Disponibilidade de informação. Na prática são mais usados os índices H e Cr: -O primeiro nos estudos teóricos; -Ambos nos estudos empíricos.

102 Medida, testes empíricos e efeitos da concentração em termos de bem estar e nos desempenhos a)Medida Portugal: Empresas não Financeiras C 1000 VAB 0,1363 0,2130 C 1000 Emprego 0,1004 0,1066

103 103 a)Medida (Cont.) Indústria Transformadora – VAB – C4 CAE (rev. 1) ,095 0, ,045 0, ,042 0, ,273 0, n.d. 0, ,157 0, ,071 0,096

104 104 b) Testes empíricos b.1) Determinantes da Concentração Economias de escala (+) Barreiras à entrada(+) Diferenciação do produto(+) Quota de mercado das importações (-) Peso relativo das exportações (-) Fonte: Santos (1989)

105 105 Comentários: -As economias de escala, as barreiras à entrada e a diferenciação do produto (que também pode ser uma barreira à entrada) têm o efeito esperado no grau de concentração; -A pressão competitiva das importações exerce efeitos negativos sobre a concentração porque reduz o grau de colusão ou uniformiza os processos produtivos utilizados ( reduz a variância das quotas de mercado); -O aumento do peso relativo da exportações afecta negativamente a concentração, por duas razões: Portugal especializou-se nos bens tradicionais em que não existem economias de escala; o sector exportador teve um crescimento acentuado.

106 106 b.2.) Impactos da concentração no bem estar Um estudo de 1954 de Arnold C. Harberger permitiu concluir que o valor da perda de bem estar devido a práticas monopolistas correspondia a pouco menos de 0,1 % do PNB dos EUA. Robert E. Hall (1988) concluíu que os preços estariam, nos sectores mais concentrados, entre 50% e 300% acima do custo marginal. Recentemente, alguns autores têm chamado a atenção para a necessidade de considerar o trade-off entre eficiência estática e eficiência dinâmica.

107 Barreiras à entrada e poder de mercado Conceitos relevantes na análise de barreiras à entrada Fontes e tipos de barreiras à entrada Estratégias de preço-limite Comportamentos estratégicos no estabelecimento de barreiras à entrada Indicadores de barreiras à entrada

108 108 Com a excepção do modelo competitivo e da concorrência monopolística, as estruturas de mercado estudadas até ao momento são exógenas (modelos fechados), isto é, os decisores apenas se preocupam com a sua interdependência com os concorrentes efectivos, negligenciando, deste modo, a concorrência potencial das novas firmas que possam entrar no mercado (firmas entrantes). A ameaça da entrada de novas empresas, como determinante dos preços em oligopólio, foi invocada ao longo do tempo por diferentes autores; no entanto, os primeiros estudos sistemáticos devem-se a Bain (1949, 1956), Sylos-Labini (1957) e Modigliani (1958).

109 Conceito de barreiras à entrada Questões relevantes no estudo das barreiras à entrada: -Quais as causas dos desvios de longo prazo entre o preço de mercado e o preço competitivo ? Qual o papel das Barreiras à Entrada (BE) ? -Quais as BE empiricamente mais relevantes ? -Quais as relações entre BE, eficiência e bem-estar ? -Sob que condições a rivalidade numa indústria (efectiva e potencial) pode levar a que a mesma actue de forma competitiva ? -Rivalidade numa indústria ? Duas vertentes: Efectiva (locatários) Potencial (potenciais entrantes)

110 110 Que se entende por Entrada de um novo concorrente ? (1)Criação de nova entidade jurídica + (2) Capacidade adicional Exclui-se: (1)Aquisições de capacidades pré-existentes por firma: criada para o efeito; estabelecida na indústria (crescimento horizontal); estabelecida noutra indústria (crescimento vertical ou diversificação) (2)Criação/aumento de capacidade por firma: estabelecida na indústria; estabelecida noutra indústria.

111 111 Condição de Entrada e Preço Limite De acordo com Bain, condições de entrada podem ser definidas de acordo com : E = (P L -P c )/Pc P L = P c (1+E) P L = Preço Limite; P c = Preço Competitivo; E = Condições de Entrada ou Margem máxima (prémio) que firmas estabelecidas podem fixar acima de P c sem atrair novos entrantes no Longo Prazo. O preço limite é fixado de forma colusiva pelas firmas estabelecidas de forma a excluir eventuais entradas no longo prazo. E pode ser visto como a altura das BE.

112 112 Barreiras: uma tipologia Para além das barreiras à entrada, existem outros dois conceitos relevantes: barreiras à saída e barreiras à mobilidade. Diz-se que se verificam barreiras à saída quando uma empresa instalada tem de incorrer, directa ou indirectamente, num custo para saír do mercado. Exemplos: a cessação de uma exploração mineira envolve custos com o fecho. A entrada num determinado mercado dá-se não somente por empresas completamente novas mas também por empresas já instaladas noutros segmentos. Segundo Caves e Porter, o que impede as empresas de livremente escolherem um segmento ou outro é o facto de possuírem activos cuja utilidade é específica do segmento em que se encontram. É justamente a existência destes activos específicos que constitui as chamadas barreiras à mobilidade.

113 113 Barreiras à Entrada: uma breve incursão ao caso Português Até bem recentemente (adesão à CEE em 1986), foi possível observar a seguinte filosofia de actuação: o Estado controlava a configuração da estrutura de mercado de modo a assegurar às firmas domésticas um nível de rendibilidade mínimo que lhes permitisse salvaguardar a sua manutenção no mercado. Que instrumentos foram utilizados para prosseguir esta estratégia ? i)A economia portuguesa estava parcialmente protegida da concorrência internacional: protecção comercial; desvalorização competitiva. ii)Até ao princípio dos anos 1960, a configuração da estrutura de mercado era determinada exogenamente pelo Estado que fixava barreiras legais à entrada consagradas pela Lei do Condicionamento Industrial.

114 114 Barreiras à Entrada: uma breve incursão ao caso Português (cont.) iii) Durante a segunda metade dos anos 1970, os instrumentos centrais da política industrial alteraram-se, mantendo o Estado um papel central na determinação das estruturas de mercado: as empresas públicas e o enquadramento legal que lhes está associado (nomeadamente, a Lei de Delimitação dos Sectores e a Lei de Bases das Empresas Públicas) constituíram, a partir daí, um dos instrumentos centrais na gestão do sistema industrial. iv) Nos sectores dominados por empresas privadas, a eficácia das barreiras à entrada era assegurada pela relevância dos custos não recuperáveis que geravam assimetrias entre as firmas entrantes e as já instaladas. Principais factores: legislação laboral, distorções nos mercados de capitais e as condições de acesso ao crédito, etc. Para além disso, a política da concorrência não era eficaz. v) A internacionalização progressiva da Economia Portuguesa e o processo da construção europeia têm vindo a alterar progressivamente este quadro.

115 115 Definições de Barreiras à Entrada Definição 1 (Demsetz) Na ausência de restrições públicas, os mecanismos competitivos eliminam os lucros de monopólio no longo prazo. Assim, no longo prazo, a inexistência de concorrência apenas pode ser devida à intervenção do Estado. Portanto, BE é toda e qualquer restrição governamental que aumente custos de produção ou bloqueie a entrada. Definição 2 (Stigler) O fundamento das BE é a assimetria entre firmas estabelecidas e potenciais entrantes quanto a condições de custos e/ou procura. Portanto, BE é o custo de produção para dados níveis de output que um potencial entrante tem que suportar, mas que não existe para firma estabelecida.

116 116 Definições de Barreiras à Entrada (cont.) Definição 3 (Bain) As Barreiras à Entrada reflectem a forma como as firmas estabelecidas podem no longo prazo elevar o preço acima dos seus custos mínimos de produção e distribuição sem atrair potenciais entrantes. A polémica em torno dos mercados contestáveis Se é verdade que a entrada de novas firmas gera efeitos competitivos que conduzem à redução dos preços, também pode acontecer que a redução da dimensão média das firmas conduza ao aumento dos custos médios A redução no excedente do produtor pode mais do que compensar o aumento do excedente do consumidor (trade-off de Williamson). Os teóricos da teoria dos mercados contestáveis (Baumol e outros), propõem uma estratégia que visa eliminar este trade-off.

117 117 A polémica em torno dos mercados contestáveis (cont.) Estes autores propõem-se criar um quadro competitivo que evite a excessiva proliferação de firmas de forma a garantir que a produção se processa à DME e que, simultaneamente, as firmas sejam impedidas de usufruir de poder de monopólio. Medidas propostas: retirar eficácia às barreiras à entrada, redução dos custos não recuperáveis (ou custos afundados, traduzindo literalmente do inglês - Sunk costs) e abolição das barreiras legais. Os custos não recuperáveis estão relacionados com o facto de haver componentes nos custos que têm uma característica muito específica e, por isso mesmo, não são recuperáveis. Um exemplo clássico são os carris ferroviários: depois de colocados no chão, o custo da extracção é superior ao valor da sucata têm um valor nulo para qualquer outra utilização.

118 Fontes de barreiras à entrada Principais fontes de Barreiras à Entrada De acordo com Bain: Economias de Escala; Diferenciação do produto; Vantagens absolutas de custos; Exigências de capital; Barreiras legais. Actualmente, existem outros factores: I&D, liderança tecnológica, propriedade intelectual, definição de standards, etc.

119 Estratégia do preço-limite Até agora apenas considerámos modelos de oligopólio simétricos, isto é, situações em que as empresas decidem simultaneamente a entrada no mercado. No entanto, são mais comuns as situações em que há empresas que já se encontram instaladas, enquanto outras contemplam a possibilidade de entrar. Esta assimetria, nos casos em que o número de intervenientes é pequeno, permite ilustrar o comportamento estratégico como barreira à entrada. Assumamos que existe uma empresa instalada (empresa 1) que escolhe a capacidade de produção. Esta empresa, inicialmente um monopolista, toma a decisão de capacidade tendo em vista a possibilidade da entrada de uma segunda empresa (empresa 2). Nesta análise, assume-se o Postulado de Sylos-Labini: qualquer que seja a capacidade fixada pela empresa instalada, a empresa entrante tem como expectativa que, verificando-se a entrada, a empresa utilizará toda a sua capacidade.

120 120 Caso 1: Modelo de Stackelberg de capacidades com custos de entrada nulos q 2 (q 1 ) q2q2 q1q1 Se os custos de entrada forem nulos, a decisão de quantidades conduz a um equilíbrio de Stackelberg típico. Tenha-se presente que

121 121 Caso 2: Modelo de Stackelberg de capacidades com custos de entrada positivos (cont.) A curva de isolucro da empresa instalada que intersecta a função de reacção da empresa entrante (empresa 2) mais a Sul é agora Tal significa que se a empresa instalada (empresa 1) decidir por uma capacidade, a estratégia óptima da empresa 2 é não entrar. Estamos, portanto, numa situação em que a entrada é bloqueada. q 2 (q 1 )

122 122 Caso 2: Modelo de Stackelberg de capacidades com custos de entrada positivos (cont.) Esta estratégia é designada por estratégia do preço limite. Tal significa que a empresa instalada fixa, ou ameaça fixar, um preço tão baixo que a segunda empresa não consegue cobrir os custos de entrada. p q Partindo da curva da procura e conhecendo a capacidade fixada pela empresa instalada, obtém-se a procura residual da empresa entrante, d 2 (q 1 ). A empresa 1 escolhe a capacidade produtiva de tal forma que a curva de procura residual seja tangente à curva de custo médio da empresa entrante,.O valor do preço resultante desta estratégia é designado por preço limite.

123 Comportamentos estratégicos no estabelecimento de barreiras à entrada a)Diferenciação do produto Propicia situações de monopólio local. Clientes fidelizados por: - Produtos exclusivos - Produtos protegidos por patentes - Efeitos cumulativos da publicidade Nesta situação, um eventual entrante tem que fixar, temporariamente, um preço abaixo da empresa diferenciadora e/ou investir em publicidade e promoção com mais intensidade que a firma estabelecida. A consequência poderá ser uma desvantagem absoluta de custos para qualquer nível de output, implicando perdas irreparáveis.

124 124 b) Vantagens absolutas de custos Trata-se de fazer investimentos em activos específicos obtendo condições de acesso preferenciais. Exemplos: -Aptidões de gestão: entrantes procuram atrair gestores e técnicos residentes, pagando-lhes salários mais elevados; -Patentes e domínio de processos: firma instalada pode ter desenvolvido tecnologia mais eficiente; o entrante, para atingir um nível de eficiência idêntico, vai investir em I&D ou paga royalties por licenciamento da tecnologia; -Acesso a matérias-primas - se a firma instalada controla matérias- primas chave, entrante poderá defrontar-se com: recusa de venda; pagamento a preço superior aos custos; tem de recorrer a substitutos inferiores;

125 125 -Fornecedores privilegiam firmas instaladas: existência de acordos de longo prazo garantindo exclusividade; existência de descontos por quantidade; -Custos de capital: maior capacidade de auto-financiamento de firmas estabelecidas; tratamento privilegiado pela banca (credibilidade); exigência de prémio de risco aos entrantes (reputação). c) Outros comportamentos estratégicos relevantes -Criação de excesso de capacidade (Bhagwati) -Proliferação de produtos ou marcas -Uso da publicidade -Prática de preços predatórios b) Vantagens absolutas de custos (cont.)

126 126 Literatura recente Vantagem do first-mover: estratégia de ocupação do terreno, reconhecimento por fornecedores e clientes (qualidade, patentes, marcas), localização nos melhores pontos de distribuição. Commitment: firmas pré-estabelecidas podem adoptar políticas que obriguem entantes a aceitar certo tipo de regras. Sunk-cost (custos não recuperáveis): uma estratégia credível poderá ser a necessidade de realizar investimentos não recuperáveis.

127 Indicadores de Barreiras à Entrada Bain (1956) foi o primeiro a enumerar os principais factores que constituem barreiras à entrada: economias de escala, desvantagens relativas de custos, exigências iniciais de capital e diferenciação do produto. Mas, enquanto Bain propôs uma avaliação qualitativa da intensidade das barreiras, Comanor e Wilson (1967) foram os primeiros a propor e a fundamentar os primeiros indicadores quantitativos das barreiras à entrada. Apresentam-se alguns exemplos seguidamente. -Dimensão do mercado – DM = VBP – Exp + Imp -Dimensão Mínima Eficiente (DME) – indicador aproximado pela produção média das firmas de maior dimensão que produzem 50% do output total.

128 128 Desvantagem Relativa dos Custos – obtém-se a partir do rácio entre os VABs por trabalhador dos subconjuntos das firmas de menor e maior dimensão. Interpretação: o incentivo para uma firma se instalar com uma tecnologia de pequena dimensão (isto é, abaixo da dimensão mínima eficiente) é tanto menor, quanto mais inclinada for a curva de custo médio à esquerda da DME. Quanto maior for a inclinação da função de custo médio, tanto menor será a proliferação de pequenas firmas nesse mercado. Indicadores de Diferenciação do Produto: proporção das despesas de publicidade nas vendas, número de marcas registadas a dividir pelo stock de capital, peso relativo dos bens de consumo no output de cada ramo (por ser neste tipo de bens que existe maior diferenciação). Bain introduziu indicadores qualitativos: qualificar a tipologia de BE (baixas, médias, elevadas) em função das características de cada indústria Indicadores de Barreiras à Entrada (cont.)


Carregar ppt "1 B. Tecnologia e Estruturas Industriais 1. Estruturas de Custos, Tecnologia e Fontes de Eficiência 1.1. Economias de escala em monoprodução 1.2. Economias."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google